Edital do Concurso Ministério Público Estadual - RS (MPE/RS) 2009

Visualizaçao do Edital do Concurso

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA
XLV CONCURSO PARA INGRESSO
À CARREIRA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO
ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL
EDITAL Nº 50/2008-PGJ
TORNO PÚBLICO, que estarão abertas, no período indicado no cronograma
abaixo, as inscrições para o concurso público de provas e tulos, do cargo de
PROMOTOR DE JUSTIÇA de entrância inicial, para o provimento de 25 vagas,
acrescidas das que vierem a ser abertas durante o prazo de eficácia deste
concurso, de acordo com as disponibilidades orçamentárias, nos termos da
legislação e normas estatutárias do MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO
RIO GRANDE DO SUL e do Regulamento do Concurso de Ingresso na
Carreira do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul (Provimento
75/2008).
CRONOGRAMA PARCIAL – FASE PRELIMINAR
Descrição da Atividade Data de realização
Período das inscrições provisórias
08/01/2009 a 06/02/2009
Último dia para pagamento da taxa de inscrição
09/02/2009
Publicação do edital com as inscrições não
consolidadas
26/02/2009
Período do pedido de reconsideração quanto a
não consolidação da inscrição provisória
02 a 06/03/2009
Aplicação da PROVA PREAMBULAR
26/04/2009
Publicação do gabarito oficial da Prova
Preambular
28/04/2009
Publicação do resultado provisório da Prova
Preambular
30/04/2009
Período do pedido de reconsideração quanto ao
gabarito oficial da Prova Preambular
04/05/2009 a 08/05/2009
Publicação do edital com a nominata definitiva
dos aprovados na Prova Preambular
19/06/2009
Período do pedido de reconsideração quanto à
nominata definitiva dos aprovados na Prova
Preambular
22 a 26/06/2009
I- DAS VAGAS E DA REMUNERAÇÃO
Total de vagas – 25
Vagas reservadas aos portadores de deficiência – 02
Vencimentos de R$ 10.993,84 (parte básica + representação mensal), nos
termos dos artigos 61 e 62 da Lei Estadual nº 6536/1973.
II- DAS FASES DO CONCURSO
O processo seletivo desdobrar-se-á nas seguintes fases:
a) fase preliminar;
b) fase intermediária;
c) fase final.
III- DOS REQUISITOS PARA INGRESSO À CARREIRA DO MINISTÉRIO
PÚBLICO
1. Ser brasileiro;
2. ser bacharel em direito;
3. estar no gozo dos direitos políticos e quite com o serviço militar;
4. ter boa conduta social e não registrar antecedentes de natureza criminal ou
cível incompatíveis com o exercício das funções ministeriais;
5. gozar de saúde física e mental;
6. possuir, no mínimo, 3 (três) anos de atividade jurídica;
7. satisfazer os requisitos estabelecidos no Regulamento do Concurso de
Ingresso na Carreira do Ministério Público (Provimento 75/2008), neste
Edital de Abertura de Concurso e nos demais editais referentes ao XLV
Concurso para Ingresso à Carreira.
IV - DA INSCRIÇÃO PROVISÓRIA
1. A inscrição do candidato implicará o conhecimento das presentes
disposições e a tácita aceitação das condições do Concurso, tais como se
acham estabelecidas neste Edital e nas normas legais pertinentes, bem como
em eventuais aditamentos, comunicados e instruções específicas para a
realização do concurso, acerca das quais não poderá alegar desconhecimento.
2. Objetivando evitar ônus desnecessário, o candidato deverá recolher o valor
da taxa de inscrição somente após tomar conhecimento de todos os requisitos
e condições exigidas para o Concurso.
3. A inscrição ao Concurso será efetuada exclusivamente via Internet, no
período de 08/01/2009 a 06/02/2009, até às 20 horas (horário de Brasília), de
acordo com as seguintes orientações:
3.1 acessar o endereço eletrônico www.mp.rs.gov.br/concurso durante o
período de inscrições;
3.2 ler atentamente o Edital de Abertura do Concurso e o Formulário Eletrônico
de Inscrição;
3.3 preencher o Formulário Eletrônico de Inscrição e transmitir os dados via
Internet;
3.4 imprimir o boleto bancário para pagamento do valor da taxa de inscrição;
3.5 efetuar o pagamento da taxa de inscrição por meio do boleto bancário,
pagável em qualquer agência bancária, no valor de R$ 151,71 (cento e
cinquenta e um reais com setenta e um centavos), até a data limite de
09/02/2009;
3.6 em caso de feriado ou evento que acarrete o fechamento das agências
bancárias na localidade em que se encontra o candidato, o boleto deverá ser
pago antecipadamente.
4. A partir de 16/02/2009, o candidato deverá conferir, no endereço eletrônico
www.mp.rs.gov.br/concurso , a regularidade do registro dos dados da inscrição
e do recolhimento do valor da taxa de inscrição. Detectando irregularidade, o
candidato deverá entrar em contato com a Unidade de Concursos Públicos do
MP-RS, pelo fone (51)3295-8166, ou e-mail : concursos@mp.rs.gov.br
5. O candidato terá sua inscrição provisória consolidada somente após a
confirmação do pagamento do valor da taxa de inscrição pelo Banco.
6. Serão tornadas sem efeito as solicitações de inscrição via Internet, cujos
pagamentos forem efetuados após o dia 09/02/2009, não sendo devido ao
candidato qualquer ressarcimento da importância paga extemporaneamente.
7. Não se exigirá do candidato, no momento da inscrição provisória, a
apresentação dos documentos comprobatórios dos requisitos exigidos no
Capítulo III, sendo de sua exclusiva responsabilidade o atendimento das
condições e a veracidade dos dados informados no ato da inscrição, sob as
penas da lei.
8. O Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul não se responsabiliza
por solicitações de inscrições via Internet não recebidas por motivos de ordem
técnica dos computadores, falhas de comunicação, congestionamento das
linhas de comunicação, bem como outros fatores de ordem técnica que
impossibilitem a transferência de dados.
9. Não serão aceitas inscrições paga por depósito em caixa eletrônico, via
postal, fac-símile (fax), transferência ou depósito em conta corrente, ordem de
pagamento, condicionais e/ou extemporâneas ou por qualquer outra via que
não a especificada neste Edital.
10. O descumprimento das instruções para inscrição provisória implicará a sua
não consolidação.
11. Após o encerramento do período das inscrições provisórias, será divulgado
edital contendo as inscrições não consolidadas e a respectiva motivação. Da
não consolidação da inscrição caberá pedido de reconsideração, que deverá
ser apresentado do dia 02 ao dia 06 de março de 2009, mediante requerimento
dirigido ao Presidente da Comissão, e entregue à Comissão Executiva do
Concurso no local e horário indicados no respectivo edital.
12. Não serão aceitos pedidos de inscrições, e ou pedidos de reconsideração a
não consolidação da inscrição provisória, por via postal, fax ou e-mail.
V DA INSCRIÇÃO PROVISÓRIA PARA OS CANDIDATOS PORTADORES
DE DEFICIÊNCIA
1. As pessoas portadoras de deficiência que pretendam fazer uso das
prerrogativas que lhes são facultadas no inciso VIII do artigo 37 da
Constituição Federal é assegurado o direito de inscrição para o cargo em
Concurso Público, cujas atribuições sejam compatíveis com a deficiência de
que são portadores.
2. Em cumprimento ao disposto no art. 7º, da Lei Estadual nº. 6536, de 31 de
janeiro de 1973, e alterações posteriores, ser-lhes-á reservado o percentual de
5% (cinco por cento) das vagas existentes e das que vierem a surgir ou forem
criadas no prazo de eficácia do concurso, arredondando para o número inteiro
seguinte, caso fracionário, o resultado da aplicação do percentual indicado.
3. Consideram-se pessoas portadoras de deficiência aquelas que se
enquadram nas categorias mencionadas no artigo 4º do Decreto Federal
3.298/1999 e suas alterações.
4. Os candidatos portadores de deficiência, resguardadas as disposições
especiais previstas no Regulamento deste Concurso, no Decreto Federal
3.298/1999 e suas alterações, particularmente em seu artigo 40, participarão
do concurso em igualdade de condições com os demais candidatos no que se
refere à data, ao horário de início, ao local de aplicação, ao conteúdo e a
avaliação das provas; aos critérios de aprovação; as notas e dias mínimas;
ao posicionamento na classificação geral para fins de escolha das vagas de
lotação e a todas as demais normas de regência do Concurso.
5. O candidato deverá declarar, quando da inscrição provisória, ser portador de
deficiência, indicando-a no Formulário Eletrônico de Inscrição e, até o dia
12/02/2009, deverá encaminhar via SEDEX ou Aviso de Recebimento (AR), ao
Ministério blico - Unidade de Concursos Públicos - Concurso para Ingresso
à Carreira do MP- Ref. Laudo Médico - Rua Gen. Andrade Neves 106, 14º
andar- Porto Alegre- RS- CEP 90010-210, o relatório médico detalhado,
original e expedido no prazo máximo de 90 (noventa) dias antes da data do
término das inscrições, que contenha o tipo e o grau ou nível da deficiência de
que é portador, com a respectiva descrição e enquadramento na Classificação
Internacional de Doenças (CID), e a sua provável causa ou origem. Ao Laudo
Médico deverão ser anexadas as seguintes informações: nome completo,
número do documento de identidade (RG), número do CPF e número do
telefone para contato.
6. O candidato portador de deficiência, caso necessite de algum atendimento
e/ou condição especial para a realização da prova, deverá solicitá-lo, por
escrito, na forma do item 5, deste Capítulo, até a data de 12/02/2009.
7. Os candidatos que não atenderem ao disposto no item 6, deste Capítulo,
não terão o atendimento e/ou condição especial para a realização das provas.
8. O atendimento às condições solicitadas ficará sujeito à análise, pela
Comissão do Concurso, da legalidade, viabilidade e razoabilidade do pedido.
9. O candidato portador de deficiência que necessitar de tempo adicional
para a realização das provas, além do envio da documentação indicada no
item 5 deste Capítulo, deverá encaminhar solicitação por escrito, aa data de
12/02/2009, com justificativa acompanhada de parecer emitido por especialista
da área de sua deficiência.
10. O candidato que solicitar prova especial ampliada deverá indicar o
tamanho da fonte de sua prova ampliada, entre 18, 24 ou 28. Não havendo
indicação do tamanho da fonte, a prova será confeccionada em fonte 24.
11. Os candidatos que não atenderem aos dispositivos mencionados nos itens
5 e 6 deste Capítulo, ou não contendo no relatório médico as informações
indicadas, o requerimento de inscrição provisória será processado como
candidato não portador de deficiência mesmo que declarada tal condição.
12. O laudo médico de que trata o item 5 deste Capítulo apresentado pelo
candidato terá validade somente para fins de inscrição provisória deste
Concurso Público e não será devolvido.
13. Após a investidura do candidato, a deficiência o poderá ser argüida para
justificar a concessão de aposentadoria.
VI – DA FASE PRELIMINAR - PROVA PREAMBULAR
1. A PROVA PREAMBULAR, com caráter eliminatório, compreenderá a
resolução de 100 (cem) questões objetivas, sendo 70 (setenta) de
Conhecimento Jurídico e 30 (trinta) de Língua Portuguesa, versando sobre os
conteúdos programáticos relacionados no ANEXO 1 do presente Edital.
2. A PROVA PREAMBULAR será aplicada no dia 26 de abril de 2009
(domingo). Os candidatos serão avisados, por meio de edital publicado no
Diário Eletrônico do Ministério Público e em jornal de grande circulação no
Estado, com antecedência mínima de 10 (dez) dias, sobre a hora, local e
tempo de duração da PROVA PREAMBULAR.
3. Durante a PROVA PREAMBULAR não será permitida qualquer espécie
de consulta, ou comunicação entre os candidatos, nem o uso de qualquer tipo
de aparelho eletrônico ou de comunicação (bip, telefone celular, relógios
digitais, walkman, agenda eletrônica, notebook, palmtop, receptor, gravador ou
outros equipamentos similares), bem como protetores auriculares, livros,
códigos, manuais, impressos ou quaisquer anotações.
4. O gabarito (respostas admitidas como corretas) e o resultado provisório
obtido pelos candidatos na prova preambular, serão publicados por meio de
edital, respectivamente nos dias 28/04/2009 (terça-feira) e 30/04/2009 (quinta-
feira).
5. Os candidatos poderão interpor pedido de reconsideração por
inconformidade com o gabarito da PROVA PREAMBULAR, no prazo de 05
(cinco) dias, do dia 04 até o dia 08 de maio de 2009. Caso interposto por
procurador, deverá ser acompanhado de mandato (sem necessidade de firma
reconhecida) contendo poderes e finalidade específicos.
6. O pedido de reconsideração, fundamentado, deverá ser entregue no local
indicado pelo edital de divulgação do gabarito, datilografado ou digitado em
papel sulfite, na cor branca, formato A-4, texto na cor preta, SEM QUALQUER
SINAL IDENTIFICADOR do candidato e separado por QUESTÃO, sendo
acompanhado pela petição “Pedido de Reconsideração à Prova Preambular”
(ver ANEXO 2), tudo em duas vias.
7. A nominata definitiva dos candidatos aprovados na prova preambular será
obtida a partir do resultado do julgamento dos pedidos de reconsideração ao
gabarito da prova preambular. Esta nominata será publicada no dia
19/06/2009, por meio de edital.
8. Serão considerados aptos a prosseguir no concurso os candidatos que
obtiverem, no mínimo, 50% (cinqüenta por cento) de acertos em cada um dos
conteúdos da prova preambular -Conhecimento Jurídico e Língua Portuguesa-
e que estiverem listados a a 20 (ducentésima) posição na lista de
classificação geral.
9. No caso de haver empate na soma dos acertos correspondente à 200º
(ducentésima) posição, todos os candidatos que se encontrarem nesta
situação estarão aptos a prosseguir no concurso.
10. Serão considerados aptos a prosseguir no concurso os candidatos
portadores de deficiência que obtiverem no mínimo, 50% (cinqüenta por cento)
de acertos em cada um dos conteúdos da prova preambular -Conhecimento
Jurídico e Língua Portuguesa- e que estiverem listados a a 50.ª
(qüinquagésima) posição na lista de classificação especial.
11. No caso de haver empate na soma dos acertos correspondente a 50.ª
(qüinquagésima) posição, todos os candidatos que se encontrarem nessa
situação estarão aptos a prosseguir no concurso.
12. Os candidatos não relacionados no edital referido no item 7 deste Capítulo
terão o prazo de 05 (cinco) dias, para apresentarem pedido de reconsideração,
endereçado ao Presidente da Comissão do Concurso por meio de petição,
acompanhado das respectivas razões.
VII – DA FASE INTERMEDIÁRIA - PROVAS DISCURSIVAS
1. A fase intermediária consistirá na aplicação de PROVAS DISCURSIVAS, de
caráter eliminatório, abrangendo os conhecimentos jurídicos constantes no
ANEXO 1.
2. As PROVAS DISCURSIVAS abrangem os seguintes agrupamentos
disciplinares:
GRUPO TEMÁTICO I - Direito Constitucional, Direito Administrativo, Direito
Municipal, Direito Eleitoral, Direito Financeiro e Direito Tributário.
GRUPO TEMÁTICO II - Direito Civil, Direito Processual Civil, Direito Registral e
Direito de Empresa.
GRUPO TEMÁTICO III – Direito Penal e Direito Processual Penal.
GRUPO TEMÁTICO IV – Direito Institucional do Ministério Público, Direito
Ambiental, Direito do Consumidor, Direito da Criança e do Adolescente, Direito
do Idoso, Direito das Pessoas Portadoras de Deficiência e Direito Urbanístico.
3. Cada PROVA DISCURSIVA corresponde a um respectivo grupo temático e
consistirá de questões teóricas e/ou práticas, a critério do examinador da
respectiva disciplina, com tempo mínimo de duração de 04 (quatro) horas.
4. As PROVAS DISCURSIVAS poderão ser realizadas em dias de sábado,
domingo, feriado, ou ainda em dias de semana no turno da noite.
5. Durante a realização das PROVAS DISCURSIVAS apenas será permitido ao
candidato consulta a textos legais não comentados ou anotados.
5.1. Somente será permitida consulta à legislação NÃO
COMENTADA/ANOTADA, sendo VEDADAS QUAISQUER anotações feitas
nos textos legais.
5.2.Será permitida consulta às súmulas.
5.3.Será permitida a utilização de legislação com texto sublinhado ou
destacado com caneta “marca-texto”.
5.4. Não será permitida a utilização de material impresso obtido por intermédio
da Internet.
5.5. Durante a Prova Discursiva não será permitida qualquer comunicação
entre os candidatos, nem o uso de qualquer tipo de aparelho eletrônico ou de
comunicação (bip, telefone celular, relógios digitais, walkman, agenda
eletrônica, notebook, palmtop, receptor, gravador ou outros equipamentos
similares), bem como protetores auriculares.
5.6. A constatação de violação das regras acima listadas acarretará ao infrator
sua imediata e sumária exclusão do concurso.
6. A prova discursiva destina-se a avaliar os conhecimentos técnicos-jurídicos,
considerando os conteúdos apresentados no ANEXO 1, e ainda a capacidade
de expressão escrita do candidato com a demonstração do domínio correto da
norma padrão da Língua Portuguesa e das suas estruturas. Serão utilizados os
seguintes critérios para a avaliação e pontuação da prova:
6.1 Conhecimento Técnico-Jurídico: desenvolver o tema jurídico proposto com
clareza e lógica na exposição das idéias. Este pico valerá de 0 (zero) a 80%
(oitenta por cento) do total de pontos previstos, por questão.
6.2. Domínio correto da norma padrão da Língua Portuguesa e das suas
estruturas (adequação vocabular, ortografia, morfologia, sintaxe e pontuação).
Este tópico valerá de 0 (zero) a 20% (vinte por cento) do total de pontos
previstos, por questão.
7. Será atribuída nota ZERO à questão da Prova Discursiva que:
7.1. for escrita a lápis, em parte ou na sua totalidade;
7.2. apresentar letra ilegível e/ou incompreensível;
7.3. deixar de enfrentar o tema jurídico proposto.
8. Será considerado apto a prosseguir no certame o candidato que obtiver
média igual ou superior a 6,00 (seis) nas PROVAS DISCURSIVAS, excluído
aquele que, em qualquer uma das provas, obtiver grau inferior a 5,00 (cinco).
9. A nominata dos candidatos aprovados nesta fase intermediária será
publicada por meio de edital, podendo os candidatos obter vista das provas e
interpor pedido de reconsideração, no prazo de 5 (cinco) dias, conforme as
datas indicadas no edital.
10. O pedido de reconsideração, fundamentado, deverá ser entregue no local
indicado pelo edital, datilografado ou digitado em papel sulfite, na cor branca,
formato A-4, texto na cor preta, SEM QUALQUER SINAL IDENTIFICADOR do
candidato e separado por QUESTÃO, sendo acompanhado pela petição
“Pedido de Reconsideração à Prova Discursiva” (ver ANEXO 2), tudo em duas
vias.
11. A interposição de pedido de reconsideração, quando realizada por
procurador do candidato, deverá ser acompanhada de mandato (sem
necessidade de firma reconhecida) contendo poderes e finalidade específicos.
12. A nominata definitiva dos candidatos aprovados na prova discursiva será
obtida a partir do resultado do julgamento dos pedidos de reconsideração.
Essa nominata será publicada por meio de edital.
VIII – DA INSCRIÇÃO DEFINITIVA – ENTREGA DE DOCUMENTOS
1. Os candidatos aprovados na FASE INTERMEDIÁRIA disporão de 5 (cinco)
dias, no horário e local a serem indicados pelo edital de convocação, para
entregar a seguinte documentação comprobatória dos requisitos para ingresso
à carreira do Ministério Público:
1.1. Requerimento dirigido ao Procurador-Geral de Justiça, em formulário a ser
fornecido no local da inscrição (ver dados necessários no ANEXO 3),
acompanhado de mandato (sem necessidade de firma reconhecida) contendo
poderes e finalidade específicos, caso entregue por procurador;
1.2. uma fotografia tamanho 3 X 4 (recente e sem uso);
1.3. cópia autenticada da cédula de identidade;
1.4. cópia autenticada do diploma de Bacharel em Direito, este devidamente
registrado, ou “Atestado de Conclusão de Curso” em que conste a expressão
“colou grau em dd/mm/aaaa”;
1.5. histórico pessoal, datilografado ou digitado, em no máximo três laudas,
onde deve constar o relato de dados referentes à vida pregressa e atual; vel
de aspiração profissional; razões que levaram o candidato a inscrever-se no
concurso; exercício da advocacia (ramo que exerce, quanto tempo, ramo de
sua preferência); outras atividades que exerce ou exerceu; renda mensal
média (própria e/ou familiar);
1.6. folhas-corridas da justiça comum (estadual e federal) e da justiça militar
(estadual e federal), expedidas por órgãos com jurisdição no(s) local(ais) de
residência do candidato, nos últimos 5 (cinco) anos (as certidões deverão
abranger ações penais e cíveis em que os candidatos sejam, ou tenham sido,
partes ou intervenientes);
1.7. atestado de antecedentes das polícias estadual e federal, se o candidato
houver residido em outro Estado da Federação nos últimos 5 (cinco) anos;
1.8. prova de quitação das obrigações eleitorais, através de atestado fornecido
pela justiça eleitoral;
1.9. prova de quitação das obrigações militares, através de certificado de
reservista ou documento equivalente;
1.10. documentos comprobatórios de, no mínimo, 3 (três) anos de atividade
jurídica, contados até a data final do prazo de inscrição definitiva, a serem
entregues os originais (sem devolução) ou cópias autenticadas.
2. Os documentos solicitados nos itens: 1.6, 1.7 e 1.8, somente serão
considerados com data de expedição, de no máximo, 60 (sessenta) dias
anteriores à data de início de entrega da documentação.
3. Para fins de análise da documentação e contagem do tempo de exercício
(item 1.10), este concurso considerará como atividade jurídica as seguintes
situações, comprovadas por certidão do respectivo órgão ou por outro meio
idôneo:
a- exercício da advocacia (postulação perante o Poder Judiciário ou
desempenho de atividades jurídicas de consultoria, assessoria ou direção, com
inscrição na OAB, como advogado);
b- exercício de magistério superior em disciplina privativa de bacharel em
Direito;
c- exercício de cargo, emprego ou função pública, com atuação na área
jurídica;
d- cursos de pós-graduação na área jurídica, desde que integralmente
concluídos com aprovação, realizados pelas Escolas do Ministério Público, da
Magistratura e da Ordem dos Advogados, funcional ou associativa,
reconhecidos pelas respectivas instituições, bem como os cursos de s-
graduação na área jurídica reconhecidos, autorizados ou supervisionados pelo
Ministério da Educação.
3.1 Considera-se atividade jurídica a que foi desempenhada exclusivamente
após a obtenção do grau de bacharel em Direito.
3.2 Não serão considerados, para efeitos de tempo de atividade jurídica, o
período de simultaneidade/concomitância de mais de uma atividade, hipótese
que somente uma delas será considerada.
IX – DA INSCRIÇÃO DEFINITIVA – EXAMES DE SAÚDE FÍSICA E MENTAL
1. Os candidatos aprovados na FASE INTERMEDIÁRIA serão convocados, por
edital, a comparecer no Serviço Biomédico da Procuradoria-Geral de Justiça
para a realização de exames de saúde física e mental.
2. Os candidatos convocados para realização dos exames deverão
providenciar os seguintes exames de saúde, a serem entregues na data de sua
entrevista com os peritos:
- Uma radiografia odontológica panorâmica;
- Quatro radiografias interproximais (pré-molares e molares Direitos e
Esquerdos);
- Exames de sangue: glicemia de jejum, creatinina, gama-gt, TGO, TGP,
hemograma, plaquetas, tipagem sangüínea, fator Rh e VDRL;
- Exame Qualitativo de Urina (E.Q.U.);
Para todos os candidatos com mais de 50 (cinqüenta) anos:
-Eletrocardiograma em repouso (E.C.G.).
Para as candidatas do sexo feminino:
- Laudo ginecológico com menção específica ao exame preventivo de
colo uterino e de mamas, realizado dentro de 12 meses anteriores ao
exame de ingresso;
- A amostra para o exame qualitativo de urina deverá ser coletada três
dias antes do início ou três dias depois de cessado o fluxo menstrual
.
Para os candidatos com patologias oculares:
- laudo oftalmológico com menção específica ao(s) diagnóstico(s),
acuidade visual com e sem correção, e progstico, realizado até no
máximo 180 (cento e oitenta) dias antes da data de publicação do edital
que convoca para os Exames de Saúde Física e Mental.
Para os candidatos portadores de deficiência ou qualquer alteração de saúde:
- trazer todos os documentos médicos que documentem o problema
(exames, laudos médicos detalhados, etc.).
2.1. Outros exames poderão ser solicitados pelo perito conforme a
necessidade.
2.2. Somente serão válidas radiografias e exames realizados até, no máximo,
60 (sessenta) dias antes da data de publicação do edital que convoca para os
Exames de Saúde Física e Mental.
3. O candidato que não entregar algum dos exames solicitados no item 2 deste
Capítulo, ou não comparecer, sem justa causa, ,à entrevista com os peritos, ou
ainda deixar de comparecer no prazo suplementar concedido pela Comissão
do Concurso, não terá convertida em definitiva sua respectiva inscrição
provisória.
X - DA INSCRIÇÃO DEFINITIVA EXAMES DE SAÚDE FÍSICA E MENTAL
PARA CANDIDATOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA
1. Além dos procedimentos previstos no capítulo anterior, o candidato portador
de deficiência seconvocado a submeter-se à avaliação a ser realizada pela
Comissão Especial de Avaliação, objetivando verificar se a sua deficiência se
enquadra na previsão do artigo e seus incisos do Decreto Federal nº
3.298/1999 e suas alterações, assim como, se compatibilidade da
deficiência com o exercício das atribuições do cargo.
2. A Comissão Especial de Avaliação será composta por 3 (três)
Procuradores de Justiça integrantes do Ministério Público, presidida pelo mais
antigo, e por 3 (três) profissionais capacitados e atuantes nas diversas áreas
de deficiência, sendo pelo menos 1 (um) deles médico, preferencialmente
integrantes do Quadro de Pessoal da Procuradoria-Geral de Justiça Serviços
Auxiliares do Ministério Público, e escolhidos pelo Conselho Superior, sendo
divulgada sua composição por meio de edital.
3. Caso a Comissão Especial de Avaliação concluir pela não-qualificação do
candidato como portador de deficiência, tornar-se-á sem efeito a opção de que
trata o item 1 do capítulo V, permanecendo a figurar na lista de classificação
geral, observado o disposto nos itens 8 e 9 do Cap. VI, salvo má-fé, hipótese
na qual será declarado eliminado do concurso.
4. Verificada a incompatibilidade entre a deficiência e as atribuições do cargo
postulado, o candidato será eliminado do concurso.
5. Da conclusão pela não-qualificação do candidato como portador de
deficiência ou pela incompatibilidade da deficiência com as atribuições do
cargo, o candidato poderá pedir reconsideração, no prazo de 5 (cinco) dias, à
Comissão Especial de Avaliação, que é a única instância competente para
deliberar sobre tais pedidos.
XI DA INSCRIÇÃO DEFINITIVA DA CONVERSÃO DA INSCRIÇÃO
PROVISÓRIA EM DEFINITIVA
1. Após a entrega da documentação, e a realização dos exames de saúde de
que tratam os capítulos IX e X, os candidatos serão entrevistados,
individualmente, por membro do Conselho Superior do Ministério Público,
sobre sua vida pregressa e conduta social e moral.
2. A convocação para a entrevista será feita por intermédio de edital.
3. O Procurador-Geral de Justiça adotará as providências necessárias para
eventual exame, pela Comissão do Concurso ou pelo Conselho Superior do
Ministério Público, dos autos criminais ou veis em que figurem os candidatos
como partes ou intervenientes.
4. A Comissão do Concurso terá ampla autonomia para requisitar de quaisquer
fontes, as informações necessárias e, quando for o caso, ampliar as
investigações, estabelecendo, se assim deliberar, prazo para explicações
escritas.
5. Em sessão pública, com data e local divulgado por meio de edital, à vista
dos elementos de informações a então colhidos e da documentação
entregue, o Conselho Superior do Ministério Público decidirá,
fundamentadamente, a respeito da homologação da inscrição definitiva dos
candidatos.
6. A nominata dos candidatos cuja inscrição definitiva tenha sido homologada
pelo Conselho Superior do Ministério Público, será publicada, por meio de
edital.
7. Os candidatos não relacionados conforme o item anterior, terão o prazo de 5
(cinco) dias, conforme as datas indicadas no edital, para apresentarem pedido
de reconsideração.
XII – DA FASE FINAL - PROVAS ORAIS
1. Os candidatos habilitados a participarem das PROVAS ORAIS, serão
convocados por meio de edital, com antecedência mínima de 5 (cinco) dias.
2. As PROVAS ORAIS, de caráter eliminatório, serão realizadas em sessões
públicas, e registradas em gravação de áudio e vídeo ou por qualquer outro
meio que possibilite a sua posterior reprodução.
3. As PROVAS ORAIS consistirão na argüição de Conhecimentos Jurídicos,
abrangendo o programa e disciplinas a que se refere o ANEXO 1.
4. As PROVAS ORAIS serão aplicadas pelos integrantes da Comissão do
Concurso, e os pontos serão sorteados na presença do candidato examinado .
4.1. A argüição em cada PROVA ORAL não excederá a 15 (quinze) minutos,
sendo vedada ao candidato qualquer tipo de consulta durante a argüição.
4.2. O grau de cada PROVA ORAL, será atribuído pelo examinador, numa
escala de 0 (zero) a 10 (dez).
4.3. A correção de linguagem será avaliada na atribuição das notas das provas
orais.
4.4. O grau final das PROVAS ORAIS corresponderá à média aritmética das
provas orais; considerar-se-á aprovado e portanto apto a prosseguir no
concurso o candidato que obtiver, no mínimo, média 6,00 (seis).
5. A nominata dos candidatos aprovados nas PROVAS ORAIS será publicada
por meio de edital, ficando assegurado ao candidato acesso à gravação das
suas PROVAS ORAIS, podendo pedir reconsideração fundamentada, no prazo
de 5 (cinco) dias a partir da data indicada em edital.
XIII – DA FASE FINAL - PROVA DE TRIBUNA
1. A PROVA DE TRIBUNA, com a duração de 15 (quinze) minutos, versará
sobre tema(s) de DIREITO PENAL, cujo ponto será sorteado publicamente na
presença do candidato e com antecedência de igual tempo, dentre aqueles
relacionados no programa de Direito Penal no ANEXO 1.
2. A PROVA DE TRIBUNA, de caráter eliminatório, será realizada em sessão
pública, e registrada em gravação de áudio e vídeo ou por qualquer outro meio
que possibilite a sua posterior reprodução.
3. O grau da PROVA DE TRIBUNA corresponderá à média aritmética das
notas de 0 (zero) a 10 (dez), atribuídas pelos examinadores componentes da
Comissão do Concurso, conforme critérios a serem publicados em edital.
4. A PROVA DE TRIBUNA será realizada em data e local divulgados por edital.
5. Considerar-se-á aprovado na PROVA DE TRIBUNA, e portanto apto a
prosseguir no concurso, o candidato que obtiver média igual ou superior a 6,00
(seis).
6. É assegurado ao candidato o acesso à gravação da sua PROVA DE
TRIBUNA, podendo pedir reconsideração fundamentada, no prazo de 5 (cinco)
dias, a partir da data indicada em edital.
XIV – DA FASE FINAL - PROVA DE TÍTULOS
1. Divulgado o resultado definitivo da PROVA DE TRIBUNA, deverão os
candidatos aprovados, no prazo de 5 (cinco) dias, apresentar os títulos.
Os documentos comprobatórios dos títulos deverão ser entregues
acompanhados da “Relação de Documentos para a Prova de Títulos” (ver
modelo ANEXO 4) que deverá ser apresentada, digitada ou datilografada, em
duas vias.
2. Serão valorados os seguintes títulos:
2.1.Formação acadêmica:
2.1.1. Curso de pós-graduação em Direito:
a) Especialização, valor máximo: 1,0 (um) ponto;
b) Mestrado, valor máximo: 2,0 (dois) pontos;
c) Doutorado, valor máximo: 3,0 (três) pontos.
2.1.2. Curso de preparação à carreira do Ministério Público, realizado na
Fundação Escola Superior do Ministério blico do Rio Grande do Sul, com
carga horária não inferior a 700 (setecentas) horas-aula, valor máximo: 2,0
(dois) pontos;
2.1.3. Curso de preparação à carreira do Ministério Público, realizado na
Fundação Escola Superior do Ministério blico do Rio Grande do Sul, com
carga horária não inferior a 400 (setecentas) horas-aula, valor máximo: 1,0
(um) ponto;
2.1.4. Curso de preparação à Magistratura, com carga horária não inferior a
700 (setecentas) horas-aula, valor máximo: 1,5 (um vírgula cinco) ponto;
2.1.5. Curso de extensão realizado pela Fundação Escola Superior do
Ministério Público em convênio com Universidades ou Faculdades do Interior
do Estado, com um mínimo de 360 (trezentas e sessenta) horas/aula, valor
máximo: 1,0 (um) ponto;
2.1.6. Curso de aperfeiçoamento universitário na área jurídica, realizado em
Universidades, Faculdades ou Escolas Superiores do Ministério blico,
Magistratura, Defensoria Pública ou Advocacia Pública, com um nimo de
180 (cento e oitenta) horas/aula, com aproveitamento, valor máximo: 0,6 (zero
vírgula seis) ponto;
2.1.7. Láurea Universitária no Curso de bacharelado em Direito, valor máximo:
1,5 (um vírgula cinco) ponto.
2.2. Produção científica:
Obras jurídicas publicadas, de autoria única, consideradas, se mais de uma, no
seu conjunto, valor máximo: 1,0 (um) ponto;
2.3. Outros Títulos:
a) exercício de cargo na carreira do Ministério Público ou da
Magistratura: - superior a 2 (dois) anos, valor: 3,0 (três) pontos; - superior a 1,0
(um) ano, valor: 1,5 (um vírgula cinco) ponto;
b) exercício efetivo no cargo de Pretor, superior a 2 (dois) anos, valor:
1,0 (um) ponto;
c) exercício da advocacia, permanente e habitual, por mais de 1,0 (um)
ano. Comprovado por no mínimo 1(uma) certidão cartorária a cada semestre
de atuação, valor máximo: 1,0 (um) ponto;
d) exercício efetivo do Magistério Jurídico Superior, admitido mediante
concurso público, por mais de 1,0 (um) ano, valor máximo: 1,5 (um vírgula
cinco) ponto;
e) exercício efetivo do Magistério Jurídico Superior, admitido por outro
critério, por mais de 1,0 (um) ano, valor: 0,5 (zero vírgula cinco) ponto;
f) aprovação em concurso público, para as carreiras do: Ministério
Público, Magistratura, Defensoria Pública ou Advocacia Pública desde que
este título não tenha sido utilizado nos itens anteriores, valor: 1,0 (um) ponto;
g) exercício efetivo de cargo jurídico, privativo para bacharéis em
Ciências Jurídicas e Sociais, admitido mediante concurso público, por mais de
1,0 (um) ano, valor máximo: 1,0 (um) ponto;
h) exercício efetivo de estágio junto a Órgão do Ministério Público,
admitido por ato do Procurador-Geral de Justiça, conforme art. 24 da Lei
7669/1982, ou de acordo com Convênio firmado entre o Ministério Público e
Faculdades de Direito, ou realizado através da Fundação de Desenvolvimento
de Recursos Humanos, pelo prazo mínimo de 1 (um) ano, valor: 0,5 (zero
vírgula cinco) ponto;
3. Certificados de mera freqüência não serão valorados.
4. Não são cumuláveis, entre si, os títulos arrolados nos subitens 2.1.2, 2.1.3,
2.1.4 e 2.1.5 do item 2.1, e os arrolados no item 2.3. Considerar-se-á, nestes
casos, somente o título de maior graduação.
5. Sendo a PROVA DE TÍTULOS de caráter meramente classificatório, o grau
do candidato partirá da nota mínima 6,00 (seis), sendo a pontuação computada
até atingir o limite máximo de 10 (dez) pontos (grau 10,00).
6. Os títulos serão apresentados sob a forma original, acompanhados por
cópia, e após a conferência serão devolvidos ao candidato que, do resultado
do julgamento, poderá pedir reconsideração fundamentada, no prazo de 5
(cinco) dias, a partir da data indicada em edital.
XV - CÁLCULO DA MÉDIA FINAL
1. Encerradas as provas, a Comissão do Concurso, julgará o concurso,
calculando a média final dos candidatos que foram considerados aptos em
todas as etapas do concurso, utilizando os seguintes pesos:
Média das Provas Discursivas: peso 10 (dez)
Média das Provas Orais: peso 5 (cinco)
Média da Prova de Tribuna: peso 4 (quatro)
Resultado da Prova de Títulos: peso 1 (um)
2. Considerar-se-á aprovado o candidato que obtiver média ponderada igual ou
superior a 6,00 (seis).
3. A nominata dos aprovados será divulgada por meio de edital, podendo os
candidatos pedir reconsideração fundamentada, no prazo de 5 (cinco) dias,
contados a partir das datas indicadas no mesmo edital.
4. Todos os cálculos descritos neste Edital, relativos aos resultados das
provas, serão realizados com duas casas decimais, arredondando-se para
cima sempre que a terceira casa decimal for maior ou igual a cinco.
XVI - DA HOMOLOGAÇÃO DO CONCURSO
1. Julgados os pedidos de reconsideração e publicado o seu resultado, o
concurso será homologado pelo Conselho Superior do Ministério Público, que
determinará a publicação do "Edital de Homologação do Concurso", constando
a ordem de classificação dos candidatos aprovados.
2. Em caso de empate, preferir-se-á, sucessivamente, aquele que tiver obtido
melhor média nas provas discursivas, nas provas orais, na prova de tribuna e
melhor resultado na prova de títulos, e ainda persistindo o empate, preferir-se-
á o de idade mais elevada.
3. Não existindo suficiente número de candidatos portadores de deficiência
aprovados ao preenchimento das vagas reservadas, estas serão providas
pelos candidatos da lista de classificação geral, com estrita observância da
ordem de classificação.
XVII - DO PRAZO DO CONCURSO
1. O concurso terá a eficácia de 2 (dois) anos, a contar da publicação do Edital
de Homologação do Concurso, ocorrendo a caducidade antes desse prazo
para o candidato que recusar a nomeação sem justo motivo.
2. Na hipótese de recusa por motivo considerado justo, devidamente
comprovado e aceito pelo Conselho Superior do Ministério Público, o candidato
passará para o último lugar na lista de classificação.
XVIII - DA NOMEAÇÃO
A nomeação dos candidatos aprovados será feita na forma do Estatuto do
Ministério Público.
XIX- DAS DISPOSIÇÕES GERAIS
1. A inscrição implicará o reconhecimento, por parte do candidato, das
presentes instruções e aceitação das condições deste Concurso.
2. Até a homologação do concurso qualquer candidato poderá dele ser
excluído se verificado pela Comissão do Concurso motivo relevante, cabendo a
deliberação ao Conselho Superior do Ministério Público, para o qual caberá
pedido de reconsideração, com efeito suspensivo.
3. Poderá também ser excluído, até a homologação do concurso, qualquer
candidato que:
3.1. omitir, dados relevantes à sindicância de sua vida pregressa;
3.2. fizer uso, durante a realização da prova preambular, das provas
discursivas e das provas orais de quaisquer textos ou materiais de doutrina e
jurisprudência vedados por este edital.
4. Após o início das provas, sob hipótese alguma será permitido o ingresso nas
salas de candidatos retardatários.
5. A candidata lactante que necessitar amamentar durante a realização da
prova podefazê-lo em sala reservada para tanto, desde que o requeira, para
adoção das providências necessárias.
5.1 Não haverá compensação do tempo de amamentação em favor da
candidata.
5.2 A criança deverá permanecer no ambiente reservado para amamentação,
acompanhada de adulto responsável por sua guarda (familiar ou terceiro
indicado pela candidata).
5.3 Nos horários previstos para amamentação, a candidata lactante poderá
ausentar-se temporariamente da sala de prova, acompanhada de uma fiscal.
5.4 Na sala reservada para amamentação, ficarão somente a candidata
lactante, a criança e uma fiscal, sendo vedada a permanência de babás ou
quaisquer outras pessoas que tenham grau de parentesco ou de amizade com
a candidata.
6. As questões formuladas nas provas do concurso observarão os atos
normativos vigentes à época de sua realização, devendo os candidatos
atentar, se for o caso, aos conflitos de direito intertemporal.
7. Os pedidos de reconsideração não serão conhecidos se:
a. interpostos fora do prazo;
b. não evidenciarem o legítimo interesse e o prejuízo sofrido pelo candidato
recorrente;
c. propostos em desacordo com o estabelecido nos editais;
d. desacompanhados da respectiva fundamentação.
8. Os casos omissos serão resolvidos pela Comissão do Concurso, ressalvada
a competência privativa do Conselho Superior do Ministério Público.
9. A Comissão do Concurso constitui única instância para decidir os pedidos de
reconsideração das provas e demais deliberações do âmbito de suas
atribuições, resolvendo os casos omissos, não sendo admitidos quaisquer
outros recursos.
10. Não serão fornecidas por telefone, fax ou e-mail, informações que constam
neste Edital e em editais publicados no decorrer do concurso.
11. Todos os editais que dizem respeito ao concurso são divulgados no Diário
Eletrônico do Ministério Público ( www.mp.rs.gov.br ).
Porto Alegre, 18 de dezembro de 2008
MAURO HENRIQUE RENNER,
Procurador-Geral de Justiça.
ANEXO 1
PROGRAMA
DIREITO CONSTITUCIONAL Conceito de constituição. Classificação das constituições.
Aplicabilidade e interpretação das normas constitucionais. Poder Constituinte. Os Princípios
fundamentais. Os direitos e garantias fundamentais. Características gerais dos direitos fundamentais.
Efetividade dos direitos fundamentais. Perspectiva subjetiva dos direitos fundamentais. Direitos a
prestações negativas. Direitos a não-impedimentos. Direitos a não-afetação de propriedades e situações.
Direitos a não-eliminação de posições jurídicas. Direitos a prestações positivas. Perspectiva objetiva dos
direitos fundamentais. Catálogo dos direitos fundamentais. Sujeitos dos direitos fundamentais.
Funcionalidade dos direitos fundamentais. Limites e restrições aos direitos fundamentais. Limites dos
limites. A proibição de retrocesso social. Tutelas constitucionais. Habeas corpus. Habeas data. Mandado
de segurança individual e coletivo. Direito de petição e de certidão. Mandado de injunção. Ação popular e
ação civil pública. Direitos Sociais. Nacionalidade. Definições. Espécies. Critérios e hipóteses
constitucionais de reconhecimento da nacionalidade primária. Aquisição da nacionalidade secundária.
Espécies de naturalização. Diferenças entre brasileiros natos e naturalizados. Perda da nacionalidade.
Direitos políticos: Direitos políticos positivos. Direito ao sufrágio, ao voto e ao escrutínio. Plebiscito e
referendo. Elegibilidade. Direitos políticos negativos. Inelegibilidades absolutas e inelegibilidades
relativas. Perda e suspensão dos direitos políticos. Partidos políticos. Organização Espacial do Estado: A
federação e sua origem. Federação por agregação e por desagregação. Os entes federativos e o município.
Repartição de competências. Competências exclusivas, privativas, comuns e concorrentes. Intervenção.
Fundamentos. Espécies. Competência. Requisitos. Controle político e jurisdicional. Duração. Interventor.
Legitimidade. Hipóteses de intervenção federal e estadual. Organização dos Poderes. Fundamentos da
separação dos poderes. Poder Legislativo. Composição. Organização do Congresso Nacional.
Competências privativas e exclusivas. A Mesa do Congresso Nacional. Sucessão da Mesa. Comissões
Parlamentares de Inquérito. Imunidades parlamentares. Processo Legislativo: Processo legislativo
ordinário, sumário e especiais. Espécies normativas. Constitucionalismo. Controle de Constitucionalidade.
A supremacia constitucional. Jurisdição constitucional. Espécies de inconstitucionalidade.
Inconstitucionalidade por ação ou omissão. Inconstitucionalidade formal ou material.
Inconstitucionalidade originária e derivada. Espécies de controle quanto ao momento de realização.
Controle preventivo e controle repressivo. Controle difuso de constitucionalidade. Controle concentrado
de constitucionalidade. Ação direta de inconstitucionalidade. Ação declaratória de constitucionalidade.
Ação de inconstitucionalidade por omissão. Ação interventiva e Ação de descumprimento de preceito
fundamental. A súmula com efeito vinculante. Poder Executivo. Sistema de governo. Eleição. Presidente e
vice-presidente da República. Crimes de responsabilidade e impeachment. Prerrogativas do presidente da
república. Poder Judiciário. Princípios. Garantias. Estrutura. As funções essenciais à justiça. Ministério
Público. O perfil constitucional do Ministério Público. As garantias e as funções institucionais do
Ministério Público. Advocacia Pública. Advocacia e Defensoria Pública. Conselho Nacional da Justiça e
Conselho Nacional do Ministério Público. Da defesa do Estado e das instituições democráticas. Estado de
defesa e estado de sítio. Segurança pública. A tributação e o orçamento. A ordem econômica e financeira.
A ordem social.
DIREITO ADMINISTRATIVO Princípios do direito administrativo. A constitucionalização do Direito
Administrativo. Regime jurídico administrativo. Administração pública e os modelos de Estado.
Princípios fundamentais da administração pública. Administração pública e o princípio da probidade
administrativa. Atos de improbidade administrativa e a Lei 8.429/92. Teoria da organização
administrativa. Desconcentração e descentralização. Administração pública direta e indireta. Poderes da
administração pública. Discricionariedade e vinculação. Poder hierárquico. Poder disciplinar. Poder
regulamentar. Poder de polícia. Abuso de poder. Atos administrativos. Conceito. Requisitos. Atributos.
Classificação. Espécies. Atos de direito privado. Invalidação do ato administrativo. Licitação. O dever
constitucional de licitar. Objetivos da licitação. Princípios do processo de licitação. Dispensa e
inexigibilidade de licitação. Modalidades de licitação. Procedimento. O controle da probidade
administrativa. Contratos administrativos. Noções e características. Espécies. Garantias. Cláusulas
exorbitantes. Modalidades. Extinção dos contratos administrativos. Convênios. Servidores públicos.
Conceito. Regime jurídico. Princípio da acessibilidade aos cargos públicos. Concurso público.
Provimento. Discricionariedade e ato de nomeação. Remuneração. Regime estatutário (inclusive acerca da
Lei Complementar Estadual n 10.098/94). Cargos, Empregos e funções públicas. Estabilidade.
Exoneração e demissão do servidor público. Aposentadoria. Regime disciplinar dos servidores públicos
(inclusive acerca da Lei Complementar Estadual n.º 10.098/94). Tipicidade. Sanção disciplinar.
Sindicância e processo administrativo disciplinar. Serviços públicos. Conceito. Princípios. Formas de
prestação. Classificação. Delegação e outorga. Concessão. Permissão. Autorização. Parcerias público-
privadas. Consórcios públicos e a gestão associada. Responsabilidade extracontratual. Controle da
administração pública. Bens públicos. Classificação dos bens públicos. Regime jurídico.
Imprescritibilidade e impenhorabilidade. Afetação. Desafetação. Aquisição. Alienação. Limites ao direito
de propriedade. Modalidades. Desapropriação. Desapropriação indireta. Servidão e requisição
administrativa. Tombamento. Ocupação temporária. Retrocessão. Tredestinação. Anulação.
Responsabilidade civil do Estado. Controles da administração. Internos e externos. Administrativo,
legislativo e jurisdicional. Processo administrativo. Princípios. Espécies. Fases.
DIREITO MUNICIPAL Desenvolvimento histórico do município. Evolução histórica e constitucional
do município no Brasil. O município na Constituição de 1988. Organização municipal. Formas de
modificação da estrutura municipal: criação; desmembramento; anexação; incorporação; fusão; divisões:
administrativa, judiciária, territorial. Forma para criação do município. Regiões metropolitanas.
Autonomia municipal. Conceito. Soberania e autonomia. Tipos de autonomia: autonomia financeira;
autonomia política; autonomia administrativa. Intervenção no município. Governo municipal.
Competência. Composição. Poder Executivo. Poder Legislativo. Finanças do município. Rendas. Receitas
e Despesas. Tributos municipais. Urbanismo e proteção ambiental. Lei de Responsabilidade Fiscal.
DIREITO ELEITORAL Aquisição da cidadania. Alistamento eleitoral. Domicílio eleitoral e
transferência. A conseqüência da perda ou suspensão dos direitos políticos na inscrição eleitoral. Justiça
Eleitoral. A jurisdição especializada eleitoral. A forma de organização. Órgãos da Justiça Eleitoral.
Ministério Público Eleitoral. Procurador-Geral Eleitoral. Procurador-Regional Eleitoral. Promotores
Eleitorais. Atribuições do Ministério Público perante a Justiça Eleitoral. Elegibilidade. Condições de
elegibilidade. Causas de inelegibilidade. Processo de escolha dos candidatos pelos partidos. Registro dos
candidatos e sua impugnação. Argüições de inelegibilidade: oportunidades e efeitos. Abusos de poder no
processo eleitoral. As diferentes formas de abuso de poder. A apuração de abuso de poder na esfera de
competência da Justiça Eleitoral. Pluralidade de procedimentos para combate ao abuso de poder em razão
da fase a ser enfrentada. Representação do art. 30-A, e por infringência aos arts. 41-A e 73, todos da Lei
9.504/97. Medidas de proteção do processo eleitoral. Base legal das principais medidas. Ação de
impugnação de pedido de registro de candidatura. Investigação judicial eleitoral. Recurso contra a
diplomação. Ação de impugnação de mandato eletivo. Momentos da propositura dessas medidas.
Objetivos. Autores e réus. Ritos processuais. Prazos. Natureza das decisões. Recursos. Propaganda
política. Propaganda partidária. Propaganda eleitoral em geral. Propaganda eleitoral na imprensa escrita.
Propaganda eleitoral gratuita no rádio e televisão. Direito de resposta. Direito penal e processual penal
eleitoral. Crimes eleitorais. Leis penais eleitorais extravagantes. Lei 6.091/74. Lei 6.996/82. Lei
7.021/82. LC 64/90 e Lei n° 9.504/97. Aplicação subsidiária do Código Penal em matéria eleitoral
própria extravagante. Juizados Especiais Criminais e crimes eleitorais. Aplicação das Leis 9.099/95 e
10.259/01 aos crimes eleitorais. Processo penal eleitoral. Fase pré-processual. Inquérito policial.
Flagrante. Representação. Notícia crime e peças de investigação. Ação penal eleitoral exclusivamente
pública. Rito processual. Incidentes no rito processual. Rito de competência originária dos tribunais: Lei
n° 8.038/90 e Lei n° 8.658/93.
DIREITO FINANCEIRO. Finanças públicas na Constituição Federal. Os direitos fundamentais e as
finanças públicas. Os princípios gerais do Direito Financeiro. Orçamento: conceito e espécies; natureza
jurídica; princípios orçamentários. Normas gerais de direito financeiro (Lei nº 4.320/1964). Fiscalização e
controle interno e externo da execução orçamentária. A disciplina constitucional e legal dos precatórios.
Receita pública: conceito; ingressos e receitas; classificação: receitas originárias e receitas derivadas.
Despesa pública: conceito e classificação; princípio da legalidade; técnica de realização da despesa
pública: empenho, liquidação e pagamento. Preço público e a sua distinção com a taxa. Crédito público:
conceito; empréstimos públicos: classificação; fases; condições; garantias; amortização e conversão.
Dívida pública: conceito; disciplina constitucional; classificação e extinção. Gestão Fiscal Responsável
(Lei de Responsabilidade Fiscal Lei Complementar n 101/2000). Do planejamento orçamentário na
Lei de Responsabilidade Fiscal e na Constituição Federal. Receita e despesa. Receita corrente líquida:
conceito e abrangência; sua utilização como base de cálculo. Da instituição, da previsão e efetiva
arrecadação dos tributos. Da renúncia de receita. Da despesa pública: a geração da despesa e a criação,
expansão ou aperfeiçoamento da ação governamental; da despesa obrigatória de caráter continuado. A
relevância das disposições concernentes às despesas com pessoal na Lei de Responsabilidade Fiscal e na
Constituição Federal: limites com gastos por entes da Federação, Poderes e Ministério Público; dos atos
de aumento de despesa com pessoal e nulidade por descumprimento das exigências legais e
constitucionais; da nulidade de pleno direito do ato de aumento de despesa com pessoal no final de
mandato do gestor público; mitigação de despesas; retorno ao limite de gastos e endividamento. Dos
restos a pagar. Controle e transparência da gestão fiscal: o relatório resumido da execução orçamentária e
o relatório de gestão fiscal; controle pelos Tribunais de Contas, pelo Poder Legislativo e pelo Ministério
Público; infrações administrativas contra as leis das finanças públicas - Lei 10.028/2000; infrações
civis; o Ministério Público, a Lei de Responsabilidade Fiscal e a improbidade administrativa (art. 73 da
Lei Complementar n.º 101/2000 e a Lei n.º 8.429/92) .
DIREITO TRIBUTÁRIO Sistema Tributário. Conceito e espécies de sistema jurídico. Sistema
constitucional Tributário. Princípios de Direito Tributário. Conceito de tributo e sua base constitucional.
Espécies tributárias. Classificações e seus critérios. Tributos de validação causal: impostos, taxas e
contribuições de melhoria. Tributos de validação finalística: empréstimos compulsórios e contribuições
especiais. Regras de competência. Características e interpretação. A incorporação de conceitos
extratributários pré-constitucionais. Regras de incompetência: as imunidades. Elementos gerais. Distinção
com relação à isenção, alíquota zero, não-incidência. Imunidades em espécie: as imunidades subjetivas; as
imunidades objetivas Outras imunidades. Legalidade tributária: lei e sua função relativamente a fontes
primárias e secundárias. A lei ordinária, a medida provisória e a lei delegada. Princípio da igualdade e da
capacidade contributiva. Anterioridade. Irretroatividade e suas hipóteses. Princípio da liberdade de
tráfego. Princípio da liberdade de exercício de atividade econômica. Princípio da segurança jurídica, da
boa-fé objetiva e da proteção da confiança. Proibição de confisco e proporcionalidade no Direito
Tributário. Normas gerais de Direito Tributário. Legislação tributária. Disposições gerais, vigência,
aplicação, interpretação e integração. Obrigação tributária. Conceito, natureza e espécies. Nascimento da
obrigação tributária. Hipótese de incidência. Fato gerador. Efeitos. A isenção: conceito, regime jurídico,
revogabilidade. Obrigação principal e acessória. Sujeitos da obrigação tributária. Sujeito ativo e sujeito
passivo. Competência e capacidade. Sujeitos passivos diretos: contribuinte e substituto. Sujeitos passivos
indiretos: responsáveis tributários por sucessão por morte, por aquisição imobiliária e empresarial, por
infração. Subsidiariedade e solidariedade. Crédito tributário. Conceito, natureza e constituição.
Lançamento: natureza, modalidades, eficácia, revisão e sua caducidade. Lançamento e arbitramento.
Suspensão. Extinção do crédito tributário. Modalidades. Pagamento: à vista, por conversão de depósito
em renda, por consignação em pagamento. Compensação. Transação. Remissão. Prescrição. Decadência.
Decisão administrativa e decisão judicial. Dação em pagamento de bens imóveis. Exclusão do crédito
tributário: conceito; espécies. Anistia. Pagamento indevido. Restituição do indébito. A transferência do
ônus econômico. Garantias e privilégios do crédito tributário. Preferências. Tributos estaduais. Imposto
sobre circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual e
intermunicipal e serviço de comunicação (ICMS). O artigo 155 da Constituição Federal. A estrutura
constitucional do imposto. A não-cumulatividade do ICMS e sua extensão. Lei Estadual n.º 8.820, de
27.01.89, e alterações posteriores: da obrigação principal, da incidência, do sujeito passivo, do cálculo do
imposto, da apuração e do pagamento do imposto, dos benefícios e incentivos fiscais, da substituição
tributária. Lei Complementar n.º 24, de 07.01.75. Decreto-Lei n.º 406, de 31.12.68, e alterações
posteriores, inclusive Lei complementar n.º 100, de 22.12.99. Lei Complementar n.º 87, de 13.09.96, e
alterações posteriores introduzidas pelas Leis Complementares n.º 92, de 23.12.97, n 99, de 20.12.99, e
n.º 102 de 11.07.00. Convênio CONFAZ ICM n.º 66/88. Conselho Nacional de Política Fazendária
(CONFAZ): finalidade e competência. Imposto sobre transmissão causa mortis e doação. Lei Estadual n.º
8.821, de 27.01.89, e alterações posteriores. Taxas. O artigo 145 da Constituição Federal e a estrutura
constitucional das taxas. Taxas pela prestação de serviços: conceito, requisitos. Taxas pelo exercício do
poder de polícia: conceito, requisitos. Lei Estadual n.º 8.109, de 19.12.85, e alterações posteriores. Dívida
ativa. Conceito e espécies. Lei n 4.320/64 e alterações posteriores. Inscrição. Requisitos. Certidão de
Dívida Ativa: liquidez e certeza. Execução fiscal. Lei n.º 6.830/80 e alterações posteriores. Pressupostos
processuais e condições da ação. Competência. Procedimento da execução. Reunião de processos. Juízo
universal. Concurso de preferência. Causas suspensivas e extintivas da execução. Recursos. Prazos.
Fraude à execução e fraude contra credores.
DIREITO CIVIL Parte Geral. Sistema de normas jurídicas de direito privado. Classificação. Tipologia.
Princípios. Constitucionalização normativa do direito privado. Teoria do fato jurídico. Plano de existência
jurídica. Plano de validade jurídica. Plano de eficácia jurídica. Suporte fático abstrato. Suporte fático
concreto. Juridicização. Conceito de fato jurídico. Classificação dos fatos jurídicos. Fatos lícitos. Fato
jurídico stricto sensu. Fato jurídico lato sensu. Ato-fato jurídico. Ato jurídico stricto sensu. Ato jurídico
lato sensu. Negócio jurídico. Atos ilícitos. Lei de Introdução ao Código Civil. Eficácia. Territorial.
Temporal. Formas de integração da norma jurídica. As pessoas. Pessoa natural. Personalidade.
Capacidade. Estado. Ausência. Pessoa jurídica. Personificação da pessoa jurídica. Presentação.
Desconsideração da personalidade jurídica. Tipos de pessoas jurídicas de direito privado. Associações.
Fundações. Domicílio. Diferentes classes de bens. Prescrição e decadência. Direito das obrigações,
contratos e responsabilidade civil. Conceito de relação obrigacional. Obrigação como processo.
Estrutura da relação obrigacional. Princípios gerais da relação obrigacional. Deveres. Fontes das
obrigações. Efeitos das obrigações. Modalidades das obrigações. Responsabilidade pré-contratual. Pós-
eficácia das obrigações. Transmissão das obrigações. Adimplemento e extinção das obrigações. Extinção
das obrigações pelo pagamento direto. Conceito de pagamento. Natureza jurídica. Condições subjetivas e
objetivas do pagamento. Objeto e prova do pagamento. Pagamento indireto e extinção da obrigação sem
pagamento. Em consignação. Sub-rogação. Imputação do pagamento. Dação em pagamento. Novação.
Compensação. Confusão. Remissão das dívidas. Impossibilidade de cumprimento sem culpa do devedor.
Inadimplemento absoluto e relativo. Efeitos. Mora. Violação positiva do contrato. Perdas e danos. Juros.
Cláusula penal. Arras ou sinal. Contratos. Teoria geral dos contratos. Função social dos contratos.
Princípios gerais dos contratos. Classificação dos contratos. Formação e extinção dos contratos. Revisão
dos contratos. Atos unilaterais. Promessa de recompensa. Gestão de negócios. Pagamento indevido.
Enriquecimento sem causa. Responsabilidade Civil. Conceito. Fontes geradoras do dever de indenizar.
Ato ilícito. Teorias que fundamentam o dever de indenizar: subjetiva e objetiva. Espécies de
responsabilidade civil: contratual e extracontratual ou aquiliana. Indenização. Direito das coisas. Teoria
geral dos direitos reais. Conceituação e taxinomia dos direitos reais. A constitucionalização dos direitos
reais. Seqüela. Preferência. Distinção entre direitos reais e demais direitos patrimoniais. Classificação e
enumeração dos direitos reais. Posse. Distinção entre detenção, posse e propriedade. Servidores da posse.
Aquisição, perda e classificação da posse. Efeitos da posse. Composse. Direito aos interditos
possessórios. Direito aos frutos e benfeitorias, indenização e retenção. Propriedade. Descrição. Histórico
da propriedade, bem como sua funcionalidade social. Sujeitos e objeto do direito de propriedade.
Modalidades de propriedades. Propriedade perpétua e resolúvel. Propriedade mobiliária e imobiliária.
Limitações ao direito de propriedade. Aquisição da propriedade móvel e imóvel. Registro imobiliário.
Usucapião. Espécies. Ordinário. Extraordinário. Urbano. Coletivo Individual. Rural. Perda da
propriedade. Direito de vizinhança. Condomínio voluntário e edilício. Direito de superfície. Servidões.
Usufruto. Uso. Habitação. Promitente comprador. A concessão de uso especial para fins de moradia. A
concessão de direito real de uso. Direito de Família. A família na sociedade brasileira. Princípios.
Normas constitucionais. Casamento. Conceito. Natureza. Características. Capacidade. Impedimentos.
Causas suspensivas. Processo de habilitação. Celebração. Provas. Invalidade. Causas de anulação e
nulidade. Eficácia. Efeitos do casamento. Direitos e obrigações dos cônjuges. Dissolução da sociedade e
do vínculo conjugal. Proteção da pessoa dos filhos. Relações de parentesco. Filiação. Biológica e
Socioafetiva. Reconhecimento dos filhos. Investigação de paternidade. Adoção. Poder familiar. Regimes
de bens entre os cônjuges. Usufruto e administração dos bens de filhos menores. Alimentos. Alimentos
gravídicos. Bem de família. União estável. Concubinato. Tutela e curatela. Separação e divórcio. Direito
das sucessões. Conceito e conteúdo. Sucessão a título universal e sucessão a título singular. Formas de
suceder: abertura da sucessão. Administração da herança. Vocação hereditária. Transmissão da herança.
Aceitação e renúncia. Cessão da herança. Exclusão da sucessão. Indignidade. Herança jacente. Conceito e
natureza jurídica. Vacância. Arrecadação dos bens vagos. Petição de herança. Sucessão legítima. Ordem
da vocação hereditária. Herdeiros necessários. Direito de representação. Sucessão testamentária.
Liberdade de testar. Limitações. Capacidade testamentária. Testamento e codicilo. Formas ordinárias e
especiais de testamento. Legados. Direito de acrescer entre herdeiros e legatários. Capacidade para
adquirir por testamento. Herança necessária. Redução das disposições testamentárias. Deserdação.
Substituições. Execução do testamento. Revogação do testamento. Rompimento do testamento.
Testamenteiro. Inventário e partilha: Inventário Judicial e Extrajudicial. Inventariante. Colação.
Pagamento das dívidas. Partilha. Arrolamento. Quinhões hereditários. Sonegados.
DIRETO PROCESSUAL CIVIL Jurisdição: conceito, princípios e espécies. O processo como meio de
exercício da jurisdição. Processo e Constituição. Instrumentalismo e formalismo-valorativo. Ação:
conceito e teorias da ação; condições da ação; carência da ação; cumulação de ações. Pressupostos
processuais. Modificações de competência. Declaração de incompetência. Sujeitos da relação processual.
Procuradores. Juiz. Conceito de parte e de terceiro. Litisconsórcio. Intervenção de terceiros: figuras
intervencionais: assistência, oposição, nomeação à autoria, denunciação da lide e chamamento ao
processo. Intervenção anômala. Ministério Público no Processo Civil. Competência: competência interna;
competência em razão do valor e da matéria; competência funcional; competência territorial. Princípios
processuais e garantias constitucionais do processo: noções gerais e conceito; princípios informativos do
processo: devido processo legal, imparcialidade, igualdade entre as partes, dispositivo, contraditório,
duplo grau de jurisdição, lealdade processual; princípios informativos do procedimento: oralidade,
verossimilhança, economia processual, publicidade, eventualidade ou preclusão. Nulidades (Invalidades
processuais): Dos atos processuais. Forma, tempo, prazos. Comunicação dos atos processuais. Valor da
causa. Prova Cível: teoria geral da prova; princípios e sistemas; momentos da prova; meios e ônus da
prova. Audiência de instrução e julgamento. Sentença e Coisa julgada: conceito; requisitos; vícios;
efeitos; modalidades e classificações. Relativização da coisa julgada. Tutela inibitória. Tutela
reintegratória. Tutela ressarcitória específica e pelo equivalente econômico. Liquidação e cumprimento da
sentença. Recursos: conceito, princípios, requisitos de admissibilidade e efeitos. Recursos em espécie:
apelação, agravo de instrumento, agravo retido, embargos infringentes, embargos de declaração, embargos
de divergência, recurso adesivo, recurso ordinário, recurso especial, recurso extraordinário. Medida
cautelar para dar efeito suspensivo a recurso especial e a recurso extraordinário. Ação rescisória.
Uniformização de jurisprudência. Declaração de inconstitucionalidade. Processo de conhecimento:
procedimentos ordinário e sumário. Petição inicial. Causa de pedir. Objeto do processo. Pedido. Resposta.
Revelia. Declaração incidental. Julgamento conforme o estado do processo. Audiência preliminar. Da
formação, da suspensão e da extinção do processo. Instrumentalidade do processo. Impulso processual e
preclusão. A eficácia preclusiva da decisão declaratória de saneamento. Procedimentos especiais de
jurisdição contenciosa: ações possessórias, ação de usucapião, inventário e partilha, embargos de terceiro,
restauração de autos e ação monitória, ação de alimentos, separação e divórcio. Procedimentos especiais
de jurisdição voluntária: disposições gerais, alienações judiciais, separação consensual, testamentos e
codicilos, herança jacente, bens dos ausentes, curatela dos interditos, organização e fiscalização das
fundações. Juizados especiais cíveis. Mandado de segurança individual. Mandado de segurança coletivo.
Ação popular. A ação civil pública e ações coletivas: instrumento para tutela de direitos e interesses
coletivos lato sensu. Ação coletiva de consumo. As categorias jurídicas tuteladas: interesses e direitos
difusos, coletivos stricto sensu e individuais homogêneos. O uso excepcional da ação civil pública para
tutela de direito individual não-homogêneo indisponível. Base constitucional e legal da ação civil pública.
Relação das matérias tuteladas pela ação civil pública: meio ambiente, consumidor, patrimônio cultural e
social, ordem econômica e economia popular. A tutela de outros direitos difusos e coletivos: criança e
adolescente; idoso; pessoas portadoras de necessidades especiais; pessoas lesadas no mercado de valores
mobiliários; improbidade administrativa; comunidades indígenas; torcedor; etc. A restrição imposta por
medida provisória: o parágrafo único do artigo 1º da Lei 7.347/85. Tutela principal e cautelar.
Legitimação ativa. O Ministério Público como fiscal da lei. Litisconsórcio e abandono. Desistência e
abandono. Papel do Ministério Público. Legitimação passiva. Competência. Extensão do dano como
critério de definição da competência do juízo. Acordo ou transação. Liminar. A fixação da multa a
requerimento do autor ou de ofício. Pedido de suspensão da execução da liminar. A tutela específica da
obrigação de fazer ou não fazer: as medidas de apoio. Sentença. Coisa julgada. Liquidação e execução.
Tutelas de urgência, antecipada e cautelar. Distinções entre tutela cautelar e tutela antecipada. Tutela
antecipada genérica. Tutela antecipada específica. Tutela cautelar. Medidas cautelares ex officio. Ações
cautelares inominadas. Requisitos da petição inicial. Competência. Liminares. Caução contra-cautela.
Caução substitutiva. Contraditório. Revelia. Intervenção de terceiros. Provas. Eficácia preponderante da
sentença cautelar. Coisa julgada nas ações cautelares. Ação principal. Perda da eficácia da medida
liminar. Responsabilidade civil pela concessão de liminares cautelares. Ações cautelares nominadas.
Arresto. Seqüestro. Alimentos provisionais. Asseguração de provas. Busca e apreensão. Execução. Teoria
geral. Princípios que norteiam o processo de execução. Pressupostos do processo de execução.
Pressuposto fático. Pressuposto jurídico. Características dos títulos executivos. Liquidação de sentença.
Títulos executivos judiciais. Títulos executivos extrajudiciais. Execução definitiva e execução provisória.
Legitimidade ativa e passiva no processo de execução. Competência. Execução para pagamento de
quantia certa contra devedor solvente. Petição inicial. Cumprimento e frustração do mandado de citação.
Responsabilidade patrimonial. Penhora. Fraude à execução e fraude contra credores. Avaliação.
Arrematação. Pagamento dos credores. Entrega do dinheiro. Adjudicação. Usufruto. Suspensão da
execução. Extinção da execução. Meios de impugnação do devedor. Embargos do devedor. Conceito.
Natureza jurídica. Competência para os respectivos procedimentos. Legitimados. Efeitos. Exceção de pré-
executividade. Defesa heterotópica. Atuação extrajudicial do Ministério Público. O inquérito civil.
Natureza jurídica e principais características. Formas de instauração. Procedimento. Diligências
investigatórias. Notificações. Requisições. Crime. Sigilo. O crime do art. 10 da lei 7.347/85. Valoração
judicial da prova coletada no inquérito civil e peças de informação. Arquivamento do inquérito civil e das
peças de informação. Papel do Conselho Superior do Ministério Público. Compromisso de ajustamento de
conduta: autorizados a celebrar. Conteúdo e limites do compromisso de ajustamento. Efeitos de sua
celebração para o expediente investigatório do Ministério Público. Efeitos para outros legitimados.
Execução judicial do compromisso de ajustamento de conduta descumprido.
DIREITO REGISTRAL Sistema de publicidade. Segurança jurídica. Natureza jurídica das atividades
notarial e registral. Registros blicos. Registro civil. Personalidade. Capacidade. Direitos de
personalidade. Atos registrais. Atos averbáveis. Escrituração. Livros de registro civil das pessoas naturais.
Nascimento. Competência. Prazo. Nome. Registro de natimorto. Registro tardio. Registro do exposto e do
menor abandonado. Reconhecimento de filho. Casamento. Capacidade. Impedimentos e causas
suspensivas. Habilitação. Registro da celebração. Registro do casamento religioso para efeitos civil.
Casamento nuncopativo. Casamento por procuração. Invalidade. Efeitos. Óbito. Sentença de nulidade e de
anulação de casamento. Sentença de separação judicial e de divórcio. Restabelecimento da sociedade
conjugal. Emancipação. Interdição. Ausência. Morte presumida. Adoção. Poder Familiar. Bem familiar.
União estável. Averbações. Anotações. Retificações. Registro civil das pessoas jurídicas. Registro de
imóveis. Princípios. Atribuições. Matrícula. Atos de registro. Atos de averbação. Títulos. Procedimento
de suscitação de dúvida. Parcelamento do solo urbano. Condomínio edilício e incorporações imobiliárias.
DIREITO DE EMPRESA A atividade empresarial: fatores da produção. Comércio e indústria.
Denominações. Conceito de empresário. Atividades econômicas e civis. Quem não pode ser empresário.
A figura do preposto. Gerentes, contabilista e empregados. Regime jurídico de livre iniciativa. Proteção
da ordem econômica e da livre concorrência. Empresário irregular. Livros Comerciais. Optantes pelo
SIMPLES. Balanços anuais. Estabelecimento empresarial. Alienação do estabelecimento empresarial.
Proteção ao título do estabelecimento empresarial. O comércio eletrônico. Nome empresarial. Proteção do
nome empresarial. Espécies de patentes, invenção, modelo de utilidade. Requisitos. Conceito de marca.
Teoria geral do direito societário. Pessoa jurídica e atividade empresarial. Regime jurídico dos sujeitos de
direito. Classificação das sociedades empresárias. Desconsideração da pessoa jurídica. Requisitos. Código
de Defesa do Consumidor. Eficácia episódica. Constituição das sociedades contratuais. Requisitos de
validade de contrato social. Cláusulas contratuais. Forma do contrato. Alterações do contrato social.
Regime jurídico do sócio de sociedade contratual. Sociedades contratuais menores. Sociedade em nome
coletivo. Sociedade em comandita por ações. Sociedade em conta de participação. Sociedade limitada.
Responsabilidade dos sócios. Deliberação dos sócios. A administração da sociedade. Conselho fiscal e
sua composição e atribuições. Dissolução da sociedade contratual. A dissolução parcial ou resolução em
relação a um sócio. Dissolução total da sociedade. Liquidação e apuração dos haveres. Sociedade por
ações. Conceito. Constituição. Valores mobiliários. Órgão da sociedade anônima. O acionista. Poder de
controle acionário. Lucros, reservas e dividendos. Dissolução e liquidação da sociedade anônima.
Falências e recuperação de empresas. Disposições gerais. Disposições comuns à recuperação judicial e à
falência. A recuperação judicial. A falência. A recuperação extrajudicial. Direito penal e processual penal
falimentar. Noções gerais dos títulos de crédito. A literalidade, a autonomia, abstração, princípio do rigor
cambial. A letra de câmbio. Contrato de câmbio. O mandado puro e simples de pagar quantia
determinada. A circulação cambial – o endosso. O aval e o vencimento. Vencimento e pagamento,
protesto, multiplicação – duplicatas e anulação. Nota promissória. Conceito. Requisitos essenciais. Ações
cambiais. O cheque. Duplicata mercantil. Títulos de crédito e financiamento rural. Títulos de crédito e
financiamento industrial, comercial e imobiliário.
DIREITO PENAL: Princípios constitucionais penais. Norma penal: analogia, lei penal em branco, lei
penal no tempo, lei penal no espaço e conflito aparente de leis. Tipicidade: noções gerais, evolução
histórica, bem jurídico-penal, tipicidade formal e material, desvalor da ação e do resultado, teorias da
conduta, ação e omissão, ausência de conduta, nexo de causalidade, resultado, imputação objetiva, dolo,
elementos subjetivos especiais e culpa, classificação dos tipos penais e das infrações penais, erro de tipo
incriminador. Ilicitude/antijuridicidade: noções gerais, o caráter subsidiário e fragmentário do Direito
Penal, intercomunicação das instâncias penal e extrapenal, causas de justificação, estado de necessidade,
legítima defesa, estrito cumprimento de dever legal, exercício regular de direito, consentimento do
ofendido, colisão de deveres, descriminantes putativas fáticas. Culpabilidade: noções gerais, princípio de
culpabilidade, evolução histórica, elementos (imputabilidade, potencial consciência da ilicitude e
exigibilidade de conduta diversa), causas de inimputabilidade, erro de proibição direto e indireto e erro de
mandado, coação moral irresistível, obediência hierárquica, objeção de consciência, desobediência civil,
co-culpabilidade, responsabilidade penal da pessoa jurídica. Consumação e tentativa: iter criminis,
fundamento da punição da tentativa, desistência voluntária e arrependimento eficaz, arrependimento
posterior, crime impossível, delito putativo, agente provocador. Concurso de pessoas: autoria e
participação, formas e requisitos, co-autoria, circunstâncias comunicáveis. Penas: espécies, cominação,
aplicação, execução (Lei n 7.210/84 e alterações), transação penal e suspensão condicional do processo
(Lei n.º 9.099/95 e alterações), suspensão condicional da pena, livramento condicional, efeitos da
condenação, reabilitação. Concurso de crimes: concurso material, concurso formal, crime continuado,
aberratio ictus e aberratio criminis. Medidas de segurança: conceito, sistemas, espécies, aplicação,
duração. Execução penal: noções gerais, execução das penas em espécie (regimes e remição), incidentes
da execução. Punibilidade: extinção da punibilidade (fundamento e causas), escusas absolutórias e
condições objetivas de punibilidade. Crimes em espécie: Crimes contra a pessoa (arts. 121 a 154 do CP e
Lei 2.889/56 e alterações). Crimes contra os costumes (arts. 213 a 234 do CP). Crimes contra o
patrimônio (arts. 155 a 186 do CP). Crimes contra o sentimento religioso e contra o respeito aos mortos
(arts. 208 a 212 do CP). Crimes contra a família (arts. 235 a 249 do CP). Crimes contra a incolumidade
pública (arts. 250 a 285 do CP). Crimes contra a paz pública (arts. 286 a 288 do CP). Crimes contra fé
pública (arts. 289 a 311 do CP). Crimes contra a administração pública (arts. 312 a 359-H do CP). Crimes
de abuso de autoridade (Lei n.º 4.898/65 e alterações). Crimes de drogas (Lei n.º 11.343/2006 e
alterações). Crimes hediondos (Lei n.º 8.072/90 e alterações). Violência doméstica (Lei n.º 11.340/2006 e
alterações). Crimes de imprensa (Lei n.º 5.250/67 e alterações). Crimes eleitorais (Leis nº 4.737/65 e nº
6.091/74 e alterações). Crimes contra as ordens tributária e econômica e contra as relações de consumo
(Leis 8.078/90, 8.137/90 e 8.176/91 e alterações). Contravenções penais (Decreto-Lei n.º
3.688/41 e alterações). Crimes falimentares (Lei 11.101/2005 e alterações). Crimes de trânsito (Lei
9.503/97 e alterações). Crimes ambientais (Leis n.º 9.605/98 e nº 11.105/2005 e alterações). Estatuto do
desarmamento (Lei n.º 10.826/2003 e alterações). Crimes resultantes de preconceito de raça ou cor (Lei nº
7.716/89 e alterações). Crimes de lavagem de dinheiro (Lei 9.613/98 e alterações). Crimes de tortura
(Lei n.º 9.455/97 e alterações). Crime organizado (Lei n.º 9.034/95 e alterações). Crimes contra crianças
e adolescentes (Leis 2.252/54 e 8.069/90 e alterações). Crimes contra os idosos (Lei 10.741/2003
e alterações). Crimes de agentes políticos municipais (Decreto-Lei nº 201/67 e alterações).
DIREITO PROCESSUAL PENAL Princípios gerais do processo: Princípios processuais constitucionais
e princípios do processo penal stricto sensu. Sistemas Processuais Penais. Aplicação, interpretação e
integração da lei processual penal. A lei processual no tempo: eficácia, princípios, vacatio legis,
revogação, ab-rogação e derrogação. A Lei processual no espaço: Eficácia, princípios, exceções ao
princípio da territorialidade. Fontes do direito processual penal. As imunidades: material, processual,
diplomática, parlamentar e prisional. Persecução criminal. O Inquérito Policial: natureza, características,
destinatário, finalidade, formas de início, critérios na produção de provas no inquérito, valor probatório,
vícios, prazos e conclusão. A incomunicabilidade e o sigilo no sistema atual. Arquivamento do inquérito
policial. Participação do Ministério Público no curso do inquérito e investigações criminais presididas
pelo Promotor de Justiça. O procedimento policial nos juizados especiais criminais. O procedimento
policial aplicável ao ato infracional praticado por adolescente. Ação penal: características, espécies,
princípios e prazos. Condições da ação e pressupostos processuais. Ação penal pública incondicionada e
condicionada; ação penal privada; ação penal privada subsidiária da pública. Jurisdição e competência.
Princípios e características da jurisdição. Competências absoluta e competências relativas. Critérios para
definição da competência: o lugar da infração, domicílio do réu, natureza da infração, distribuição e
prevenção. A prerrogativa de função. A prorrogação da competência. A delegação. Conexão e
continência: casos, regras aplicáveis e hipóteses de separação dos processos. A perpetuatio jurisdictionis.
A denúncia e a queixa-crime: requisitos formais, aditamento, não-recebimento e rejeição. Causas
extintivas da punibilidade impeditivas ou extintivas da ação penal. Peculiaridades e institutos próprios das
ações penais privada e pública condicionada. Ação penal em crimes falimentares, de abuso de autoridade,
de imprensa, contra honra, praticados por funcionários públicos, contra a propriedade imaterial e contra a
ordem tributária. Prova penal. Sistemas de apreciação. Princípios gerais de obtenção e produção da prova.
Ônus da prova. Fases do procedimento probante. Prova emprestada. Provas ilegais: provas ilegítimas,
provas ilícitas e provas ilícitas por derivação. Provas em espécie: perícias em geral e o exame de corpo de
delito, interrogatório, confissão, declarações do ofendido, testemunhas, reconhecimentos, acareações,
indícios e presunções, documentos e busca e apreensão. Interceptação telefônica. Questões e processos
incidentes: Questões prejudiciais penais e extrapenais. Exceções: incompetência, litispendência,
ilegitimidade de parte, suspeição e coisa julgada. Incompatibilidades e impedimentos. Conflito de
jurisdição e conflito de atribuições. Restituição de coisas apreendidas: pedido e incidente. Medidas
assecuratórias. Incidente de insanidade mental. Incidente de falsidade documental. Sujeitos processuais. O
Juiz: condução do processo, o impulso oficial e o poder de polícia. Hipóteses e conseqüências do
impedimento e da suspeição. O Ministério Público: funções no processo como parte e como fiscal.
Estrutura. A independência funcional e a postura institucional. Os impedimentos e a suspeição. Acusado e
seu defensor: citações, intimações, notificações, resposta e obrigatoriedade de comparecimento aos atos.
Garantias legais e constitucionais do acusado. A autodefesa. Delação premiada. Curador. Assistente de
acusação: legitimidade e oportunidade. O assistente habilitado e o não-habilitado: faculdades processuais.
Posição do Ministério Público diante do ingresso do assistente. Funcionários da Justiça. Peritos e
intérpretes: disciplina, nomeação, recusa, suspeição e impedimentos. Prisão e liberdade provisórias. A
prisão provisória: prisão em flagrante, prisão preventiva, prisão temporária, prisão decorrente da
pronúncia e da sentença condenatória recorrível. Prisão especial. O ofendido. Posição do Ministério
Público ao requerer ou manifestar-se sobre a prisão provisória. Disciplina nas Leis 8.072/90 e 9.034/95,
com suas respectivas alterações posteriores. Liberdade provisória: espécies e requisitos. A fiança:
admissibilidade, inadmissibilidade e institutos. O Ministério Público diante do pedido de liberdade.
Procedimentos: espécies de procedimento. Procedimento comum. Procedimento sumário. Tribunal do
Júri: Procedimento de apuração dos crimes dolosos contra a vida. Judicium acusationes e judicium casae.
A pronúncia: natureza jurídica, coisa julgada, conteúdo, efeitos, intimação e a pronúncia nos crimes
conexos. A impronúncia: fundamentos e renovação do processo. A desclassificação. A absolvição
sumária: fundamentos, absolvição sumária própria e imprópria e absolvição sumária na hipótese de crimes
conexos. O julgamento pelo júri: formalidades, atuação do Ministério Público em plenário e quesitação.
Sentença penal. Requisitos formais. O pedido de declaração. A emendatio libelli e a mutatio libelli. A
sentença condenatória: fundamentação, aplicação da pena e efeitos penais e extrapenais. A sentença
absolutória: fundamentos e efeitos. A absolvição imprópria. Publicação. Intimação da sentença. A
reabilitação criminal: requisitos, procedimento, efeitos e revogação. Procedimento Comum: ordinário,
sumário e sumaríssimo. Procedimentos especiais: procedimento dos crimes praticados por funcionário
público, procedimento dos crimes contra a honra e procedimento dos crimes contra a propriedade
imaterial. Procedimento de apuração dos crimes falimentares, procedimento no crime de abuso de
autoridade, procedimento de apuração dos crimes de imprensa e procedimento de apuração dos crimes de
drogas. Procedimento para infrações penais que caracterizem violência doméstica ou familiar contra a
mulher. Procedimento nos delitos de trânsito. Procedimento aplicável nas hipóteses de foro privilegiado
(Leis 8.038/90 e 8.658/93). Procedimentos relativos às interceptações telefônicas, organizações
criminosas, idosos e quebra de sigilo bancário e fiscal. Aplicação. Normas pertinentes, atos chamatórios
(citações e intimações) e peculiaridades de cada rito. Procedimento dos Juizados Especiais Criminais
(Leis n.º 9.099/95 e 10.259/01). O juízo comum: hipóteses de remessa dos autos do juizado especial
criminal para o juízo comum e a desclassificação, no juízo comum, para infração de menor potencial
ofensivo. Sistema recursal nos Juizados Especiais Criminais. Nulidades. Vícios processuais. A
inexistência. A irregularidade. As nulidades em geral: nulidades absolutas e relativas. Princípios e
sistemas. Nulidade por incompetência do juízo. A suspeição e o impedimento. Vícios no inquérito policial
e conseqüências decorrentes. A ilegitimidade de parte. Nulidades em razão da falta de atos ou peças
processuais. Inobservância de formalidades essenciais dos atos processuais. Declaração judicial das
nulidades em primeiro e em segundo grau. Recursos em geral: Pressupostos. Espécies. O recurso ex
officio: hipóteses, conseqüências da adoção e da não-adoção. Fatos impeditivos e extintivos dos recursos.
A prelibação e a delibação. A reformatio in pejus direta e indireta e a reformatio in mellius. Efeitos
devolutivo, regressivo, translativo, extensivo dos recursos. O princípio da fungibilidade recursal e o
princípio da convolação. Recursos em espécie: Recurso em sentido estrito, apelação, embargos
declaratórios, embargos infringentes e de nulidade, a carta testemunhável. Recursos constitucionais:
recurso extraordinário, recurso especial, recurso ordinário constitucional. A admissão: cabimento,
tempestividade, forma, interesse e legitimidade. A inadmissão: conseqüências e recurso cabível.
Competência para o julgamento. Ações autônomas de impugnação. Habeas corpus, mandado de
segurança criminal e a revisão criminal: natureza jurídica, cabimento, oportunidade, forma, interesse e
legitimidade. Competência para julgamento. A decisão e seus efeitos. A correição parcial: regulamentação
estadual e cabimento.
DIREITO INSTITUCIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO O Ministério Público. Construção
histórica. Divisão. Princípios institucionais do Ministério Público. Unidade. Indivisibilidade.
Independência Funcional. Autonomias constitucionais do Ministério Público. Funcional. Administrativa.
Financeira. Garantias constitucionais relativas aos membros do Ministério Público. As garantias da
inamovibilidade, da irredutibilidade de vencimentos da vitaliciedade e do foro por prerrogativa de função.
As vedações constitucionais. Funções institucionais do Ministério blico. A estrutura organizacional e o
regime jurídico dos membros do Ministério Público na Constituição Federal, na Constituição Estadual e
na legislação institucional. A Lei Orgânica Nacional do Ministério Público Lei 8.625/93. A Lei
Orgânica Estadual do Ministério blico do Rio Grande do Sul Lei Estadual 7.669/82 e suas alterações
posteriores. O Estatuto do Ministério Público do Rio Grande do Sul Lei Estadual 6.536/73 e suas
alterações posteriores. A Lei Complementar 75/93. O Conselho Nacional do Ministério Público:
composição, competência; as resoluções e outras orientações de caráter normativo.
DIREITO AMBIENTAL Conceito de meio ambiente e características. A constitucionalização do meio
ambiente. O meio ambiente como direito fundamental. O meio ambiente como direito fundamental a
prestações em sentido amplo. Direito à proteção. Direito à organização e ao procedimento e direito a
prestações em sentido estrito. O modelo da ponderação como critério para a exigibilidade de prestações
ambientais materiais. Os princípios de Direito ambiental. A supremacia do interesse público na
conservação do meio ambiente. O desenvolvimento sustentável. Precaução. Prevenção. Poluidor-pagador.
Participação comunitária. Função ambiental da propriedade. Consideração da variável ambiental nas
decisões do poder público. Cooperação. Competências ambientais. Competência político-administrativa e
a competência legislativa. Da política nacional do meio ambiente. Sistema nacional de meio ambiente.
Instrumentos da política nacional do meio ambiente. Licenciamento ambiental. Estudo de impacto
ambiental e relatório de impacto ambiente. Recursos hídricos. Propriedade dos recursos hídricos na
Constituição Federal, na Lei das Águas Lei n.º 9.433/97 e no digo Civil. Política Nacional de
Recursos Hídricos: fundamentos, objetivos e diretrizes gerais de ação. Direito de outorga. Cobrança pelo
uso da água. Competência material e legislativa sobre águas. Lei do Sistema Nacional de Unidades de
Conservação Lei n.º 9.985/2000 e sua regulamentação (Decreto Federal n 4.340/2002. Lei da Mata
Atlântica – Lei n.º 11.428/2006. Lei do Saneamento – Lei n.º 11.445/2007. Tutela do patrimônio cultural.
Responsabilidade administrativa por infrações ambientais. Responsabilidade civil ambiental. O dano
ambiental. Pressupostos para a responsabilização. Teorias do risco. A Responsabilidade do Estado. A
desconsideração da personalidade jurídica para reparação do dano. Formas de reparação do dano
ambiental. Ação civil pública ambiental. Ação popular ambiental. Ação de improbidade administrativa
ambiental. Responsabilidade penal ambiental. Responsabilidade penal da pessoa física. Responsabilidade
penal da pessoa jurídica. A lei dos crimes contra o ambiente - Lei 9.605/98. Delitos em espécie.
Composição do dano, transação penal e suspensão do processo. A ação penal. Denúncia contra pessoa
física e jurídica. Processo e procedimento. Penas.
DIREITO DO CONSUMIDOR A constitucionalização do direito do consumidor. Natureza jurídica das
normas do digo de Defesa do Consumidor. Fontes do direito do consumidor. Relação jurídica de
consumo. Consumidor. Consumidor por equiparação. Fornecedor. Objeto da relação de consumo.
Produtos. Serviços. Serviços públicos uti singuli. Princípios. Reconhecimento da vulnerabilidade do
consumidor. Educação e informação de fornecedores e consumidores quanto a direitos e deveres.
Harmonização dos interesses entre consumidores e fornecedores com base na boa-fé objetiva. Coibição e
repressão eficientes a todos os abusos praticados no mercado de consumo. Garantia quanto à segurança e
qualidade de produtos e serviços. Racionalização e melhoria dos serviços públicos. Direitos básicos.
Proteção à vida, saúde e segurança. Informação adequada e clara. Proteção contra as práticas e cláusulas
abusivas. Revisão contratual: prestações desproporcionais ou fatos supervenientes que as tornem
excessivamente onerosas. Efetiva prevenção e reparação de danos coletivos lato sensu ou individuais,
patrimoniais ou morais. Facilitação da defesa com a inversão ope judicis do ônus da prova pela
hipossuficiência do consumidor ou verossimilhança de suas alegações. Teoria da qualidade. Tipos de
periculosidade. Deveres do fornecedor. O fato do produto ou do serviço. Responsabilidade civil pelos
acidentes de consumo. Dever de indenizar independente de vínculo contratual. Os responsáveis pelo dever
de indenizar. Causas de exclusão da responsabilidade e o ônus da prova em favor do fornecedor. Caso
fortuito e força maior. Responsabilidade especial ou subsidiária do comerciante. A responsabilidade
solidária do comerciante. O direito de regresso e o descabimento de denunciação da lide.
Responsabilidade dos profissionais liberais. A culpa do profissional liberal. O ônus da prova. Vítima de
acidente de consumo. Vícios dos produtos e serviços. Incidentes de consumo. Distinção entre incidentes e
acidentes de consumo. Responsabilidade objetiva e solidária do fornecedor de produtos ou serviços com
vícios de qualidade ou quantidade. Possibilidade do fornecedor sanar o vício. Cabimento e prazo. Opções
do consumidor para a solução do problema. Prazo para reclamação quanto a produtos ou serviços
duráveis ou não-duráveis. Termo inicial para vícios ocultos e vícios aparentes. Vício do serviço. Opções
do consumidor. Serviço público uti singuli. Vícios de quantidade. Opções do consumidor. Garantias: legal
e contratual. Desconsideração da pessoa jurídica. Prazos decadenciais e de prescrição na relação de
consumo. Decadência. Prescrição. Aplicação subsidiária do Código Civil. Práticas comerciais. A oferta.
Princípio da vinculação da oferta e da publicidade. A oferta não publicitária dever de informar. A Lei
5.903/2006. Descumprimento da oferta. Publicidade. Princípios da publicidade. Publicidade enganosa e
abusiva. Inversão ope legis do ônus da prova da veracidade da mensagem publicitária. Cobrança de
dívidas. A devolução em dobro da importância indevidamente exigida. A hipótese de engano justificável.
Cadastro de fornecedores e consumidores. Práticas comerciais abusivas. Conceito de consumidor por
equiparação: a coletividade de pessoas expostas às práticas comerciais e aos contratos de consumo. Rol
não-exaustivo das principais práticas comerciais. Proteção contratual. A nova ordem contratual baseada
na boa-fé. Conhecimento prévio do conteúdo do contrato. Pré-contratos. Interpretação das cláusulas
dúbias. Direito de arrependimento. Cabimento, prazo para exercício e os ônus a cargo do fornecedor.
Cláusulas contratuais abusivas. Cláusulas nulas de pleno direito. Rol não-exaustivo das cláusulas
abusivas. Papel do Ministério Público no controle de cláusulas abusivas. Outorga de crédito e concessão
de financiamento. Direito de informação. Amortização e quitação antecipada. Contratos de adesão.
DIREITO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Criança e adolescente. Antecedentes históricos. A
inserção constitucional. O princípio da prevenção especial. Os direitos fundamentais da criança e do
adolescente. Família natural e substituta. Guarda e tutela. Adoção. Prevenção. Geral e especiais. Política e
organização do atendimento. Linhas de ação e da política de atendimento. Linhas de ação e diretrizes.
Municipalização e descentralização. Participação da cidadania e conselhos dos direitos. As entidades e
programas de atendimento. Medidas de proteção. Gerais e específicas. Prática do ato infracional. Direitos
individuais. Garantias processuais. Medidas soció-educativas. Remissão. Medidas pertinentes aos pais e
responsáveis. Conselho Tutelar. Disposições gerais. Atribuições. Competência. Escolha dos conselheiros
e impedimentos. A questão socioeducativa. Conceito e tempo do ato infracional. Inimputabilidade.
Acesso a justiça. A Justiça da Infância e da Juventude. Generalidades. Princípios gerais. Competência.
Serviços Auxiliares. Os Procedimentos. Disposições gerais. A perda e suspensão do Poder Familiar.
Destituição da tutela. Colocação em família substituta. Apuração de ato infracional atribuído à
adolescente. Apuração de irregularidade em entidade de atendimento. Da Apuração de Infração
Administrativa às Normas de Proteção à Criança e ao Adolescente. Os recursos. O Ministério Público. O
Advogado. A proteção judicial dos interesses individuais, difusos e coletivos das crianças e adolescentes.
As infrações administrativas.
DIREITO DO IDOSO Os direitos fundamentais do idoso. Leis n.º 8.842/94 e n.º 10.741/03 e suas
alterações posteriores. As medidas protetivas. A política de atendimento. Disposições gerais. Entidades
de atendimento ao idoso. Fiscalização das entidades de atendimento. Infrações administrativas. Apuração
administrativa de infração às normas de proteção ao idoso. Apuração judicial de irregularidades em
entidade de atendimento. Acesso à Justiça. Disposições gerais. Ministério Público. Proteção judicial dos
interesses difusos, coletivos e individuais indisponíveis ou homogêneos do idoso.
DIREITO DAS PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA Convenção sobre os Direitos das
Pessoas com Deficiência, assinado em Nova Iorque, em 30 de março de 2007, ratificado, no âmbito do
direito interno, pelo Decreto Legislativo n.º 186/08. A constitucionalização dos direitos das pessoas
portadoras de deficiência. A política nacional para a integração das pessoas portadoras de deficiência;
diretrizes, objetivos e instrumentos. Lei n.º 7.853/89 e Dec. n.º 3.298/99, com suas alterações posteriores.
As responsabilidades do Poder blico. Educação. Saúde. Formação profissional e do trabalho. Recursos
humanos. Edificações. A criminalização do preconceito. As categorias de deficiência: física, auditiva,
visual, mental, múltipla. O art. 4º do Decreto 3.298/99. A prioridade de atendimento. A Lei n.º 10.048/00
e suas alterações posteriores A acessibilidade: art. 2º, I, da Lei 10.098/00. A inclusão social: art. do
Decreto 3.298/99. O atendimento prioritário: art. e art. 4º do Decreto 3.298/99. O Decreto n.º 5.296/04.
Reserva de cargos e empregos públicos estaduais para pessoas portadoras de deficiência. Lei Estadual n.º
10.228, de 06.7.1994. Decreto estadual n.º 44.300, de 20.2.2006. Acesso à justiça. O Ministério Público.
A ação civil pública para a tutela jurisdicional dos interesses difusos, coletivos e individuais indisponíveis
ou homogêneos das pessoas portadoras de deficiência. A ação civil pública para a tutela jurisdicional dos
direitos individuais das pessoas portadores de deficiência. A Lei n.º 10.048/00 e suas alterações
posteriores.
DIREITO URBANÍSTICO O Estatuto da Cidade. Instrumentos de Política Urbana. Parcelamento.
Edificação ou utilização compulsórios. Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU)
progressivo no tempo. Desapropriação com pagamento em títulos. Usucapião especial de imóvel urbano.
Direito de superfície. Direito de preempção. Outorga onerosa do direito de construir. Operações urbanas
consorciadas. Transferência do direito de construir. Estudo Prévio de Impacto de Vizinhança (EIV). Plano
Diretor. Gestão Democrática da Cidade. Responsabilidade Territorial Urbana. Parcelamento do solo para
fins urbanos: requisitos urbanísticos e ambientais. Desmembramento e loteamento. Requisitos. Lei
6766/79. Lei 9785/99. Lei 10257/01. Provimento 28/2004 da Corregedoria-Geral da Justiça do Rio
Grande do Sul “More Legal 3”). Responsabilidades do empreendedor e do Poder Público. Projeto de
parcelamento. Entrega das obras. Registro do parcelamento. Contratos. Intervenção. Regularização
fundiária sustentável de áreas urbanas.
LÍNGUA PORTUGUESA Ortografia: sistema ortográfico vigente. Morfossintaxe: classes gramaticais;
flexão verbal; modos, vozes, tempos e aspectos do verbo; flexão nominal; identificação e emprego das
classes gramaticais, especialmente dos numerais, dos pronomes e das conjunções; concordância verbal e
nominal; regência verbal e nominal; crase; colocação dos termos na oração e das orações no período;
colocação pronominal; pontuação comum e especial: vírgula, ponto-e-vírgula, travessão e parênteses;
frase, oração e período; a oração e seus termos; estrutura da oração e do período; os processos sintáticos:
coordenação e subordinação; paralelismo sintático; equivalência e transformação de estruturas; discurso
direto e indireto. Semântica: significado de palavras e expressões; relações de sinonímia e antonímia;
denotação e conotação; significação e contexto; terminologia jurídica: vocabulário técnico (específico do
Direito) e semitécnico (emprestado da linguagem comum): significado, aspectos ortográficos e
morfossintáticos. Compreensão e interpretação de textos: análise e interpretação de textos: tipos de texto;
estrutura textual; relação entre idéias: coesão e coerência; recursos coesivos; ponto de vista do autor; idéia
central e idéias convergentes; informações literais e inferências; intertextualidade e extratextualidade.
ANEXO 2
PETIÇÃO PARA PEDIDO DE RECONSIDERAÇÃO À PROVA PREAMBULAR
XLV CONCURSO PARA INGRESSO À CARREIRA DO MINISTÉRIO PÚBLICO
Ao Exmo. Presidente da Comissão do Concurso
Identificação do candidato: -Nome:
-Número de inscrição:
Eu, acima identificado, venho, com base nas razões em anexo, não identificadas, requerer pedido de
reconsideração na(s) questão(ões):
Questão : ______... Nº de páginas do recurso: _____
Questão : ______... Nº de páginas do recurso: _____
Questão : ______... Nº de páginas do recurso: _____
Porto Alegre, ...... de.....................de 200.....
_____________________________
assinatura do candidato
PETIÇÃO PARA PEDIDO DE RECONSIDERAÇÃO À PROVA DISCURSIVA
XLV CONCURSO PARA INGRESSO À CARREIRA DO MINISTÉRIO PÚBLICO
Ao Exmo. Presidente da Comissão do Concurso
Identificação do candidato: -Nome:
-Número de inscrição:
Eu, acima identificado, venho, com base nas razões em anexo, não identificadas, requerer pedido de
reconsideração questão(ões):
GRUPO TEMÁTICO I Questão : ______... Nº de páginas do recurso: _____
Questão : ______... Nº de páginas do recurso: _____
...
GRUPO TEMÁTICO II Questão : ______... Nº de páginas do recurso: _____
Questão : ______... Nº de páginas do recurso: _____
...
GRUPO TEMÁTICO III Questão : ______... Nº de páginas do recurso: _____
Questão : ______... Nº de páginas do recurso: _____
...
GRUPO TEMÁTICO IV Questão : ______... Nº de páginas do recurso: _____
Questão : ______... Nº de páginas do recurso: _____
...
Porto Alegre, ...... de.....................de 200.....
_____________________________
assinatura do candidato
ANEXO 3
DADOS NECESSÁRIOS PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE
INSCRIÇÃO DEFINITIVA
SITUAÇÃO PROFISSIONAL ATUAL
Profissão;
Cargo ou Função;
Repartição, Firma, Escritório, etc;
Endereço, Telefone, Localidade, Estado.
O candidato deverá informar:
- se figura ou figurou como indiciado, denunciado ou querelado em inquérito ou processo.
- se já prestou Concurso para o Ministério Público do Rio Grande do Sul? qual o ano?
SITUAÇÃO PROFISSIONAL ANTERIOR
Indicação detalhada de cargos, funções e atividades que exerceu, públicos ou privados,
remunerados ou não, com endereços completos, e dados úteis à sindicância da vida
pregressa. A omissão de dados relevantes poderá motivar, a qualquer tempo, o
cancelamento da inscrição preliminar ou definitiva;
Endereços completos dos domicílios nos últimos cinco anos;
Citar o nome e telefone de Promotores , Juízes, Procuradores do Estado ou Defensores
Públicos que o conheçam.
DADOS REFERENTES AO CÔNJUGE
Nome Completo;
Profissão;
Cargo ou Função;
Repartição, Firma, Escritório, etc;
Endereço, Telefone, Localidade, Estado.
Deverá também informar os endereços e telefones para eventuais comunicações
ao candidato.
__________________________________________________
ANEXO 4
FORMULÁRIO DA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA A PROVA DE TÍTULOS
XLV CONCURSO PARA INGRESSO À
CARREIRA DO MINISTÉRIO PÚBLICO
RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA A PROVA DE TÍTULOS
Identificação do Candidato:
Número de inscrição:
Nome:
Lista de Documentos Anexos:
1 – Diploma de xxxxxxx – (folha nº 1)
2 – Certificado de yyyyyy – (folha nº 2)
3 – Atestado de zzzzzzz - ( folha nº 3)
4 – .....
__________________________________
Data e assinatura do candidato