Edital do Concurso Secretaria de Estado da Saúde - DF (SES/DF) 2012

Esfera: Distrital

Visualizaçao do Edital do Concurso

PÁGINA 65
Diário O?cial do Distrito Federal
Nº 170 quinta-feira, 23 de agosto de 2012
www.licitacoes-e.com.br a partir do dia 23 de agosto de 2012. Outras informações poderão ser
obtidas por meio do telefone (61) 3213-7575.
Brasília/DF, 22 de agosto de 2012.
GILMAR PERES MONTEIRO
Pregoeiro Caesb
AVISO DE LICITAÇÃO
PREGÃO ELETRÔNICO Nº 126/2012- CAESB
A COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL - CAESB torna
público que realizará o Pregão Eletrônico nº126/2012-CAESB, processo nº 092.005129/2012,
registro de Preços para fornecimento de materiais para construção civil e acabamento, confor-
me quantidades e especi?cações técnicas constantes no anexo I do edital (pedido de aquisição
e termo de referência), por preço equalizado, por lote cotado. Data ?nal para recebimento das
Propostas: 05 de setembro de 2012, às 08h30min. Início da sessão de disputa: 05 de setembro
de 2012, às 10 horas. O edital e seus anexos poderão ser encontrados no site www.licitacoes-e.
com.br a partir do dia 24 de agosto de 2012. Contatos e informações poderão ser obtidos por
meio do telefone (61) 3213-7130, email pregao@caesb.df.gov.br.
Brasília/DF, 22 de agosto de 2012.
SILVIO SANTOS GONÇALVES SOARES
Pregoeiro Caesb
AVISO DE LICITAÇÃO
PREGÃO ELETRÔNICO Nº127/2012- CAESB
A COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL - CAESB torna
público que realizará o Pregão Eletrônico nº 127/2012-CAESB, processo nº 092.004378/2012,
aquisição de geradores de 5,5KVA a diesel, silenciados e com quadro de transferência automá-
tica, conforme quantidades e especi?cações técnicas constantes no anexo I do edital (pedido de
aquisição e termo de referência), por preço equalizado, por lote cotado.
Data ?nal para recebimento das Propostas: 10 de setembro de 2012, às 08h30min. Início da sessão
de disputa: 10 de setembro de 2012, às 10 horas. O edital e seus anexos poderão ser encontrados
no site www.licitacoes-e.com.br a partir do dia 24 de agosto de 2012. Contatos e informações
poderão ser obtidos por meio do telefone (61) 3213-7130, email pregao@caesb.df.gov.br.
Brasília/DF, 22 de agosto de 2012.
SILVIO SANTOS GONÇALVES SOARES
Pregoeiro Caesb
EXTRATO DE ATA DE REGISTRO DE PREÇOS (ARP)
ARP Nº 0041/2012. Pregão Eletrônico nº 93/2012-CAESB. OBJETO: Registro de Preços para
fornecimento de licenças de softwares aplicativos e sistemas operacionais sob cessão de direito
de uso temporário, por preço equalizado, por lote cotado. ASSINATURA: 17/08/2012. PRAZO
DE ENTREGA: até 30 (trinta) dias. VIGÊNCIA: Validade de 12 (doze) meses, contados a
partir da publicação no DODF. EMPRESAS ADJUDICATÁRIAS: CTIS TECNOLOGIA S/A,
VALOR: R$ 2.366.995,81 (dois milhões, trezentos e sessenta e seis mil, novecentos e noventa
e cinco reais e oitenta e um centavos), para o LOTE 1.
MÁRCIO CAMPOS LUTTEMBARCK
Diretor de Gestão
RETIFICAÇÃO
No Contrato nº 8262/2012, publicado no DODF nº 167, em 20/08/2012, págs. 60. ONDE SE
LÊ: “...PE nº 047/2012-CAESB...”, LEIA-SE: “...PE nº 047/2012R-CAESB...”.
SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE
EXTRATO DE DISPENSA DE LICITAÇÃO
Em cumprimento à decisão judicial exarada nos autos do processo 060.007.859/2012, resolve:
Justi?cativa: Artigo 24, inciso IV, Lei nº 8.666/93. Atendimento a decisão judicial. Rati?cação:
22/08/2012. Objeto: OCTREOSCAN, destinado a paciente PABLINE CABRAL DE QUEIROZ,
em favor do IMEB, no valor de R$6.287,00 (seis mil duzentos e oitenta e sete reais). Brasília, 22
de agosto de 2012. Rafael De Aguiar Barbosa, Secretário de Estado de Saúde/SES.
EDITAL NORMATIVO Nº 34, DE 23 DE AGOSTO DE 2012
CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO
DE CADASTRO-RESERVA PARA OS CARGOS DA CARREIRA MÉDICA
DO QUADRO DE PESSOAL DO DISTRITO FEDERAL
O SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE DO DISTRITO FEDERAL, autorizado pelo Conse-
lho de Política de Recursos Humanos do Distrito Federal, por meio do processo 060.000.671/2012
- SES/DF, no uso de suas atribuições legais e considerando o disposto no Decreto nº 21.688, de
7 de novembro de 2000, na Lei nº 39, de 6 de setembro de 1989, e posteriores alterações, na Lei
nº 463, de 22 de junho de 1993, na Resolução nº 168 do TCDF, de 15 de setembro de 2004, nas
Leis nº 1.226, de 17 de outubro de 1996, nº 1.321, de 26 de dezembro de 1996, nº 3.962, de 27
de fevereiro de 2007, e nº 4.104, de 5 de março de 2008, bem como, à legislação especí?ca das
carreiras objeto dos certames, torna pública a realização de concurso público para provimento
de vagas e formação de cadastro-reserva no cargo da Carreira Médica do Quadro de Pessoal do
Distrito Federal nas especialidades: Acupuntura; Alergia e Imunologia; Anatomia Patológica;
Anestesiologia; Broncoesofagologia; Cirurgia de Cabeça e Pescoço; Cirurgia Cardíaca; Cirurgia
Vascular; Cirurgia Pediátrica; Cirurgia Plástica; Cirurgia Torácica; Clínica Médica; Endocri-
nologia; Genética Médica; Geriatria; Hematologia e Hemoterapia; Homeopatia; Infectologia;
Medicina Intensiva; Neonatologia; Neuropediatria; Ortopedia e Traumatologia; Pediatria; Psi-
quiatria; Radioterapia e Médico do Trabalho, de acordo com as normas estabelecidas neste edital.
1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES
1.1. O concurso público será realizado pela Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal,
regido por este edital e executado pela Fundação Universa.
1.2. O concurso público destina-se a selecionar candidatos para provimento de 816 vagas (oito-
centas e dezesseis) vagas dos cargos/especialidades/lotação da Carreira Médica do Quadro de
Pessoal do Distrito Federal e formação de cadastro-reserva, nos cargos/especialidades descritas
no item 2 deste edital.
1.2.1. O provimento das vagas para todas as especialidades da Carreia Médica ?cará a critério
da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal e obedecerá à ordem de classi?cação dos
candidatos. Será levada em consideração a opção pelo cargo/especialidade/lotação indicada no
ato da inscrição.
1.2.2. O candidato aprovado dentro do número de vagas de?nidas no Anexo III para os cargos da
Carreira Médica quando nomeado, será lotado de acordo com a especialidade/lotação de?nida
no ato da inscrição.
1.3. O candidato aprovado fora do número de vagas de?nidas no Anexo III deste edital irá
compor o cadastro-reserva único e ?gurará em lista que obedecerá à ordem decrescente da nota
?nal obtida no concurso público respeitando o cargo/especialidade escolhido e os critérios de
desempate mencionados no item 9.1 deste edital, atribuindo para o candidato uma classi?cação
especí?ca para esta lista.
1.3.1. O candidato aprovado fora do número de vagas de?nidas no Anexo III deste edital, quando
nomeado, será lotado em qualquer das Regionais de Saúde do Distrito Federal atendendo aos
interesses de conveniência e de oportunidade do Governo do Distrito Federal.
1.3.2. O cadastro-reserva mencionado nos subitens 1.3 e 1.3.1 acima, somente será aproveitado
mediante a abertura de vagas e atendendo aos interesses de conveniência e de oportunidade do
Governo do Distrito Federal.
1.4. Os candidatos nomeados para o cargo da Carreira Médica, de acordo com a especialidade/
lotação, só poderão candidatar-se a remoção após cumprirem 3 (três) anos de efetivo exercício
na unidade de lotação original.
1.5. As provas referentes ao concurso público serão aplicadas na cidade de Brasília/DF.
1.5.1. Havendo indisponibilidade de locais su?cientes ou adequados na cidade de Brasília/DF,
as provas poderão ser aplicadas em outras cidades do Distrito Federal.
1.6. O concurso público compreenderá de prova objetiva, de caráter eliminatório e classi?catório,
que será aplicada a todas as especialidades da Carreira Médica.
1.7. Os candidatos aprovados serão convocados para a realização dos procedimentos pré-ad-
missionais e dos exames médicos complementares, de caráter unicamente eliminatório, de
responsabilidade da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal.
1.8. Os horários mencionados no presente edital e nos demais editais a serem publicados para o
certame, obedecerão ao horário o?cial de Brasília.
2. DAS ESPECIALIDADES
2.1. CARGO: CARREIRA MÉDICA – ESPECIALIDADE: ACUPUNTURA (CÓDIGO 101)
2.1.1. REQUISITOS: diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de graduação de
nível superior em medicina, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo Minis-
tério de Educação; registro no Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal; e certi?cado
de residência médica nesta especialidade ou título de especialista reconhecido pela Associação
Médica Brasileira (AMB) ou certi?cado de conclusão de curso de especialização reconhecido
pelo Colégio Médico Brasileiro de Acupuntura.
2.1.2. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES: planejar, organizar, coordenar, super-
visionar, avaliar e executar atividades relacionadas ao atendimento a pacientes, estabelecendo
diagnóstico, conduta terapêutica, clínica e(ou) cirúrgica, observando o contido no Código de
Ética Médica; realizar atividades técnico-administrativas que se ?zerem necessárias para a e?-
ciência e e?cácia das ações que visem o tratamento médico e a proteção da saúde individual e
coletiva; participar de programas de treinamento; executar outras atividades de interesse da área.
2.1.3. NÚMERO DE VAGAS: 8 (oito) vagas.
2.1.4. REMUNERAÇÃO: R$ 3.949,22 (três mil, novecentos e quarenta e nove reais e vinte e
dois centavos).
2.1.5. JORNADA DE TRABALHO: 20 (vinte) horas semanais.
2.2. CARGO: CARREIRA MÉDICA – ESPECIALIDADE: ALERGIA E IMUNOLOGIA
(CÓDIGO 102)
2.2.1. REQUISITOS: diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de graduação
de nível superior em medicina, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo
Ministério de Educação; registro no Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal; e
certi?cado de residência médica nesta especialidade ou título de especialista reconhecido pela
Associação Médica Brasileira (AMB).
2.2.2. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES: planejar, organizar, coordenar, super-
visionar, avaliar e executar atividades relacionadas ao atendimento a pacientes, estabelecendo
diagnóstico, conduta terapêutica, clínica e(ou) cirúrgica, observando o contido no Código de
Ética Médica; realizar atividades técnico-administrativas que se ?zerem necessárias para a e?-
ciência e e?cácia das ações que visam o tratamento médico e a proteção da saúde individual e
PÁGINA 66
Diário O?cial do Distrito Federal
Nº 170 quinta-feira, 23 de agosto de 2012
coletiva; participar de programas de treinamento; executar outras atividades de interesse da área.
2.2.3. NÚMERO DE VAGAS: 1 (uma) vaga.
2.2.4. REMUNERAÇÃO: R$ 3.949,22 (três mil, novecentos e quarenta e nove reais e vinte e
dois centavos).
2.2.5. JORNADA DE TRABALHO: 20 (vinte) horas semanais.
2.3. CARGO: CARREIRA MÉDICA – ESPECIALIDADE: ANATOMIA PATOLÓGICA
(CÓDIGO 103)
2.3.1. REQUISITOS: diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de graduação
de nível superior em medicina, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo
Ministério de Educação; registro no Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal; e
certi?cado de residência médica nesta especialidade ou título de especialista reconhecido pela
Associação Médica Brasileira (AMB).
2.3.2. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES: planejar, organizar, coordenar, super-
visionar, avaliar e executar atividades relacionadas ao atendimento a pacientes, estabelecendo
diagnóstico, conduta terapêutica, clínica e(ou) cirúrgica, observando o contido no Código de
Ética Médica; realizar atividades técnico-administrativas que se ?zerem necessárias para a e?-
ciência e e?cácia das ações que visam o tratamento médico e a proteção da saúde individual e
coletiva; participar de programas de treinamento; executar outras atividades de interesse da área.
2.3.3. NÚMERO DE VAGAS: 12 (doze) vagas.
2.3.4. REMUNERAÇÃO: R$ 3.949,22 (três mil, novecentos e quarenta e nove reais e vinte e
dois centavos).
2.3.5. JORNADA DE TRABALHO: 20 (vinte) horas semanais.
2.4. CARGO: CARREIRA MÉDICA – ESPECIALIDADE: ANESTESIOLOGIA (CÓDIGO 104)
2.4.1. REQUISITOS: diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de graduação
de nível superior em medicina, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo
Ministério de Educação; registro no Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal; e
certi?cado de residência médica nesta especialidade ou título de especialista reconhecido pela
Associação Médica Brasileira (AMB).
2.4.2. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES: planejar, organizar, coordenar, super-
visionar, avaliar e executar atividades relacionadas ao atendimento a pacientes, estabelecendo
diagnóstico, conduta terapêutica, clínica e(ou) cirúrgica, observando o contido no Código de
Ética Médica; realizar atividades técnico-administrativas que se ?zerem necessárias para a e?-
ciência e e?cácia das ações que visam o tratamento médico e a proteção da saúde individual e
coletiva; participar de programas de treinamento; executar outras atividades de interesse da área.
2.4.3. NÚMERO DE VAGAS: 80 (oitenta) vagas.
2.4.4. REMUNERAÇÃO: R$ 3.949,22 (três mil, novecentos e quarenta e nove reais e vinte e
dois centavos).
2.4.5. JORNADA DE TRABALHO: 20 (vinte) horas semanais.
2.5. CARGO: CARREIRA MÉDICA – ESPECIALIDADE: BRONCOESOFAGOLOGIA
(CÓDIGO 105)
2.5.1. REQUISITOS: diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de graduação
de nível superior em medicina, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo
Ministério de Educação; registro no Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal; e
certi?cado de residência médica nesta especialidade ou título de especialista reconhecido pela
Associação Médica Brasileira (AMB).
2.5.2. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES: planejar, organizar, coordenar, super-
visionar, avaliar e executar atividades relacionadas ao atendimento a pacientes, estabelecendo
diagnóstico, conduta terapêutica, clínica e(ou) cirúrgica, observando o contido no Código de
Ética Médica; realizar atividades técnico-administrativas que se ?zerem necessárias para a e?-
ciência e e?cácia das ações que visam o tratamento médico e a proteção da saúde individual e
coletiva; participar de programas de treinamento; executar outras atividades de interesse da área.
2.5.3. NÚMERO DE VAGAS: 1 (uma) vaga.
2.5.4. REMUNERAÇÃO: R$ 3.949,22 (três mil, novecentos e quarenta e nove reais e vinte e
dois centavos).
2.5.5. JORNADA DE TRABALHO: 20 (vinte) horas semanais.
2.6. CARGO: CARREIRA MÉDICA – ESPECIALIDADE: CIRURGIA DE CABEÇA E PES-
COÇO (CÓDIGO 106)
2.6.1. REQUISITOS: diploma de médico, devidamente registrado e reconhecido pelo Conselho
Regional de Medicina (CRM). Certi?cado de dois anos de residência médica em cirurgia geral,
realizado em serviço credenciado pela Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM/MEC),
e certi?cado de dois anos de residência médica em cirurgia de cabeça e pescoço realizado em
serviço credenciado pelo CNRM/MEC ou certi?cado de conclusão de estágio o?cial na espe-
cialidade de cirurgia de cabeça e pescoço em Serviço Formador Reconhecido pela Sociedade
Brasileira de Cirurgia Cabeça e Pescoço (SBCCP) e título de especialista em cirurgia de cabeça
e pescoço reconhecido pela Associação Médica Brasileira (AMB).
2.6.2. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES: planejar, organizar, coordenar, super-
visionar, avaliar e executar atividades relacionadas ao atendimento a pacientes, estabelecendo
diagnóstico, conduta terapêutica, clínica e(ou) cirúrgica, observando o contido no Código de
Ética Médica; realizar atividades técnico-administrativas que se ?zerem necessárias para a e?-
ciência e e?cácia das ações que visam o tratamento médico e a proteção da saúde individual e
coletiva; participar de programas de treinamento; executar outras atividades de interesse da área.
2.6.3. NÚMERO DE VAGAS: 1 (uma) vaga.
2.6.4. REMUNERAÇÃO: R$ 3.949,22 (três mil, novecentos e quarenta e nove reais e vinte e
dois centavos).
2.6.5. JORNADA DE TRABALHO: 20 (vinte) horas semanais.
2.7. CARGO: CARREIRA MÉDICA ESPECIALIDADE: CIRURGIA CARDÍACA
(CÓDIGO 107)
2.7.1. REQUISITOS: diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de graduação de
nível superior em medicina, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo Minis-
tério de Educação; registro no Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal; e certi?cado
de residência médica nesta especialidade ou título de especialista reconhecido pela Associação
Brasileira de Cirurgia Cardiovascular (SBCCV).
2.7.2. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES: Atendimento ambulatorial, atendimento
em regime de plantão no serviço de Emergência, visitas clínicas aos pacientes internados nas
enfermarias com evolução e prescrições descritas em prontuário médico, resposta à pareceres
especializados solicitados por outras clínicas, interpretação de exames complementares desde
básicos aos de alta complexidade, realização de emissão de laudos de exames complementares
inerentes à especialidade, participar de escalas de sobreavisos das clínicas, quando necessário,
atendimento em caráter de emergência, quando acionado pelo Chefe de Equipe daquele setor,
exercer todas as atividades inerentes à especialidade e ao cargo que for designado, cumpri-
mento das rotinas administrativas estabelecidas. Deverá realizar procedimentos cirúrgicos
em nível ambulatorial, emergencial e eletivo, de pequeno, médio e grande porte, devendo
acompanhar todo o quadro pré e pós-operatório dos pacientes, e revisões ambulatoriais sub-
sequentes. Desenvolver as suas funções de acordo com a conveniência do serviço. Executar
outras atividades inerentes à especialidade.
2.7.3. NÚMERO DE VAGAS: 1 (uma) vaga.
2.7.4. REMUNERAÇÃO: R$ 3.949,22 (três mil, novecentos e quarenta e nove reais e vinte e
dois centavos).
2.7.5. JORNADA DE TRABALHO: 20 (vinte) horas semanais.
2.8. CARGO: CARREIRA MÉDICA – ESPECIALIDADE: CIRURGIA VASCULAR
(CÓDIGO 108)
2.8.1. REQUISITOS: diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de graduação de
nível superior em medicina, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo Minis-
tério de Educação; registro no Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal; e certi?cado
de residência médica nesta especialidade ou título de especialista reconhecido pela Associação
Médica Brasileira (AMB) / Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV).
2.8.2. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES: planejar, organizar, coordenar, super-
visionar, avaliar e executar atividades relacionadas ao atendimento a pacientes, estabelecendo
diagnóstico, conduta terapêutica, clínica e(ou) cirúrgica, observando o contido no Código de
Ética Médica; realizar atividades técnico-administrativas que se ?zerem necessárias para a e?-
ciência e e?cácia das ações que visam o tratamento médico e a proteção da saúde individual e
coletiva; participar de programas de treinamento; executar outras atividades de interesse da área.
2.8.3. NÚMERO DE VAGAS: 1 (uma) vaga.
2.8.4. REMUNERAÇÃO: R$ 3.949,22 (três mil, novecentos e quarenta e nove reais e vinte e
dois centavos).
2.8.5. JORNADA DE TRABALHO: 20 (vinte) horas semanais.
2.9. CARGO: CARREIRA MÉDICA – ESPECIALIDADE: CIRURGIA PEDIÁTRICA
(CÓDIGO 109)
2.9.1. REQUISITOS: diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de graduação
de nível superior em medicina, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo
Ministério de Educação; registro no Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal; e
certi?cado de residência médica nesta especialidade ou título de especialista reconhecido pela
Associação Médica Brasileira (AMB).
2.9.2. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES: planejar, organizar, coordenar, super-
visionar, avaliar e executar atividades relacionadas ao atendimento a pacientes, estabelecendo
diagnóstico, conduta terapêutica, clínica e(ou) cirúrgica, observando o contido no Código de
Ética Médica; realizar atividades técnico-administrativas que se ?zerem necessárias para a e?-
ciência e e?cácia das ações que visam o tratamento médico e a proteção da saúde individual e
coletiva; participar de programas de treinamento; executar outras atividades de interesse da área.
2.9.3. NÚMERO DE VAGAS: 10 (dez) vagas.
2.9.4. REMUNERAÇÃO: R$ 3.949,22 (três mil, novecentos e quarenta e nove reais e vinte e
dois centavos).
2.9.5. JORNADA DE TRABALHO: 20 (vinte) horas semanais.
2.10. CARGO: CARREIRA MÉDICA – ESPECIALIDADE: CIRURGIA PLÁSTICA
(CÓDIGO 110)
2.10.1. REQUISITOS: diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de graduação
de nível superior em medicina, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo
Ministério de Educação; registro no Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal; e cer-
ti?cado de residência médica credenciada pelo MEC nesta especialidade ou título de especialista
reconhecido pela Associação Médica Brasileira (AMB).
2.10.2. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES: planejar, organizar, coordenar, super-
visionar, avaliar e executar atividades relacionadas ao atendimento a pacientes, estabelecendo
diagnóstico, conduta terapêutica, clínica e(ou) cirúrgica, observando o contido no Código de
Ética Médica; realizar atividades técnico-administrativas que se ?zerem necessárias para a e?-
ciência e e?cácia das ações que visam o tratamento médico e a proteção da saúde individual e
coletiva; participar de programas de treinamento; executar outras atividades de interesse da área.
2.10.3. NÚMERO DE VAGAS: 1 (uma) vaga.
2.10.4. REMUNERAÇÃO: R$ 3.949,22 (três mil, novecentos e quarenta e nove reais e vinte
PÁGINA 67
Diário O?cial do Distrito Federal
Nº 170 quinta-feira, 23 de agosto de 2012
e dois centavos).
2.10.5. JORNADA DE TRABALHO: 20 (vinte) horas semanais.
2.11. CARGO: CARREIRA MÉDICA – ESPECIALIDADE: CIRURGIA TORÁCICA
(CÓDIGO 111)
2.11.1. REQUISITOS: diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de graduação de
nível superior em medicina, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo Minis-
tério de Educação; registro no Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal; certi?cado
de residência médica nesta especialidade ou exercício desta especialidade por no mínimo 2 anos
comprovado em registro na Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) ou documento
comprobatório equivalente a ser veri?cado no ato da posse.
2.11.2. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES: planejar, organizar, coordenar, super-
visionar, avaliar e executar atividades relacionadas ao atendimento a pacientes, estabelecendo
diagnóstico, conduta terapêutica, clínica e(ou) cirúrgica, observando o contido no Código de
Ética Médica; realizar atividades técnico-administrativas que se ?zerem necessárias para a e?-
ciência e e?cácia das ações que visam o tratamento médico e a proteção da saúde individual e
coletiva; participar de programas de treinamento; executar outras atividades de interesse da área.
2.11.3. NÚMERO DE VAGAS: 1 (uma) vaga.
2.11.4. REMUNERAÇÃO: R$ 3.949,22 (três mil, novecentos e quarenta e nove reais e vinte
e dois centavos).
2.11.5. JORNADA DE TRABALHO: 20 (vinte) horas semanais.
2.12. CARGO: CARREIRA MÉDICA ESPECIALIDADE: CLÍNICA MÉDICA (CÓDIGO 112)
2.12.1. REQUISITOS: diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de graduação
de nível superior em medicina, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo
Ministério de Educação; registro no Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal.
2.12.2. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES: planejar, organizar, coordenar, super-
visionar, avaliar e executar atividades relacionadas ao atendimento a pacientes, estabelecendo
diagnóstico, conduta terapêutica, clínica e(ou) cirúrgica, observando o contido no Código de
Ética Médica; realizar atividades técnico-administrativas que se ?zerem necessárias para a e?-
ciência e e?cácia das ações que visam o tratamento médico e a proteção da saúde individual e
coletiva; participar de programas de treinamento; executar outras atividades de interesse da área.
2.12.2.1 DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES PARA OS CANDIDATOS QUE ES-
COLHEREM COMO OPÇÃO DE LOTAÇÃO: SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÉDICO DE
URGÊNCIA – SAMU CONFORME PORTARIA 2.048/2002 DO MINISTÉRIO DA SAÚDE
Exercer a regulação médica do sistema; conhecer a rede de serviços da região; manter uma visão
global e permanentemente atualizada dos meios disponíveis para o atendimento pré-hospitalar
e das portas de urgência, checando periodicamente sua capacidade operacional; recepção dos
chamados de auxílio, análise da demanda, classi?cação em prioridades de atendimento, seleção
de meios para atendimento (melhor resposta), acompanhamento do atendimento local, deter-
minação do local de destino do paciente, orientação telefônica; manter contato diário com os
serviços médicos de emergência integrados ao sistema; prestar assistência direta aos pacientes
nas ambulâncias, quando indicado, realizando os atos médicos possíveis e necessários ao nível
pré-hospitalar; exercer o controle operacional da equipe assistencial; fazer controle de qualidade
do serviço nos aspectos inerentes à sua pro?ssão; avaliar o desempenho da equipe e subsidiar
os responsáveis pelo programa de educação continuada do serviço; obedecer às normas técnicas
vigentes no serviço; preencher os documentos inerentes à atividade do médico regulador e de
assistência pré-hospitalar; garantir a continuidade da atenção médica ao paciente grave, até a
sua recepção por outro médico nos serviços de urgência; obedecer ao código de ética médica.
2.12.3. NÚMERO DE VAGAS: 206 (duzentas e seis) vagas.
2.12.4. REMUNERAÇÃO: R$ 3.949,22 (três mil, novecentos e quarenta e nove reais e vinte
e dois centavos).
2.12.5. JORNADA DE TRABALHO: 20 (vinte) horas semanais.
2.13. CARGO: CARREIRA MÉDICA – ESPECIALIDADE: ENDOCRINOLOGIA
(CÓDIGO 113)
2.13.1. REQUISITOS: diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de graduação
de nível superior em medicina, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo
Ministério de Educação; registro no Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal; e
certi?cado de residência médica nesta especialidade ou título de especialista reconhecido pela
Associação Médica Brasileira (AMB).
2.13.2. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES: planejar, organizar, coordenar, super-
visionar, avaliar e executar atividades relacionadas ao atendimento a pacientes, estabelecendo
diagnóstico, conduta terapêutica, clínica e(ou) cirúrgica, observando o contido no Código de
Ética Médica; realizar atividades técnico-administrativas que se ?zerem necessárias para a e?-
ciência e e?cácia das ações que visam o tratamento médico e a proteção da saúde individual e
coletiva; participar de programas de treinamento; executar outras atividades de interesse da área.
2.13.3. NÚMERO DE VAGAS: 10 (dez) vagas.
2.13.4. REMUNERAÇÃO: R$ 3.949,22 (três mil, novecentos e quarenta e nove reais e
vinte e dois centavos).
2.13.5. JORNADA DE TRABALHO: 20 (vinte) horas semanais.
2.14. CARGO: CARREIRA MÉDICA – ESPECIALIDADE: GENÉTICA MÉDICA
(CÓDIGO 114)
2.14.1. REQUISITOS: diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de graduação
de nível superior em medicina, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo
Ministério de Educação; registro no Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal; e
certi?cado de residência médica nesta especialidade ou título de especialista reconhecido pela
Associação Médica Brasileira (AMB).
2.14.2. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES: planejar, organizar, coordenar, super-
visionar, avaliar e executar atividades relacionadas ao atendimento a pacientes, estabelecendo
diagnóstico, conduta terapêutica, clínica e(ou) cirúrgica, observando o contido no Código de
Ética Médica; realizar atividades técnico-administrativas que se ?zerem necessárias para a e?-
ciência e e?cácia das ações que visam o tratamento médico e a proteção da saúde individual e
coletiva; participar de programas de treinamento; executar outras atividades de interesse da área.
2.14.3. NÚMERO DE VAGAS: 1 (uma) vaga.
2.14.4. REMUNERAÇÃO: R$ 3.949,22 (três mil, novecentos e quarenta e nove reais e
vinte e dois centavos).
2.14.5. JORNADA DE TRABALHO: 20 (vinte) horas semanais.
2.15. CARGO: CARREIRA MÉDICA – ESPECIALIDADE: GERIATRIA (CÓDIGO 115)
2.15.1. REQUISITOS: diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de graduação
de nível superior em medicina, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo
Ministério de Educação; registro no Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal; e
certi?cado de residência médica na especialidade ou título de especialista reconhecido pela
Associação Médica Brasileira (AMB) ou certi?cado de conclusão de Curso de Especialização
reconhecido pela Associação Médica Homeopática Brasileira.
2.15.2. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES: planejar, organizar, coordenar, super-
visionar, avaliar e executar atividades relacionadas ao atendimento a pacientes, estabelecendo
diagnóstico, conduta terapêutica, clínica e(ou) cirúrgica, observando o contido no Código de
Ética Médica; realizar atividades técnico-administrativas que se ?zerem necessárias para a e?-
ciência e e?cácia das ações que visam o tratamento médico e a proteção da saúde individual e
coletiva; participar de programas de treinamento; executar outras atividades de interesse da área.
2.15.3. NÚMERO DE VAGAS: 1 (uma) vaga.
2.15.4. REMUNERAÇÃO: R$ 3.949,22 (três mil, novecentos e quarenta e nove reais e vinte
e dois centavos).
2.15.5. JORNADA DE TRABALHO: 20 (vinte) horas semanais.
2.16. CARGO: CARREIRA MÉDICA – ESPECIALIDADE: HEMATOLOGIA E HEMOTE-
RAPIA (CÓDIGO 116)
2.16.1. REQUISITOS: diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de graduação
de nível superior em medicina, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo
Ministério de Educação; registro no Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal; e
certi?cado de residência médica nesta especialidade ou título de especialista reconhecido pela
Associação Médica Brasileira (AMB).
2.16.2. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES: planejar, organizar, coordenar, super-
visionar, avaliar e executar atividades relacionadas à hemoterapia, hematologia, procedimentos
transfusionais, atendimento a pacientes e doadores, estabelecendo diagnóstico, conduta terapêu-
tica, clínica e(ou) cirúrgica, observando o contido no Código de Ética Médica; realizar atividades
técnico-administrativas que se ?zerem necessárias para a e?ciência e e?cácia das ações que
visam o tratamento médico e a proteção da saúde individual e coletiva; participar de programas
de treinamento; executar outras atividades de interesse da área.
2.16.3. NÚMERO DE VAGAS: 20 (vinte) vagas.
2.16.4. REMUNERAÇÃO: R$ 3.949,22 (três mil, novecentos e quarenta e nove reais e vinte
e dois centavos).
2.16.5. JORNADA DE TRABALHO: 20 (vinte) horas semanais.
2.17. CARGO: CARREIRA MÉDICA – ESPECIALIDADE: HOMEOPATIA (CÓDIGO 117)
2.17.1. REQUISITOS: diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de graduação
de nível superior em medicina, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo
Ministério de Educação; registro no Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal; e
certi?cado de residência médica na especialidade ou título de especialista reconhecido pela
Associação Médica Brasileira (AMB) ou certi?cado de conclusão de Curso de Especialização
reconhecido pela Associação Médica Homeopática Brasileira.
2.17.2. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES: planejar, organizar, coordenar, super-
visionar, avaliar e executar atividades relacionadas ao atendimento a pacientes, estabelecendo
diagnóstico, conduta terapêutica, clínica e(ou) cirúrgica, observando o contido no Código de
Ética Médica; realizar atividades técnico-administrativas que se ?zerem necessárias para a e?-
ciência e e?cácia das ações que visam o tratamento médico e a proteção da saúde individual e
coletiva; participar de programas de treinamento; executar outras atividades de interesse da área.
2.17.3. NÚMERO DE VAGAS: 10 (dez) vagas.
2.17.4. REMUNERAÇÃO: R$ 3.949,22 (três mil, novecentos e quarenta e nove reais e vinte
e dois centavos).
2.17.5. JORNADA DE TRABALHO: 20 (vinte) horas semanais.
2.18. CARGO: CARREIRA MÉDICA – ESPECIALIDADE: INFECTOLOGIA (CÓDIGO 118)
2.18.1. REQUISITOS: diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de graduação
de nível superior em medicina, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo
Ministério de Educação; registro no Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal; e
certi?cado de residência médica nesta especialidade ou título de especialista reconhecido pela
Associação Médica Brasileira (AMB).
2.18.2. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES: planejar, organizar, coordenar, super-
visionar, avaliar e executar atividades relacionadas ao atendimento a pacientes, estabelecendo
diagnóstico, conduta terapêutica, clínica e(ou) cirúrgica, observando o contido no Código de
Ética Médica; realizar atividades técnico-administrativas que se ?zerem necessárias para a e?-
ciência e e?cácia das ações que visam o tratamento médico e a proteção da saúde individual e
PÁGINA 68
Diário O?cial do Distrito Federal
Nº 170 quinta-feira, 23 de agosto de 2012
coletiva; participar de programas de treinamento; executar outras atividades de interesse da área.
2.18.3. NÚMERO DE VAGAS: 2 (duas) vagas.
2.18.4. REMUNERAÇÃO: R$ 3.949,22 (três mil, novecentos e quarenta e nove reais e
vinte e dois centavos).
2.18.5. JORNADA DE TRABALHO: 20 (vinte) horas semanais.
2.19. CARGO: CARREIRA MÉDICA – ESPECIALIDADE: MEDICINA INTENSIVA
(CÓDIGO 119)
2.19.1. REQUISITOS: diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de graduação de
nível superior em medicina, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo Minis-
tério de Educação; registro no Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal; e certi?cado
de residência médica nesta especialidade ou título de especialista reconhecido pela Associação
Médica Brasileira (AMB) ou residência médica em especialidade Clínica ou Cirúrgica e pelo
menos 2 anos de experiência em UTI Adulto comprovado em Carteira de Trabalho e Previdência
Social (CTPS) ou documento comprobatório equivalente a ser veri?cado no ato da posse.
2.19.2. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES: planejar, organizar, coordenar, super-
visionar, avaliar e executar atividades relacionadas ao atendimento a pacientes, estabelecendo
diagnóstico, conduta terapêutica, clínica e(ou) cirúrgica, observando o contido no Código de
Ética Médica; realizar atividades técnico-administrativas que se ?zerem necessárias para a e?-
ciência e e?cácia das ações que visam o tratamento médico e a proteção da saúde individual e
coletiva; participar de programas de treinamento; executar outras atividades de interesse da área.
2.19.3. NÚMERO DE VAGAS: 60 (sessenta) vagas.
2.19.4. REMUNERAÇÃO: R$ 3.949,22 (três mil, novecentos e quarenta e nove reais e vinte
e dois centavos).
2.19.5. JORNADA DE TRABALHO: 20 (vinte) horas semanais.
2.20. CARGO: CARREIRA MÉDICA – ESPECIALIDADE: NEONATOLOGIA (CÓDIGO 120)
2.20.1. REQUISITOS: diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de graduação
de nível superior em medicina, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo
Ministério de Educação; registro no Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal; e
certi?cado de residência médica nesta área de atuação ou título de especialista reconhecido pela
Associação Médica Brasileira (AMB) ou residência médica em pediatria.
2.20.2. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES: planejar, organizar, coordenar, supervi-
sionar, avaliar e executar atividades relacionadas ao atendimento de recém-nascidos, em todos os
níveis de complexidade, estabelecendo diagnóstico, conduta terapêutica, clínica e(ou) cirúrgica,
observando o contido no Código de Ética Médica; realizar atividades técnico-administrativas
que se ?zerem necessárias para a e?ciência e e?cácia das ações que visam o tratamento médico
e a proteção da saúde individual e coletiva; participar de programas de treinamento e atualização
na área, promovendo a melhoria assistencial ao recém-nascido; executar outras atividades de
interesse da área.
2.20.3. NÚMERO DE VAGAS: 170 (cento e setenta) vagas.
2.20.4. REMUNERAÇÃO: R$ 3.949,22 (três mil, novecentos e quarenta e nove reais e vinte
e dois centavos).
2.20.5. JORNADA DE TRABALHO: 20 (vinte) horas semanais.
2.21. CARGO: CARREIRA MÉDICA – ESPECIALIDADE: NEUROPEDIATRIA
(CÓDIGO 121)
2.21.1. REQUISITOS: diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de graduação
de nível superior em medicina, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo
Ministério de Educação; registro no Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal; e
certi?cado de residência médica nesta especialidade ou título de especialista reconhecido pela
Associação Médica Brasileira (AMB).
2.21.2. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES: planejar, organizar, coordenar, super-
visionar, avaliar e executar atividades relacionadas ao atendimento a pacientes, estabelecendo
diagnóstico, conduta terapêutica, clínica e(ou) cirúrgica, observando o contido no Código de
Ética Médica; realizar atividades técnico-administrativas que se ?zerem necessárias para a e?-
ciência e e?cácia das ações que visam o tratamento médico e a proteção da saúde individual e
coletiva; participar de programas de treinamento; executar outras atividades de interesse da área.
2.21.3. NÚMERO DE VAGAS: 10 (dez) vagas.
2.21.4. REMUNERAÇÃO: R$ 3.949,22 (três mil, novecentos e quarenta e nove reais e vinte
e dois centavos).
2.21.5. JORNADA DE TRABALHO: 20 (vinte) horas semanais.
2.22. CARGO: CARREIRA MÉDICA – ESPECIALIDADE: ORTOPEDIA E TRAU-
MATOLOGIA (CÓDIGO 122)
2.22.1. REQUISITOS: diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de graduação
de nível superior em medicina, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo
Ministério de Educação; registro no Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal; e
certi?cado de residência médica nesta especialidade ou título de especialista reconhecido pela
Associação Médica Brasileira (AMB).
2.22.1.1. REQUISITOS PARA OS CANDIDATOS QUE ESCOLHEREM A OPÇÃO DE LO-
TAÇÃO: ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA SERVIÇO DE MÃO (HBDF):
Ter o título de especialista pela Sociedade Brasileira de Cirurgia da Mão. Caso o candidato não
apresente o título de especialista poderá ser substituído pelo título de: especialista em Ortopedia
e Traumatologia pela Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT), ou Residência
Médica reconhecida pelo MEC, ou título de especialista concedido pelo Conselho Federal de
Medicina (CRM), com certi?cado de treinamento em Cirurgia da Mão pelo menos 1 ano
em serviço de referência. Caso o candidato não se enquadre nos requisitos anteriores, poderá
apresentar título de especialista em cirurgia plástica, com treinamento em Cirurgia da Mão há
pelo menos 1 ano em serviço de referência com certi?cado. Caso o candidato não se enquadre
nos requisitos anteriores, poderá concorrer tendo o título de especialista em Neurocirurgia, com
treinamento em microcirurgia e cirurgia de nervos periféricos há pelo menos 1 ano em serviço
de referência por meio de certi?cado.
2.22.2. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES: planejar, organizar, coordenar, super-
visionar, avaliar e executar atividades relacionadas ao atendimento a pacientes, estabelecendo
diagnóstico, conduta terapêutica, clínica e(ou) cirúrgica, observando o contido no Código de
Ética Médica; realizar atividades técnico-administrativas que se ?zerem necessárias para a e?-
ciência e e?cácia das ações que visam o tratamento médico e a proteção da saúde individual e
coletiva; participar de programas de treinamento; executar outras atividades de interesse da área.
2.22.3. NÚMERO DE VAGAS: 30 (trinta) vagas.
2.22.4. REMUNERAÇÃO: R$ 3.949,22 (três mil, novecentos e quarenta e nove reais e vinte
e dois centavos).
2.22.5. JORNADA DE TRABALHO: 20 (vinte) horas semanais.
2.23. CARGO: CARREIRA MÉDICA – ESPECIALIDADE: PEDIATRIA (CÓDIGO 123)
2.23.1. REQUISITOS: diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de graduação
de nível superior em medicina, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo
Ministério de Educação; registro no Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal; e
certi?cado de residência médica em Pediatria emitido pela Comissão Nacional de Residência
Médica (CNRM/MEC) ou título de especialista em Pediatria emitido pela Sociedade Brasileira
de Pediatria (SBP).
2.23.2. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES: planejar, organizar, coordenar, super-
visionar, avaliar e executar atividades relacionadas ao atendimento a pacientes, estabelecendo
diagnóstico, conduta terapêutica, clínica e(ou) cirúrgica, observando o contido no Código de Ética
Médica, podendo atuar em qualquer área de atenção à saúde (primária, secundária ou terciária),
realizar atividades técnico-administrativas que se ?zerem necessárias para a e?ciência e e?cácia
das ações que visam o tratamento médico e a proteção da saúde individual e coletiva; participar
de programas de treinamento; executar outras atividades de interesse da área.
2.23.3. NÚMERO DE VAGAS: 100 (cem) vagas.
2.23.4. REMUNERAÇÃO: R$ 3.949,22 (três mil, novecentos e quarenta e nove reais e vinte
e dois centavos).
2.23.5. JORNADA DE TRABALHO: 20 (vinte) horas semanais.
2.24. CARGO: CARREIRA MÉDICA – ESPECIALIDADE: PSIQUIATRIA (CÓDIGO 124)
2.24.1. REQUISITOS: diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de graduação
de nível superior em medicina, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo
Ministério de Educação; registro no Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal; e cer-
ti?cado de residência médica credenciada pelo MEC nesta especialidade ou título de especialista
reconhecido pela Associação Brasileira de Psiquiatria (AMP).
2.24.2. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES: planejar, organizar, coordenar, super-
visionar, avaliar e executar atividades relacionadas ao atendimento a pacientes, estabelecendo
diagnóstico, conduta terapêutica, clínica e(ou) cirúrgica, observando o contido no Código de
Ética Médica; realizar atividades técnico-administrativas que se ?zerem necessárias para a e?-
ciência e e?cácia das ações que visam o tratamento médico e a proteção da saúde individual e
coletiva; participar de programas de treinamento; executar outras atividades de interesse da área.
2.24.3. NÚMERO DE VAGAS: 65 (sessenta e cinco) vagas.
2.24.4. REMUNERAÇÃO: R$ 3.949,22 (três mil, novecentos e quarenta e nove reais e vinte
e dois centavos).
2.24.5. JORNADA DE TRABALHO: 20 (vinte) horas semanais.
2.25. CARGO: CARREIRA MÉDICA – ESPECIALIDADE: RADIOTERAPIA (CÓDIGO 125)
2.25.1. REQUISITOS: diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de graduação
de nível superior em medicina, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo
Ministério de Educação; registro no Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal; e cer-
ti?cado de conclusão de residência médica nesta especialidade tendo cursado pelo menos 2 anos
ou título de especialista reconhecido pela Associação Médica Brasileira (AMB).
2.25.2. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES: planejar, organizar, coordenar, super-
visionar, avaliar e executar atividades relacionadas ao atendimento a pacientes, estabelecendo
diagnóstico, conduta terapêutica, clínica e(ou) cirúrgica, observando o contido no Código de
Ética Médica; realizar atividades técnico-administrativas que se ?zerem necessárias para a e?-
ciência e e?cácia das ações que visam o tratamento médico e a proteção da saúde individual e
coletiva; participar de programas de treinamento; executar outras atividades de interesse da área.
2.25.3. NÚMERO DE VAGAS: 4 (quatro) vagas.
2.25.4. REMUNERAÇÃO: R$ 3.949,22 (três mil, novecentos e quarenta e nove reais e vinte
e dois centavos).
2.25.5. JORNADA DE TRABALHO: 20 (vinte) horas semanais.
2.26. CARGO: CARREIRA MÉDICA – ESPECIALIDADE: MÉDICO DO TRABALHO
(CÓDIGO 126)
2.26.1. REQUISITOS: diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de graduação
em medicina com especialização em Medicina do Trabalho, expedido por instituição de ensino
superior reconhecida pelo Ministério da Educação, e registro no Conselho Regional de Medicina
do Distrito Federal.
2.26.2. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES: planejar, organizar, coordenar, super-
visionar, avaliar e executar atividades relacionadas ao atendimento a pacientes, estabelecendo
diagnóstico, conduta terapêutica, clínica e(ou) cirúrgica, observando o contido no Código de
PÁGINA 69
Diário O?cial do Distrito Federal
Nº 170 quinta-feira, 23 de agosto de 2012
Ética Médica; realizar atividades técnico-administrativas que se ?zerem necessárias para a e?-
ciência e e?cácia das ações que visam o tratamento médico e a proteção da saúde individual e
coletiva; participar de programas de treinamento; executar outras atividades de interesse da área.
2.26.3. NÚMERO DE VAGAS: 10 (dez) vagas.
2.26.4. REMUNERAÇÃO: R$ 3.949,22 (três mil, novecentos e quarenta e nove reais e vinte
e dois centavos).
2.26.5. JORNADA DE TRABALHO: 20 (vinte) horas semanais.
3. DAS VAGAS DESTINADAS AOS CANDIDATOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA
3.1. Do total de vagas destinadas a cada especialidade, 20% (vinte por cento) serão providas na
forma da Lei nº 160, de 2 de setembro de 1991, publicada no Diário O?cial do Distrito Federal
de 3 de setembro de 1991 e regulamentada pelo Decreto nº 13.897, de 14 de abril de 1992,
publicado no Diário O?cial do Distrito Federal de 15 de abril de 1992.
3.1.1. O candidato que se declarar portador de de?ciência concorrerá em igualdade de condições
com os demais candidatos, na forma da lei.
3.1.2. Na hipótese da aplicação do disposto no subitem 3.1 resultar em fração inferior a 1 (um),
será desconsiderada a reserva em questão, conforme Decisão nº 156/2005 do Tribunal de Contas
do Distrito Federal.
3.2. O candidato que, no ato de inscrição, se declarar portador de de?ciência, se aprovado e
classi?cado no concurso público, terá seu nome publicado em lista à parte e, caso obtenha clas-
si?cação necessária, ?gurará também na lista de classi?cação geral.
3.3. Para concorrer às vagas destinadas aos candidatos portadores de de?ciência, o candidato
deverá, no ato de inscrição, declarar-se portador de de?ciência e entregar à Fundação Universa
laudo médico, original ou cópia autenticada, emitido nos últimos 12 (doze) meses, contados até
o último dia do período de inscrição, atestando o nome da doença, a espécie e o grau ou o nível
da de?ciência, com expressa referência ao código correspondente da Classi?cação Estatística
Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID), bem como à provável
causa da de?ciência, na forma do subitem 3.4 ou 3.5 deste edital, e o requerimento constante
do Anexo II deste edital.
3.4. O candidato portador de de?ciência deverá entregar, durante o período de inscrições, das
10 (dez) horas às 17 (dezessete) horas, ininterruptamente, pessoalmente ou por terceiro, o laudo
médico, original ou cópia autenticada, a que se refere o subitem 3.3 deste edital e o requerimento
no formato constante do Anexo II devidamente preenchido e assinado, na Central de Atendimento
ao Candidato da Fundação Universa, localizada no SGAN 609, Módulo A, Asa Norte, Brasília/DF.
3.5. O candidato poderá, ainda, encaminhar, impreterivelmente até o dia 17 de setembro de
2012, o referido laudo médico e o requerimento constante do Anexo II deste edital devidamente
preenchido e assinado, via SEDEX ou carta registrada com aviso de recebimento (AR), para a
Fundação Universa – Concurso Público para os cargos da Carreira Médica, Caixa Postal 2641,
CEP 70275–970, Brasília/DF, desde que cumprida a formalidade de inscrição dentro dos prazos
citados no item 5 deste edital.
3.6. O envio do laudo médico e do requerimento é de responsabilidade exclusiva do candidato.
A Fundação Universa não se responsabiliza por qualquer tipo de extravio que impeça a chegada
do laudo e do requerimento a seu destino.
3.7. O laudo médico, original ou cópia autenticada, terá validade somente para este concurso
público e não será devolvido, tampouco será fornecida cópia desse laudo; e o requerimento para
análise não poderá estar fora do formato constante do Anexo II deste edital.
3.8. O candidato portador de de?ciência poderá requerer, na forma do subitem 5.8 deste edital
e no ato de inscrição, tratamento diferenciado para o dia de aplicação das provas, indicando as
condições de que necessita para a sua realização, conforme previsto no artigo 40, §§ 1.º e 2.º,
do Decreto nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999, publicado no Diário O?cial da União de 21
de dezembro de 1999 e alterado pelo Decreto nº 5.296, de 2 de dezembro de 2004, publicado no
Diário O?cial da União de 3 de dezembro de 2004.
3.8.1. Ao término da apreciação dos requerimentos para concorrer às vagas destinadas aos can-
didatos portadores de de?ciência e dos respectivos documentos, a Fundação Universa divulgará
no endereço eletrônico: http://www.universa.org.br, na data provável de 21 de setembro de 2012,
a listagem contendo o resultado da apreciação dos requerimentos.
3.8.2. O candidato que não tiver seu pedido atendido disporá de 3 (três) dias úteis, a contar do dia
subsequente ao da divulgação do resultado preliminar dos requerimentos para concorrer às vagas
destinadas aos candidatos portadores de de?ciência, para comparecer à Central de Atendimento
da Fundação Universa e contestar, na forma de recurso, o resultado informado.
3.9. Ao término da apreciação dos recursos contra o resultado preliminar dos requerimentos para
concorrer às vagas destinadas aos candidatos portadores de de?ciência, a Fundação Universa
divulgará, no endereço eletrônico http://www.universa.org.br, na data provável de 28 de setembro
de 2012, a listagem contendo o resultado ?nal dos pedidos para concorrer às vagas destinadas
aos candidatos portadores de de?ciência.
3.10. O candidato que se declarar portador de de?ciência, caso aprovado e classi?cado no concurso
público, quando nomeado será submetido à perícia médica, que veri?cará o grau da de?ciência
e a capacidade para o exercício do cargo.
3.11. O candidato mencionado no subitem 3.10 deste edital deverá comparecer à perícia médica
munido de laudo médico original, ou de cópia autenticada do laudo, que ateste a espécie e o
grau ou o nível de de?ciência, com expressa referência ao código correspondente da CID, bem
como à provável causa da de?ciência, conforme especi?cado no Decreto 3.298, de 20 de
dezembro de 1999, publicado no Diário O?cial da União de 21 de dezembro de 1999 e alterado
pelo Decreto 5.296, de 2 de dezembro de 2004, publicado no Diário O?cial da União de 3
de dezembro de 2004.
3.12. A comprovação, por meio da perícia médica referida no subitem 3.11 deste edital, acerca da
incapacidade do candidato para o adequado exercício da função fará com que ele seja eliminado
do concurso público. Desta decisão caberá recurso à Banca Médica Examinadora, com prazo de
3 (três) dias uteis, em conformidade, por analogia, ao art. 44 do Decreto nº 21.688/00.
3.13. A inobservância do disposto neste edital, o não comparecimento ou a reprovação na perícia
médica acarretará a perda do direito às vagas reservadas aos candidatos portadores de de?ciência.
3.14. As vagas reservadas aos portadores de de?ciência que não forem providas, por falta de
candidatos, por reprovação no concurso público ou na perícia médica, serão preenchidas pelos
demais candidatos, observada a ordem de classi?cação.
4. DOS REQUISITOS BÁSICOS PARA A INVESTIDURA NO CARGO
4.1. Ter sido aprovado no concurso público.
4.2. Ter nacionalidade brasileira ou estrangeira, com visto de permanência mais de quinze
anos e pedido de naturalização ao Ministério da Justiça, sem condenação penal, em conformidade
com o Artigo 12, inciso II, alínea “B”, e 37, inciso I da Constituição da República Federativa
do Brasil e Título III, Capítulo II da Consolidação das Leis do Trabalho, e, em caso de nacio-
nalidade portuguesa, estar amparado pelo estatuto de igualdade entre Brasileiros e Portugueses,
com reconhecimento de gozo de direitos políticos, nos termos do parágrafo 1º, Artigo 12º, da
Constituição da República Federativa do Brasil.
4.3. Ter idade mínima de 18 (dezoito) anos completos, na data da posse.
4.4. Possuir o requisito exigido para o exercício do cargo, constante do item 2 deste edital.
4.5. Apresentar no ato da posse os documentos ou declarações para comprovação dos requisitos.
4.6. Estar em dia com as obrigações eleitorais e em pleno gozo dos direitos políticos.
4.7. Apresentar certi?cado de reservista ou de dispensa de incorporação, em caso de candidato
do sexo masculino.
4.8. Apresentar declaração de bens que constituem o seu patrimônio.
4.9. Ter aptidão física e mental para o exercício das atribuições correspondentes ao cargo.
4.10. Apresentar declaração de não estar cumprindo sanção por inidoneidade, aplicada por
qualquer órgão público ou entidade da esfera federal, estadual, distrital ou municipal e outras
que se ?zerem necessárias.
4.11. Os candidatos que escolheram a especialidade Clínica Medica, lotação no Serviço de
Atendimento Médico de Urgência SAMU deverão realizar o curso de quali?cação/atualização
na área de Urgências e Emergências Médicas com carga horária igual ou superior a 16 horas a
ser ministrado pela Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal.
4.12. Cumprir as demais determinações contidas neste edital, em editais complementares e na
legislação em vigor.
5. DA INSCRIÇÃO
5.1. DA TAXA DE INSCRIÇÃO:
5.1.1. Carreira Médica: R$ 40,00 (quarenta reais).
5.2. As inscrições poderão ser efetuadas em posto de atendimento presencial ou via Internet,
conforme procedimentos especi?cados a seguir.
5.3. DA INSCRIÇÃO NO POSTO DE ATENDIMENTO PRESENCIAL
5.3.1. PERÍODO: de 30 de agosto de 2012 a 17 de setembro de 2012 (exceto sábados, domingos
e feriados).
5.3.2. LOCAL: Central de Atendimento ao Candidato da Fundação Universa, localizada no
SGAN 609, Módulo A, Asa Norte, Brasília/DF.
5.3.3. HORÁRIO: das 10 (dez) horas às 17 (dezessete) horas, ininterruptamente.
5.3.4. Para efetuar a inscrição no posto de atendimento presencial, o candidato deverá:
a) informar os dados pessoais constantes no formulário de inscrição como: nome, endereço, CEP,
telefone(s) para contato, número de documento de identidade, número de Cadastro de Pessoa
Física (CPF), entre outros;
b) receber da Fundação Universa o boleto de cobrança para pagamento em toda rede bancária;
c) encaminhar-se a uma agência bancária munido do boleto de cobrança correspondente e
efetuar o pagamento da taxa de inscrição; a data de vencimento do boleto bancário é 19 de
setembro de 2012.
5.3.5. O candidato deverá indicar, no formulário de inscrição, o cargo/especialidade/lotação para
o qual deseja concorrer, com expressa referência ao respectivo código, lotação para o qual deseja
concorrer, conforme o quadro que consta no Anexo III deste edital.
5.3.5.1. Não serão aceitas, posteriormente, solicitações de alteração de cargo/especialidade/
lotação indicado no formulário de inscrição via presencial.
5.3.5.2. O candidato que deixar de indicar, no formulário de inscrição, o cargo/especialida-
de/lotação, com a indicação do respectivo código, para o qual deseja concorrer terá a sua
inscrição cancelada.
5.3.5.3. Somente será aceita inscrição para 1 (um) cargo/especialidade/lotação.
5.3.6. As inscrições efetuadas no posto de atendimento presencial somente serão acatadas após
a comprovação de pagamento da taxa de inscrição.
5.3.7. Será admitida a inscrição por terceiros, mediante a entrega de procuração do interessado,
com ?rma reconhecida em cartório, acompanhada de cópia legível de documento de identidade
do candidato. Esses documentos serão retidos no ato de inscrição.
5.3.8. O candidato inscrito por procuração assume total responsabilidade pelas informações pres-
tadas por seu procurador, arcando com as consequências de eventuais erros de seu representante
no preenchimento do formulário de inscrição e em sua entrega.
5.4. DA INSCRIÇÃO VIA INTERNET
5.4.1. A inscrição poderá ser efetuada via Internet, no endereço eletrônico http://www.universa.
org.br, no período entre 8 (oito) horas do 30 de agosto de 2012 e 20 (vinte) horas do dia 17 de
PÁGINA 70
Diário O?cial do Distrito Federal
Nº 170 quinta-feira, 23 de agosto de 2012
setembro de 2012, observado o horário o?cial de Brasília.
5.4.2. O candidato deverá indicar, no formulário de inscrição, o cargo/especialidade/lotação para
o qual deseja concorrer, com expressa referência ao respectivo código, lotação para o qual deseja
concorrer, conforme o quadro que consta no Anexo III deste edital.
5.4.2.1. Não serão aceitas, posteriormente, solicitações de alteração de cargo/especialidade/
lotação indicado pelo candidato no formulário de inscrição via Internet.
5.4.2.2. O candidato que deixar de indicar, no formulário de inscrição, o cargo/especia-
lidade/lotação, com a indicação do respectivo código, para o qual deseja concorrer terá
sua inscrição cancelada.
5.4.2.3. Somente será aceita inscrição para 1 (um) cargo/especialidade/lotação. O candidato
que efetuar mais de uma inscrição terá sua(s) inscrição(ões) cancelada(s), à exceção da que for
por último efetivada. Nesse caso, ressalta-se, o candidato somente estará inscrito para o cargo/
especialidade/lotação cuja inscrição for por último realizada.
5.4.3. A Fundação Universa não se responsabilizará por solicitação de inscrição via Internet não
recebida por motivos de ordem técnica dos computadores, falhas de comunicação, congestiona-
mento das linhas de comunicação, bem como outros fatores de ordem técnica que impossibilitem
a transferência de dados.
5.4.4. O candidato que desejar realizar sua inscrição via Internet deverá efetuar o pagamento da
taxa de inscrição por meio de boleto bancário, pagável em toda a rede bancária.
5.4.4.1. O boleto bancário estará disponível no endereço eletrônico http://www.universa.org.br e
deverá ser impresso para o pagamento da taxa de inscrição após a conclusão do preenchimento
do formulário de inscrição on-line.
5.4.4.2. O pagamento da taxa de inscrição por meio de boleto bancário deverá ser efetuado até
o dia 19 de setembro de 2012.
5.4.5. As inscrições efetuadas via Internet somente serão acatadas após a comprovação de pa-
gamento da taxa de inscrição.
5.4.6. O candidato inscrito via Internet não deverá enviar à Fundação Universa cópia de do-
cumento de identidade, sendo de sua exclusiva responsabilidade a correção e a veracidade dos
dados cadastrais informados no ato de inscrição, sob as penas da lei.
5.4.7. Informações complementares acerca da inscrição via Internet estarão disponíveis no
endereço eletrônico http://www.universa.org.br.
5.5. DO COMPROVANTE DEFINITIVO DE INSCRIÇÃO E LOCAL DE PROVA
5.5.1. A Fundação Universa disponibilizará o comprovante de?nitivo de inscrição na data provável
de 2 de outubro de 2012. O comprovante deverá ser retirado pessoalmente ou por procurador,
mediante procuração simples, com dispensa de ?rma reconhecida em cartório, na Central de
Atendimento ao Candidato da Fundação Universa, localizada no SGAN 609, Módulo A, Asa
Norte, Brasília/DF, no horário das 10 (dez) horas às 17 (dezessete) horas, ininterruptamente.
5.5.1.1. O candidato também poderá obter seu comprovante de?nitivo de inscrição no endereço
eletrônico http://www.universa.org.br, a partir da data citada no subitem anterior.
5.5.2. O comprovante de?nitivo de inscrição terá a informação do local e do horário de realização
da prova objetiva, o que não desobriga o candidato do dever de observar o edital de divulgação
de local e de horário de aplicação das provas, que será oportunamente publicado.
5.5.3. O comprovante de?nitivo de inscrição deverá ser mantido em poder do candidato e apre-
sentado nos locais de realização das provas.
5.5.4. É de responsabilidade exclusiva do candidato à obtenção do comprovante de?nitivo de
inscrição pelos meios citados nos subitens 5.5.1 e 5.5.1.1 deste edital.
5.6. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS SOBRE A INSCRIÇÃO NO CONCURSO PÚBLICO
5.6.1. Antes de efetuar a inscrição, o candidato deverá conhecer este edital e certi?car-se de que
preenche todos os requisitos exigidos e de que está de acordo com o seu conteúdo.
5.6.2. É vedada a inscrição condicional, fora do prazo de inscrição, via postal, fax e(ou)
correio eletrônico.
5.6.3. Para efetuar a inscrição, é imprescindível o número de CPF do candidato e o nome
completo dos pais.
5.6.3.1. O candidato que não possuir CPF deverá solicitá-lo nos postos credenciados, localizados
em qualquer agência do Banco do Brasil, da Caixa Econômica Federal e dos Correios, ou na
Receita Federal, em tempo hábil, isto é, de forma que consiga obter o respectivo número antes
do término o período de inscrição.
5.6.4. As informações prestadas no formulário de inscrição serão de inteira responsabilidade do
candidato, dispondo a Fundação Universa do direito de excluir do concurso público aquele que
não preencher o formulário de forma completa, correta e legível.
5.6.4.1. O candidato deverá obrigatoriamente preencher de forma completa os campos referentes
a nome, endereço e telefone, bem como deverá informar o CEP correspondente à sua residência.
5.6.5. O valor referente ao pagamento da taxa de inscrição não será devolvido em hipótese
alguma, salvo nas condições legalmente previstas.
5.6.6. No caso do pagamento da taxa de inscrição ser efetuado com cheque bancário que, por-
ventura, venha a ser devolvido, por qualquer motivo, a Fundação Universa reserva-se o direito
de tomar as medidas legais cabíveis, inclusive a não efetivação da inscrição.
5.6.6.1. A Fundação Universa não se responsabiliza por pagamentos efetuados por meio de corres-
pondentes bancários que não forem processados dentro do prazo estabelecido no subitem 5.4.4.2.
5.6.7. É vedada a transferência para terceiros do valor pago da taxa de inscrição.
5.7. DA SOLICITAÇÃO DE ISENÇÃO DA TAXA DE INSCRIÇÃO
5.7.1. Não haverá isenção total ou parcial da taxa de inscrição, à exceção de candidatos amparados
pela Lei nº 1.321, de 26 de dezembro de 1996, pela Lei nº 3.962, de 27 de fevereiro de 2007, ou
pela Lei nº 4.104, de 5 de março de 2008.
5.7.2. Nesses casos, o candidato deverá dirigir-se à Central de Atendimento ao Candidato da
Fundação Universa, no período de 30 de agosto de 2012 a 6 de setembro de 2012, no local e no
horário citados no subitem 5.3 deste edital, preencher requerimento e entregar e(ou) apresentar
os seguintes documentos:
5.7.2.1. Para candidato amparado pela Lei 1.321, de 26 de dezembro de 1996: certi?cado origi-
nal, outorgado pela Fundação Hemocentro ou por outra instituição o?cial de saúde, que o quali?ca
como doador de sangue e que comprova no mínimo 3 (três) doações de sangue realizadas nos
últimos 12 (doze) meses, contados até o último dia do período de inscrição do presente certame.
5.7.2.2. Para candidato amparado pela Lei nº 3.962, de 27 de fevereiro de 2007: laudo médico,
original ou cópia autenticada, além daquele exigido nos subitens 3.4 e 5.8 deste edital, emitido
nos últimos 12 (doze) meses, atestando o nome da doença, a espécie e o grau ou o nível da
de?ciência, com expressa referência ao código correspondente da Classi?cação Estatística Inter-
nacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde CID e à provável causa da de?ciência.
Também devem constar do laudo o nome do médico responsável por sua emissão e seu número
de registro no Conselho Regional de Medicina (CRM). Todas as informações constantes no
laudo médico devem estar legíveis.
5.7.2.3. Para candidato amparado pela Lei nº 4.104, de 5 de março de 2008: entregar cópia
autenticada ou cópia acompanhada dos documentos originais para conferência da Carteira de
Trabalho e Previdência Social (CTPS) ou documento similar e fazer declaração de próprio punho,
sob as penas da lei, de que não tem condições de arcar com o pagamento da taxa de inscrição. A
isenção citada neste subitem ?ca condicionada à apresentação de documentação comprobatória,
consoante o artigo 3.º, I a IV, da Lei nº 4.104, de 5 de março de 2008, conforme a seguir: “Art.
3º Fica isento do pagamento da taxa de inscrição em concursos públicos promovidos pelos
órgãos públicos do Distrito Federal o cidadão que não disponha de recursos su?cientes para o
próprio sustento quando:
I – a taxa de inscrição no concurso público for superior a 30% (trinta por cento) do vencimento
mensal ou salário mensal do postulante/candidato, quando não tiver dependente;
II – a taxa de inscrição no concurso público for superior a 20% (vinte por cento) do vencimento
mensal ou salário mensal do postulante/candidato, quando tiver até dois dependentes;
III – a taxa de inscrição no concurso público for superior a 10% (dez por cento) do vencimento
mensal ou salário mensal do postulante/candidato, quando tiver mais de dois dependentes;
IV – a renda familiar for igual ou inferior a dois salários mínimos.”
5.7.2.4. Será considerada nula a isenção de pagamento de taxa de inscrição ao candidato que:
a) omitir informações e(ou) apresentar informações inverídicas;
b) fraudar e(ou) falsi?car documentação.
5.7.2.4.1. Nesse caso, o candidato terá sua situação informada à autoridade policial competente
para as providências cabíveis.
5.7.3. Não será concedida isenção de taxa de inscrição ao candidato que:
a) pleitear a isenção sem apresentar os documentos previstos neste edital;
b) não observar o período, o local e o horário estabelecido para a solicitação de isenção.
5.7.4. Não será aceita solicitação de isenção de taxa de inscrição via postal, fax e(ou) correio
eletrônico, tampouco por procuração.
5.7.5. Não será permitida, após a entrega do requerimento de isenção de taxa de inscrição e dos
documentos comprobatórios neste edital, complementação da documentação.
5.7.6. Ao término da apreciação dos requerimentos de isenção de taxa de inscrição e dos respec-
tivos documentos, a Fundação Universa divulgará, no endereço eletrônico http:// www.universa.
org.br, na data provável de 11 de setembro de 2012, a listagem contendo o resultado preliminar
do pedido de isenção de taxa de inscrição.
5.7.6.1. O candidato que não tiver seu pedido atendido disporá de 3 (três) dias úteis, a contar
do dia subsequente ao da divulgação do resultado preliminar do pedido de isenção de taxa de
inscrição, para comparecer à Central de Atendimento da Fundação Universa e contestar, na forma
dos subitens 10.5 e 10.6 deste edital, o resultado informado.
5.7.6.2. Ao término da apreciação dos recursos contra o resultado preliminar do pedido de isen-
ção de taxa de inscrição, a Fundação Universa divulgará, no endereço eletrônico http://www.
universa.org.br, na data provável de 18 de setembro de 2012, a listagem contendo o resultado
?nal do pedido de isenção de taxa de inscrição.
5.7.6.3. O candidato que não tiver seu pedido de isenção de taxa de inscrição deferido e o candi-
dato que tiver o recurso contra o resultado preliminar do pedido de isenção de taxa de inscrição
indeferido poderão solicitar a emissão de boleto de cobrança e efetuar o pagamento da taxa de
inscrição no dia 19 de setembro de 2012.
5.7.6.4. O candidato descrito no subitem anterior deste edital que não efetuar a inscrição na
forma estabelecida no item 5 deste edital estará automaticamente excluído do concurso público.
5.8. DOS CANDIDATOS QUE NECESSITAM DE ATENDIMENTO ESPECIAL PARA A
REALIZAÇÃO DA PROVA
5.8.1.O candidato que necessitar de atendimento especial para a realização das provas deverá
indicar, no formulário de inscrição, os recursos especiais necessários e, ainda, enviar, até o dia
17 de setembro de 2012, impreterivelmente, via SEDEX ou carta registrada com aviso de rece-
bimento (AR), para a Fundação Universa Concurso Público para os cargos da Carreira Médica,
Caixa Postal 2641, CEP 70275–970, Brasília/DF, laudo médico, original ou cópia autenticada,
e o requerimento no formato constante no Anexo II deste edital, que justi?que o atendimento
especial solicitado. Após esse período, a solicitação será indeferida, salvo nos casos de força
maior e nos que forem de interesse da Administração Pública.
5.8.2. O laudo médico e o requerimento no formato constante no Anexo II deste edital, referido
no subitem 5.8 deste edital poderá, ainda, ser entregue, durante o período de inscrições citado
PÁGINA 71
Diário O?cial do Distrito Federal
Nº 170 quinta-feira, 23 de agosto de 2012
no subitem 5.3.1, das 10 (dez) horas às 17 (dezessete) horas, pessoalmente ou por terceiro, na
Central de Atendimento ao Candidato da Fundação Universa, localizada no endereço citado no
subitem 5.3.2 deste edital.
5.8.2.1. O laudo médico referido no subitem 5.8 deste edital valerá somente para este concurso
público e não será devolvido. Nesse caso, também não será fornecida cópia do referido laudo. O
requerimento para análise não poderá estar fora do formato constante do Anexo II deste edital.
5.8.3. A candidata que tiver necessidade de amamentar durante a realização da prova deverá
preencher o formulário constante no Anexo II e, ainda, levar um acompanhante, que ?cará em
sala reservada para essa ?nalidade e que será responsável pela guarda da criança. A candidata
que não levar acompanhante não fará a prova.
5.8.4. A solicitação de atendimento especial será atendida segundo os critérios de viabilidade
e de razoabilidade.
5.8.5. O candidato deverá declarar, no formulário de inscrição, que tem ciência e que aceita
que, caso aprovado, deverá entregar, por ocasião da posse, os documentos comprobatórios dos
requisitos básicos exigidos para o respectivo cargo/especialidade/lotação, conforme o disposto
no item 4 deste edital.
5.8.6. Ao término da apreciação dos requerimentos de atendimento especial para a realização das
provas e dos respectivos documentos, a Fundação Universa divulgará, no endereço eletrônico
http://www.universa.org.br, na data provável de 21 de setembro de 2012, a listagem contendo o
resultado da apreciação dos requerimentos.
6. DOS OBJETOS DE AVALIAÇÃO (HABILIDADES E CONHECIMENTOS)
6.1. HABILIDADES
6.1.1. As questões da prova objetiva poderão avaliar habilidades relacionadas à aplicação do
conhecimento, abrangendo compreensão, aplicação, análise, síntese e avaliação, valorizando
o raciocínio e envolvendo situações relacionadas às atribuições do cargo/especialidade e ao
conteúdo programático constante do Anexo I deste edital.
6.1.2. Cada questão da prova objetiva poderá contemplar mais de uma habilidade e conhecimentos
relativos a mais de uma área de conhecimento.
6.2. CONHECIMENTOS
6.2.1. Na prova objetiva, serão avaliados, além das habilidades, conhecimentos, conforme es-
peci?cação no Anexo I deste edital.
7. DAS PROVAS DO CONCURSO PÚBLICO
7.1. A prova objetiva Para os cargos/especialidades/lotação da Carreira Médica terá a duração de
4 (quatro) horas e serão aplicadas na data provável de 21 de outubro de 2012, no turno vespertino.
7.2. Os locais e os horários de aplicação das provas serão divulgados no endereço eletrônico
http://www.universa.org.br e no Diário O?cial do Distrito Federal, na data provável de 2 de
outubro de 2012.
7.3. DA PROVA OBJETIVA
7.3.1. A prova objetiva abrangerá as áreas de conhecimento constantes no Anexo I deste edital
e será composta da seguinte forma:
a) prova objetiva de conhecimentos básicos: 20 (vinte) questões, peso 1 (um);
b) prova objetiva de conhecimentos especí?cos: 30 (trinta) questões, peso 2 (dois).
7.3.2. A prova objetiva será composta por questões de múltipla escolha, com 5 (cinco) alternativas
em cada questão, para escolha de 1 (uma) única resposta correta, e pontuação total variando entre
o mínimo de 0,00 (zero) ponto e o máximo de 80,00 (oitenta) pontos, de acordo com o número
de questões e os pesos de?nidos no subitem 7.3.1 deste edital.
7.3.3. O candidato deverá transcrever, com caneta esferográ?ca de tinta preta ou azul, fabricada
com material transparente, as respostas da prova objetiva para a folha de respostas, que será o
único documento válido para a correção da prova. O preenchimento da folha de respostas será de
inteira responsabilidade do candidato, que deverá proceder em conformidade com as instruções
especí?cas contidas neste edital, no caderno de prova e na folha de respostas. Em nenhuma
hipótese haverá substituição da folha de respostas por erro do candidato.
7.3.4. Serão de inteira responsabilidade do candidato os prejuízos advindos do preenchimento
indevido da folha de respostas. Serão consideradas marcações indevidas as que estiverem em
desacordo com este edital e(ou) com a folha de respostas, tais como: marcação rasurada ou emen-
dada, campo de marcação não preenchido integralmente e(ou) mais de uma marcação por questão.
7.3.5. O candidato não deverá amassar, molhar, dobrar, rasgar ou, de qualquer modo, dani?car
a sua folha de respostas, sob pena de arcar com os prejuízos advindos da impossibilidade de
realização da leitura óptica.
7.3.6. Não será permitido que as marcações na folha de respostas sejam feitas por outras pessoas,
salvo em caso de candidato portador de de?ciência, se a de?ciência impossibilitar a marcação
pelo próprio candidato, e de candidato que solicitou atendimento especial, observado o disposto
no subitem 5.8 deste edital. Nesse caso, o candidato será acompanhado por um ?scal da Fundação
Universa devidamente treinado.
7.3.6.1. O ?scal referido no subitem 7.3.6 deverá obedecer a todas as regras de segurança do
concurso público, aplicáveis ao candidato.
7.4. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS SOBRE A PROVA OBJETIVA
7.4.1. São de responsabilidade exclusiva do candidato a identi?cação correta de seu local de
realização das provas e o comparecimento no dia e no horário determinados.
7.4.2. Não serão dadas, por telefone, fax e(ou) correio eletrônico, informações a respeito
de data, de local e de horário de aplicação de provas. O candidato deverá observar rigo-
rosamente os editais e os comunicados a serem publicados no Diário Oficial do Distrito
Federal, afixados no mural de avisos da Fundação Universa e divulgados na Internet, no
endereço eletrônico http://www.universa.org.br.
7.4.3. O candidato deverá comparecer ao local designado para a realização da prova com ante-
cedência mínima de 1 (uma) hora do horário ?xado para o seu início, munido de caneta esfero-
grá?ca de tinta preta ou azul, fabricada com material transparente, de comprovante de?nitivo
de inscrição e de documento de identidade original. Não será permitido o uso de lápis, lapiseira/
gra?te e(ou) borracha durante a realização da prova.
7.4.4. No dia da realização das provas, na hipótese de o nome do candidato não constar nas lis-
tagens o?ciais de candidatos inscritos, a Fundação Universa procederá à inclusão do candidato,
mediante a apresentação do boleto bancário autenticado pelo banco, comprovando o pagamento
da taxa de inscrição, com o preenchimento de 1 (um) formulário especí?co.
7.4.4.1. A inclusão de que trata o subitem 7.4.4 será realizada de forma condicional e será
analisada pela Fundação Universa, na fase de avaliação das provas objetivas, com intuito de se
veri?car a efetividade da referida inscrição.
7.4.4.2. Constatada a improcedência da inscrição de que trata o subitem 7.4.4, esta será auto-
maticamente cancelada, independentemente de qualquer formalidade, considerados nulos todos
os atos decorrentes.
7.4.5. Não será admitido ingresso de candidato no local de realização da prova após o horário
?xado para o seu início.
7.4.6. Não será permitida a leitura de nenhum material impresso ou anotações após o ingresso
do candidato na sala de aplicação das provas.
7.4.7. O candidato que se retirar da sala de aplicação de prova não poderá retornar a ela, em
nenhuma hipótese, exceto se sua saída for acompanhada, durante todo o tempo de ausência, de
?scal ou de membro da coordenação da Fundação Universa.
7.4.8. Serão considerados documentos de identidade: carteiras expedidas pelos Comandos Mi-
litares, pelas Secretarias de Segurança Pública, pelos Institutos de Identi?cação e pelos Corpos
de Bombeiros Militares; carteiras expedidas pelos órgãos ?scalizadores de exercício pro?ssio-
nal (ordens, conselhos, entre outros); passaporte brasileiro; certi?cado de reservista; carteiras
funcionais do Ministério Público; carteiras funcionais expedidas por órgão público que, por lei
federal, valham como identidade; carteira de trabalho; carteira nacional de habilitação (somente o
modelo aprovado pelo art. 159 da Lei n.º 9.503, de 23 de setembro de 1997, publicada no Diário
O?cial da União de 24 de setembro de 1997).
7.4.8.1. Não serão aceitos como documentos de identidade: certidão de nascimento, CPF, título
eleitoral, carteira nacional de habilitação (modelo antigo), carteira de estudante, carteira funcional
sem valor de identidade, carteira nacional de habilitação com prazo de validade vencida, nem
documentos ilegíveis, não identi?cáveis e(ou) dani?cados.
7.4.9. Não será aceita cópia de documento de identidade, ainda que autenticada, bem como
protocolo de documento de identidade.
7.4.10. À exceção da situação prevista no subitem 7.4.11 deste edital, o candidato que não apre-
sentar documento de identidade original, na forma de?nida no subitem 7.4.8 deste edital, não
poderá fazer as provas e será automaticamente eliminado do concurso público.
7.4.11. Caso o candidato esteja impossibilitado de apresentar, no dia de aplicação das provas,
documento de identidade original, por motivo de perda, furto ou roubo, deverá ser apresentado
documento que ateste o registro da ocorrência em órgão policial, expedido há, no máximo, 30
(trinta) dias, ocasião em que será submetido à identi?cação especial, que compreenderá coleta
de dados, de assinaturas e de impressão digital em formulário próprio.
7.4.11.1. A identi?cação especial será exigida, também, ao candidato cujo documento de iden-
ti?cação apresente dúvidas relativas à titularidade, ?sionomia e(ou) à assinatura do portador.
7.4.12. Não serão aplicadas provas, em nenhuma hipótese, em local, em data e(ou) em horário
diferentes dos predeterminados em edital ou em comunicado.
7.4.13. Não será permitida, durante a realização de quaisquer provas, a comunicação entre os
candidatos nem a utilização de máquinas calculadoras e(ou) similares, livros, anotações, réguas
de cálculo, impressos ou qualquer outro material de consulta, inclusive códigos e(ou) legislação.
7.4.14. No dia de realização da prova, não será permitido ao candidato permanecer com armas
ou aparelhos eletrônicos (bip, telefone celular, relógio de qualquer espécie, walkman, aparelho
portátil de armazenamento e de reprodução de músicas, vídeos e outros arquivos digitais, agen-
da eletrônica, notebook, tablets eletrônicos, palmtop, pen drive, máquina de calcular, máquina
fotográ?ca, protetor auricular, receptor, gravador, entre outros). Caso o candidato leve algum
aparelho eletrônico, este deverá permanecer desligado e, se possível, com a bateria retirada
durante todo o período de prova, devendo, ainda, ser acondicionado em embalagem fornecida
pela Fundação Universa. O descumprimento do disposto neste subitem implicará a eliminação
do candidato, constituindo tentativa de fraude.
7.4.15. Não será permitida a entrada de candidato no ambiente de provas com arma. O candidato
que estiver portando arma deverá se dirigir à Coordenação.
7.4.16. A Fundação Universa recomenda que o candidato não leve, no dia de realização das provas,
objeto algum citado nos subitens 7.4.14 e 7.4.15 deste edital. O funcionamento de qualquer tipo de
aparelho eletrônico durante a realização da prova implicará a eliminação automática do candidato.
7.4.17. O controle de horário será efetuado conforme critério de?nido pela Fundação Universa.
7.4.18. Não será admitido, durante a realização da prova, o uso de boné, lenço, chapéu, gorro
ou qualquer outro acessório que cubra as orelhas do candidato.
7.4.18.1. O candidato que ?zer uso de aparelho auditivo, por necessidade médica, deverá se
identi?car ao representante da Fundação Universa e informar a utilização no momento da prova.
7.4.19. A Fundação Universa não se responsabilizará por perdas ou extravios de objetos ou de
equipamentos eletrônicos ocorridos durante a aplicação da prova, nem por danos a eles causados.
7.4.20. Não haverá segunda chamada para a aplicação da prova, em nenhuma hipótese. O não
comparecimento à prova implicará a eliminação automática do candidato.
PÁGINA 72
Diário O?cial do Distrito Federal
Nº 170 quinta-feira, 23 de agosto de 2012
7.4.21. O candidato somente poderá retirar-se de?nitivamente da sala de aplicação das provas
após 1 (uma) hora de seu início. Nessa ocasião, o candidato não levará, em nenhuma hipótese,
o caderno de provas.
7.4.22. O candidato somente poderá retirar-se do local de aplicação das provas levando o caderno
de provas no decurso dos últimos 30 (trinta) minutos anteriores ao término do tempo destinado
à realização da prova.
7.4.23. A inobservância dos subitens 7.4.21 e 7.4.22 deste edital acarretará a não correção da
prova e, consequentemente, a eliminação do candidato do concurso público.
7.4.24. Terá sua prova anulada e será automaticamente eliminado do concurso público o candidato
que, em qualquer momento do concurso ou durante a aplicação da prova:
a) utilizar ou tentar utilizar meios fraudulentos e(ou) ilegais para obter vantagens para si e(ou)
para terceiros, em qualquer etapa do concurso público;
b) for surpreendido dando e(ou) recebendo auxílio para a execução da prova;
c) utilizar-se de livro, dicionário, notas e(ou) impressos não autorizados e(ou) que se comunicar
com outro candidato;
d) utilizar-se de caneta que não seja a esferográfica de tinta preta ou azul, fabricada
com material transparente;
e) for surpreendido portando aparelhos eletrônicos, tais como bip, telefone celular, walkman,
agenda eletrônica, notebook, palmtop, pen drive, receptor, gravador, máquina de calcular, máquina
fotográ?ca, controle de alarme de carro, protetor auricular etc., bem como relógio de qualquer
espécie, óculos escuros ou quaisquer acessórios de chapelaria, tais como chapéu, boné, gorro
etc. e, ainda, lápis, lapiseira/gra?te e(ou) borracha;
f) faltar com o devido respeito para com qualquer membro da equipe de aplicação da prova, as
autoridades presentes e(ou) os candidatos;
g) ?zer anotação de informações relativas às suas respostas no comprovante de?nitivo de inscrição
e(ou) em qualquer outro meio, que não os permitidos;
h) recusar-se a entregar o material da prova ao término do tempo destinado à sua realização;
i) afastar-se da sala, a qualquer tempo, sem o acompanhamento de ?scal ou de membro da
coordenação da Fundação Universa;
j) ausentar-se da sala, a qualquer tempo, portando a folha de respostas;
k) descumprir as instruções contidas no caderno de provas e na folha de respostas;
l) perturbar, de qualquer modo, a ordem dos trabalhos, incorrendo em comportamento indevido;
m) descumprir este edital e(ou) outros que vierem a ser publicados.
7.4.25. Se, a qualquer tempo, for constatado, por meio eletrônico, estatístico, visual, grafológico
e(ou) por meio de investigação policial, ter o candidato utilizado de processo ilícito, sua prova
será anulada e ele será automaticamente eliminado do concurso público.
7.4.26. Não haverá, por qualquer motivo, prorrogação do tempo previsto para a aplicação da
prova em razão do afastamento de candidato da sala de prova.
7.4.27. No dia de aplicação da prova, não serão fornecidas, por nenhum membro da equipe de
aplicação das provas e(ou) pelas autoridades presentes, informações referentes ao conteúdo das
provas e(ou) aos critérios de avaliação e de classi?cação.
7.4.28. No dia de realização da prova, a Fundação Universa poderá submeter os candidatos ao
sistema de detecção de metal.
8. DOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E DE CLASSIFICAÇÃO
8.1. Todos os candidatos terão sua prova objetiva corrigida por meio de processamento eletrônico,
a partir das marcações feitas pelos candidatos na folha de respostas.
8.2. A nota de cada candidato na prova objetiva será obtida pela soma das notas obtidas na
prova objetiva de conhecimentos básicos e na prova objetiva de conhecimentos especí?cos,
considerando-se os pesos.
8.2.1. A nota de cada candidato na prova objetiva de conhecimentos básicos será obtida pela
multiplicação da quantidade de questões acertadas pelo candidato, conforme o gabarito o?cial
de?nitivo, pelo peso dessa prova.
8.2.2. A nota de cada candidato na prova objetiva de conhecimentos especí?cos será obtida pela
multiplicação da quantidade de questões acertadas pelo candidato, conforme o gabarito o?cial
de?nitivo, pelo peso dessa prova.
8.3. Será reprovado na prova objetiva e eliminado do concurso público o candidato que obtiver
pontuação inferior a:
a) 40% (quarente por cento) do máximo de pontos possíveis na prova objetiva de
conhecimentos básicos;
b) 60% (sessenta por cento) do máximo de pontos possíveis na prova objetiva de
conhecimentos específicos.
8.4. O candidato eliminado na forma do subitem 8.3 deste edital não terá classi?cação alguma
no concurso público.
8.5. O candidato não eliminado na forma do subitem 8.3 deste edital e dentro do número de vagas
de?nidas no Anexo III deste edital, será ordenado por cargo/especialidade/lotação de acordo com
os valores decrescentes da nota ?nal na prova objetiva, que corresponde à soma das notas obtidas
na prova de conhecimentos básicos e na prova de conhecimentos especí?cos.
8.5.1. O candidato não eliminado na forma do subitem 8.3 deste edital e fora do número de vagas
de?nidas no Anexo III deste edital será ordenado conforme subitem 1.3 deste edital.
8.6. Para todos os candidatos, a nota ?nal no concurso público será igual à nota ?nal obtida
na prova objetiva.
8.7. Todos os cálculos citados neste edital serão considerados até a segunda casa decimal,
arredondando-se o número para cima, se o algarismo da terceira casa decimal for igual
ou superior a 5 (cinco).
9. DOS CRITÉRIOS DE DESEMPATE
9.1. Em caso de empate, terá preferência o candidato que, na seguinte ordem:
a) for mais idoso;
b) obtiver maior nota nas questões relativas ao item “3. Conhecimentos Especí?cos” do Anexo
I – Objetos de Avaliação;
c) obtiver maior nota nas questões relativas ao item “2. Parte comum para todas as especialidades
do cargo da Carreira Médica” do Anexo I – Objetos de Avaliação;
d) obtiver maior nota nas questões relativas ao item “1.1. Língua Portuguesa” do Anexo I –
Objetos de Avaliação.
10. DOS RECURSOS
10.1. O gabarito o?cial preliminar da prova objetiva será a?xado no mural de avisos da Fundação
Universa e divulgado na Internet, no endereço eletrônico http://www.universa.org.br, no primeiro
dia útil seguinte ao da aplicação da prova objetiva.
10.2. O candidato que desejar interpor recurso contra a listagem contendo o resultado preliminar
do pedido de isenção de taxa de inscrição, a listagem contendo o resultado da apreciação dos
requerimentos para concorrer às vagas destinadas aos portadores de de?ciência e o gabarito
o?cial preliminar da prova objetiva disporá de até 3 (três) dias úteis para fazê-lo, a contar do
dia subsequente ao da divulgação do resultado preliminar, conforme o modelo corresponden-
te de formulário, que será disponibilizado no momento de divulgação dessas listagens e do
gabarito o?cial preliminar.
10.3. O recurso somente poderá ser entregue pessoalmente ou por procurador, mediante pro-
curação do interessado, com ?rma reconhecida em cartório, no horário das 10 (dez) horas às
17 (dezessete) horas, ininterruptamente, na Central de Atendimento ao Candidato da Fundação
Universa, localizada no SGAN 609, Módulo A, Asa Norte, Brasília/DF.
10.4. Não será aceito recurso via postal, fax, Internet e(ou) correio eletrônico.
10.5. O candidato deverá entregar 2 (dois) conjuntos idênticos de recursos (original e 1 (uma)
cópia), sendo que cada conjunto deverá ter todos os recursos e apenas 1 (uma) capa.
10.6. Cada conjunto de recursos deverá ser apresentado com as seguintes especi?cações:
a) folhas separadas para questões diferentes;
b) em cada folha, indicação do número da questão, da resposta marcada pelo candidato e da
resposta divulgada pela Fundação Universa;
c) para cada questão, argumentação lógica e consistente;
d) capa única constando: nome do concurso público; nome, assinatura e número de inscrição
do candidato; nome do cargo/especialidade/lotação para o qual está concorrendo; endereço e
telefone(s) para contato;
e) sem identi?cação do candidato no corpo do recurso;
f) recurso datilografado ou digitado em formulário próprio, de acordo com o modelo a ser dis-
ponibilizado na Internet, sob pena de ser preliminarmente indeferido.
10.7. O candidato deverá ser claro, consistente e objetivo em seu pleito. Recursos, inconsistentes,
em formulário diferente do exigido e(ou) fora das especi?cações estabelecidas neste edital e em
outros editais serão indeferidos.
10.7.1. Não será aceita documentação complementar durante a fase de recurso.
10.8. Se do exame de recursos resultar anulação de questão(ões), a pontuação correspondente a
essa(s) questão(ões) será atribuída a todos os candidatos, independentemente de terem recorri-
do. Se houver alteração do gabarito o?cial preliminar, por força de impugnações, a prova será
corrigida de acordo com o gabarito o?cial de?nitivo. Em nenhuma hipótese, o quantitativo de
questões sofrerá alterações.
10.9. Em nenhuma hipótese será aceito pedido de revisão de recurso, tampouco recurso de recurso.
10.10. Recurso cujo teor desrespeite a banca examinadora será preliminarmente indeferido.
10.11. Não serão apreciados recursos que forem apresentados:
a) em desacordo com as especi?cações contidas neste item;
b) com argumentação idêntica à argumentação constante de outro(s) recurso(s).
c) intempestivos (fora do prazo).
10.12. A banca examinadora constitui última instância para recurso, sendo soberana em suas
decisões, razão pela qual não caberão recursos adicionais.
11. DAS DISPOSIÇÕES FINAIS
11.1. A inscrição do candidato implicará a aceitação das normas para o concurso público contidas
nos comunicados, neste edital e em outros editais a serem publicados.
11.2. O candidato poderá obter informações referentes ao concurso público, exceto quanto ao
subitem 7.2 deste edital, na Central de Atendimento ao Candidato da Fundação Universa, loca-
lizada no SGAN 609, Módulo A, Asa Norte, Brasília/DF, por meio do telefone (61) 3307–7530
ou via Internet, no endereço eletrônico http://www.universa.org.br.
11.3. O candidato que desejar relatar à Fundação Universa fatos ocorridos durante a realização
do concurso público deverá fazê-lo na Central de Atendimento ao Candidato da Fundação Uni-
versa, localizada no endereço citado no subitem 11.2 deste edital, por meio de correspondência
endereçada à Caixa Postal 2641, CEP 70275–970, Brasília/DF, ou, ainda, por meio de mensagem
enviada para o endereço eletrônico atendimento@universa.org.br.
11.4. O requerimento administrativo que, por erro do candidato, não for corretamente encami-
nhado à Fundação Universa, poderá não ser por ela conhecido.
11.5. É de inteira responsabilidade do candidato acompanhar a publicação de todos os atos,
editais e comunicados referentes a este concurso público no Diário O?cial do Distrito Federal
e na Internet, no endereço eletrônico http://www.universa.org.br.
11.6. A aprovação e a classi?cação de candidatos em número excedente ao número de vagas
estabelecido neste edital geram para o candidato apenas a expectativa de direito à nomeação,
PÁGINA 73
Diário O?cial do Distrito Federal
Nº 170 quinta-feira, 23 de agosto de 2012
limitada ao prazo de validade do presente concurso público e observada rigorosamente a ordem de
classi?cação dos candidatos, bem como a conveniência e ao interesse da Administração Pública.
11.7. De acordo com o artigo 2º da Lei nº 1.327, de 26 de dezembro de 1996, telegramas
serão enviados aos candidatos aprovados de acordo com a lista de classi?cação e em número
equivalente às vagas existentes.
11.7.1. O envio dos telegramas tem caráter meramente supletivo, independendo de publicação
no Diário O?cial do Distrito Federal, e o não recebimento da correspondência não invalida, em
nenhuma hipótese, o concurso público ou qualquer de suas fases.
11.8. O candidato aprovado no presente concurso público, quando nomeado deverá submeter-se
a avaliação médica pré-admissional, bem como apresentar-se munido dos documentos exigidos
neste edital. A posse do candidato dependerá de prévia inspeção médica e a inobservância do dis-
posto neste subitem implicará em impedimento ao ato de posse, nos termos da legislação vigente.
11.8.1. A avaliação médica pré-admissional mencionada no subitem 11.8 deste edital é obrigatória,
nos termos da legislação vigente.
11.9. De acordo com o § 2º do artigo 13, da Lei Complementar nº. 840, de 23 de dezembro de
2011, o candidato poderá solicitar seu reposicionamento para o ?nal da lista de classi?cação, no
prazo de cinco dias contados da publicação do ato de sua nomeação.
11.9.1. O candidato reposicionado no ?nal da lista de classi?cação comporá o ?nal do cadastro-
-reserva de sua respectiva especialidade, conforme subitens 1.3 e 1.3.1 deste edital.
11.10. Os candidatos nomeados estarão sujeitos ao regime jurídico regulamentado pela Lei
Complementar nº 840 de 23 de dezembro de 2011 e às normas internas do órgão de lotação.
11.11. O candidato aprovado no presente concurso público, quando convocado para a posse,
deverá se apresentar munido dos documentos relacionados no item 4 deste edital.
11.12. O prazo de validade do presente concurso público é de 2 (dois) anos, contados a
partir da data de publicação da homologação do resultado final do concurso no Diário
Oficial do Distrito Federal, podendo ser prorrogado, 1 (uma) única vez, por igual período,
por conveniência administrativa.
11.13. Não será fornecido ao candidato nenhum documento comprobatório de habilitação e
classi?cação no Concurso Público, valendo para esse ?m a homologação do resultado do con-
curso público no DODF.
11.14. O resultado ?nal do concurso público será homologado conjuntamente pelo Secretário de
Estado de Saúde do Distrito Federal e pelo Secretário de Estado de Administração Pública do
Distrito Federal, publicado no Diário O?cial do Distrito Federal, a?xado no mural de avisos da
Fundação Universa e divulgado na Internet, no endereço eletrônico http://www.universa.org.br.
11.15. O candidato deverá manter atualizado seu endereço e seu telefone na Fundação
Universa, enquanto estiver participando do concurso público, e na Secretaria de Estado de
Saúde do Distrito Federal, se aprovado no concurso público e enquanto este estiver dentro do
prazo de validade. Serão de exclusiva responsabilidade do candidato os prejuízos advindos
da não atualização de seus dados.
11.16. Acarretará a eliminação sumária do candidato do concurso público, sem prejuízo das san-
ções penais cabíveis, a burla ou a tentativa de burla a quaisquer das normas estipuladas neste edital.
11.17. Os casos omissos serão resolvidos pela Fundação Universa em conjunto com a Secretaria
de Estado de Saúde do Distrito Federal.
11.18. Legislação com entrada em vigor após a data de publicação deste edital, bem como al-
terações em dispositivos legais e normativos a ele posteriores, não será objeto de avaliação nas
provas do concurso público.
11.19. Quaisquer alterações nas regras estabelecidas neste edital somente poderão ser
feitas por meio de outro edital.
RAFAEL DE AGUIAR BARBOSA
Secretário de Estado de Saúde do Distrito Federal
ANEXO I – OBJETOS DE AVALIAÇÃO
1. CONHECIMENTOS BÁSICOS PARA AS ESPECIALIDADES DO CARGO DA
CARREIRA MÉDICA
1.1. LÍNGUA PORTUGUESA. 1. Compreensão e intelecção de textos. 2. Tipologia textual. 3.
Coesão e coerência. 4. Figuras de linguagem. 5. Ortogra?a. 6. Acentuação grá?ca. 7. Emprego
do sinal indicativo de crase. 8. Formação, classe e emprego de palavras. 9. Sintaxe da oração
e do período. 10. Pontuação. 11. Concordância nominal e verbal. 12. Colocação pronominal.
13. Regência nominal e verbal. 14. Equivalência e transformação de estruturas. 15. Paralelismo
sintático. 16. Relações de sinonímia e antonímia.
1.2. NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO. 1. Lei Complementar nº 840, de 23 de
dezembro de 2011.
1.3. LEI ORGÂNICA DO DISTRITO FEDERAL. 1. Dos Fundamentos da Organização dos
Poderes e do Distrito Federal. 2. Da organização do Distrito Federal. 3. Da Organização Admi-
nistrativa do Distrito Federal. 4. Dos Servidores Públicos.
1.4. SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE. 1. Evolução histórica da organização do sistema de saúde
no Brasil e a construção do Sistema Único de Saúde (SUS) – princípios, diretrizes e arcabouço
legal. 2. Controle Social no SUS. 3. Resolução nº 333/2003 do Conselho Nacional de Saúde. 4.
Constituição Federal artigos de 194 a 200. 5. Lei Orgânica da Saúde - Lei nº 8.080/1990,
nº 8.142/1990 e Decreto Presidencial nº 7.508, de 28 de junho de 2011. 6. Determinantes
sociais da saúde. 7. A estratégia de saúde da família sua evolução, seus princípios e sua
aplicação. 8. Sistemas de Informação em Saúde. 9. O pacto pela Saúde. 10. O SUS/DF –
estrutura, organização e funcionamento.
2. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PARTE COMUM PARA TODAS AS ESPECIA-
LIDADES DO CARGO DA CARREIRA MÉDICA. 1. Exames complementares invasivos e
não-invasivos de rotina na prática clínica diária. 2. Emergências clínicas e cirúrgicas. 3. Ética
e legislação pro?ssional. 4. Psicologia médica. 4.1. Aspectos psicológicos da relação médico/
paciente. 5. Controle de infecções hospitalares.
3. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
3.1. CARGO: MÉDICO – ESPECIALIDADE: ACUPUNTURA (CÓDIGO 101) 1. Bases
neuroanatômicas e neuro?siológicas da Acupuntura, correlações imunoendócrinas e humorais
de sua atuação terapêutica. 2. Neuromodulação em dor, em disfunções musculoesqueléticas e
em síndromes disfuncionais. 3. Acupuntura baseada no uso dos pontos-gatilho miofasciais. 4.
Acupuntura e sistema nervoso periférico. 5. Acupuntura segmentar e efeitos não-segmentares da
Acupuntura. 6. Analgesia por acupuntura e eletroacupuntura; neuromodulação por estimulação
elétrica nervosa percutânea. 7. Acupuntura e Medicina baseada em Evidência. 8. Tópicos especí-
?cos relacionados à Medicina Tradicional Chinesa: bases ?losó?cas, epistemológicas e cognitivas
(Teoria do Yin e Yang; Teoria das Cinco Fases ou Elementos); contextualização morfo?siológica
(Teoria do Qi, Xue, Jin Ye, Jing e Shen; Teoria dos Zang Fu; Teoria dos Jing Luo; zonas neu-
rorreativas de acupuntura (“pontos”) – localização, funções tradicionais e indicações clínicas);
rede multicausal e processo de adoecimento (Teoria dos Fatores Patogênicos e Mecanismo de
Doenças); processos diagnósticos (Os Quatro Exames ou Métodos Diagnósticos); classi?cações
sindrômicas (Diferenciação de Síndromes ou Padrões de acordo com Oito Princípios, Qi/Xue,
Jing Luo, Zang-Fu) e tratamento de doenças (Princípios de Tratamento; métodos de tratamento;
técnicas de tratamento; seleção de zonas neurorreativas de acupuntura; tratamento das nosologias
mais prevalentes em nosso meio). 9. Tecnologias de tratamento clássicas e contemporâneas.
3.2. CARGO: MÉDICO – ESPECIALIDADE: ALERGIA E IMUNOLOGIA (CÓDIGO
102) 1. Alergia e imunologia básica. 1.1. Mecanismos imunes (antígenos, complexo maior
de histocompatibilidade, imunogenética, imunoglobulinas, receptores de célula T, interação
ligante-receptor, sistema cinina/complemento, imunidade inata). 1.2. Anatomia e elementos
celulares do sistema imune. 1.3. Imunimodulação: estrutura funcional das citocinas e meca-
nismos de ação, mediadores in?amatórios, imunomoduladores ( drogas, anticorpos, moléculas
recombinantes). 1.4. Resposta imune: mediada por IGE, IGA, IGM, complexo imune, por
células e outras (Natural Killer). 1.5. Imunidade de mucosa (especí?ca e não-especí?ca). 1.6.
Imunologia dos transplantes. 1.7. Imunologia tumoral. 1.8. Imunorregulação (tolerância, in-
teração célula-célula, rede idiotípica apoptose). 2. Alergia e imunologia clínica. 2.1. Doenças
alérgicas. 2.1.1. Trato respiratório superior. 2.1.2. Rinite, sinusite, polipose nasal e otite perosa
bacteriana), disordens laríngeas. 2.1.3. Testes cutâneos, citometria nasal, raio-x de seios da
face, tomogra?a computadorizada, ressnância magnética). 2.1.4. Doenças oculares (conjun-
tivites alérgicas). 2.1.5. Doenças dermatológicas (urticária, angiodema, dermatite atópica,
urticária pigmentosa, erupção cutânea por drogas, eritema multiforme, eritema nodoso e outras
disordens imunológicas. 2.1.6. Trato respiratório inferior (asma, aspergiloso broncopulmonar
alérgica, pneumonia de hipersensitividade, doença pulmonar obstrutiva crônica, ?brose cística,
síndrome do cílio imóvel, sarcaidoso). 2.1.7. Reações adversas a ingestantes (alergia alimentar,
intolerância alimentar, sensibilidade secundária ao glúteo, reações, outras adversas a alimentos.
2.1.8. Ana?laxia. 2.1.9. Alergia a picada de inseto. 3. Imunode?ciências primárias e adquiridas
(HIV). 3.1 Desordens imunorregulatórias (Lupus eritematoso sistêmico, vasculitos, transplate
e reação enxerto-hospedeiro, imunomodulação).
3.3. CARGO: MÉDICO – ESPECIALIDADE: ANATOMIA PATOLÓGICA (CÓDIGO 103) 1.
Patologia Geral. 1.1. Degeneração e morte celular. 1.2. Alterações do crescimento e desenvolvi-
mento. 1.3. In?amação e reparação. 1.4. Alterações vasculares. 1.5. Imunidade. 1.6. Neoplasia.
1.7. Noções de genética. 2. Patologia sistêmica. 2.1. Sistema circulatório - coração e vasos. 2.2.
Sistema hematopoiético e linfático. 2.3. Trato respiratório - pulmão. 2.4. Cabeça e pescoço.
2.5. Trato gastrointestinal - fígado, trato biliar e pâncreas. 2.6. Rim e trato urinário inferior.
2.7. Sistema genital masculino. 2.8. Sistema genital feminino. 2.9. Mama. 2.10. Sistema
endócrino. 2.11. Pele. 2.12. Partes moles. 2.13. Sistema músculo-esquelético. 2.14. Sistema
nervoso periférico. 2.15. Sistema nervoso central.
3.4. CARGO: MÉDICO – ESPECIALIDADE: ANESTESIOLOGIA (CÓDIGO 104) 1. Avalia-
ção e preparo pré-anestésico. 1.1. Consultório de avaliação pré-anestésica. 1.2. Risco anestésico-
-cirúrgico. 1.2.1. O paciente. 1.2.2. Os fármacos. 1.2.3. A anestesia. 1.2.4. A cirurgia. 1.3.
Exames complementares. 1.4. Jejum. 1.5. Medicação pré-anestésica. 1.6. Planejamento anesté-
sico. 2. Vias aéreas. 2.1. Anatomia. 2.2. Avaliação. 2.3. Algoritmos. 2.4. Anestesia da via aérea.
2.5. Técnicas para abordagem da via aérea. 2.5.1. Posicionamento. 2.5.2. Intubação traqueal:
oral e nasal. 2.5.3. Intubação retrograda. 2.5.4. Intubação às cegas. 2.5.5. Fibroscopia. 2.5.6.
Acesso cirúrgico. 2.6. Equipamentos. 2.6.1. Laringoscópios e lâminas. 2.6.2. Cânulas e sondas
trocadoras. 2.6.3. Dispositivos supra-glóticos. 2.6.4. Estiletes luminosos. 2.7. Particularidades
da via aérea: pediatria, gestante e trauma. 3. Sistema nervoso central e autônomo. 3.1. Anatomia.
3.2. Fisiologia. 3.3. Farmacologia. 4. Fisiologia e farmacologia do sistema cardiocirculatório.
4.1. Bioeletrogênese cardíaca. 4.2. Cronotropismo, batmotropismo, dromotropismo e inotropis-
mo. 4.3. Fases do ciclo cardíaco. 4.4. Débito cardíaco. 4.5. Controle do sistema cardiovascular.
4.6. Circulação coronariana. 4.7. Consumo de oxigênio pelo miocárdio. 4.8. Fármacos inotró-
picos e vasopressores. 4.9. Fármacos anti-hipertensivos. 4.10. Vasodilatadores. 4.11. Inibidores
do sistema renina-angiotensinaaldosterona. 4.12. Alfa e beta-bloqueadores. 4.13. Antiarrítmicos.
4.14. Outros agentes com ação terapêutica sobre o sistema cardiovascular. 5. Fisiologia e far-
macologia do sistema respiratório. 5.1. Funções respiratórias e não-respiratórias do pulmão. 5.2.
Mecânica respiratória. 5.2.1. Curvas de pressão/volumes intratorácicos. 5.2.2. Complacência
pulmonar estática e dinâmica. 5.2.3. Fluxos e resistência nas vias aéreas. 5.3. Ventilação pulmo-
nar. 5.3.1. Volumes e capacidades pulmonares. 5.3.2. Trocas gasosas. 5.4. Trabalho respiratório.
PÁGINA 74
Diário O?cial do Distrito Federal
Nº 170 quinta-feira, 23 de agosto de 2012
5.5. Difusão pulmonar. 5.6. Circulação pulmonar. 5.6.1. Hemodinâmica pulmonar: pressões,
?uxo e resistência. 5.6.2. Regulação da circulação pulmonar. 5.7. Relação ventilação-perfusão.
5.7.1. Zonas respiratórias. 5.7.2. “Shunt” e espaço morto ?siológico. 5.8. Transporte de gases:
O2 e CO2. 5.9. Controle central e re?exo da respiração. 5.10. Farmacocinética, farmacodinâmi-
ca, indicações, contra-indicações, toxicidade e interação com a anestesia. 5.10.1. Broncodilata-
dores. 5.10.2. Oxigênio. 5.10.3. Óxido Nítrico. 5.10.4. Prostaglandinas. 5.10.5. Outros agentes
com ação terapêutica sobre o sistema respiratório. 6. Farmacologia dos anestésicos venosos. 6.1.
Classi?cação dos agentes venosos. 6.2. Mecanismos de ação, farmacocinética e farmacodinâ-
mica. 6.2.1. Agentes opioides. 6.2.2. Agentes não-opioides. 7. Farmacologia dos anestésicos
inalatórios. 7.1. Agentes inalatórios: gases e líquidos voláteis. 7.2. Farmacocinética e farmaco-
dinâmica dos anestésicos inalatórios. 7.3. Solubilidade. Coe?ciente de partição. 7.4. Concentra-
ção alveolar mínima (CAM): conceito e fatores que interferem. DA 50 e DA 90. 7.5. Biotrans-
formação. Toxicidade. 7.6. Importância da ventilação, da circulação e das alterações da relação
ventilação/perfusão na absorção e eliminação dos anestésicos inalatórios. 7.6.1. Efeitos da
concentração e efeito segundo gás. 7.6.2. In?uência do sistema de inalação. 7.7. Distribuição
dos anestésicos inalatórios: in?uência do ?uxo sanguíneo tecidual e dos coe?cientes de solubi-
lidade sangue/gás e tecido/sangue. 7.7.1. Fatores que interferem na eliminação dos anestésicos
inalatórios pelos pulmões. 8. Farmacologia dos anestésicos locais. 8.1. Conceito e estrutura
química. Classi?cação. Propriedades físicas e químicas. Mecanismo de ação. Estabilidade. Fa-
tores que alteram a concentração anestésica mínima 8.2. Anátomo-?siologia da ?bra nervosa.
Bloqueio nervoso diferencial. 8.3. Absorção, distribuição e ligação proteica. Biotransformação.
Eliminação. 8.4. Efeitos sistêmicos. Interação com outras drogas. Passagem placentária. 8.5.
Toxicidade dos anestésicos locais. Prevenção e tratamento. 8.6. Uso de adjuvantes. 9. Parada
cardíaca e reanimação. 9.1. Conceito de parada cardiorrespiratória. 9.2. Causas e diagnóstico
diferencial 9.3. Suporte básico à vida 9.4. Suporte avançado à vida: equipamentos, fármacos,
massagem cardíaca, des?brilação, marcapassos arti?ciais. 9.5. Organização pré-hospitalar e
hospitalar (comunicação, sistema de prevenção, treinamento de pessoal, material de reanimação).
9.6. Transporte e cuidados pós-reanimação. 9.7. Conceito e diagnóstico de morte clínica e cere-
bral. Aspectos médico-legais. 9.8. Reanimação do recém-nascido e da criança. 9.9. Reanimação
em situações especiais: obstetrícia, afogamento e eletrocussão. 9.10. Reanimação do paciente
anestesiado. 10. Bloqueios subaracnoideo e peridural. 10.1. Anatomia da coluna vertebral, me-
dula espinhal, meninges, raízes nervosas e cadeia ganglionar. Simpática. 10.2. Líquido céfalo-
-raquidiano: formação, circulação, absorção, composição, densidade, função, volume e pressão.
10.3. Alterações da ?siologia decorrentes dos bloqueios no neuroeixo. Assepsia da pele, cuida-
dos com material e idumentária. 10.4. Anestesia subaracnóidea. 10.4.1. Anestésicos locais uti-
lizados: seleção, dose, volume, concentração, densidade da solução e baricidade. 10.4.2. Drogas
adjuvantes. 10.4.3. Técnicas de punção lombar. Tipos de agulha. 10.4.4. Distribuição da solução
anestésica e mecanismo de anestesia. 10.4.5. Indicações, contra-indicações e complicações
(prevenção e tratamento). 10.5. Anestesia peridural. 10.5.1. Anestésicos locais: seleção, dose,
concentração e volume. 10.5.2. Drogas adjuvantes. 10.5.3. Técnicas de acesso e identi?cação
do espaço peridural torácico, lombar e sacral. Uso do cateter. 10.5.4. Difusão do agente anesté-
sico local e mecanismo de ação. 10.5.5. Indicações, contra-indicações e complicações (preven-
ção e tratamento). 10.6. Anestesia combinada raqui-peridural. Indicações e complicações. 11.
Recuperação pós-anestésica. 11.1. Organização da unidade de recuperação pósanestésica. 11.2.
Regressão da anestesia: parâmetros de avaliação e monitorização dos sinais vitais. 11.3. Condi-
ções e critérios para a remoção do paciente da sala de cirurgia para a sala de recuperação. 11.4.
Complicações no período pós-anestésico imediato. 11.5. Critérios de alta da sala de recuperação.
12. Monitorização. 12.1. Uso clínico da monitorização. 12.1.1. Cardiovascular. 12.1.2. Respi-
ratória. 12.1.3. Da temperatura corporal. 12.1.4. Do Sistema Nervoso Central e Periférico. 13.
Anestesia inalatória. 13.1. Mecanismos de ação da anestesia inalatória: teorias. 13.2. Avaliação
clínica dos níveis de anestesia. 13.3. Técnicas de administração. 13.4. Indicações e contra-indi-
cações. 13.5. Complicações: diagnóstico, prevenção e tratamento. 14. Anestesia venosa. 14.1.
Indicações e contra-indicações. 14.2. Técnicas de administração. 14.2.1. Anestesia venosa ba-
lanceada. 14.2.2. Anestesia venosa total. 14.2.3. Anestesia alvo-controlada. 14.3. Complicações.
15. Bloqueios periféricos. 15.1. Anatomia, técnicas, indicações, contra-indicações e complicações
dos bloqueios somáticos. 15.1.1. Cabeça. 15.1.2. Pescoço. 15.1.3. Tronco. 15.1.4. Membros
inferiores. 15.1.5. Membros superiores. 15.2. Anestesia venosa regional (Bloqueio de Bier). 15.3.
Técnicas para localização de nervos periféricos. 16. Fisiologia e farmacologia do sistema uriná-
rio. 16.1. Anatomia e ?siologia. 16.1.1. Filtração glomerular. 16.1.2. Reabsorção e secreção
tubular. 16.1.3. Depuração plasmática. 16.1.4. Mecanismos de concentração e diluição, excreção
de líquidos e outras substâncias. 16.2. Circulação renal. 16.3. Sistema renina-angiotensina-al-
dosterona. 16.4. Fisiopatologia, diagnóstico e tratamento da insu?ciência renal aguda. 16.5.
Diálise: implicações anestésicas. 16.6. Diuréticos: farmacologia. 16.7. Proteção renal. 17.
Anestesia em urologia. 17.1. Ação de agentes e técnicas anestésicas sobre o rim. 17.2. Anestesia
para o paciente com insu?ciência renal crônica. 17.3. Anestesia para procedimentos cirúrgicos
urológicos. 17.4. Anestesia para procedimentos endoscópicos, laparoscópicos e robóticos.
17.5. Anestesia para litotripsia extracorpórea e nefrolitotripsia percutânea. 18. Anestesia em
obstetrícia. 18.1. Adaptações ?siológicas da gravidez e implicações na anestesia. 18.2. Circula-
ção uteroplacentária: ?uxo sanguíneo uterino, função placentária, troca de gases, transferência
placentária dos agentes anestésicos e efeitos dos agentes anestésicos no ?uxo sanguíneo uterino.
18.3. Fisiologia da dor do trabalho de parto. 18.4. Analgesia para o parto normal. 18.4.1. Técnicas,
indicações, contra-indicações e complicações. 18.4.2. Efeitos de técnicas e agentes anestésicos
sobre a evolução do trabalho de parto. 18.5. Anestesia para cesariana. 18.5.1. Técnicas, cuidados
e complicações. 18.6. Anestesia na gestação de alto risco. 18.6.1. Doenças especí?cas da gesta-
ção. 18.6.2. Doenças associadas. 18.7. Anestesia nas urgências obstétricas. 18.8. Anestesia para
intercorrências não-obstétricas durante a gravidez. 18.9. Uterotônicos e vasopressores. 18.10.
Anestesia para cirurgias fetais. 19. Anestesia em ortopedia. 19.1. Técnicas, cuidados, indicações
e complicações 19.1.1. Cirurgia de quadril, joelho e ombro: fraturas, artroplastias e artroscopias
19.1.2. Cirurgia de coluna. 19.1.3. Outras cirurgias de membros grandes. Próteses. 20. Anestesia
para cirurgia abdominal. 20.1. Técnicas e agentes anestésicos: ação sobre o funcionamento do
sistema digestivo. 20.2. Anestesia para correção dos defeitos da parede abdominal. 20.3. Anes-
tesia em pacientes com malformações digestivas congênitas ou adquiridas. 20.4. Anestesia em
pacientes portadores de doenças sistêmicas com repercussões digestivas ou abdominais, com
distúrbios da absorção e(ou) metabolismo. 20.5. Anestesias para cirurgias abdominais comple-
xas. 20.6. Cirurgia bariátrica. 20.6.1. Fisiopatologia da obesidade. 20.6.2. Técnicas, indicações,
contra-indicações e complicações. 20.7. Anestesia para procedimentos videolaparoscópicos.
21. Anestesia para otorrinolaringologia. 21.1. Cirurgia do nariz e da faringe. 21.2. Cirurgia do
ouvido. 21.3. Cirurgia da laringe. 21.3.1. Trauma de laringe. 21.3.2. Laringectomia total. 21.3.3.
Cirurgia com laser. 22. Anestesia para oftalmologia. 22.1. Anatomia e ?siologia do olho. 22.2.
Fatores que modi?cam a pressão intra-ocular. 22.3. Re?exo oculocardíaco: ?siopatologia, fatores
predisponentes, complicações, prevenção e tratamento. 22.4. Técnicas anestésicas. Indicações,
contra-indicações e complicações. 22.5. Anestesia no paciente com lesão penetrante do globo
ocular. 23. Anestesia em urgências e no trauma. 23.1. Avaliação e preparo do paciente para
cirurgia de urgência. Prevenção de regurgitação e aspiração do conteúdo gástrico. Vias aéreas.
23.2. Fisiopatologia do politraumatizado. 23.3. Agentes e técnicas anestésicas. Indicações, com-
plicações. 23.4. Anestesia de urgência no paciente com doenças associadas. 23.5. Anestesia de
urgência no paciente crítico. 23.6. Anestesia de urgência no dependente químico. Interação com
agentes anestésicos. 24. Anestesia para cirurgia plástica. 24.1. Anestesia para cirurgia plástica.
24.1.1. Cirurgia estética e reparadora. 24.1.1.1. Técnicas, contra-indicações e complicações.
24.1.1.2. Posicionamento na mesa cirúrgica. 24.1.2. nestesia para o queimado. 25. Anestesia
para buco-maxilo-facial e odontologia. 25.1. Trauma de Face. 25.2. Cirurgia ortognática. 25.3.
Procedimentos odontológicos. 26. Anestesia para cirurgia torácica. 26.1. Preparo do paciente:
gasometria, espirometria, relação V/Q. 26.2. Posicionamento: alterações hemodinâmicas e
ventilatórias. 26.3. Fisiologia do tórax aberto. 26.4. Anestesia monopulmonar. 26.4.1. Tubos
endobrônquicos e bloqueio brônquico. 26.5. Anestesia para procedimentos cirúrgicos sobre os
pulmões, brônquios e traqueia. 26.6. Complicações pós-operatórias. Prevenção e tratamento.
26.7. Anestesia para mediastinoscopia e toracoscopia. 27. Anestesia e sistema cardiovascular.
27.1. Anestesia no cardiopata para cirurgia não-cardíaca. 27.2. Anestesia para cirurgia cardíaca.
27.2.1. Cardiopatias congênitas. 27.2.2. Revascularização do miocárdio. 27.2.3. Cirurgias val-
vares. 27.2.4. Aneurismectomia. 27.2.5. Traumatismo cardíaco. 27.3. Circulação extracorpórea.
27.4. Suporte mecânico à circulação. 27.5. Marcapasso e cardioversão. 27.6. Anestesia no labo-
ratório de hemodinâmica. 27.7. Anestesia para cirurgia vascular. 27.8. Proteção miocárdica. 28.
Anestesia para neurocirurgia. 28.1. Fisiologia intracraniana. Edema cerebral. Controle da pressão
intracraniana 28.2. Farmacologia dos principais fármacos utilizados em anestesia sobre o SNC.
28.3. Monitorização, posicionamento, técnicas anestésicas e complicações. 28.4. Anestesia para
procedimentos supra e infratentoriais. 28.5. Anestesia para cirurgia estereotáxica. 28.6. Anestesia
para neurocirurgia pediátrica. 28.7. Anestesia para procedimentos no laboratório de hemodinâmi-
ca. 28.8. Anestesia para cirurgia da hipó?se. 28.9. Anestesia para procedimentos neurofuncionais.
28.10. Proteção cerebral. 29. Anestesia em geriatria. 29.1. Fisiologia do envelhecimento. 29.2.
Avaliação e preparo pré-operatório do paciente idoso. 29.3. Farmacologia dos agentes anestésicos
no paciente idoso. 29.4. Disfunção cognitiva pós-operatória. 30. Anestesia em pediatria. 30.1.
Peculiaridades anatômicas e ?siológicas do recém-nascido e da criança. 30.2. Fisiopatologia fetal
e neonatal. Equilíbrio acidobásico e hidroeletrolítico fetal e neonatal. 30.3. Reanimação Neona-
tal. 30.4. Avaliação e preparo pré-anestésico. 30.5. Monitorização e ventilação. 30.6. Anestesia
geral e regional. Técnicas e Farmacologia. 30.7. Hidratação e reposição. 30.8. Anestesia para
as principais malformações e doenças da criança e do neonato. 30.9. Analgesia pós-operatória.
3.5. CARGO: MÉDICO – ESPECIALIDADE: BRONCOESOFAGOLOGIA (CÓDIGO 105) 1.
Anatomia de vias aéreas inferiores e superiores, variantes anatômicas e relação com estruturas
adjacentes, vasos e linfonodos. 2. Indicações, contraindicações e complicações da broncoscopias.
3. Anestesia e sedação em broncoscopia. 4. Broncoscopia e câncer de pulmão, lesões periféricas
e centrais. 5. Lavado Broncoalveolar. 6. Biósia transbrônquica. 7. Aspiração transbrônquica e
sítios linfonodais de Wang. 8. Broncoscopia e infecções pulmonares. 9. Broncoscopia terapêutica:
laser, electrocaltério, crio, braquiterapia e colocação de próteses. 10. Manejo da hemoptize. 11.
Retirada de corpo estranho com instrumental ?exível e rígido.
3.6. CARGO: CARREIRA MÉDICA – ESPECIALIDADE: CIRURGIA DE CABEÇA E PES-
COÇO (CÓDIGO 106) 1. Anatomia da cabeça e do pescoço. 2. Carcinogênese, biologia dos
tumores e marcadores tumorais em cirurgia de cabeça e pescoço. 3. Epidemiologia em câncer
de cabeça e pescoço. 4. Infecção em cirurgia de cabeça e pescoço. 5. Propedêutica e exames
subsidiários em cirurgia de cabeça e pescoço. 6. Noções de radioterapia em cirurgia de cabeça
e pescoço. 7. Noções de quimioterapia em cirurgia de cabeça e pescoço. 8. Cuidados pré e pós-
operatórios em cirurgia de cabeça e pescoço. 9. Complicações pós-operatórias em cirurgia de
cabeça e pescoço. 10. Embriologia e malformações congênitas em cirurgia de cabeça e pescoço.
11. Reconstruções em cirurgia de cabeça e pescoço. 12. Diagnóstico e tratamento das doenças
tumorais e não-tumorais das glândulas salivares. 13. Diagnóstico e tratamento dos tumores
cutâneos em cabeça e pescoço. 14. Diagnóstico e tratamento dos tumores do nariz e dos seios
paranasais. 15. Diagnóstico e tratamento dos tumores do lábio e cavidade oral. 16. Diagnóstico e
tratamento dos tumores de laringe e faringe. 17. Diagnóstico e tratamento dos tumores da glândula
tireoide e dos bócios. 18. Diagnóstico e tratamento do hiperparatireoidismo e dos tumores de
PÁGINA 75
Diário O?cial do Distrito Federal
Nº 170 quinta-feira, 23 de agosto de 2012
paratireoide. 19. Dignóstico e tratamento dos tumores ósseos em cirurgia de cabeça e pescoço.
20. Diagnóstico e tratamento dos tumores nervosos periféricos e vasculares. 21. Diagnóstico e
tratamento das metástases cervicais. 22. Esvaziamentos cervicais. 23. Traqueostomias.
3.7. CARGO: MÉDICO ESPECIALIDADE: CIRURGIA CARDÍACA (CÓDIGO 107) 1.
Código de ética médica. 2. A cirurgia e a ética médica. 3. Bases da cirurgia: respostas endócrinas
e metabólicas ao trauma. 4. Equilíbrio hidroeletrolítico e nutrição. 5. Choque. 6. Infecção e cirur-
gia. 7. Anatomia e ?siologia do sistema cardiovascular. 8. Cuidados no pré e pós-operatório. 9.
Circulação extracorpórea (CEC) e proteção miocárdica. 10. Tratamento cirúrgico da cardiopatia
isquêmica. 11. Tratamento cirúrgico das valvopatias adquiridas. 12. Tratamento cirúrgico das
cardiopatias congênitas. 13. Tratamento cirúrgico das doenças da aorta. 14. Indicação e con-
traindicação de procedimentos endovasculares em doenças da aorta torácica e abdominal . 15.
Tratamento cirúrgico da insu?ciência cardíaca.16. Tumores cardíacos e doenças do pericárdio.
17. Arritmias cardíacas e cardioestimulação. 18. Técnicas cirúrgicas de plásticas nas
valvopatias adquiridas.
3.8. CARGO: MÉDICO – ESPECIALIDADE: CIRURGIA VASCULAR (CÓDIGO 108) 1.
Noções de anatomia vascular. 2. Fisiologia da macro e da microcirculação. 3. Fisiologia da
coagulação e da ?brinólise. 4. Fisiopatologia da aterosclerose. 5. O exame clínico do paciente
vascular. 6. Métodos não invasivos no diagnóstico das doenças vasculares. 7. Angiogra?as. 8.
Insu?ciência arterial crônica de extremidades. 9. Vasculites na prática médica. 10. Trombo?lias.
11. Arteriopatias vasomotoras. 12. Aneurismas. 13. Síndromes do des?ladeiro cervical. 14. In-
su?ciência vascular cerebral de origem extracraniana. 15. Insu?ciência vascular visceral. 16.
diabético. 17. Hipertensão renovascular. 18. Doença tromboembólica venosa. 19. Insu?ciência
venosa crônica. 20. Linfangites e erisipela. 21. Linfedemas. 22. Úlceras de perna. 23. Angio-
displasias. 24. Oclusões arteriais agudas. 25. Trauma vascular. 26. Terapêutica hipolipemiante.
27. Terapêutica antiplaquetária. 28. Terapêutica anticoagulante e ?brinolítica. 29. Terapêutica
vasodilatadora e hemorreológica. 30. Terapêutica venotônica e linfocinética.
3.9. CARGO: MÉDICO – ESPECIALIDADE: CIRURGIA PEDIÁTRICA (CÓDIGO 109) 1.
Princípios da cirurgia. Propedêutica e avaliação do paciente cirúrgico. Transfusão. Controle
hidroeletrolítico e nutricional do paciente cirúrgico. 2. Antimicrobianos em cirurgia geral.
Anestésicos locais. Anestesia loco-regional. Fios de sutura: aspectos práticos do seu uso.
Curativos: técnica e princípios básicos. 3. Pré- e pós-operatório em cirurgias eletivas e de
urgência/emergência. 4. Complicações cirúrgicas trans- e pós-operatórias. 5. Imunologia
e transplantes. 6. Mecanismos de rejeição. 7. Resposta metabólica ao trauma cirúrgico.
8. Vias de acesso vascular. 9. Suporte nutricional. 10. Implicações cirúrgicas de doenças
hematológicas. 11. Aspectos epidemiológicos e preventivos do trauma na infância. 12. A
criança vítima de abuso. 13. Princípios gerais do atendimento da criança traumatizada. 14.
Traumatismo torácico. 15. Traumatismo abdominal. 16. Traumatismo geniturinário. 17.
Traumatismo para os tecidos moles. 18. Queimaduras. 19. Traumas do recém nascido. 20.
Endoscopia digestiva pediátrica. 21. Diagnóstico pré-natal das malformações. 22. Diagnóstico
por imagem em cirurgia pediátrica. 23. Diagnóstico clínico e laboratorial das infecções. 24.
Diagnóstico microbiológico da infecção cirúrgica. 25. Peritonites e abscessos abdominais.
26. Antibióticos em cirurgia pediátrica. 27. Infecções por vírus em pacientes imunocompro-
metidos. 28. Infecções fúngicas invasivas em pacientes cirúrgicos. 29. Síndrome da Imuno-
de?ciência Adquirida (AIDS) na infância: aspectos de interesse do cirurgião pediátrico. 30.
Afecções das glândulas salivares. 31. Linfadenites cervicais. 32. Tireoide e paratireoide. 33.
Angiodisplasias: hemangiomas e linfangiomas. 34. Cistos e ?stulas cervicais. 35. Torcicolo
congênito. 36. Hérnia diafragmática congênita. 37. Massas mediastinais. 38. Tumores do
pulmão. 39. Atresia do Esôfago. Substituição cirúrgica do esôfago. Estenose congênita do
esôfago. Estenoses adquiridas do esôfago. Re?uxo gastresofágico. Rupturas e perfurações
do esôfago. 40. Lesões cirúrgicas das vias aéreas. Fenda laringoesofagotraqueal. Lesões
congênitas do pulmão. Anomalias do arco aórtico. Empiema pleural e mediastinite. Absces-
sos pulmonares e bronquiectasias. Quilotórax. Pneumotórax, pneumomediastino e en?sema
intersticial. 41. Dor abdominal recorrente. Peritonite meconial. Enterocolite necrosante.
Apendicite aguda. Cisto do omento e do mesentério. Duplicações do trato gastrintestinal.
Doença polipoide do trato gastrintestinal. Rotação intestinal incompleta. Sangramento gas-
trintestinal. Ascite. Doença de Crohn. Colite ulcerativa. Peritonite primária. Ileostomias e
colostomias. Afecções cirúrgicas causadas por parasitas. Defeitos das regiões umbilical e
paraumbilical. Afecções cirúrgicas das regiões inguinais. Distopias testiculares. Afecções
agudas da bolsa escrotal. Estenose hipertró?ca do piloro. Doença péptica na criança. Obs-
trução duodenal. Gastrostomias: indicações e técnicas. Atresia e estenose jejunoileal. Íleo
meconial. Invaginação intestinal. Divertículo de Meckel. Síndrome do intestino encurtado.
Malrotação do intestino. Outras causas de obstrução intestinal. Moléstia de Hirschsprung.
Obstipação intestinal crônica. Anomalias anorretais. Incontinência fecal. Afecções anorretais
adquiridas. Diagnóstico diferencial morfológico das colestases neonatais. Atresia das vias
biliares. Dilatação congênita das vias biliares. Abscessos hepáticos. Hipertensão portal.
Afecções cirúrgicas do pâncreas e baço. 42. Biologia molecular das neoplasias da infânc ia.
Neuroblastomas. Linfoma não-Hodgkin e doença de Hodgkin. Tumor de Wilms. Tumores
hepáticos. Tumores do córtex da adrenal. Rabdomiossarcomas e outros tumores mesenqui-
mais. Teratomas. Outras neoplasias da infância. Tumores ovarianos. Tumores do testículo
na infância. 43. Anomalias da genitália externa masculina. Anomalias do desenvolvimento
renal. Anomalias da diferenciação sexual. Cirurgia das anomalias da diferenciação sexual.
Anomalias ureterais. Estenose da junção uretero-piélica. Válvulas da uretra posterior. Re?uxo
vesicoureteral. Extro?a da bexiga. Bexiga neurogênica e urodinâmica. Extro?a de cloaca. 44.
Videocirurgia pediátrica: histórico, anestesia, princípios técnicos gerais, principais cirurgias
videolaparoscópicas, cirurgias videotoracoscópica.
3.10. CARGO: CARREIRA MÉDICA – ESPECIALIDADE: CIRURGIA PLÁSTICA (CÓ-
DIGO 110) 1. Anatomia. 2. Princípios de cirurgia plástica, cicatrização das feridas, cicatrizes
patológicas, enxertos de tecidos, retalhos, expansão de tecidos, anestesia e cirurgia plástica. 3.
Tumores benignos e malignos de pele, anomalias craniofaciais, traumatismo da face, traumatismo
de membros, tratamento das perdas de substância, reconstrução de face, reconstrução de couro
cabeludo, reconstrução de mamas, reconstrução de membros superiores e inferiores, reconstrução
do tronco, cirurgias das mamas, abdominoplastia, queimaduras.
3.11. CARGO: MÉDICO – ESPECIALIDADE: CIRURGIA TORÁCICA (CÓDIGO 111) 1.
Anatomia cirúrgica do tórax e órgãos torácicos. 2. Avaliação pré-operatória da função pulmonar.
3. Manuseio pré, per e pós-operatório em cirurgia torácica. 4. Métodos de diagnóstico em cirurgia
torácica. 5. Métodos de drenagem em cirurgia torácica. 6. Afecções do diafragma, do estreito
superior e parede do tórax. 7. Neoplasias pulmonares e árvore traqueobrônquica. 8. Doenças bron-
copulmonares supurativas. 9. Tratamento cirúrgico do en?sema bolhoso e difuso. 10. Cirurgia das
malformações broncopulmonares. 11. Cirurgia na tuberculose pulmonar e sequelas. 12. Patologia
cirúrgica das pleuras. 13. Afecções cirúrgicas do mediastino. 14. Patologia cirúrgica do esôfago.
15. Traumatismo torácico. 16. Transplante pulmonar. 17. Princípios básicos da oncologia torácica.
18. Cirurgia torácica videoassistida. 19. Mediastinoscopias. 20. Afeções cirúrgicas da traqueia
e brônquios. 21. Broncoscopias. 22. Cirurgia torácica pediátrica. 23. Cirurgia da hiperidrose.
3.12. CARGO: MÉDICO ESPECIALIDADE: CLÍNICA MÉDICA (CÓDIGO 112) 1. Cui-
dados gerais com o paciente em medicina interna. 2. Doenças cardiovasculares: hipertensão
arterial, cardiopatia isquêmica, insu?ciência cardíaca, miocardiopatias e valvulopatias, arritmias
cardíacas. 3. Doenças pulmonares: asma brônquica e doença pulmonar obstrutiva crônica; em-
bolia pulmonar; pneumonias e abcessos pulmonares; doença pulmonar intersticial; hipertensão
pulmonar. 4. Doenças gastrointestinais e hepáticas: úlcera péptica, doenças intestinais in?ama-
tórias e parasitárias, diarreia, colelitíase e colecistite, pancreatite, hepatites virais e hepatopatias
tóxicas, insu?ciência hepática crônica. 5. Doenças renais: insu?ciência renal aguda e crônica,
glomerulonefrites, síndrome nefrótica, litíase renal. 6. Doenças endócrinas: diabetes mellitus,
hipotireoidismo e hipertireoidismo, tireoidite e nódulos tireoidianos, distúrbios das glândulas
supra-renais, distúrbios das glândulas paratireoides. 7. Doenças reumáticas: artrite reumatoide,
espondiloartropatias, colagenoses, gota. 8. Doenças infecciosas e terapia antibiótica. 9. Distúr-
bios hidroeletrolíticos e acidobásicos. 10. Intoxicações Exógenas – diagnóstico e tratamento. 11.
Acidentes com animais peçonhentos – conduta. 12. Ressuscitação cardio-pulmonar. 13. Choque
– conduta; 14. Coma. 15. Ana?laxia – tratamento. 16. Delirium. 17. Síndrome de Abstinência.
18. Crise Convulsiva – conduta. 19. Acidente Vascular Cerebral. 20. Anemia Falciforme.
3.13. CARGO: CARREIRA MÉDICA – ESPECIALIDADE: ENDOCRINOLOGIA (CÓDIGO
113) 1. Neuroendocrinologia: Diagnóstico e tratamento de massas selares, avaliação diagnóstica
e tratamento de prolactinomas, diagnóstico e tratamento de acromegalia, diagnóstico e tratamento
do Diabetes Insipido e da Síndrome de Secreção Inapropriada do Hormônio Antidiurético. 2.
Crescimento e desenvolvimento: investigação e tratamento de Baixa Estatura, investigação e
tratamento de Retardo Puberal e Puberdade Precoce, diagnóstico e tratamento de genitália ambí-
gua. 3. Doenças da tireoide: avaliação e manuseio de nódulos de tireoide; diagnóstico, tratamento
e seguimento de câncer de tireoide; diagnóstico e tratamento de hipotireoidismo; diagnóstico
e tratamento de hipertireoidismo; diagnóstico e tratamento de tireoidites. 4. Doenças adrenais:
diagnóstico e tratamento da insu?ciência adrenal; diagnóstico e tratamento de Síndrome de
Cushing; diagnóstico e tratamento de feocromocitoma; diagnóstico e tratamento de hiperaldos-
teronismo; diagnóstico e tratamento de hiperplasia adrenal congênita. 5. Distúrbios do sistema
reprodutivo: Hipogonadismo masculino, disfunção erétil, ginecomastia, hipogonadismo femini-
no, amenorreia, síndrome dos ovários policísticos. 6. Doenças do pâncreas: Diabetes Mellitus,
epidemiologia, classi?cação, diagnóstico e tratamento farmacológico, abordagem diagnóstica,
terapêutica e preventiva das complicações agudas e crônicas do diabetes; Diagnóstico e tratamento
das hipoglicemias em não diabéticas. 7. Dislipidemia. 8. Obesidade e transtornos alimentares:
diagnóstico e tratamento das dislipidemias, epidemiologia, diagnóstico e tratamento da obesidade
e dos transtornos alimentares, síndrome metabólica, implicações clínicas e tratamento. 9. Doenças
osteometabólicas: Diagnóstico e tratamento do hiperparatireoidismo; diagnóstico e tratamento
de hipoparatireodismo; diagnóstico e manuseio de osteoporose; Raquitismo e osteomalacia. 10.
Miscelania: Tumores neuroendócrinos; Neoplasias endócrinas múltiplas; Glicocorticoides, uso
terapêutico e efeitos colaterais; Manuseio do Hirsutismo.
3.14. CARGO: MÉDICO – ESPECIALIDADE: GENÉTICA MÉDICA (CÓDIGO 114) 1.
Análise mendeliana. 2. DNA, cromatina, cromossomos metafásicos e meióticos. 3. Ciclo celular
e apoptose. 4. Organização do genoma. 5. Padrões de transmissão de genes nos indivíduos e
nas populações, as variações nessas expressões, os tipos de herança e má formação genética. 6.
Determinação sexual. 7. Bases cromossômicas: análise e aberrações cromossômicas. 8. Herança
multifatorial: poligenia, polialelismo e herdabilidade. 9. Diagnóstico pré-natal. 10. Tratamentos
das doenças genéticas. 11. Bases genéticas e bioquímicas das doenças. 12. Terapia gênica. 13.
Genética do comportamento. 14. Genética de populações. 15. Aconselhamento genético. 16.
Organização laboratorial. 17. Métodos laboratoriais de análise de ácidos nucleicos e proteínas.
18. Estatística experimental aplicada à genética. 19. Erros inatos do metabolismo.
3.15. CARGO: MÉDICO – ESPECIALIDADE: GERIATRIA (CÓDIGO 115) 1. Aspectos
gerais do envelhecimento e gerontologia. 1.1. Transição demográ?ca e epidemiológica. 1.2.
Teorias sobre o envelhecimento. 1.3. Aspectos biológicos e ?siológicos do envelhecimento. 1.4.
Política Nacional do Idoso, aspectos legais e éticos. 1.5. O idoso na sociedade. 1.6. Noções de
Hospital-dia. 1.7. Equipe Multidisciplinar, modalidades de atendimento. 1.8. Cuidados com o
paciente terminal. 1.9. Prevenção e promoção de saúde. 1.10. Sexualidade no idoso. 2. Geriatria.
PÁGINA 76
Diário O?cial do Distrito Federal
Nº 170 quinta-feira, 23 de agosto de 2012
2.1. Psicogeriatria: demências, delirium e depressão. 2.2. Instabilidade postural e quedas. 2.3.
Imobilidade e úlceras de pressão. 2.4. Incontinência urinária e fecal. 2.5. Iatrogenia e farmaco-
logia no idoso. 2.6. Hipertensão arterial, insu?ciência cardíaca, arritmias, doenças coronarianas
e cerebrovasculares no idoso. 2.7. Hipotensão postural. 2.8. Parkinson, tremores, neuropatias e
epilepsia. 2.9. Pneumonias, doença pulmonar obstrutiva crônica, embolia pulmonar. 2.10. Re-
abilitação. 2.11. Nutrição. 2.12. Visão e Audição. 2.13. Osteoartrite, osteoporose e paget. 2.14.
Diabetes e tireoide. 2.15. Anemia e mieloma. 2.16. Imunizações e infecções. 2.17. Neoplasias.
2.18. Doenças dermatológicas. 2.19. Aparelho gastrointestinal. 2.20. Aparelho genito-urinário.
2.21. Terapia de reposição hormonal. 2.22. Distúrbios do sono.
3.16. CARGO: CARREIRA MÉDICA – ESPECIALIDADE: HEMATOLOGIA E HEMOTE-
RAPIA (CÓDIGO 116) 1. História da transfusão de sangue. 2. Eritropoese. 3. Granulocitopoese.
4. Trombocitopoese. 5. Fatores de crescimento hematopoiético. 6. Imunidade celular e sua
relação com a transfusão de sangue. 7. Imunidade humoral e sua relação com a transfusão de
sangue. 8. Política Nacional de sangue. 9. Genética associada à transfusão de sangue. 10. Imuno-
modulação causada pela transfusão de sangue. 11. Recrutamento e triagem do doador de sangue.
12. Coleta de sangue total - cuidados com o doador e efeitos adversos. 13. Fracionamento do
sangue total - preparo de hemocomponentes. 14. Metabolismo e estoque de glóbulos vermelhos.
15. Metabolismo e estoque de plaquetas. 16. Imunologia das plaquetas. 17. Hemostasia. 18.
Fibrinólise. 19. Produtos proteicos plasmáticos. 20. Imunologia dos glóbulos vermelhos. 21.
Antígenos de glóbulos vermelhos. 22. Anticorpos contra glóbulos vermelhos. 23. Resposta
imunológica aos antígenos de glóbulos vermelhos. 24. Reação antígeno/anticorpo. 25. Sistema
de complemento. 26. Testes de compatibilidade para glóbulos vermelhos: signi?cado clínico
e laboratorial. 27. Sistemas de grupos sanguíneos ABO, Lewis, P e antígenos eritrocitários Ii.
28. Sistema RH de grupo sanguíneo. 29. Sistemas de grupos sanguíneos Kell, Kx, Duffy, Kidd,
MNSs, Lutheran, Di, Yt, Xg, Sc, Do, Co, Ch/Rg, Cr, Kn e In. 30. Coleções de antígenos. 31.
Antígenos de alta e baixa freqüência. 32. Sistema de histocompatibilidade HLA. 33. Terapia
transfusional dos estados de anemia aguda e crônica. 34. Terapia transfusional das anemias
hemolíticas auto-imunes - aspectos laboratoriais e clínicos. 35. Imunologia das plaquetas. 36.
Terapia transfusional com concentrados de plaquetas. 37. Imunologia dos granulócitos. 38.
Terapia transfusional com granulócitos. . 39. Terapia transfusional das coagulopatias congênitas.
40. Terapia transfusional das desordens adquiridas da hemostasia. 41. Terapia transfusional
em cirurgia e trauma - transfusão maciça. 42. Usos clínicos dos selantes de ?brina. 43. Terapia
transfusional nos transplantes de órgãos sólidos. 44. Terapia transfusional nos transplantes de
células precursoras hematopoiéticas. 45. Transfusão de células mononucleares: Imunoterapia
utilizando linfócitos, derivados de doador alogênico. 46. Terapia com imunoglobulina. 47.
Transfusão intrauterina e neonatal. 48. Doenças transmitidas por transfusão. 49. Manuseio das
reações transfusionais. 50. Uso de substitutos do sangue na terapia transfusional. 51. Inativação
de agentes infecciosos nos hemocomponentes. 52. Aféreses para coleta de hemocomponen-
tes. 53. Aféreses terapêuticas. 54. Programas de doações autólogas e dirigidas. 55. Aspectos
legais da transfusão de sangue: normas, portarias e leis. 56. Anemias carenciais (ferropriva e
megaloblástica). 57. Hemoglobinopatias estruturais e não estruturais. 58. Anemias hemolíti-
cas por defeito de membrana. 59. Anemia hemolítica auto-imune. 60. Leucemias agudas. 61.
Eritropoese, Membrana Eritrocitária, Metabolismo e Hemoglobina. 62. Anemias: diagnóstico,
abordagem clínica e abordagem laboratorial. 63. Leucemias agudas: mieloides e linfoides.
64. Síndromes mieloproliferativas crônicas: LMC, Mielo?brose primária, Policitemia, Trom-
bocitemia primária. 65. Aplasia Medular. 66. Transplantes autólogos e alogênicos de medula.
67. Linfocitopoese. 68. Leucemia linfoide crônica e variantes. 69. Linfomas não-Hodgkin de
baixo grau de malignidade. 70. Linfomas não-Hodgkin agressivos. 71. Doença de Hodgkin.
72. Mieloma Múltiplo. 73. Hiperesplenismo. 74. Abordagem clínico-laboratorial do paciente
hemorrágico. 75. Púrpuras vasculares. 76. Coagulação intra vascular disseminada . 77. Coagu-
lopatia da hepatopatia crônica. 78. Indicações de sangue, hemocomponentes e hemoderivados.
79. Efeitos adversos da transfusão de sangue, hemocomponentes e hemoderivados. 80. Sistema
de Grupos sanguíneos ABO e Rh. 81. Provas laboratoriais de compatibilidade pré-transfusional.
82. Doenças transmissíveis por transfusão. 83. Doença hemolítica peri-natal. 84. Programas
de transfusões autólogas. 85. Transplante de Medula óssea.
3.17. CARGO: MÉDICO ESPECIALIDADE: HOMEOPATIA (CÓDIGO 117) 1. Filoso?a
Homeopática: Histórico e Evolução do pensamento médico. 2. A história da homeopatia após
Hahnemann. 3. O princípio da similitude na história da medicina. 4. Patogenesia Histórico do
conceito de doença. 5. Visão hahnemaniana sobre o homem, abordando os conceitos de saúde,
doente, doença e cura. 6. Mecanismos defensivos e curativos do organismo. 7. Doença aguda:
conceito, caracterização, classi?cação segundo Hahnemann. 8. Gênio epidêmico: conceito,
caracterização, pesquisa. 9. Doença crônica - Evolução do conceito de doença em Hahnemann:
Syphilis-Sycose-Psora. 10. Cura - Conceito e signi?cado. 11. Compreensão das leis de cura. 12.
Obstáculos à cura. 13. Possibilidades e limitações da homeopatia. 14. Correntes terapêuticas.
15. Semiologia Homeopática. 16. Individualização do doente e do medicamento. 17. Sintomas.
18. Anamnese homeopática. 19. Avaliação clínica. 20. Clínica e Terapêutica Homeopática. 21.
Diagnósticos em homeopatia. 22. Compreensão do caso. 23. Prescrição homeopática: cor-
rentes terapêuticas: unicismo, pluralismo, alternismo, complexismo, isopatia etc; Primeira
prescrição. 24. Prognóstico clínicodinâmico e segunda prescrição. 25. Casos Clínicos
Matéria Médica Homeopática: conceitos: tipos e estrutura; medicamentos policrestos e
semi policrestos. 26. Farmácia Homeopática. 27. Medicamentos homeopáticos. 28. -
todos e escalas de preparação. 29. Veículos homeopáticos. 30. Formas farmacêuticas. 31.
Receituário homeopático. 32. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares
de Saúde (PNPIC – Portaria GM/MS nº 971, de 3 de maio de 2006).
3.18. CARGO: MÉDICO – ESPECIALIDADE: INFECTOLOGIA (CÓDIGO 118) 1. Febre.
Septicemia. Infecções em pacientes granulocitopênicos. 2. Infecções causadas por microor-
ganismos anaeróbicos. Tétano. Meningite por vírus, bactérias e fungos. Raiva. Rickettsioses.
Abscesso cerebral. Sinusites. Difteria. 3. Tuberculose, hanseníase e doenças por outras
micobactérias. Brucelose. Pneumonias bacterianas, viróticas e outras. Empiema pleural.
Derrames pleurais. In?uenza. 4. Toxoplasmose. Leptospirose. Hantaviroses. 5. Actinomicose,
nocardias e infecções fúngicas. Bartonelose. 6. Endocardite. Pericardite. Gastroenteroco-
lites infecciosas e virais. Hepatites por vírus. 7. Leishmaniose cutânea e visceral. Febre
tifoide. Dengue. Varicela. Sarampo. Rubéola. Escarlatina. Caxumba. Coqueluche. Herpes
simples e zoster. Citomegalovirus. 8. Esquistossomose; ?lariose; parasitoses por helmintos
e protozoários. 9. Imunizações. 10. Doenças sexualmente transmissíveis. 11. Controle de
infecções hospitalares. 12. Síndrome da imunode?ciência adquirida. 13. Cólera. Raiva.
Malária. 14. Antibióticos, antivirais e antifungicos. 15. Sistema de agravos noti?cáveis e
sistema de mortalidade.
3.19. CARGO: MÉDICO – ESPECIALIDADE: MEDICINA INTENSIVA (CÓDIGO 119)
1. Procedimentos em terapia intensiva: intubação orotraqueal e manutenção de vias aéreas;
cateterismo venoso profundo e arterial; instalação de marcapasso temporário; toracocen-
tese; traqueostomia; cardioversão e des?brilação. 2. Transtornos cardiocirculatórios em
UTI: arritmias cardíacas; crise hipertensiva; parada cardiorespiratória; tromboembolismo
pulmonar; dissecção aórtica; infarto agudo do miocárdio; angina instável; insu?ciência
cardiocirculatória; choque. 3. Transtornos respiratórios em UTI: insu?ciência respiratória;
síndrome de angústia respiratória do adulto; edema pulmonar agudo; cor pulmonale; pneu-
motórax; derrame pleural; assistência ventilatória mecânica; hemoptise. 4. Transtornos da
função renal e do equilíbrio hidroeletrolítico e ácido base: insu?ciência renal aguda; -
todos substitutivos da função renal; distúrbios hidroeletrolíticos; distúrbios ácido-base. 5.
Transtornos gastroenterológicos em UTI: hemorragia digestiva; insu?ciência hepática; pan-
creatite aguda; íleo adinâmico; diarreia. 6. Transtornos endocrinológicos em UTI: diabetes;
hipoglicemia; tireotoxicose; mixedema. 7. Transtornos neurológicos em UTI: coma; trauma
cranioencefálico e raquimedular; acidente vascular cerebral; crise convulsiva; síndrome
de Gullain-Barré; miastenia gravis. 8. Transtornos hematológicos em UTI: coagulopatias;
púrpura trombocitopênica trombótica; reação transfusional; tromboembolismo; hemólise. 9.
Doenças infectocontagiosas em UTI: infecção hospitalar; endocardite bacteriana; septicemia;
pneumonias; AIDS; tétano; meningites; infecções abdominais; antibioticoterapia. 10. Pro-
blemas cirúrgicos em UTI: cirurgia cardíaca; abdome agudo; queimados. 11. Intoxicações
e envenenamentos: ácool; narcóticos; sedativos e hipnoindutores; estimulantes do SNC e
alucinógenos; hidrocarbonetos; salicilatos; anticocinérgicos; plantas; animaispeçonhentos.
12. Gravidez e UTI: eclâmpsia e pré-eclâmpsia; sindrome Hellp. 13. Nutrição em UTI: enteral;
parenteral; terapia nutricional em doenças especí?cas. 14. Monitoração do paciente crítico:
eletrocardiogra?a; pressão arterial; pressão venosa central; cateterismo arterial pulmonar;
débito cardíaco; oximetria de pulso; capnogra?a. 15. Transporte de pacientes críticos: intra-
-hospitalar; extrahospitalar. 16. Ética e considerações legais: princípios éticos; doação de
órgãos; morte encefálica; manutenção de suporte vital.
3.20. CARGO: MÉDICO – ESPECIALIDADE: NEONATOLOGIA (CÓDIGO 120) 1. Gestação
de alto risco. 2. Atendimento, avaliação e reanimação na sala de parto. 3. Retardo do crescimento
intra-uterino prematuridade. 4. Aleitamento e alimentação do recém-nascido, nutrição parenteral
total. 5. As?xia perinatal. Anomalias congênitas. 6. Distúrbios hídricos e metabólicos. Erros inatos
de metabolismo. 7. Filho de mãe diabética. 8. Infecções agudas. Infecções Congênitas, sí?lis,
toxoplasmose, rubéola, citomegalovírus, HIV e hepatites. Pro?laxia e controle da infecção hos-
pitalar. 9. Hiperbilirrubinemia neonatal. Distúrbios: Respiratórios, cardiovasculares, digestivos,
hematológicos, endocrinológicos, neurológicos e genito-urinários. 10. Patologias Cirúrgicas. 11.
Transporte do recém nascido. 12. Morbi - mortalidade materna, neonatal e infantil. 13. Indica-
dores de agravos perinatais. 14. Sistema de agravos noti?cáveis. 15. Atenção humanizada ao
recém-nascido. 16. Assistência ventilatória neonatal.
3.21. CARGO: MÉDICO – ESPECIALIDADE: NEUROPEDIATRIA (CÓDIGO 121) 1.
Neuroanatomia. 2. Neurofisiologia. 3. Neurodesenvolvimento. 4. Semiologia neurológi-
ca. 5. Neuropatologia. 6. Neuroquímica. 7. Neuroinmunologia. 8. Neurofarmacologia.
9. Neuropediatria. 10. Neurologia geral e neurologia pediátrica. 11. Neuropsicologia
pediátrica. 12. Neurocirurgia. 13. Neuroradiologia. 14. Neurogenética. 15. Neurologia
neonatal. 16. Neuroftalmologia. 17. Neurotologia.
3.22. CARGO: CARREIRA MÉDICA – ESPECIALIDADE: ORTOPEDIA E TRAUMATO-
LOGIA (CÓDIGO 122) 1. Consolidação de Fraturas. 2. Retardo e ausência de consolidação.
3. Semiologia do aparelho locomotor. 4. Lesões traumáticas de mão. 5. Luxações do carpo.
6. Fraturas do escafoide. 7. Fraturas do punho e ossos do carpo. 8. Fraturas dos ossos do
antebraço. 9. Traumatismo do cotovelo na criança. 10. Fraturas do joelho. 11. Lesões liga-
mentares e meniscais do joelho. 12. Fraturas da tíbia. 13. Traumatismo do tornozelo. 14.
Fraturas do calcâneo. 15. Lesões traumáticas do pé. 16. Traumatismo do tórax. 17. Trauma-
tismos musculares e ligamentares. 18. Traumatologia esportiva. 19. Fraturas da mandíbula.
20. Outras lesões traumáticas dos ossos da face. 21. Lues óssea. 22. Cervicobraquialgias.
23. Hérnia de disco. 24. Lombargia. 25. Escoliose. 26. Pé cavo. 27. Pé torto congênito. 28.
Lesão de Monteggia. 29. Fraturas de diá?se umeral. 30. Fraturas de colo de úmero. 31.
Fraturas de cintura escapular. 32. Luxação da cintura escapular. 33. Fraturas de colo de
fêmur. 34. Fraturas da região pertocanteriana. 35. Epi?siolístese traumática proximal do
fêmur. 36. Fraturas do colo do fêmur na criança. 37. Fratura de diáfase femoral. 38. Fraturas
suprocondilianas do fêmur. 39. Fraturas e luxações da coluna dorso-lombar. 40. Fraturas e
PÁGINA 77
Diário O?cial do Distrito Federal
Nº 170 quinta-feira, 23 de agosto de 2012
luxações da coluna cervical. 41. Traumatismos músculo-articulares da coluna. 42. Fraturas
patológicas. 43. Distúrbios congênitos das osteogêneses. 44. Deformidades congênitas dos
membros superiores e inferiores. 45. Osteomielites. 46. Artrite séptica. 47. Tuberculose
ósteo-articular. 48. plano. 49. Hallux valgo. 50. Osteocondrities. 51. Síndrome do Calvé-
-Legg-Parthes. 52. Displasia congênita de quadril. 53. Artrodese do quadril e joelho. 54.
Osteotomias e artroplastia de quadril e outras articulações. 55. Lesões vasculares da mão.
56. Lesões dos tendões ?exores. 57. Lesões dos tendões extensores. 58. Lesões dos nervos.
59. Microcirurgia nos traumatismos da mão. 59.1. Princípios da microcirurgia vascular. 59.2.
Reimplantes e revascularizações. 59.3. Retalhos cutâneos e musculares. 59.4. Reconstrução
óssea com fíbula vascularizada. 59.5. Transplante de artelho para reconstrução do polegar.
60. Paralisia Obstétrica. 61. Síndromes compressivas de nervos periféricos.
3.23.. CARGO: MÉDICO – ESPECIALIDADE: PEDIATRIA (CÓDIGO 123) 1. Crescimento e
desenvolvimento: problemas do crescimento e desenvolvimento do recém-nascido à puberdade
(adolescência); imunizações (vacinação); alimentação da criança. Atendimento, avaliação e re-
animação na sala de parto. Manejo do binômio mãe-?lho no alojamento conjunto 2. Distúrbios
nutricionais: desidratação aguda por diarreia e vômitos; desnutrição proteicocalórica. 3. Problemas
neurológicos: meningites; meningoencefalites; tumores intracranianos; tétano; convulsões. 4.
Problemas oftalmológicos: conjuntivites; alterações oculares nas hipovitaminoses. 5. Problemas
do ouvido, nariz, boca e garganta: otites; infecções das vias aéreas superiores; rinites; sinusites;
adenoidites. 6. Distúrbios respiratórios: bronquiolite; bronquites; asma; tuberculose pulmonar;
pneumonias; ?brose cística (mucoviscidose). 7. Distúrbios cardiológicos: cardiopatias congênitas
cianóticas e acianóticas; endocardite infecciosa; miocardite; doença de Chagas. 8. Problemas
do aparelho digestivo: vômitos e diarreia; diarreia crônica; doença celíaca; alergia alimentar;
parasitoses intestinais; patologias cirúrgicas; hepatites. 9. Problemas urinários: infecções do trato
urinário; hematúria; glomerulonefrite difusa aguda e glomerulopatias; síndrome nefrótica; re?uxo
vesico-ureteral; válvulas da uretra posterior. 10. Problemas hematológicos: anemias carenciais;
anemia aplástica; anemia falciforme; anemias hemolíticas; leucemias; púrpuras (trombocitopênica
e ana?lactoide); hemo?lia. 11. Hepatoesplenomegalia e adenomegalia: mononucleose; adenite
cervical; toxoplasmose; calazar; blastomicose. 12. A febre e as infecções na infância: a criança
febril; febre tifoide; salmonelose; malária; brucelose; interpretação e conduta na criança com
reação de Mantoux positivo; síndromes de de?ciência imunológica na infância. 13. Tumores na
infância: tumor de Wilms; neuroblastoma; doença de Hodgkin; linfomas; rabdomiossarcoma.
14. Antibióticos e quimioterápicos. 15. Problemas endocrinológicos: diabetes mellitus tipo 1;
hipotiroidismo congênito.
3.24. CARGO: MÉDICO ESPECIALIDADE: PSIQUIATRIA (CÓDIGO 124) 1. Transtor-
nos mentais orgânicos, incluindo sintomáticos. 2. Transtornos mentais e de comportamento
devidos ao uso de substanciais psicoativas. 3. Esquizofrenia, transtornos esquizotípicos
e delirantes. 4. Transtornos do humor (afetivo). 5. Transtornos neuróticos, relacionados
ao estresse e somatoformes (transtornos fóbicos-ansiosos, obsessivos-compulsivos etc.).
6. Transtornos do comportamento e emocionais da infância e do adolescente; transtornos
hipercinéticos, transtornos de conduta, transtornos mistos de conduta e emoção. 7. Síndro-
mes comportamentais associadas a distúrbios ?siológicos e a fatores físicos (transtornos
alimentares, não-orgânicos, do sono, disfunção sexual etc.). 8. Transtornos da personalidade
e de comportamento em adultos (transtornos especí?cos de personalidade etc.). 9. Retardo
mental. 10. Tratamento psicofarmacológico. 11. Psiquiatria forense: atividade pericial; me-
dicina defensiva e erro médico; direitos do paciente; internação involuntária. 12. Urgências
psiquiátricas. 13. Psiquiatria em Hospital Geral; Interconsulta, desintoxicação de álcool e
outras drogas. 14. Tratamento psicofarmacológico. 15. Lei Federal nº 10.216, de 6 de abril
de 2001, e Portaria nº 336 do Ministério da Saúde.
3.25. CARGO: MÉDICO – ESPECIALIDADE: RADIOTERAPIA (CÓDIGO 125) 1.
Anatomia de superfície. 2. Aplicação da Radioterapia. 3. Betaterapia. 4. Fracionamentos
de radioterapia. 5. Indicações de Radioterapia. 6. Interação de Quimio em Radioterapia.
7. Oncologia. 8. Planejamento em Radioterapia. 9. Primeiros socorros. 10. Princípios de
Radiologia. 11. Braquiterapia. 11.1. Princípios e Técnica. 12. Radiobiologia. 13. Radiotera-
pia em campos alargados. 14. Radioterapia Tridimensional e Conformacional – IMRT. 1x.
Técnicas de Densitometria em Radioterapia. 16. Urgências e emergências em Radioterapia.
17. Bases físicas da radioterapia. 18. Sistema de imobilização em radioterapia externa.
19. Radiocirurgia e radioterapia estereotáxica. 20. Radioterapia a volumes alargados. 21.
Radioterapia em medicina nuclear. 22. Interações entre radioterapia e quimioterapia. 23.
Radioterapia intraoperatória. 24. Efeitos tardios da irradiação. 25. Radioterapia em lesões
benignas. 26. Estadiamento do câncer e análise de sobrevida.
3.26. CARGO: MÉDICO – ESPECIALIDADE: MÉDICO DO TRABALHO (CÓDIGO
126) 1. Noções gerais de medicina. 1.1. Bioestatística. 1.2. Epidemiologia. 1.3. Sistemas
imunitário e suas doenças. 1.4. Moléstias infecciosas. 1.5. Sistema nervoso e suas doenças.
1.6. Sistema respiratório e suas doenças. 1.7. Sistema cardiovascular e suas doenças. 1.8.
Sistema gênito-urinário e suas doenças. 1.9. Sistema digestivo e suas doenças. 1.10. Do-
enças hematológicas e hematopoiéticas. 1.11. Ortopedia e traumatologia. 1.12. Distúrbios
nutricionais. 1.13. Metabolismo e suas doenças. 1.14. Sistema endócrino e suas doenças.
1.15. Genética e noções de doenças hereditárias. 1.16. Dermatologia. 1.17. Psiquismo e
suas doenças. 2. Noções específicas ligadas à saúde do trabalhador. 2.1. Noções de esta-
tística em medicina do trabalho. 2.2. Acidentes do trabalho: definições e prevenção. 2.3.
Noções de saneamento ambiental. 2.4. Noções de legislação acidentária. 2.5. Noções de
legislação de saúde e segurança do trabalho, incluindo o Decreto Distrital nº 33.653 de 10
de maio de 2012 e Protocolo Nacional de Saúde do Trabalhador do SUS. 2.7. Noções de
fisiologia do trabalho (visão, audição, metabolismo e alimentação, sistemas respiratório,
cardiovascular, osteoarticular). 2.8. Noções de atividade e carga de trabalho. 2.9. Noções de
atividade física e riscos à saúde. 2.10. Trabalho sob pressão temporal e riscos à saúde. 2.11.
Trabalho noturno e em turnos: riscos à saúde, noções de cronobiologia, novas tecnologias,
automação e riscos à saúde. 2.12. Agentes físicos e riscos à saúde. 2.13. Agentes químicos
e riscos à saúde. 2.14. Noções de toxicologia. 2.15. Sofrimento psíquico e psicopatologia
do trabalho (inclusive com relação ao álcool e às drogas). 2.16. Doenças profissionais e
doenças ligadas ao trabalho (pneumoconioses, asmas profissionais, câncer de pele, sur-
dez, hepatopatias, nefropatias, doenças do aparelho ósteo-articular, doenças infecciosas,
doenças cardio-circulatórias, hematopatias, entre outras). 2.17. Riscos ligados a setores
de atividade com especial atenção à condução de veículos. 2.18. Noções de avaliação e
controle dos riscos ligados ao ambiente de trabalho. 2.19. Noções de acompanhamento
médico de portadores de doenças crônicas em medicina do trabalho. 2.20. Noções de
funcionamento de um serviço de medicina e segurança do trabalho em empresas. 2.21.
Noções de ergometria e melhoria das condições de trabalho. 2.22. Conhecimento sobre
etimologia das DORTs e sobre fatores estressantes em ambiente de trabalho.
RAFAEL DE AGUIAR BARBOSA
Secretário de Estado de Saúde do Distrito Federal
ANEXO II – REQUERIMENTO PARA PORTADOR
DE DEFICIÊNCIA E ATENDIMENTO ESPECIAL
O candidato ________________________________________________________________
_____, inscrição nº ______________________ CPF nº_____________________, Cargo/Es-
pecialidade/Lotação ___________________________________________________, inscrito
para o Concurso Público para provimento de vagas e formação de cadastro-reserva para o cargo
de Carreira Médica, regido pelo Edital nº 34 de 23 de agosto de 2012, vem requerer vaga como
PORTADOR DE DEFICIÊNCIA. Nessa ocasião, o referido candidato apresentou LAUDO
MÉDICO com a respectiva Classi?cação Estatística Internacional de Doenças e Problemas
Relacionados à Saúde (CID), no qual constam os seguintes dados:
Tipo de de?ciência de que é portador: ____________________________________________
__________________
Código correspondente da CID: _________________________________________________
__________________.
Nome e número de registro do médico responsável pelo laudo no Conselho Regional de Medicina
(CRM): _______________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________.
Observação: Não serão considerados como de?ciência os distúrbios de acuidade visual passíveis
de correção simples, tais como, miopia, astigmatismo, estrabismo e congêneres.
Ao assinar este requerimento, o candidato declara sua expressa concordância em relação ao
enquadramento de sua situação, nos termos da Lei Estadual nº 14.715, de 4 de fevereiro de
2004, especialmente no que concerne ao conteúdo do item 3 deste edital, sujeitando-se à perda
dos direitos requeridos em caso de não homologação de sua situação, por ocasião da realização
da perícia médica.
TIPO DE SOLICITAÇÃO:
SOMENTE ATENDIMENTO ESPECIAL SEM CONCORRER À VAGA COMO POR-
TADOR DE DEFICIÊNCIA.
CONCORRER À VAGA COMO PORTADOR DE DEFICIÊNCIA SEM ATENDIMEN-
TO ESPECIAL.
CONCORRER À VAGA COMO PORTADOR DE DEFICIÊNCIA COM ATENDIMEN-
TO ESPECIAL (No quadro a seguir, selecione o tipo de prova e(ou) o(s) tratamento(s)
especial(is) necessário(s)).
Necessidades gerais:
( ) sala para amamentação
( ) sala térrea (di?culdade para locomoção)
( ) sala individual (candidato com doença
contagiosa/outras)
Especi?car:___________________________
( ) mesa para cadeira de rodas
( ) mesa e cadeiras separadas
( ) apoio para perna
( ) obesidade
( ) gravidez de risco
( ) dislexia
Auxílio para preenchimento: di?culdade/impos-
sibilidade de escrever
( ) das folhas de respostas das provas
Necessidades visuais
( ) auxílio na leitura da prova (ledor)
( ) prova em braille e ledor
( ) prova ampliada (fonte 16)
( ) prova superampliada (fonte 28)
Necessidades auditivas
( ) intérprete de Língua Brasileira de Sinais
(LIBRAS)
( ) leitura labial
________________________________, ______ de _____________________ de 2012.
________________________________________________________
Assinatura do candidato
PÁGINA 78
Diário O?cial do Distrito Federal
Nº 170 quinta-feira, 23 de agosto de 2012
ANEXO III – QUADRO DE VAGAS DO CARGO DA CARREIRA MÉDICA
VAGAS
ESPECIALIDADE LOTAÇÃO
Nº DE
VAGAS
QUANTIDADE
DE VAGAS
ACUPUNTURA - CÓDIGO 101
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE TAGUATINGA 02
08
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE CEILÂNDIA 02
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE SAMAMBAIA 01
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE SANTA MARIA 01
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE PLANALTINA 01
UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA) - RECANTO DAS EMAS 01
ALERGIA E IMUNOLOGIA - CÓDIGO 102 HOSPITAL REGIONAL DA ASA NORTE (HRAN) 01 01
ANATOMIA PATOLÓGICA - CÓDIGO 103
HOSPITAL REGIONAL TAGUATINGA (HRT) 03
12
HOSPITAL REGIONAL DE SOBRADINHO (HRS) 03
HOSPITAL REGIONAL DA CEILÂNDIA (HRC) 03
HOSPITAL REGIONAL DO GAMA (HRG) 03
ANESTESIOLOGIA - CÓDIGO 104
HOSPITAL DE BASE DO DISTRITO FEDERAL (HBDF) 10
80
HOSPITAL REGIONAL DA ASA NORTE (HRAN) 06
HOSPITAL REGIONAL TAGUATINGA (HRT) 06
HOSPITAL MATERNO INFANTIL DE BRASÍLIA (HMIB) 06
HOSPITAL REGIONAL DE SOBRADINHO (HRS) 04
HOSPITAL REGIONAL DE PLANALTINA (HRPL) 04
HOSPITAL REGIONAL DO PARANOÁ (HRPa) 06
HOSPITAL REGIONAL DA CEILÂNDIA (HRC) 06
HOSPITAL REGIONAL DO GAMA (HRG) 04
HOSPITAL REGIONAL DE SANTA MARIA (HRSM) 24
HOSPITAL REGIONAL DA SAMAMBAIA (HRSAM) 02
HOSPITAL REGIONAL DE BRAZLÂNDIA (HRBz) 02
BRONCOESOFAGOLOGIA - CÓDIGO 105 HOSPITAL DE BASE DO DISTRITO FEDERAL (HBDF) 01 01
CIRURGIA CABEÇA E
PESCOÇO - CÓDIGO 106
HOSPITAL DE BASE DO DISTRITO FEDERAL (HBDF) 01 01
CIRURGIA CARDÍACA - CÓDIGO 107 HOSPITAL DE BASE DO DISTRITO FEDERAL (HBDF) 01 01
CIRURGIA VASCULAR - CÓDIGO 108 HOSPITAL REGIONAL TAGUATINGA (HRT) 01 01
CIRURGIA PEDIÁTRICA - CÓDIGO 109
HOSPITAL DE BASE DO DISTRITO FEDERAL (HBDF) 05
10
HOSPITAL MATERNO INFANTIL DE BRASÍLIA (HMIB) 05
CIRURGIA PLÁSTICA - CÓDIGO 110 HOSPITAL REGIONAL DA ASA NORTE (HRAN) 01 01
CIRURGIA TORÁCICA - CÓDIGO 111 HOSPITAL REGIONAL DA ASA NORTE (HRAN) 01 01
CLÍNICA MÉDICA - CÓDIGO 112
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE CEILÂNDIA 06
206
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE TAGUATINGA 04
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE SANTA MARIA 04
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE SAMAMBAIA 04
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DO GAMA 04
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE PLANALTINA 08
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DO PARANOÁ 03
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE SOBRADINHO 04
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DO GUARÁ 02
HOSPITAL DE APOIO 01
SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÉDICO DE URGÊNCIA (SAMU) 106
UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA) - SAMAMBAIA 15
UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA) - RECANTO DAS EMAS 15
UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA) - SÃO SEBASTIÃO 15
UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA) - NUCLEO BANDEIRANTE 15
ENDOCRINOLOGIA - CÓDIGO 113
HOSPITAL REGIONAL TAGUATINGA (HRT) 03
10
HOSPITAL REGIONAL DO GUARÁ (HRGu) 03
HOSPITAL REGIONAL DA CEILÂNDIA (HRC) 03
HOSPITAL REGIONAL DE SANTA MARIA (HRSM) 01
GENÉTICA MÉDICA - CÓDIGO 114 HOSPITAL MATERNO INFANTIL DE BRASÍLIA (HMIB) 01 01
PÁGINA 79
Diário O?cial do Distrito Federal
Nº 170 quinta-feira, 23 de agosto de 2012
GERIATRIA - CÓDIGO 115 HOSPITAL REGIONAL DE SANTA MARIA (HRSM) 01 01
HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA - CÓDIGO 116
HOSPITAL REGIONAL TAGUATINGA (HRT) 04
20
HOSPITAL REGIONAL DO PARANOÁ (HRPa) 02
HOSPITAL REGIONAL DA SAMAMBAIA (HRSAM) 02
HOSPITAL REGIONAL DE SANTA MARIA (HRSM) 02
HOSPITAL REGIONAL DE BRAZLÂNDIA (HRBz) 02
HOSPITAL REGIONAL DO GAMA (HRG) 02
HOSPITAL REGIONAL DA CEILÂNDIA (HRC) 03
HOSPITAL REGIONAL DE SOBRADINHO (HRS) 02
HOSPITAL REGIONAL DE PLANALTINA (HRPL) 01
HOMEOPATIA - CÓDIGO 117
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE GAMA 02
10
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE SAMAMBAIA 02
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE TAGUATINGA 02
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE CEILÂNDIA 01
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE BRAZLÂNDIA 01
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE SANTA MARIA 01
UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA) - RECANTO DAS EMAS 01
INFECTOLOGIA - CÓDIGO 118
HOSPITAL REGIONAL DA CEILÂNDIA (HRC) 01
02
HOSPITAL REGIONAL DE SANTA MARIA (HRSM) 01
MEDICINA INTENSIVA - CÓDIGO 119
HOSPITAL DE BASE DO DISTRITO FEDERAL (HBDF) 17
60
HOSPITAL REGIONAL DA ASA NORTE (HRAN) 15
HOSPITAL REGIONAL DA SAMAMBAIA (HRSAM) 08
HOSPITAL REGIONAL DA CEILÂNDIA (HRC) 05
HOSPITAL REGIONAL DO GAMA (HRG) 05
HOSPITAL REGIONAL TAGUATINGA (HRT) 05
HOSPITAL REGIONAL DE SOBRADINHO (HRS) 05
NEONATOLOGIA - CÓDIGO 120
HOSPITAL REGIONAL DE SOBRADINHO (HRS) 36
170
HOSPITAL MATERNO INFANTIL DE BRASÍLIA (HMIB) 10
HOSPITAL REGIONAL DA CEILÂNDIA (HRC) 20
HOSPITAL REGIONAL DO PARANOÁ (HRPa) 12
HOSPITAL REGIONAL DE PLANALTINA (HRPL) 11
HOSPITAL REGIONAL DA SAMAMBAIA (HRSAM) 26
HOSPITAL REGIONAL DE BRAZLÂNDIA (HRBz) 15
HOSPITAL REGIONAL GAMA (HRG) 25
HOSPITAL REGIONAL DE TAGUATINGA (HRT) 15
NEUROPEDIATRIA - CÓDIGO 121
HOSPITAL REGIONAL DE SOBRADINHO (HRS) 01
10
HOSPITAL REGIONAL DE BRAZLÂNDIA (HRBz) 01
HOSPITAL REGIONAL DE TAGUATINGA (HRT) 04
HOSPITAL REGIONAL GAMA (HRG) 01
HOSPITAL REGIONAL DA CEILÂNDIA (HRC) 01
HOSPITAL REGIONAL DE SANTA MARIA (HRSM) 02
ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA - CÓDIGO 122
HOSPITAL DE BASE DO DISTRITO FEDERAL (HBDF) - ORTOPEDIA/SERVIÇO DE MAO 10
30
HOSPITAL REGIONAL DE SOBRADINHO (HRS) 02
HOSPITAL REGIONAL DO PARANOÁ (HRPa) 08
HOSPITAL REGIONAL DE PLANALTINA (HRPL) 03
HOSPITAL REGIONAL DA CEILÂNDIA (HRC) 03
HOSPITAL REGIONAL DE TAGUATINGA (HRT) 01
HOSPITAL REGIONAL DE SANTA MARIA (HRSM) 01
HOSPITAL REGIONAL GAMA (HRG) 02
PÁGINA 80
Diário O?cial do Distrito Federal
Nº 170 quinta-feira, 23 de agosto de 2012
PEDIATRIA - CÓDIGO 123
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE SANTA MARIA 10
100
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DA CEILÂNDIA 10
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE TAGUATINGA 07
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DO GAMA 11
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DO GUARÁ 05
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE PLANALTINA 10
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DO PARANOÁ 06
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE SOBRADINHO 09
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE BRAZLÂNDIA 10
UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA) - SÃO SEBASTIÃO 04
UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA) - RECANTO DAS EMAS 06
UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA) - SAMAMBAIA 06
UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA) - NÚCLEO BANDEIRANTE 06
PSIQUIATRIA - CÓDIGO 124
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE PLANALTINA 04
65
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE SOBRADINHO 04
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DO PARANOÁ 04
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DO GUARÁ 03
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE TAGUATINGA 06
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE CEILÂNDIA 06
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE SAMAMBAIA 04
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE BRAZLÂNDIA 03
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DO GAMA 04
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE SANTA MARIA 04
HOSPITAL SÃO VICENTE DE PAULA (HSVP) 07
INSTITUTO DE SAÚDE MENTAL 03
ADOLESCENTRO/ INFANTIL 04
CENTRO DE ORIENTAÇÃO MÉDICO PSICOPEDAGÓGICO (COMPP) 02
CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSOCIAL ALCOOL E OUTRAS DROGAS (CAPS/ad III)
- RODOVIÁRIA
02
CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSOCIAL DA INFANCIA E JUVENTUDE (CAPSi/COMPP) 05
RADIOTERAPIA - CÓDIGO 125
HOSPITAL DE BASE DO DISTRITO FEDERAL (HBDF) 02
04
HOSPITAL REGIONAL DE TAGUATINGA (HRT) 02
MÉDICO DO TRABALHO - CÓDIGO 126
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DO GUARÁ 01
10
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE SÃO SEBASTIÃO 01
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE SAMAMBAIA 01
HOSPITAL SÃO VICENTE DE PAULA (HSVP) 01
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE SANTA MARIA 01
COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DE TAGUA