Edital do Concurso Tribunal de Justiça   - AP (TJAP/AP) 2014

Esfera: Estadual

Visualizaçao do Edital do Concurso

- 1 -
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ
CONCURSO PÚBLICO
EDITAL Nº 001/2014 DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES
O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ, Desembargador LUIZ
CARLOS GOMES DOS SANTOS, no uso de suas atribuições legais, tendo em vista o contrato celebrado com
a FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS, faz saber que será realizado em locais e horários a serem oportunamente
divulgados, CONCURSO BLICO para provimento de cargos públicos integrantes das estruturas de e
graus de jurisdição e área administrativa do Quadro de Pessoal Permanente do Tribunal de Justiça do Estado
do Amapá, o qual reger-se-á por este Edital e por seus Anexos.
INSTRUÇÕES ESPECIAIS
1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES
1.1 O Concurso Público será realizado em Macapá - AP, sob a responsabilidade da Fundação Carlos
Chagas, obedecidas as normas deste Edital, cujas atribuições ultimam-se com a publicação do ato que
homologa o resultado final do concurso.
1.2 O Concurso destina-se ao provimento dos cargos vagos constantes do Capítulo 2 deste Edital, dos que
vierem a vagar ou forem criados dentro do prazo de validade previsto neste Edital, obedecida a ordem
classificatória.
1.3 A jornada de trabalho para todos os cargos/áreas/especialidades será de 8 (oito) horas
diárias, ressalvadas as deliberações do Tribunal Pleno.
1.4 Remuneração:
1.4.1 para todas as áreas/especialidades do cargo de Analista Judiciário: R$ 6.009,16 (seis mil, nove
reais e dezesseis centavos);
1.4.2 para o cargo de Técnico Judiciário: R$ 4.619,00 (quatro mil, seiscentos e dezenove reais).
1.5 A descrição das atribuições básicas dos cargos/área/especialidade consta do Anexo I deste Edital.
1.6 O conteúdo programático consta do Anexo II deste Edital.
2. DOS CARGOS / VAGAS / POLOS
2.1 Os códigos de opção, os cargos/área/especialidade, a escolaridade/pré-requisitos, o total de vagas, as
vagas reservadas para candidatos com deficiência e os polos de classificação são os estabelecidos a
seguir.
2.1.1 Os polos de classificação constam do quadro abaixo.
Polos de Classificação
Áreas de Abrangência
Polo 1
Macapá
Comarcas de: Macapá, Santana
Polo 2
Mazagão
Comarcas de: Mazagão, Porto Grande, Ferreira Gomes
Postos Avançados: Cutias do Araguari, Itaubal do Piririm
Polo 3
Tartarugalzinho
Comarcas de: Tartarugalzinho, Amapá, Calçoene
Postos Avançados: Pracuúba, Lourenço
Polo 4
Pedra Branca do Amapari
Comarcas de: Pedra Branca do Amapari, Serra do Navio
Polo 5
Laranjal do Jari
Comarcas de: Laranjal do Jari, Vitória do Jari
Polo 6
Oiapoque
Comarca de: Oiapoque
2.1.1.1. A opção pelo Polo no ato da inscrição no concurso vincula o candidato à respectiva área
de abrangência.
2.1.1.2. O candidato nomeado para Comarca ou Posto Avançado do Polo de opção não poderá
pleitear vaga posterior à sua nomeação existente em outra Comarca ou Posto Avançado
do mesmo Polo, ressalvados os concursos de remoção realizados após o cumprimento
do estágio probatório.
2.1.1.3. Em caso de eventual abertura de vagas em mais de uma Comarca ou Posto Avançado
do Polo de opção, o candidato melhor classificado poderá optar pela vaga de sua
preferência.
- 2 -
2.1.2 Vagas reservadas para o Polo 1 – Macapá
Áreas de abrangência: Comarcas de Macapá / Santana
ANALISTA JUDICIÁRIO
Código
Opção
Área/Especialidade
Escolaridade/Pré-Requisitos
(a serem comprovados no ato da posse)
Total de
Vagas
(1)
Nº de vagas
reservadas aos
candidatos com
Deficiência
(2)
P101
Área Judiciária e Administrativa
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
superior em Direito, fornecido por Instituição de Ensino
Superior reconhecida pelo Ministério da Educação.
15 +
Cadastro
Reserva
1
P102
Área Judiciária
Especialidade: Execução de
Mandados
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
superior em Direito, Administração, Ciências Contábeis
ou Ciências Econômicas, fornecido por instituição de
ensino superior reconhecida pelo Ministério da
Educação.
1 +
Cadastro
Reserva
-
P103
Área Administrativa
Especialidade: Administração
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
superior em Administração, fornecido por instituição de
ensino superior reconhecida pelo Ministério da
Educação e registro no órgão de classe.
1 +
Cadastro
Reserva
-
P104
Área Apoio Especializado
Especialidade: Arquitetura
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
de graduação de nível superior em Arquitetura,
fornecido por instituição de ensino superior reconhecida
pelo Ministério da Educação e registro profissional no
órgão de classe competente.
1 +
Cadastro
Reserva
-
P105
Área Apoio Especializado
Especialidade: Arquivologia
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
de bacharel em Arquivologia, fornecido por instituição
de ensino superior reconhecida pelo Ministério da
Educação.
1 +
Cadastro
Reserva
-
P106
Área Apoio Especializado
Especialidade: Contabilidade
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
superior em Ciências Contábeis, fornecido por
instituição de ensino superior reconhecida pelo
Ministério da Educação e registro no órgão de classe.
5 +
Cadastro
Reserva
1
P107
Área Apoio Especializado
Especialidade:
Biblioteconomia/Documentação
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
de bacharel em Biblioteconomia e Documentação,
fornecido por instituição de ensino superior reconhecida
pelo Ministério da Educação e registro profissional no
órgão de classe competente.
1 +
Cadastro
Reserva
-
P108
Área Apoio Especializado
Especialidade: Enfermagem
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
de graduação de nível superior em Enfermagem,
fornecido por instituição de ensino superior reconhecida
pelo Ministério da Educação e registro no respectivo
órgão do conselho de classe.
1 +
Cadastro
Reserva
-
P109
Área Apoio Especializado
Especialidade: Engenharia Civil
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
de graduação de nível superior em Engenharia Civil,
fornecido por instituição de ensino superior reconhecida
pelo Ministério da Educação e registro profissional no
órgão de classe competente.
1 +
Cadastro
Reserva
-
P110
Área Apoio Especializado
Especialidade: Engenharia Elétrica
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
de graduação de nível superior em Engenharia Elétrica,
fornecido por instituição de ensino superior reconhecida
pelo Ministério da Educação e registro profissional no
órgão de classe competente.
1 +
Cadastro
Reserva
-
P111
Área Apoio Especializado
Especialidade: História
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
de bacharel em História, fornecido por instituição de
ensino superior reconhecida pelo Ministério da
Educação.
1 +
Cadastro
Reserva
-
P112
Área Apoio Especializado
Especialidade: Jornalismo
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
de graduação de nível superior completo em
Jornalismo, ou curso de graduação completo em
Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo,
fornecida por instituição de ensino superior reconhecida
pelo Ministério da Educação.
1 +
Cadastro
Reserva
-
P113
Área Apoio Especializado
Especialidade: Medicina (Medicina
do Trabalho)
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
de graduação de nível superior em Medicina, com
especialidade em Medicina do Trabalho, fornecido por
instituição de ensino superior reconhecida pelo
Ministério da Educação e registro no Conselho
Regional de Medicina.
1 +
Cadastro
Reserva
-
P114
Área Apoio Especializado
Especialidade: Medicina (Perícia
Médica)
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
de graduação de nível superior em Medicina, com
especialidade em perícia médica, fornecido por
instituição de ensino superior reconhecida pelo
Ministério da Educação e registro no Conselho
Regional de Medicina.
1 +
Cadastro
Reserva
-
- 3 -
ANALISTA JUDICIÁRIO
Código
Opção
Área/Especialidade
Escolaridade/Pré-Requisitos
(a serem comprovados no ato da posse)
Total de
Vagas
(1)
Nº de vagas
reservadas aos
candidatos com
Deficiência
(2)
P115
Área Apoio Especializado
Especialidade: Medicina (Psiquiatria)
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
de graduação de nível superior em Medicina, com
especialidade em Psiquiatria, fornecido por instituição
de ensino superior reconhecida pelo Ministério da
Educação e registro no Conselho Regional de
Medicina.
1 +
Cadastro
Reserva
-
P116
Área Apoio Especializado
Especialidade: Museologia
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
de graduação de nível superior em Museologia,
fornecido por instituição de ensino superior reconhecida
pelo Ministério da Educação e registro profissional no
órgão de classe competente.
1 +
Cadastro
Reserva
-
P117
Área Apoio Especializado
Especialidade: Psicologia
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
superior em Psicologia, fornecido por instituição de
ensino superior reconhecida pelo Ministério da
Educação e registro no órgão de classe.
2 +
Cadastro
Reserva
1
P118
Área Apoio Especializado
Especialidade: Revisão de texto
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
de bacharel em Letras, fornecido por instituição de
ensino superior reconhecida pelo Ministério da
Educação.
1 +
Cadastro
Reserva
-
P119
Área Apoio Especializado
Especialidade: Serviço Social
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
superior em Serviço Social, fornecido por instituição de
ensino superior reconhecida pelo Ministério da
Educação e registro no órgão de classe.
5 +
Cadastro
Reserva
1
P120
Área Apoio Especializado
Especialidade: Taquigrafia
Diploma devidamente registrado de conclusão de
graduação de nível superior em qualquer área de
formação, fornecido por instituição de ensino superior
reconhecida pelo Ministério da Educação e curso na
área de Taquigrafia.
1 +
Cadastro
Reserva
-
P121
Área Apoio Especializado
Especialidade: Tecnologia da
Informação – Administração em
Redes de Computadores
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
de nível superior na área de Tecnologia da Informação,
fornecido por instituição de ensino superior reconhecida
pelo Ministério da Educação.
3 +
Cadastro
Reserva
1
P122
Área Apoio Especializado
Especialidade: Tecnologia da
Informação – Banco de Dados – DBA
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
de nível superior na área de Tecnologia da Informação,
fornecido por instituição de ensino superior reconhecida
pelo Ministério da Educação.
3 +
Cadastro
Reserva
1
P123
Área Apoio Especializado
Especialidade: Tecnologia da
Informação – Desenvolvimento de
Sistemas
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
de nível superior na área de Tecnologia da Informação,
fornecido por instituição de ensino superior reconhecida
pelo Ministério da Educação.
3 +
Cadastro
Reserva
1
P124
Área Apoio Especializado
Especialidade: Tecnologia da
Informação – Segurança da
Informação
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
de nível superior na área de Tecnologia da Informação,
fornecido por instituição de ensino superior reconhecida
pelo Ministério da Educação.
2 +
Cadastro
Reserva
1
P125
Área Apoio Especializado
Especialidade: Tecnologia da
Informação – Telecomunicações
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
de nível superior na área de Tecnologia da Informação
ou de Engenharia de Telecomunicações, fornecido por
instituição de ensino superior reconhecida pelo
Ministério da Educação.
1 +
Cadastro
Reserva
-
TÉCNICO JUDICIÁRIO
Código
Opção
Área/Especialidade
Escolaridade/Pré-Requisitos
(a serem comprovados no ato da posse)
Total de
Vagas
(1)
Nº de vagas
reservadas aos
candidatos com
Deficiência
(2)
P126
Área Judiciária e Administrativa
Técnico Judiciário
Certificado de Ensino Médio Completo ou Curso
Técnico equivalente, fornecido por instituição oficial de
ensino reconhecida pelo Ministério da Educação.
15 +
Cadastro
Reserva
1
Legenda:
(1) Total de vagas (incluindo-se a reserva para candidatos com deficiência).
(2) Reserva de vagas para candidatos com deficiência, em atendimento ao Decreto Federal 3.298/1999 e alterações posteriores e
Lei
Estadual nº 0066/93, artigo 4º, parágrafo único.
- 4 -
2.1.3 Vagas reservadas para o Polo 2 – Mazagão
Áreas de abrangência: Comarcas de Mazagão / Porto Grande / Ferreira Gomes
Postos Avançados: Cutias do Araguari / Itaubal do Piririm
ANALISTA JUDICIÁRIO
Código
Opção
Área/Especialidade
Escolaridade/Pré-Requisitos
(a serem comprovados no ato da posse)
Total de
Vagas
(1)
Nº de vagas
reservadas aos
candidatos com
Deficiência
(2)
P201
Área Judiciária e Administrativa
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
superior em Direito, fornecido por Instituição de Ensino
Superior reconhecida pelo Ministério da Educação.
1 +
Cadastro
Reserva
-
P202
Área Judiciária
Especialidade: Execução de
Mandados
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
superior em Direito, Administração, Ciências Contábeis
ou Ciências Econômicas, fornecido por instituição de
ensino superior reconhecida pelo Ministério da
Educação.
1 +
Cadastro
Reserva
-
TÉCNICO JUDICIÁRIO
Código
Opção
Área/Especialidade
Escolaridade/Pré-Requisitos
(a serem comprovados no ato da posse)
Total de
Vagas
(1)
Nº de vagas
reservadas aos
candidatos com
Deficiência
(2)
P226
Área Judiciária e Administrativa
Certificado de Ensino Médio Completo ou Curso
Técnico equivalente, fornecido por instituição oficial de
ensino reconhecida pelo Ministério da Educação.
5 +
Cadastro
Reserva
1
Legenda:
(1) Total de vagas (incluindo-se a reserva para candidatos com deficiência).
(2) Reserva de vagas para candidatos com deficiência, em atendimento ao Decreto Federal 3.298/1999 e alterações posteriores e
Lei
Estadual nº 0066/93, artigo 4º, parágrafo único.
2.1.4 Vagas reservadas para o Polo 3 – Tartarugalzinho
Áreas de abrangência: Comarcas de Tartarugalzinho / Amapá / Calçoene
Postos Avançados: Pracuúba / Lourenço
ANALISTA JUDICIÁRIO
Código
Opção
Área/Especialidade
Escolaridade/Pré-Requisitos
(a serem comprovados no ato da posse)
Total de
Vagas
(1)
Nº de vagas
reservadas aos
candidatos com
Deficiência
(2)
P301
Área Judiciária e Administrativa
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
superior em Direito, fornecido por Instituição de Ensino
Superior reconhecida pelo Ministério da Educação.
1 +
Cadastro
Reserva
-
P302
Área Judiciária
Especialidade: Execução de
Mandados
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
superior em Direito, Administração, Ciências Contábeis
ou Ciências Econômicas, fornecido por instituição de
ensino superior reconhecida pelo Ministério da
Educação.
1 +
Cadastro
Reserva
-
TÉCNICO JUDICIÁRIO
Código
Opção
Área/Especialidade
Escolaridade/Pré-Requisitos
(a serem comprovados no ato da posse)
Total de
Vagas
(1)
Nº de vagas
reservadas aos
candidatos com
Deficiência
(2)
P326
Área Judiciária e Administrativa
Certificado de Ensino Médio Completo ou Curso
Técnico equivalente, fornecido por instituição oficial de
ensino reconhecida pelo Ministério da Educação.
4 +
Cadastro
Reserva
1
Legenda:
(1) Total de vagas (incluindo-se a reserva para candidatos com deficiência).
(2) Reserva de vagas para candidatos com deficiência, em atendimento ao Decreto Federal 3.298/1999 e alterações posteriores e
Lei
Estadual nº 0066/93, artigo 4º, parágrafo único.
- 5 -
2.1.5 Vagas reservadas para o Polo 4 – Pedra Branca do Amapari
Áreas de abrangência: Comarcas de Pedra Branca do Amapari / Serra do Navio
ANALISTA JUDICIÁRIO
Código
Opção
Área/Especialidade
Escolaridade/Pré-Requisitos
(a serem comprovados no ato da posse)
Total de
Vagas
(1)
Nº de vagas
reservadas aos
candidatos com
Deficiência
(2)
P401
Área Judiciária e Administrativa
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
superior em Direito, fornecido por Instituição de Ensino
Superior reconhecida pelo Ministério da Educação.
1 +
Cadastro
Reserva
-
P402
Área Judiciária
Especialidade: Execução de
Mandados
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
superior em Direito, Administração, Ciências Contábeis
ou Ciências Econômicas, fornecido por instituição de
ensino superior reconhecida pelo Ministério da
Educação.
1 +
Cadastro
Reserva
-
TÉCNICO JUDICIÁRIO
Código
Opção
Área/Especialidade
Escolaridade/Pré-Requisitos
(a serem comprovados no ato da posse)
Total de
Vagas
(1)
Nº de vagas
reservadas aos
candidatos com
Deficiência
(2)
P426
Área Judiciária e Administrativa
Certificado de Ensino Médio Completo ou Curso
Técnico equivalente, fornecido por instituição oficial de
ensino reconhecida pelo Ministério da Educação.
2 +
Cadastro
Reserva
1
Legenda:
(1) Total de vagas (incluindo-se a reserva para candidatos com deficiência).
(2) Reserva de vagas para candidatos com deficiência, em atendimento ao Decreto Federal 3.298/1999 e alterações posteriores e
Lei
Estadual nº 0066/93, artigo 4º, parágrafo único.
2.1.6 Vagas reservadas para o Polo 5 – Laranjal do Jari
Áreas de abrangência: Comarcas de Laranjal do Jari / Vitória do Jari
ANALISTA JUDICIÁRIO
Código
Opção
Área/Especialidade
Escolaridade/Pré-Requisitos
(a serem comprovados no ato da posse)
Total de
Vagas
(1)
Nº de vagas
reservadas aos
candidatos com
Deficiência
(2)
P501
Área Judiciária e Administrativa
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
superior em Direito, fornecido por Instituição de Ensino
Superior reconhecida pelo Ministério da Educação.
2 +
Cadastro
Reserva
1
P502
Área Judiciária
Especialidade: Execução de
Mandados
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
superior em Direito, Administração, Ciências Contábeis
ou Ciências Econômicas, fornecido por instituição de
ensino superior reconhecida pelo Ministério da
Educação.
1 +
Cadastro
Reserva
-
P506
Área Apoio Especializado
Especialidade: Contabilidade
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
superior em Ciências Contábeis, fornecido por
instituição de ensino superior reconhecida pelo
Ministério da Educação e registro no órgão de classe.
1 +
Cadastro
Reserva
-
P519
Área Apoio Especializado
Especialidade: Serviço Social
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
superior em Serviço Social, fornecido por instituição de
ensino superior reconhecida pelo Ministério da
Educação e registro no órgão de classe.
1 +
Cadastro
Reserva
-
TÉCNICO JUDICIÁRIO
Código
Opção
Área/Especialidade
Escolaridade/Pré-Requisitos
(a serem comprovados no ato da posse)
Total de
Vagas
(1)
Nº de vagas
reservadas aos
candidatos com
Deficiência
(2)
P526
Área Judiciária e Administrativa
Certificado de Ensino Médio Completo ou Curso
Técnico equivalente, fornecido por instituição oficial de
ensino reconhecida pelo Ministério da Educação.
3 +
Cadastro
Reserva
1
Legenda:
(1) Total de vagas (incluindo-se a reserva para candidatos com deficiência).
(2) Reserva de vagas para candidatos com deficiência, em atendimento ao Decreto Federal 3.298/1999 e alterações posteriores e
Lei
Estadual nº 0066/93, artigo 4º, parágrafo único.
- 6 -
2.1.7 Vagas reservadas para o Polo 6 – Oiapoque
Áreas de abrangência: Comarca de Oiapoque
ANALISTA JUDICIÁRIO
Código
Opção
Área/Especialidade
Escolaridade/Pré-Requisitos
(a serem comprovados no ato da posse)
Total de
Vagas
(1)
Nº de vagas
reservadas aos
candidatos com
Deficiência
(2)
P601
Área Judiciária e Administrativa
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
superior em Direito, fornecido por Instituição de Ensino
Superior reconhecida pelo Ministério da Educação.
1 +
Cadastro
Reserva
-
P602
Área Judiciária
Especialidade: Execução de
Mandados
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
superior em Direito, Administração, Ciências Contábeis
ou Ciências Econômicas, fornecido por instituição de
ensino superior reconhecida pelo Ministério da
Educação.
1 +
Cadastro
Reserva
-
P606
Área Apoio Especializado
Especialidade: Contabilidade
Diploma devidamente registrado de conclusão de curso
superior em Ciências Contábeis, fornecido por
instituição de ensino superior reconhecida pelo
Ministério da Educação e registro no órgão de classe.
1 +
Cadastro
Reserva
-
TÉCNICO JUDICIÁRIO
Código
Opção
Área/Especialidade
Escolaridade/Pré-Requisitos
(a serem comprovados no ato da posse)
Total de
Vagas
(1)
Nº de vagas
reservadas aos
candidatos com
Deficiência
(2)
P626
Técnico Judiciário - Área Judiciária e
Administrativa
Certificado de Ensino Médio Completo ou Curso
Técnico equivalente, fornecido por instituição oficial de
ensino reconhecida pelo Ministério da Educação.
2 +
Cadastro
Reserva
1
Legenda:
(1) Total de vagas (incluindo-se a reserva para candidatos com deficiência).
(2) Reserva de vagas para candidatos com deficiência, em atendimento ao Decreto Federal 3.298/1999 e alterações posteriores e
Lei
Estadual nº 0066/93, artigo 4º, parágrafo único.
3. DOS REQUISITOS PARA A INVESTIDURA NO CARGO
3.1 O candidato aprovado no Concurso de que trata este Edital se investido no cargo se atender às
seguintes exigências, na data da posse:
a) ser brasileiro nato, naturalizado ou português em condição de igualdade de direitos com os
brasileiros; no caso de ser português, comprovar a condição de igualdade e gozo dos direitos
políticos na forma do art. 12, § 1º, da Constituição Federal;
b) ter idade mínima de 18 (dezoito) anos;
c) estar em dia com as obrigações eleitorais;
d) estar em dia com os deveres do Serviço Militar, para os candidatos do sexo masculino;
e) não registrar antecedentes criminais, achando-se no pleno exercício de seus direitos civis e políticos;
f) ter aptidão física e mental para o exercício das atribuições do cargo/área/especialidade;
g) possuir os documentos comprobatórios da escolaridade e pré-requisitos constantes do Capítulo 2 e
os documentos constantes do item 12.2 do Capítulo 12 deste Edital.
3.2 O candidato que, na data da posse, não reunir os requisitos enumerados no item 3.1 deste Capítulo
perderá o direito à investidura no cargo.
4. DAS INSCRIÇÕES
4.1 A inscrição do candidato implicará o conhecimento e a tácita aceitação das normas e condições
estabelecidas neste Edital e nas normas legais pertinentes, bem como em eventuais aditamentos,
comunicados e instruções específicas para a realização do concurso, acerca das quais não poderá
alegar desconhecimento.
4.1.1 De forma a evitar ônus desnecessário, o candidato deverá orientar-se no sentido de recolher o
valor da inscrição somente após tomar conhecimento de todos os requisitos e condições
exigidos para o Concurso Público.
4.2 As inscrições para o Concurso serão realizadas exclusivamente por meio da Internet, no site da
Fundação Carlos Chagas (www.concursosfcc.com.br), no horário ininterrupto de 10 horas do dia
15/09/2014 às 14 horas do dia 15/10/2014, observado o horário de Brasília.
4.2.1 O período de inscrições poderá ser prorrogado, por necessidade de ordem técnico e/ou
operacional a critério do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá e/ou da Fundação Carlos
Chagas.
- 7 -
4.2.2 A prorrogação das inscrições de que trata o item anterior poderá ser feita sem prévio aviso,
bastando, para todos os efeitos legais, a comunicação de prorrogação feita no site
www.concursosfcc.com.br, da Fundação Carlos Chagas.
4.3 Para inscrever-se, o candidato deverá acessar a página da Fundação Carlos Chagas na internet
(www.concursosfcc.com.br) durante o período das inscrições e, por meio dos links referentes ao
Concurso Público, efetuar sua inscrição, conforme os procedimentos estabelecidos a seguir:
4.3.1 Ler e aceitar o Requerimento de Inscrição, preencher o Formulário de Inscrição e transmitir os
dados pela Internet;
4.3.2 Efetuar o pagamento da importância referente à inscrição por meio de boleto bancário, a título de
ressarcimento de despesas com material e serviços, de acordo com as instruções constantes do
site da Fundação Carlos Chagas (www.concursosfcc.com.br), até a data limite para pagamento
das inscrições (15/10/2014):
- Para os cargos de Analista Judiciário - todas as áreas/especialidades a inscrição terá o
valor de R$ 112,97 (cento e doze reais e noventa e sete centavos).
- Para o cargo de Técnico Judiciário Área Judiciária e Administrativa a inscrição terá o
valor de R$ 92,97 (noventa e dois reais e noventa e sete centavos).
4.3.3 O boleto bancário disponível no site da Fundação Carlos Chagas (www.concursosfcc.com.br)
deverá ser impresso para o pagamento do valor da Inscrição, após conclusão do preenchimento
do Formulário de Inscrição, em qualquer banco do sistema de compensação bancária.
4.3.3.1 O pagamento do boleto poderá ser efetuado em dinheiro ou cheque do próprio
candidato.
4.3.3.2 O pagamento efetuado por meio de cheque somente será considerado quitado após a
respectiva compensação.
4.3.3.3 Em caso de devolução do cheque, qualquer que seja o motivo, considerar-se-á
automaticamente sem efeito a inscrição.
4.3.3.4 Em caso de feriado ou evento que acarrete o fechamento de agências bancárias na
localidade em que se encontra o candidato, o boleto deverá ser pago antecipadamente.
4.3.4 O candidato inscrito não deverá enviar cópia do documento de identidade, sendo de sua
exclusiva responsabilidade a informação dos dados cadastrais no ato de inscrição, sob as penas
da lei.
4.3.5 O Tribunal de Justiça do Estado do Amapá e a Fundação Carlos Chagas não se responsabilizam
por solicitações de inscrições não recebidas por motivo de falhas de comunicação,
congestionamento das linhas de comunicação, bem como outros fatores de ordem técnica que
impossibilitem a transferência de dados.
4.3.6 O descumprimento das instruções para inscrição via internet implicará a não efetivação da
mesma.
4.4 Ao inscrever-se no Concurso é recomendado ao candidato observar atentamente as informações sobre
a aplicação das provas (Capítulo 7) uma vez que poderá concorrer a um
cargo/área/especialidade/polo de classificação por período de aplicação.
4.4.1 O candidato que efetivar mais de uma inscrição para o mesmo período de aplicação das provas
terá confirmada apenas a última, sendo as demais canceladas. Não sendo possível identificar a
última inscrição efetivada, todas serão canceladas.
4.4.2 O cancelamento das inscrições terá como base os procedimentos descritos abaixo:
a) as datas em que forem efetivados os pagamentos dos boletos;
b) sendo a data de pagamento dos boletos bancários a mesma, será considerado o número do
pedido registrado em cada boleto.
4.5 As informações prestadas no Formulário de Inscrição serão de inteira responsabilidade do candidato,
reservando-se ao Tribunal de Justiça do Estado do Amapá e à Fundação Carlos Chagas o direito de
excluir do Concurso Público aquele que não preencher o documento oficial de forma completa, correta
e/ou fornecer dados inverídicos ou falsos.
4.6 Efetivada a inscrição, não serão aceitos pedidos para alteração de opção de Cargo/Área/Especialidade e
Polo de Classificação.
4.7 A partir de 22/09/2014, o candidato poderá conferir, no site da Fundação Carlos Chagas
(www.concursosfcc.com.br), se os dados da inscrição efetuada pela Internet foram recebidos e se o valor
da inscrição foi pago. Em caso negativo, o candidato deverá entrar em contato com o Serviço de
Atendimento ao Candidato SAC da Fundação Carlos Chagas, telefone (0XX11) 3723-4388, de
segunda a sexta-feira, em dias úteis, das 10 às 16 horas (horário de Brasília), para verificar o ocorrido.
4.8 As inscrições somente serão confirmadas após a comprovação do pagamento do valor correspondente.
4.9 Será cancelada a inscrição com pagamento efetuado em valor menor do que o estabelecido no subitem
4.3.2, ou após a data limite para pagamento (15/10/2014).
4.10 Efetivada a inscrição não haverá, em hipótese alguma, devolução da importância paga.
4.11 Ao candidato será atribuída total responsabilidade pelo correto preenchimento do Formulário de
Inscrição.
- 8 -
4.11.1 As informações prestadas no Formulário de Inscrição serão de inteira responsabilidade do
candidato, reservando-se ao Tribunal de Justiça do Estado do Amapá e à Fundação Carlos
Chagas o direito de excluir do Concurso Público aquele que não preencher o respectivo
documento de forma completa, correta, bem como fornecer dados inverídicos ou falsos.
4.12 Não serão aceitas inscrições por depósito em caixa eletrônico, via postal, fac-símile (fax), depósito em
conta corrente, DOC, ordem de pagamento, condicionais e/ou extemporâneas ou por qualquer outra via
que não as especificadas neste Edital.
4.13 Não serão aceitas as solicitações de inscrição que não atenderem rigorosamente ao estabelecido neste
Edital.
4.14 Os candidatos que se julgarem amparados pela Lei Estadual nº 948/2005, § 2º e Lei Estadual nº
1.418/2009, que preveem a gratuidade da inscrição em Concursos, poderão solicitar a isenção do
pagamento do valor da inscrição nos casos de:
4.14.1 Candidatos com Deficiência: Deverão encaminhar Laudo Médico original ou pia autenticada
expedido no prazo máximo de 12 (doze) meses antes do término de solicitação de isenção do
pagamento do valor da inscrição (19/09/2014), atestando a espécie e o grau ou nível de
deficiência, com expressa referência ao código correspondente da Classificação Internacional de
Doenças – CID, bem como a provável causa da deficiência. No Laudo Médico deverá ser
especificado que o candidato tem deficiência, constando o nome, o número do documento de
identidade (RG) e o número do CPF do candidato, a assinatura e o carimbo indicando o número
do CRM do médico responsável por sua emissão.
4.14.2 Reconhecidamente Pobres, na forma da lei: Deverão encaminhar declaração da condição de
pobre, firmada pelo próprio punho, cópias autenticadas do comprovante de residência (conta
atualizada de energia elétrica, ou de água, ou de gás ou de telefone fixo) e comprovante de
rendimentos mensais iguais ou inferiores a três salários mínimos, conforme documentos abaixo
indicados, no caso de:
a) empregados de empresas privadas: original ou cópia autenticada do último Holerite recebido;
b) servidores públicos: cópia autenticada de contracheque atual;
c) autônomos: declaração de próprio punho dos rendimentos correspondentes a contratos de
prestação de serviço e/ou original ou cópia autenticada do contrato de prestação de serviços
e de recibo de pagamento autônomo (RPA); cópia autenticada das páginas da Carteira de
Trabalho e Previdência Social (CTPS) que contenham fotografia, identificação e da página
com anotações do último contrato e da primeira página subsequente em branco;
d) desempregados: declaração de próprio punho de que está desempregado, não exerce
atividade como autônomo, não participa de sociedade profissional e que a sua situação
econômica não lhe permite arcar com o valor da inscrição, sem prejuízo do sustento próprio
ou de sua família, respondendo civil e criminalmente pelo inteiro teor das afirmativas; cópia
autenticada das páginas da Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) que
contenham fotografia, identificação, a página com anotações do último contrato de trabalho e
da primeira página subsequente em branco;
e) servidores públicos, exonerados ou demitidos: cópia autenticada do ato correspondente e
sua publicação no órgão oficial, ou declaração de próprio punho dos rendimentos
correspondentes a contratos de prestação de serviço e/ou original ou cópia autenticada de
contrato de prestação de serviços e de recibo de pagamento autônomo (RPA); ou cópia
autenticada das páginas da Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) que
contenham fotografia, identificação e da página com anotações do último contrato e da
primeira página subsequente em branco;
f) pensionistas: cópia autenticada do Comprovante de Crédito atual do benefício, fornecida pela
Instituição pagadora; pia autenticada das páginas da Carteira de Trabalho e Previdência
Social (CTPS) que contenham fotografia, identificação, a página com anotações do último
contrato de trabalho e da primeira página subsequente em branco;
g) estagiários: cópia autenticada do Contrato de Estágio; cópia autenticada das páginas da
Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) – páginas que contenham fotografia,
identificação, a página com anotações do último contrato de trabalho e da primeira página
subsequente em branco.
4.14.3 Doadores de Sangue: Para ter direito à isenção, o doador deverá comprovar a doação de
sangue, que não poderá ser inferior a 3 (três) vezes em um período de 12 (doze) meses, a contar
da data do término do requerimento de isenção do pagamento da inscrição, realizada em órgão
oficial ou entidade credenciada pela União, pelo Estado ou por Município. A comprovação da
condição de doador de sangue deverá ser encaminhada no original ou cópia autenticada em
papel timbrado com data, assinatura e carimbo da entidade coletora, até 19/09/2014.
4.15 Os requerimentos de isenção do pagamento do valor da inscrição, de que trata o item 4.14 e seus
subitens do Capítulo 4 do Edital de Abertura de Inscrições, serão realizados no site da Fundação Carlos
Chagas www.concursosfcc.com.br no período de 10:00 horas do dia 15/09/2014 às 23:59 horas do dia
19/09/2014, observado o horário de Brasília.
- 9 -
4.16 Para solicitar a isenção do pagamento do valor da inscrição o candidato deverá efetuar o requerimento
de isenção, conforme os procedimentos estabelecidos a seguir:
4.16.1 Encaminhar no período de 15/09/2014 a 19/09/2014, via Sedex ou Aviso de Recebimento (AR),
para Fundação Carlos Chagas (A/C Coordenação de Execução de Projetos Ref.: Isenção de
Pagamento/Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, Av. Prof. Francisco Morato, 1565 Jardim
Guedala – São Paulo – SP – CEP 05513-900) os documentos indicados a seguir:
4.16.1.1 Original ou cópia autenticada dos documentos mencionados no item 4.14 e seus
subitens, do Capítulo 4 do Edital de Abertura de Inscrições;
4.16.2 Acessar o endereço eletrônico www.concursosfcc.com.br, durante o período indicado no item
4.15 do Capítulo 4 do Edital de Abertura de Inscrições e, por meio dos links referentes ao
Concurso Público, ler e aceitar o Requerimento de Isenção de Pagamento da Inscrição.
4.16.3 Somente serão aceitos os documentos dos quais constem todos os dados necessários à sua
perfeita análise.
4.16.4 Consideram-se, também, cópias autenticadas, para fins da comprovação de documentos de
isenção descrita neste Capítulo, os documentos contendo carimbo com a descrição “confere
com o original”, datados e assinados por autoridade pública.
4.16.5 Não serão consideradas as cópias não autenticadas, bem como os documentos encaminhados
via fax, via correio eletrônico ou por outro meio que não o estabelecido no Edital de Abertura de
Inscrições.
4.16.6 Os documentos encaminhados para solicitação de isenção do pagamento do valor de inscrição
terão validade somente para este Concurso e não serão devolvidos.
4.16.7 As informações prestadas no requerimento de isenção e a documentação apresentada serão de
inteira responsabilidade do candidato, respondendo ele civil e criminalmente pelo teor das
afirmativas.
4.16.8 Somente serão aceitos os documentos que estiverem de acordo com o especificado no Edital de
Abertura de Inscrições.
4.16.9 Expirado o período de postagem dos documentos, não serão aceitos pedidos de inclusão de
documentos, sob qualquer hipótese ou alegação.
4.16.10 Os pedidos de isenção do pagamento do valor da inscrição serão analisados e julgados pela
Fundação Carlos Chagas.
4.17 Não será concedida isenção do pagamento do valor da inscrição ao candidato que:
4.17.1 deixar de efetuar o pedido de inscrição com isenção de pagamento pela Internet;
4.17.2 omitir informações e/ou torná-las inverídicas;
4.17.3 fraudar e/ou falsificar documento;
4.17.4 pleitear a isenção, sem apresentar os documentos previstos nos subitens 4.14.1, 4.14.2, 4.14.3
(Capítulo 4 do Edital de Abertura de Inscrições);
4.17.5 não observar o período de postagem dos documentos.
4.18 Declaração falsa sujeitará o candidato às sanções previstas em lei, aplicando-se, ainda, o disposto no
parágrafo único do art. 10 do Decreto Federal nº 83.936/79.
4.19 A qualquer tempo poderão ser realizadas diligências relativas à situação declarada pelo candidato,
deferindo ou não seu pedido.
4.20 A partir do dia 29/09/2014 o candidato deverá verificar no site da Fundação Carlos Chagas
(www.concursosfcc.com.br) os resultados da análise das inscrições isentas do pagamento do valor da
inscrição, observados os motivos de indeferimento.
4.21 O candidato que tiver sua inscrição isenta de pagamento do valor da inscrição deferida terá sua inscrição
validada, não gerando boleto para pagamento de inscrição.
4.21.1 O candidato que tiver sua inscrição isenta de pagamento do valor da inscrição indeferida poderá
apresentar recurso no prazo de 02 (dois) dias úteis após a publicação da relação de inscrições
indeferidas no site da Fundação Carlos Chagas.
4.21.2 Após a análise dos recursos será divulgada no site da Fundação Carlos Chagas
(www.concursosfcc.com.br) a relação de inscrições deferidas e indeferidas.
4.21.3 Os candidatos que tiverem suas inscrições isentas do valor de inscrição indeferidas, após
recursos, e queiram participar do certame, deverão gerar boleto no site da Fundação Carlos
Chagas até a data limite de pagamento da inscrição. (15/10/2014)
4.22 O candidato que necessitar de condição especial para realização da prova deverá solicitá-la até o
término das inscrições (15/10/2014), via Sedex ou Aviso de Recebimento (AR), à Fundação Carlos
Chagas (Coordenação de Execução de Projetos - Ref.: Solicitação/Tribunal de Justiça do Estado do
Amapá - Av. Prof. Francisco Morato, 1.565, Jardim Guedala - São Paulo - SP - CEP 05513-900).
4.22.1 O candidato deverá encaminhar, anexo à sua solicitação de condição especial para realização
da prova, Laudo Médico (original ou cópia autenticada) atualizado, que justifique o atendimento
especial solicitado.
4.22.2 O candidato que não o fizer até o término das inscrições, seja qual for o motivo alegado, poderá
não ter a condição especial atendida.
- 10 -
4.22.3 O atendimento às condições solicitadas ficará sujeito à análise de legalidade, viabilidade e
razoabilidade do pedido.
4.23 A candidata lactante que necessitar amamentar durante a realização das provas poderá fazê-lo em sala
reservada, desde que o requeira, observando os procedimentos constantes a seguir, para adoção das
providências necessárias.
4.23.1 A lactante deverá encaminhar sua solicitação a o término das inscrições (15/10/2014), via
Sedex ou Aviso de Recebimento (AR), à Fundação Carlos Chagas (Coordenação de Execução
de Projetos - Ref.: Solicitação/ Tribunal de Justiça do Estado do Amapá - Av. Prof. Francisco
Morato, 1565, Jardim Guedala, São Paulo - SP - CEP 05513-900).
4.23.2 A criança deverá estar acompanhada de adulto responsável pela sua guarda (familiar ou
terceiro indicado pela candidata) e permanecer em ambiente reservado.
4.23.3 Não será disponibilizado, pela Fundação Carlos Chagas, responsável para a guarda da criança,
e a sua ausência acarretará à candidata a impossibilidade de realização da prova.
4.23.4 Nos horários previstos para amamentação, a candidata lactante poderá ausentar-se
temporariamente da sala de prova acompanhada de uma fiscal.
4.23.5 Na sala reservada para amamentação ficarão somente a lactante, a criança e a fiscal, sendo
vedada a permanência de babás ou quaisquer outras pessoas que tenham grau de parentesco
ou de amizade com a candidata.
4.23.6 Não haverá compensação do tempo de amamentação em favor da candidata.
4.24 No dia 27/10/2014 será publicado no site www.concursosfcc.com.br
,
da Fundação Carlos Chagas, uma
lista contendo o deferimento das condições especiais solicitadas.
4.24.1 O candidato poderá interpor recurso contra o indeferimento da solicitação especial no prazo de
02 (dois) dias úteis, após a publicação indicada no item 4.24, vedada a juntada de documentos.
4.25 As informações prestadas no Formulário de Inscrição serão de inteira responsabilidade do candidato,
reservando-se ao Tribunal de Justiça do Estado do Amapá e à Fundação Carlos Chagas o direito de
excluir do Concurso Público aquele que não preencher esse documento oficial de forma completa,
correta e/ou fornecer dados inverídicos ou falsos.
5. DAS INSCRIÇÕES PARA CANDIDATOS COM DEFICIÊNCIA
5.1 Às pessoas com deficiência que pretendam fazer uso das prerrogativas que lhes são facultadas no inciso
VIII, do artigo 37 da Constituição Federal e no artigo 37 do Decreto Federal nº. 3.298/1999 e na Lei
Estadual n.º 0066/93, artigo 4º, parágrafo único é assegurado o direito da inscrição para os
cargos/áreas/especialidades/polo de classificação em concurso, cujas atribuições sejam compatíveis
com a deficiência.
5.2 O candidato com deficiência concorrerá a todas as vagas para os cargos/áreas/especialidades/polo de
classificação em concurso, sendo reservado o percentual de 5% (cinco por cento) em face da
classificação obtida, nos termos do Decreto nº. 3.298/1999 e suas alterações e na Súmula 377 do
Superior Tribunal de Justiça - STJ.
5.3 Consideram-se pessoas com deficiência aquelas que se enquadram nas condições estabelecidas no
artigo do Decreto federal nº 3.298/1999 e suas alterações e na Súmula 377 do Superior Tribunal de
Justiça - STJ (pessoas com visão monocular).
5.4 As pessoas com deficiência, resguardadas as condições especiais previstas no Decreto Federal nº
3.298/1999, particularmente em seu artigo 40, participarão do Concurso em igualdade de condições com
os demais candidatos, no que se refere ao conteúdo das provas, à avaliação e aos critérios de
aprovação, ao dia, horário e local de aplicação das provas, e à nota mínima exigida para todos os
demais candidatos.
5.4.1 O candidato deverá declarar, quando da inscrição:
a) conhecer o Decreto federal nº 3.298/1999 e o Decreto federal nº 5.296/2004;
b) estar ciente das atribuições do cargo/área/especialidade/polo de classificação pretendido e
que, no caso de vir a exercê-lo, estará sujeito à avaliação pelo desempenho dessas
atribuições, para fins de habilitação durante o estágio probatório;
c) ser pessoa com deficiência, especificando sua deficiência no Formulário de Inscrição e
informando se deseja concorrer às vagas reservadas aos candidatos com deficiência.
5.5. O candidato deverá durante o período de inscrições (do dia 15/09/2014 ao dia 15/10/2014), encaminhar
a documentação relacionada abaixo via Internet ou Correios:
- Internet, por meio do link de inscrição do Concurso Público (www.concursosfcc.com.br);
ou
- Correios, por meio de Sedex ou Aviso de Recebimento (AR), à Fundação Carlos Chagas (A/C
Coordenação de Execução de Projetos - Ref.: Laudo Médico/Tribunal de Justiça do Estado do
Amapá - Av. Professor Francisco Morato, 1565, Jardim Guedala - São Paulo - SP - CEP 05513-
900), considerando, para este efeito, a data da postagem, o documento a seguir:
- 11 -
a) Laudo Médico (original ou cópia autenticada) expedido no prazo máximo de 12 (doze) meses
antes do término das inscrições, atestando a espécie e o grau ou nível de deficiência, com
expressa referência ao código correspondente da Classificação Internacional de Doenças CID,
bem como a provável causa da deficiência, inclusive para assegurar previsão de adaptação da
sua prova, informando, também, o seu nome, documento de identidade (RG) e número do CPF;
b) O candidato com deficiência visual, que necessitar de prova especial em Braile, ou Ampliada, ou
leitura de sua prova, além do envio da documentação indicada na letra “a” deste item, deverá
encaminhar solicitação por escrito, até o término das inscrições, especificando o tipo de
deficiência;
c) O candidato com deficiência auditiva, que necessitar do atendimento do intérprete de Língua
Brasileira de Sinais, além do envio da documentação indicada na letra “a” deste item, deverá
encaminhar solicitação por escrito, até o término das inscrições;
d) O candidato com deficiência que necessitar de tempo adicional para realização das provas, além
do envio da documentação indicada na letra a” deste item, deverá encaminhar solicitação, por
escrito, até o término das inscrições, com justificativa acompanhada de parecer emitido por
especialista da área de sua deficiência.
e) O candidato com deficiência física, que necessitar de atendimento especial, além do envio da
documentação indicada na letra “a” deste item, deverá solicitar, por escrito, até o término das
inscrições, mobiliário adaptado e espaços adequados para a realização da prova, designação de
fiscal para auxiliar no manuseio das provas e transcrição das respostas, salas de fácil acesso,
banheiros adaptados para cadeira de rodas etc. especificando o tipo de deficiência.
5.5.1 Aos candidatos com deficiências visuais (cegos) que solicitarem prova especial em Braile serão
oferecidas provas nesse sistema e suas respostas deverão ser transcritas também em Braile. Os
referidos candidatos deverão levar para esse fim, no dia da aplicação da prova, reglete e punção,
podendo utilizar-se de soroban.
5.5.2 Aos candidatos com deficiências visuais (baixa visão) que solicitarem prova especial Ampliada
serão oferecidas provas nesse sistema.
5.5.2.1 O candidato deverá indicar o tamanho da fonte de sua prova Ampliada, entre 18, 24 ou
28. Não havendo indicação de tamanho de fonte, a prova será confeccionada em fonte
24.
5.5.3 Os candidatos com deficiências visuais (cegos ou baixa visão), que solicitarem prova especial
por meio da utilização de software, deverão indicar um dos relacionados a seguir:
5.5.3.1 Dos Vox (sintetizador de voz);
5.5.3.2 Jaws (Leitor de Tela);
5.5.3.3 ZoomText (Ampliação ou Leitura).
5.6 Na hipótese de serem verificados problemas técnicos no computador e/ou software mencionados no item
5.5.3, será disponibilizado, ao candidato, fiscal ledor para leitura de sua prova.
5.7 O candidato com deficiência que necessitar de tratamento diferenciado nos dias do concurso deverá
requerê-lo, na forma e no prazo definidos neste Edital, indicando as condições especiais de que
necessita para a realização das provas.
5.7.1 O atendimento das condições especiais solicitadas para a realização das provas ficará sujeito à
análise de viabilidade e razoabilidade do pedido.
5.8 As instruções para envio do laudo médico no link de inscrição do Concurso, conforme disposto no item
5.5 deste Capítulo, estarão disponíveis no site da Fundação Carlos Chagas.
5.8.1 É de inteira responsabilidade do candidato o envio correto de arquivos.
5.8.2 A Fundação Carlos Chagas e o Tribunal de Justiça do Estado do Amapá não se responsabilizam
por falhas no envio dos arquivos, tais como: arquivos em branco ou incompletos, falhas de
comunicação, congestionamento das linha de comunicação, bem como outros fatores de ordem
técnica que impossibilitem a transferência de dados.
5.9 O candidato que encaminhar laudo médico, de acordo com o especificado no item 5.5, e que, não tenha
indicado no ato da inscrição se deseja concorrer às vagas reservadas, automaticamente será
considerado como “concorrendo às vagas reservadas”.
5.10 Os candidatos que, dentro do prazo do período das inscrições, não atenderem aos dispositivos
mencionados no item 5.5 e subitens não concorrerão às vagas reservadas e não terão a prova e/ou
condições especiais atendidas, seja qual for o motivo alegado.
5.11 No dia 27/10/2014 será publicado no site www.concursosfcc.com.br, da Fundação Carlos Chagas, uma
lista contendo o deferimento/indeferimento dos laudos médicos e das condições especiais solicitadas.
5.11.1 Considerar-se-á deferido (válido) o laudo médico que estiver de acordo com a alínea “a”, item
5.5 deste Capítulo;
5.11.2 O candidato cujo laudo seja considerado inválido ou tenha a solicitação indeferida poderá
interpor recurso no prazo de dois dias úteis após a publicação indicada no item 5.11, vedada a
juntada de documentos.
- 12 -
5.12 O candidato com deficiência que não realizar a inscrição conforme instruções constantes deste Capítulo
não poderá alegar a referida condição em seu benefício e não poderá impetrar recurso administrativo em
favor de sua condição.
5.13 Para a avaliação, o candidato com deficiência deverá apresentar documento de identidade original e
Laudo Médico (original ou cópia autenticada) expedido no prazo de até 12 (doze) meses anteriores à
referida avaliação, atestando a espécie e o grau ou nível de deficiência com expressa referência ao
código correspondente da Classificação Internacional de Doenças – CID, bem como a provável causa da
deficiência contendo a assinatura e o carimbo do número do CRM do médico responsável por sua
emissão.
5.14 Não haverá segunda chamada, seja qual for o motivo alegado para justificar o atraso ou a ausência do
candidato com deficiência à avaliação tratada no item 5.13.
5.14.1 Será eliminado da lista específica de candidatos com deficiência aprovados e habilitados aquele
cuja deficiência indicada no Formulário de Inscrição não se fizer constatada na forma do artigo
e seus incisos do Decreto federal 3.298/1999 e suas alterações, e na Súmula 377 do Superior
Tribunal de Justiça (STJ), devendo o mesmo permanecer apenas na lista de classificação geral,
caso obtenha pontuação necessária para tanto.
5.15 As vagas definidas no item 5.2 deste Capítulo que não forem providas por falta de candidatos com
deficiência ou por reprovação no Concurso ou na perícia médica, esgotada a listagem especial, serão
preenchidas pelos candidatos às vagas de ampla concorrência com estrita observância à ordem
classificatória.
5.16 A não observância, pelo candidato, de qualquer das disposições deste Capítulo implicará a perda do
direito a ser admitido para as vagas reservadas às pessoas com deficiência.
5.17 O laudo médico apresentado terá validade somente para este Concurso Público e não será devolvido.
5.18 Após a investidura do candidato, a deficiência não poderá ser arguida para justificar a concessão de
aposentadoria por invalidez.
6. DAS PROVAS
6.1 Do concurso constarão as seguintes provas, números de questões, peso e durão conforme tabelas
abaixo:
ANALISTA JUDICIÁRIO Prova
Nº de
Questões
Peso
Duração da
Prov
a
Área Judiciária
e Administrativa
Conhecimentos Gerais
Conhecimentos Específicos
30
30
1
3
4h
Área Administrativa - Especialidade Administração
.
.
ANALISTA JUDICIÁRIO
Área Apoio Especializado
Prova
Nº de
Questões
Peso
Duração da
Prov
a
Especialidade Execução de Mandados
Conhecimentos Gerais
Conhecimentos Específicos
30
30
1
3
4h
Especialidade Arquitetura
Especialidade Arquivologia
Especialidade Contabilidade
Especialidade Biblioteconomia/Documentação
Especialidade Enfermagem
Especialidade Engenharia Civil
Especialidade Engenharia Elétrica
Especialidade História
Especialidade Jornalismo
Especialidade Medicina - Medicina do Trabalho
Especialidade Medicina - Perícia Médica
Especialidade Medicina - Psiquiatria
Especialidade Museologia
Especialidade Psicologia
Especialidade Revisão de Texto
Especialidade Serviço Social
.
- 13 -
Área Apoio Especializado
Prova
Nº de
Questões
Peso
Duração da
Prov
a
Especialidade Tecnologia da Informação -
Administração em Rede de Computadores
Conhecimentos Gerais
Conhecimentos Específicos
30
30
1
3
4h
Especialidade Tecnologia da Informação -
Banco de
Dados - DBA
Especialidade Tecnologia da Informação
-
Desenvolvimento de Sistemas
Especialidade Tecnologia da Informação -
Segurança
da Informação
Especialidade Tecnologia da Informação -
Telecomunicações
Especialidade Taquigrafia
Conhecimentos Gerais
Conhecimentos Específicos
30
30
1
3
4h
Prova Prática de Taquigrafia
- - -
TÉCNICO JUDICIÁRIO
Prova
Nº de
Questões
Peso
Duração da
Prov
a
Área Judiciária e Administrativa
Conhecimentos Gerais
Conhecimentos Específicos
30
30
1
3
4h
6.2 Para todos os Cargos/Áreas/Especialidades, as Provas de Conhecimentos Gerais e Conhecimentos
Específicos constarão de questões objetivas de múltipla escolha (com cinco alternativas cada questão),
de caráter habilitatório e classificatório, e versarão sobre os conteúdos programáticos constantes do
Anexo II do presente Edital.
6.3 Para o cargo de Analista Judiciário Área Apoio Especializado Especialidade: Taquigrafia, a Prova
Prática de Taquigrafia será realizada em data posterior a de aplicação das Provas Objetivas e reger-se-
á conforme disposto no Capítulo 9 deste Edital.
7. DA APLICAÇÃO DAS PROVAS
7.1 A aplicação das Provas Objetivas para todos os cargos/áreas/especialidades/polo de classificação está
prevista para o dia 07/12/2014 e realizar-se-á na Cidade de Macapá-AP.
7.1.1 As provas para os cargos de Analista Judiciário (todas as áreas/especialidades) e Técnico
Judiciário e Administrativa
serão aplicadas no mesmo dia, em períodos distintos.
7.1.2 O candidato só poderá ausentar-se do local após 01 (uma) hora do início da aplicação da prova.
7.2 A aplicação das provas na data prevista dependerá da disponibilidade de locais adequados à sua
realização.
7.2.1 Caso o número de candidatos inscritos exceda a oferta de lugares adequados existentes nos
colégios localizados na Cidade de Macapá/AP, a Fundação Carlos Chagas reserva-se o direito
de alocá-los em cidades próximas para aplicação das provas, não assumindo qualquer
responsabilidade quanto ao transporte e alojamento desses candidatos.
7.3 A confirmação da data e as informações sobre horários e locais serão divulgadas oportunamente por
meio de Edital de Convocação para Provas, a ser publicado no Diário de Justiça Eletrônico - DJE, no site
da Fundação Carlos Chagas (www.concursosfcc.com.br) e por meio de Cartões Informativos que serão
encaminhados aos candidatos por e-mail.
7.3.1 O candidato receberá o Cartão Informativo por e-mail, no endereço eletrônico informado no ato
da inscrição, sendo de sua exclusiva responsabilidade a manutenção e atualização de seu
correio eletrônico.
7.3.2 Não serão encaminhados Cartões Informativos de candidatos cujo endereço eletrônico
informado no Formulário de Inscrição esteja incompleto ou incorreto.
7.3.3 A Fundação Carlos Chagas e o Tribunal de Justiça do Estado do Amapá não se responsabilizam
por informações incorretas ou incompletas de endereço eletrônico, ou por falhas na entrega de
mensagens eletrônicas causadas por endereço eletrônico incorreto ou, ainda, por problemas no
provedor de acesso do candidato tais como: caixa de correio eletrônico cheia, filtros anti-spam,
eventuais truncamentos ou qualquer outro problema de ordem técnica, devendo o candidato
sempre consultar o site da Fundação Carlos Chagas para verificar as informações pertinentes ao
Concurso.
7.3.4 A comunicação por intermédio de endereço eletrônico é meramente informativa. O candidato
deverá acompanhar no Diário de Justiça Eletrônico - DJE a publicação do Edital de Convocação
para Provas.
- 14 -
7.3.5 O envio de comunicação pessoal dirigida ao candidato, ainda que extraviada ou por qualquer
motivo o recebida, não desobriga o candidato do dever de consultar o Edital de Convocação
para Provas.
7.4 O candidato que não receber o Cartão Informativo até o (terceiro) dia que antecede a aplicação das
provas, ou tiver vidas quanto à data, ao local e ao horário de realização das provas, deverá entrar em
contato com o Serviço de Atendimento ao Candidato - SAC da Fundação Carlos Chagas, pelo telefone
(0XX11) 3723-4388, de segunda à sexta-feira, úteis, das 10 às 16 horas (horário de Brasília) ou
consultar o site da Fundação Carlos Chagas (www.concursosfcc.com.br).
7.5 Ao candidato só será permitida a realização das provas na respectiva data, no local e horário definidos
no Cartão Informativo e no site da Fundação Carlos Chagas.
7.6 Eventuais erros de digitação verificados no Cartão Informativo enviado ao candidato ou observados nos
documentos impressos, entregues ao candidato no dia da realização das provas, quanto a: nome,
número de documento de identidade, sexo, data de nascimento, endereço e critério de desempate,
deverão ser corrigidos por meio do site da Fundação Carlos Chagas (www.concursosfcc.com.br), de
acordo com as instruções constantes da página do Concurso, até o terceiro dia útil após a aplicação das
Provas.
7.6.1 O link para correção será disponibilizado no primeiro dia útil após a aplicação das Provas.
7.6.2 O candidato que não solicitar as correções dos dados pessoais nos termos do item 7.6 deverá
arcar, exclusivamente, com as consequências advindas de sua omissão.
7.7 Caso haja inexatidão na informação relativa ao código de opção/cargo/área/especialidade/polo de
classificação e/ou à condição de candidato com deficiência, o candidato deverá entrar em contato com o
Serviço de Atendimento ao Candidato - SAC da Fundação Carlos Chagas com, no mínimo, 48 (quarenta
e oito) horas de antecedência da data de realização da prova, pelo telefone (0XX11) 3723-4388, de
segunda a sexta-feira, úteis, das 10 às 16 horas (horário de Brasília).
7.7.1 Não será admitida troca de código de opção de cargo/área/especialidade/polo de classificação.
7.7.2 O candidato que não entrar em contato com o SAC no prazo mencionado no subitem 7.7 será o
exclusivo responsável pelas consequências advindas de sua omissão.
7.8 Somente será admitido à sala de provas o candidato que estiver portando documento de identidade
original que bem o identifique, como: Carteira e/ou Cédula de Identidade expedida por Secretaria de
Segurança blica, pelas Forças Armadas, pela Polícia Militar, pelo Ministério das Relações Exteriores;
Cédula de Identidade para Estrangeiros; Cédulas de Identidade fornecidas por Órgãos ou Conselhos de
Classe que, por força de Lei Federal, valem como documento de identidade, como as da OAB, CREA,
CRM, CRC etc.; Certificado de Reservista; Passaporte (dentro da validade); Carteira de Trabalho e
Previdência Social, bem como Carteira Nacional de Habilitação (com fotografia, na forma da Lei
9.503/97).
7.8.1 Não serão aceitos como documentos de identidade: certidão de nascimento, CPF, títulos
eleitorais, carteira nacional de habilitação sem foto, carteiras de estudante, carteiras funcionais
sem valor de identidade.
7.8.2 Os documentos deverão estar em perfeitas condições, de forma a permitir, com clareza, a
identificação do candidato.
7.8.3 Caso o candidato esteja impossibilitado de apresentar, no dia de realização das provas,
documento de identidade original, por motivo de perda, roubo ou furto, deverá apresentar
documento que ateste o registro da ocorrência em órgão policial, expedido há, no máximo 30
(trinta) dias, sendo então submetido à identificação especial, compreendendo coleta de dados,
de assinaturas e de impressão digital em formulário próprio.
7.8.4 A identificação especial será exigida, também, do candidato cujo documento de identificação
gere dúvidas quanto à fisionomia, à assinatura ou à condição de conservação do documento.
7.9 Não haverá segunda chamada ou repetição de prova.
7.9.1 O candidato não poderá alegar desconhecimentos quaisquer sobre a realização da prova como
justificativa de sua ausência.
7.9.2 O não comparecimento às provas, qualquer que seja o motivo, caracterizará desistência do
candidato e resultará em sua eliminação do Concurso Público.
7.10 Objetivando garantir a lisura e a idoneidade do Concurso blico - o que é de interesse público e, em
especial, dos próprios candidatos - bem como sua autenticidade, será solicitada aos candidatos, quando
da aplicação das provas, a autenticação digital das Folhas de Respostas personalizadas e a assinatura
em campo específico por três vezes.
7.10.1 A autenticação digital e assinaturas dos candidatos em sua Folha de Respostas visa a atender o
disposto no item 12.6 deste Edital.
7.11 Na realização das Provas serão fornecidos o Caderno de Questões e a Folha de Respostas
personalizados com os dados do candidato, para aposição da assinatura no campo próprio e transcrição
das respostas com caneta esferográfica de material transparente de tinta preta ou azul.
- 15 -
7.12 O candidato deverá assinalar as respostas na Folha de Respostas, que será o único documento válido
para a correção das Provas. O preenchimento da Folha de Respostas será de inteira responsabilidade
do candidato, que deverá proceder em conformidade com as instruções específicas contidas na capa do
Caderno de Questões. Em hipótese alguma haverá substituição da Folha de Respostas por erro do
candidato.
7.12.1 Não deverá ser feita nenhuma marca fora do campo reservado às respostas ou à assinatura,
pois qualquer marca poderá ser lida pelas leitoras óticas, prejudicando o desempenho do
candidato.
7.12.2 Os prejuízos advindos de marcações feitas incorretamente na Folha de Respostas serão de
inteira responsabilidade do candidato.
7.12.3 Não serão computadas questões não assinaladas ou que contenham mais de uma resposta,
emenda ou rasura, ainda que legível.
7.12.4 Em nenhuma hipótese será permitido aos candidatos permanecerem com o Caderno de
Questões e a Folha de Respostas após o término do tempo de prova.
7.13 O candidato deverá comparecer ao local de realização das provas munido, obrigatoriamente, de caneta
esferográfica de material transparente de tinta preta ou azul. Não será permitido o uso de lápis, lapiseira,
marca-texto ou borracha durante a realização das provas.
7.13.1 O candidato deverá preencher os alvéolos, na Folha de Respostas da Prova Objetiva, com
caneta esferográfica de material transparente de tinta preta ou azul.
7.13.2 O candidato, ao terminar as provas, entregará ao fiscal da sala o Caderno de Questões e a sua
Folha de Respostas personalizada.
7.14 Motivarão a eliminação do candidato do Concurso Público, sem prejuízo das sanções penais cabíveis, a
burla ou a tentativa de burla a quaisquer das normas definidas neste Edital ou a outras relativas ao
Concurso, aos comunicados, às Instruções ao Candidato ou às Instruções constantes da prova, bem
como o tratamento indevido e descortês a qualquer pessoa envolvida na aplicação das provas.
7.14.1 Por medida de segurança os candidatos deverão deixar as orelhas totalmente descobertas, à
observação dos fiscais de sala, durante a realização das provas.
7.14.2 Não será permitida a utilização de lápis, lapiseira ou borracha.
7.15 Será excluído do Concurso Público o candidato que:
a) apresentar-se após o horário estabelecido, não se admitindo qualquer tolerância;
b) não comparecer às provas, seja qual for o motivo alegado;
c) não apresentar documento que bem o identifique;
d) ausentar-se da sala de provas sem o acompanhamento do fiscal;
e) ausentar-se do local de provas antes de decorrida uma hora do início das provas;
f) fizer anotação de informações relativas às suas respostas no comprovante de inscrição ou em
qualquer outro meio, que não o fornecido pela Fundação Carlos Chagas no dia da aplicação das
provas;
g) ausentar-se da sala de provas levando Folha de Respostas, Caderno de Questões ou outros
materiais não permitidos;
h) estiver portando armas no ambiente de provas, mesmo que possua o respectivo porte;
i) lançar mão de meios ilícitos para a execução das provas;
j) não devolver integralmente o material recebido;
k) for surpreendido, durante a realização da prova, em comunicação com outras pessoas ou utilizando-
se de livro, anotação, impresso não permitido ou máquina calculadora ou similar;
l) estiver fazendo uso de qualquer espécie de relógio e qualquer tipo de aparelho eletrônico ou de
comunicação tais como: telefone celular, tablets, notebook ou outros equipamentos similares;
m) perturbar, de qualquer modo, a ordem dos trabalhos, incorrendo em comportamento indevido.
7.16 O candidato, ao ingressar no local de realização das provas, deverá manter desligado qualquer aparelho
eletrônico que esteja sob sua posse, ainda que os sinais de alarme estejam nos modos de vibração e
silencioso.
7.16.1 Recomenda-se ao candidato, no dia da realização da prova, não levar nenhum dos aparelhos
indicados na alínea “l”, item 7.15 deste Capítulo.
7.16.2 É aconselhável que os candidatos retirem as baterias dos celulares, garantindo que nenhum
som seja emitido, inclusive do despertador, caso esteja ativado.
7.16.3 Será excluído do Concurso, o candidato que estiver utilizando ou portando em seu bolso os
objetos indicados na alínea “l”, após o procedimento estabelecido no subitem 7.16.1 deste
Capítulo.
7.16.4 Os demais pertences pessoais dos candidatos, tais como: bolsas, sacolas, bonés, chapéus,
gorros ou similares, óculos escuros e protetores auriculares serão acomodados em local a ser
indicado pelos fiscais de sala, onde deverão permanecer até o término da prova.
7.16.5 A Fundação Carlos Chagas e a Tribunal de Justiça do Estado do Amapá não se
responsabilizarão por perda ou extravio de documentos, objetos ou equipamentos eletrônicos
ocorridos no local de realização das provas, nem por danos neles causados.
- 16 -
7.17 Haverá, em cada sala de prova, cartaz/marcador de tempo para que os candidatos possam acompanhar
o tempo de prova.
7.18 No dia da realização das provas, na hipótese de o nome do candidato não constar das listagens oficiais
relativas aos locais de prova estabelecidos no Edital de Convocação, a Fundação Carlos Chagas
procederá à inclusão do candidato, desde que apresente o boleto bancário com comprovação de
pagamento, mediante o preenchimento de formulário específico.
7.18.1 A inclusão de que trata o item 7.18 será realizada de forma condicional e será analisada pela
Fundação Carlos Chagas, na fase do Julgamento da Prova, com o intuito de verificar a
pertinência da referida inscrição.
7.18.2 Constatada a improcedência da inscrição, a mesma será automaticamente cancelada sem
direito a reclamação, independentemente de qualquer formalidade, considerados nulos todos os
atos dela decorrentes.
7.19 Quando, após a prova, for constatado, por meio eletrônico, estatístico, visual, grafológico ou por
investigação policial, ter o candidato utilizado processos ilícitos, sua prova será anulada e o candidato
será automaticamente eliminado do Concurso.
7.20 Não haverá prorrogação do tempo previsto para a aplicação das provas, especialmente em virtude de
afastamento do candidato da sala de prova.
7.21 Em hipótese alguma será realizada qualquer prova fora do local, data e horários determinados.
7.22 Distribuídos os Cadernos de Questões aos candidatos e, na remota hipótese de se verificarem falhas de
impressão, o Coordenador do local de aplicação das provas diligenciará, antes do início da prova, no
sentido de:
a) substituir os Cadernos de Questões defeituosos;
b) proceder, em não havendo número suficiente de Cadernos para a devida substituição, à leitura dos
itens nos quais ocorreram as falhas, utilizando, para tanto, um Caderno de Questões completo;
c) estabelecer, após consultar o Plantão da Fundação Carlos Chagas, prazo para compensação do
tempo usado para regularização do Caderno, caso se verifique a ocorrência após o início da prova.
7.23 A inviolabilidade do sigilo das provas será comprovada no momento de romper-se o lacre das caixas e
pacotes de prova mediante termo formal e na presença de 3 (três) candidatos nos locais de realização
das provas.
7.24 Os candidatos poderão ser submetidos ao sistema de detecção de metal no dia da realização das
provas.
7.25 Por razões de ordem técnica, de segurança e de direitos autorais adquiridos, não serão fornecidos
exemplares dos Cadernos de Questões a candidatos ou a instituições de direito público ou privado,
mesmo após o encerramento do Concurso Público. O candidato deverá consultar o site da Fundação
Carlos Chagas (www.concursosfcc.com.br), para tomar conhecimento da(s) data(s) prevista(s) para
divulgação do(s) gabarito(s), das questões das provas e/ou do(s) resultado(s).
7.25.1 As questões das provas ficarão disponíveis da data da divulgação no site
www.concursosfcc.com.br até o último dia para a interposição de recursos referentes ao
Resultado das Provas Objetivas.
8. DO JULGAMENTO DAS PROVAS OBJETIVAS
8.1 As provas serão estatisticamente avaliadas, de acordo com o desempenho do grupo a elas submetido.
8.1.1 As provas objetivas serão corrigidas por meio de processamento eletrônico.
8.2 Considera-se grupo o total de candidatos presentes às provas objetivas do respectivo
Cargo/Área/Especialidade/Polo de Classificação.
8.3 Na avaliação de cada prova será utilizado o escore padronizado, com média igual a 50 (cinquenta) e
desvio padrão igual a 10 (dez).
8.4 Esta padronização das notas de cada prova tem por finalidade avaliar o desempenho do candidato em
relação aos demais, permitindo que a posição relativa de cada candidato reflita sua classificação em
cada prova. Na avaliação das provas do Concurso:
a) é contado o total de acertos de cada candidato em cada prova;
b) são calculadas a média e o desvio padrão dos acertos de todos os candidatos em cada prova;
c) é transformado o total de acertos de cada candidato em nota padronizada (NP). Para isso, calcula-se
a diferença entre o total de acertos do candidato na prova (A) e a média de acertos do grupo na
prova
(?)
, divide-se essa diferença pelo desvio padrão (s) do grupo da prova, multiplica-se o
resultado por 10 (dez) e soma-se 50 (cinquenta), de acordo com a fórmula:
NP = Nota Padronizada
A = Número de acertos do candidato
- 17 -
(?)
= Média de acertos do grupo
s = Desvio padrão
d) é multiplicada a nota padronizada do candidato em cada prova pelo respectivo peso.
e) são somadas as notas padronizadas (já multiplicadas pelos pesos respectivos) de cada prova,
obtendo-se, assim, o total de pontos de cada candidato.
8.5 Para todas as Áreas/Especialidades do cargo de Analista Judiciário, as Provas Objetivas de
Conhecimentos Gerais e de Conhecimentos Específicos terão caráter classificatório e eliminatório,
considerando-se habilitado o candidato que obtiver total de pontos igual ou superior a 240 (duzentos e
quarenta).
8.6 Para o cargo de Técnico Judiciário Área Judiciária e Administrativa, as Provas Objetivas de
Conhecimentos Gerais e de Conhecimentos Específicos terão caráter classificatório e eliminatório,
considerando-se habilitado o candidato que obtiver total de pontos igual ou superior a 200 (duzentos).
8.7 Os candidatos não habilitados nas Provas Objetivas serão excluídos do Concurso.
9. DA PROVA PRÁTICA DE TAQUIGRAFIA PARA O CARGO DE ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA APOIO
ESPECIALIZADO – ESPECIALIDADE TAQUIGRAFIA
9.1 Para a Prova Prática de Taquigrafia serão convocados os candidatos habilitados e mais bem
classificados nas Provas Objetivas, na forma do Capítulo 8 deste Edital, até a 20ª (vigésima posição).
9.1.1 Havendo empate na última colocação, todos os candidatos nessa condição serão convocados.
9.1.2 Dentre os candidatos que concorrerem às vagas reservadas às pessoas com deficiência, em
conformidade com o Capítulo 5 deste Edital, serão convocados todos os candidatos habilitados
nas Provas Objetivas.
9.1.3 Os demais candidatos serão eliminados do Concurso Público.
9.2 Na realização da prova, o candidato
9.2.1 deverá preencher a identificação nos espaços reservados na Folha de Prova;
9.2.2 deverá permanecer com os cabelos presos;
9.2.3 terá sua saída do local da prova autorizada somente após 30 (trinta) minutos do início da
decifração;
9.2.4 deverá, ao terminar a prova, entregar ao fiscal, o bloco com o registro taquigráfico juntamente
com a Folha de Decifração;
9.2.5 será excluído se for surpreendido em comunicação com outros candidatos, utilizando-se de
livros, notas ou materiais e equipamentos não permitidos, bem como se ausentar do local de
prova sem o acompanhamento do fiscal.
9.3 À prova que apresentar sinal, expressão ou convenção que possibilite a identificação do candidato, será
atribuída nota 0 (zero), e o candidato eliminado do Concurso.
9.4 A prova consistirá em:
9.4.1 registro taquigráfico, durante 5 (cinco) minutos, de texto a ser previamente sorteado e ditado em
velocidade variável e crescente, de 80 (oitenta) a 90 (noventa) palavras por minuto;
9.4.2 decifração do texto, obrigatoriamente, em microcomputador PC (Pentium ou equivalente),
sistema operacional Windows XP ou posterior e editor de texto Word for Windows, versão 2003
ou superior, pelo prazo de 1 hora, não sendo permitido ao candidato o uso de máquina própria.
9.5 A correção da prova será efetuada com base no texto digitado, conforme os seguintes critérios:
Número de erros
Nota
não havendo erro 100 (cem)
de 0 a 5 95 (noventa e cinco)
de 6 a 10 90 (noventa)
de 11 a 16 85 (oitenta e cinco)
de 17 a 22 80 (oitenta)
de 22 a 28 75 (setenta e cinco)
de 29 a 34 70 (setenta)
de 35 a 40 65 (sessenta e cinco)
de 41 a 48 60 (sessenta)
de 49 a 53 55 (cinquenta e cinco)
de 54 a 60 50 (cinquenta)
mais de 60 0 (zero)
9.6 Critérios para contagem de erros:
? palavra omitida, acrescida ou substituída, sem alteração de sentido: 0,5 (zero vírgula cinco) erro;
? palavra omitida, acrescida ou substituída, com alteração do sentido: 1 (um) erro;
- 18 -
? os erros de palavras, desde que consequentes, serão contados uma única vez (por exemplo, se o
texto diz "... um escolar" e o candidato escreveu "... uma escola", o erro será contado uma única vez
por consequente);
? palavras soltas, erradas, sem formar sentido: 1 (um) erro por palavra;
? no caso de concorrência de erros (por exemplo, omissão de 5 (cinco) palavras e substituição por 3
(três) erradas, computar-se-á o número maior de erros.
9.7 Os rascunhos não serão considerados, em hipótese alguma.
9.8 A Prova Prática de Taquigrafia terá caráter eliminatório, não influindo na classificação do candidato, e
será avaliada na escala de 0 (zero) a 100 (cem) pontos, considerando-se habilitado o candidato que nela
obtiver nota igual ou superior a 60 (sessenta).
9.9 Obedecidos os critérios de avaliação, aos candidatos habilitados será atribuída nota 100 (cem) e aos não
habilitados será atribuída nota 0 (zero).
9.10 O candidato não habilitado será excluído do Concurso.
9.11 Da publicação constarão apenas os candidatos habilitados.
10. DA CLASSIFICAÇÃO FINAL
10.1 A nota final dos candidatos habilitados para todos os Cargos/Áreas/Especialidades/Polo de Classificação
será igual ao total de pontos obtido nas provas objetivas de Conhecimentos Gerais e de Conhecimentos
Específicos, obedecidos aos critérios estabelecidos no Capítulo 8 deste Edital.
10.2 Para os cargos de Analista Judiciário, em todas as Áreas/Especialidades, EXCETO Analista Judiciário
Área Apoio Especializado Especialidade Revisão de Textos e Analista Judiciário Área Apoio
Especializado – Especialidade Taquigrafia, na hipótese de igualdade de nota final, terá preferência, para
fins de desempate, após a observância do disposto no parágrafo único do artigo 27 da Lei
10.741/2003 (Estatuto do Idoso), considerada, para esse fim, a data limite de correção dos dados
cadastrais estabelecida no item 7.6 do Capítulo 7 deste Edital – sucessivamente, o candidato que:
10.2.1 obtiver maior nota ponderada na Prova Objetiva de Conhecimentos Específicos;
10.2.2 obtiver maior número de acertos em Língua Portuguesa da Prova Objetiva de Conhecimentos
Gerais;
10.2.3 tiver maior idade;
10.2.4 tiver exercido efetivamente a função de jurado no período entre a data de publicação da Lei
11.689/2008 e a data de término das inscrições.
10.3 Para os cargos de Analista Judiciário Área Apoio Especializado Especialidade Revisão de Textos e
Analista Judiciário Área Apoio Especializado Especialidade Taquigrafia, na hipótese de igualdade
de nota final, terá preferência, para fins de desempate, após a observância do disposto no parágrafo
único do artigo 27 da Lei 10.741/2003 (Estatuto do Idoso), considerada, para esse fim, a data limite
de correção dos dados cadastrais estabelecida no item 7.6 do Capítulo 7 deste Edital
sucessivamente, o candidato que:
10.3.1 obtiver maior nota ponderada na Prova Objetiva de Conhecimentos Específicos;
10.3.2 obtiver maior número de acertos em Língua Portuguesa da Prova Objetiva de Conhecimentos
Específicos;
10.3.3 tiver maior idade;
10.3.4 tiver exercido efetivamente a função de jurado no período entre a data de publicação da Lei
11.689/2008 e a data de término das inscrições.
10.4. Para o cargo de Técnico Judiciário Área Judiciária e Administrativa, na hipótese de igualdade de
nota final, terá preferência, para fins de desempate, após a obserncia do disposto no parágrafo único
do artigo 27 da Lei 10.741/2003 (Estatuto do Idoso), considerada, para esse fim, a data limite de
correção dos dados cadastrais estabelecida no item 7.6 do Capítulo 7 deste Edital sucessivamente, o
candidato que:
10.4.1 obtiver maior nota ponderada na Prova Objetiva de Conhecimentos Específicos;
10.4.2 obtiver maior número de acertos em Língua Portuguesa da Prova Objetiva de Conhecimentos
Gerais;
10.4.3 tiver maior idade;
10.4.4 tiver exercido efetivamente a função de jurado no período entre a data de publicação da Lei
11.689/2008 e a data de término das inscrições.
10.5 Os candidatos habilitados serão classificados por ordem decrescente de nota final, em Listas de
Classificação por Cargo/Área/Especialidade/Polo de Classificação, observadas as listas correspondentes
à reserva de vagas aos candidatos com deficiência.
10.6 Os demais candidatos serão excluídos do Concurso.
11. DOS RECURSOS
11.1 Será admitido recurso quanto:
a) ao indeferimento dos requerimentos de isenção de pagamento do valor da inscrição;
- 19 -
b) ao indeferimento das condições especiais de acordo com o subitem 4.24.1 do Capítulo 4 e subitem
5.10 do Capítulo 5;
c) à aplicação das Provas Objetivas e Prática de Taquigrafia;
d) às questões e gabaritos preliminares das Provas Objetivas;
e) aos resultados das Provas.
11.2 Sob pena de não conhecimento, os recursos deverão ser interpostos no prazo de 02 (dois) dias úteis
após a ocorrência do evento que lhes der causa, tendo como termo inicial o 1º dia útil subsequente à
data do evento objeto do recurso.
11.3 Admitir-se-á um único recurso por candidato para cada evento referido no item 11.1 deste Capítulo,
devidamente fundamentado, sendo desconsiderado recurso de igual teor.
11.3.1 Somente serão considerados os recursos interpostos no prazo estipulado para a fase a que se
referem.
11.3.2 Não serão aceitos os recursos interpostos em prazo destinado a evento diverso do questionado.
11.4 Os recursos deverão ser interpostos exclusivamente pela Internet, no site da Fundação Carlos Chagas
(www.concursosfcc.com.br), de acordo com as instruções constantes na página do Concurso Público.
11.4.1 Somente serão apreciados os recursos interpostos e transmitidos conforme as instruções
contidas neste Edital e no site da Fundação Carlos Chagas.
11.4.2 No espaço reservado às razões do recurso fica VEDADA QUALQUER IDENTIFICAÇÃO (nome
do candidato ou qualquer outro meio que o identifique) sob pena de não conhecimento do
recurso.
11.4.3 A Fundação Carlos Chagas e o Tribunal de Justiça do Estado do Amapá não se responsabilizam
por recursos não recebidos por motivo de ordem técnica dos computadores, falha de
comunicação, congestionamento das linhas de comunicação, falta de energia elétrica, bem
como outros fatores de ordem técnica que impossibilitem a transferência de dados.
11.5 O candidato deverá ser claro, consistente e objetivo em seu pleito.
11.6 Não serão aceitos recursos interpostos por fac-símile (fax), telegrama, e-mail ou outro meio que não seja
o especificado neste Edital.
11.7 Será concedida vista da Folha de Respostas das Provas a todos os candidatos que realizaram a prova,
no período recursal referente ao resultado preliminar das Provas.
11.7.1 As instruções para a vista de prova estarão disponíveis no site da Fundação Carlos Chagas.
11.8 A Banca Examinadora constitui última instância para recurso, sendo soberana em suas decisões, razão
pela qual não caberão recursos adicionais.
11.9 O gabarito divulgado poderá ser alterado, em função dos recursos interpostos, e as provas serão
corrigidas de acordo com o gabarito oficial definitivo.
11.10 O(s) ponto(s) relativo(s) à(s) questão(ões) eventualmente anulada(s) será(ão) atribuído(s) a todos os
candidatos presentes à prova, independentemente de formulação de recurso.
11.11 Na ocorrência do disposto nos itens 11.9 e 11.10 e/ou em caso de provimento de recurso poderá ocorrer
a classificação ou desclassificação do candidato que obtiver, ou não, a nota mínima exigida para a
prova, bem como a reclassificação, mesmo que o candidato não tenha interposto recursos.
11.12 Serão indeferidos os recursos:
a) cujo teor desrespeite a Banca Examinadora;
b) que estejam em desacordo com as especificações contidas neste Capítulo;
c) cuja fundamentação não corresponda à questão recursada;
d) sem fundamentação e/ou com fundamentação inconsistente, incoerente ou os intempestivos;
e) encaminhados por meio da Imprensa e/ou de “redes sociais on-line”.
11.13 As respostas de todos os recursos, quer procedentes ou improcedentes, serão levadas ao conhecimento
de todos os candidatos inscritos no Concurso por meio do site da Fundação Carlos Chagas
(www.concursosfcc.com.br), não tendo qualquer caráter didático, e ficarão disponíveis pelo prazo de 7
(sete) dias a contar da data de sua divulgação.
12. DO PROVIMENTO DOS CARGOS
12.1 O provimento dos cargos ficará a critério da Administração do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá e
obedecerá, rigorosamente, à ordem de classificação por cargo/área/especialidade/polo de classificação.
12.2 O candidato convocado para nomeação deverá apresentar os seguintes documentos para fins de posse:
a) Comprovação dos pré-requisitos/escolaridade constantes do Capítulo 2 deste Edital;
b) Comprovação dos requisitos enumerados no item 3.1 do Capítulo 3;
c) Certidão de nascimento ou casamento, com as respectivas averbações, se for o caso;
d) Título de eleitor, com o comprovante de votação na última eleição ou certidão de quitação eleitoral;
e) Certificado de Reservista ou de Dispensa de Incorporação, para os candidatos do sexo masculino;
f) Cédula de Identidade;
- 20 -
g) Declaração dos Bens e Valores que compõem o seu patrimônio privado, a fim de ser arquivada no
Departamento de Recursos Humanos do Tribunal, podendo, a critério do empossando, ser entregue
cópia da declaração anual de bens apresentada à Delegacia da Receita Federal na conformidade da
legislação do Imposto sobre a Renda e proventos de qualquer natureza, com as necessárias
atualizações, conforme previsão do art. 13 e parágrafos, da Lei Federal 8.429/92, c/c o art. 33, da
Lei Estadual n.º 0066/93;
h) CPF;
i) Documento de inscrição no PIS ou PASEP, se houver;
j) Duas fotos 3x4 recentes;
k) Declaração, de próprio punho de acumulação de cargo ou função pública, quando for o caso, ou sua
negativa;
l) Declaração de parentesco, feita de próprio punho;
m) Certidão negativa de antecedentes criminais relativa aos últimos cinco anos, da Justiça Estadual,
Federal, da Militar Federal e Militar Estadual;
n) Declaração firmada pelo nomeado de que percebe (ou não) proventos de inatividade, seja pela
União, por Estado ou por Município;
o) Comprovante de residência.
12.3 Não serão aceitos protocolos dos documentos exigidos, nem fotocópias ou xerocópias não autenticadas.
12.4 Além da apresentação dos documentos relacionados no item 12.2 deste Capítulo, a posse do candidato
ficará condicionada à realização de inspeção médica, mediante a apresentação de laudo médico de
sanidade física e mental expedido pela Junta Médica Oficial do Estado do Amapá ou Perícia Médica do
Tribunal de Justiça do Estado do Amapá.
12.4.1 Os candidatos habilitados para vagas reservadas a candidatos com deficiência também deverão
cumprir o disposto no item 12.4 sem prejuízo das exigências estabelecidas no Capítulo 5 deste
Edital.
12.4.2 Dado o seu caráter eliminatório, o não comparecimento à inspeção médica na data e horário
agendado implicará a sua eliminação do Concurso.
12.5 Os candidatos que não apresentarem os documentos no prazo previsto em lei, bem como os que não
tomarem posse, serão desclassificados e excluídos do Concurso para todos os fins.
12.6 O Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, no momento do recebimento dos documentos para a posse,
afixará 1 (uma) foto 3x4 do candidato no Cartão de Autenticação Digital - CAD e, na sequência, coletará
a assinatura do candidato e procederá à autenticação digital no Cartão, para confirmação dos dados:
digitais e/ou assinaturas solicitadas no dia da realização das provas.
12.7 A falta de comprovação de qualquer dos requisitos para investidura até a data da posse ou a prática de
falsidade ideológica em prova documental acarretará cancelamento da inscrição do candidato, sua
eliminação do respectivo Concurso Público e anulação de todos os atos com respeito a ele praticados
pelo Tribunal, ainda que já tenha sido publicado o Edital de Homologação do resultado final, sem
prejuízo das sanções legais cabíveis.
13. DAS DISPOSIÇÕES FINAIS
13.1 A inscrição do candidato implicará o conhecimento das presentes instruções e a tácita aceitação das
condições do Concurso, tais como se acham estabelecidas neste Edital e nas normas legais pertinentes,
bem como em eventuais aditamentos e instruções específicas para a realização do certame, acerca das
quais não poderá alegar desconhecimento.
13.2 A legislação com vigência após a data de publicação deste Edital, bem como as alterações em
dispositivos constitucionais, legais e normativos a ela posteriores não serão objeto de avaliação nas
provas do Concurso.
13.3 O Concurso Público terá validade de 02 (dois) anos, a contar da data da publicação da homologação do
resultado final, publicada no Diário de Justiça Eletrônico - DJE, podendo ser prorrogado por mais 02
(dois) anos, a critério do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá.
13.4 Decorridos 120 (cento e vinte) dias da homologação do Concurso, e não se caracterizando óbice
administrativo ou legal, é facultada a incineração das provas e demais registros escritos, mantendo-se,
entretanto, pelo período de validade fixado no item 13.3 deste Capítulo, os registros eletrônicos a ele
referentes.
13.5 A aprovação e classificação no Concurso geram para o candidato apenas expectativa de direito à
admissão.
13.6 O Tribunal de Justiça do Estado do Amapá reserva-se o direito de proceder as admissões em número
que atenda ao interesse e às necessidades do serviço, de acordo com a disponibilidade orçamentário-
financeira e o número de vagas existentes.
13.7 Serão publicados no Diário de Justiça Eletrônico - DJE os Editais de Abertura de Inscrição, de
Convocação para Provas e o de Homologação.
- 21 -
13.8 Os atos relativos ao presente Concurso, a exemplo de convocações, avisos e resultados serão
publicados no Diário de Justiça Eletrônico - DJE e no site da Fundação Carlos Chagas
www.concursosfcc.com.br.
13.9 Será disponibilizado o Boletim de Desempenho nas provas, para consulta, por meio do CPF e do número
de inscrição do candidato, no endereço eletrônico www.concursosfcc.com.br, em data a ser determinada
no Edital de resultado a ser publicado no Diário de Justiça Eletrônico - DJE, conforme item 13.8 deste
Capítulo.
13.10 O acompanhamento das publicações, editais, avisos e comunicados referentes ao Concurso Público é
de responsabilidade exclusiva do candidato. Não serão prestadas por telefone informações relativas ao
resultado do Concurso Público.
13.11 Não serão fornecidos atestados, declarações, certificados ou certidões relativos à habilitação,
classificação ou nota de candidatos, valendo, para tal fim, o Boletim de Desempenho disponível no
endereço eletrônico da Fundação Carlos Chagas, conforme item 13.9 deste Capítulo, e a publicação do
resultado final e da homologação do resultado do Concurso Público no Diário de Justiça Eletrônico -
DJE.
13.12 A qualquer tempo poder-se-á anular a inscrição, prova e/ou tornar sem efeito a nomeação do candidato,
desde que verificadas falsidades ou inexatidões de declarações ou irregularidades na inscrição, nas
provas ou nos documentos.
13.12.1 Comprovada a inexatidão ou irregularidades descritas no item 13.12 deste Capítulo, o candidato
estará sujeito a responder por Falsidade Ideológica de acordo com o artigo 299 do Código
Penal.
13.13 As despesas relativas à participação do candidato no Concurso e a apresentação para posse e exercício
correrão às expensas do próprio candidato.
13.14 É de responsabilidade do candidato manter seu endereço e telefone atualizados para viabilizar os
contatos necessários, sob pena de quando for nomeado, perder o prazo para tomar posse, caso não
seja localizado.
13.14.1 O candidato aprovado deverá manter seu endereço atualizado até que se expire o prazo de
validade do Concurso.
13.15 O Tribunal de Justiça do Estado do Amapá e a Fundação Carlos Chagas não se responsabilizam por
prejuízos a qualquer ordem, causados ao candidato, decorrentes de:
a) endereço eletrônico errado e/ou não atualizado;
b) endereço residencial não atualizado;
c) endereço de difícil acesso;
d) correspondência devolvida pela Empresa de Correios e Telégrafos ECT por razões diversas de
fornecimento e/ou endereço errado do candidato;
e) correspondência recebida por terceiros.
13.16 Em caso de alteração dos dados pessoais (nome, endereço, telefone para contato, e-mail) constantes do
Formulário Eletrônico de Inscrição, o candidato deverá:
13.16.1 Efetuar a atualização dos dados pessoais até o terceiro dia útil após a aplicação das provas,
conforme estabelecido no item 7.6 do Capítulo 7 deste Edital, por meio do site
www.concursosfcc.com.br.
13.16.2 Após o prazo estabelecido no subitem 13.16.1 até a homologação dos Resultados, encaminhar
via Sedex ou Aviso de Recebimento (AR), à Fundação Carlos Chagas (Serviço de Atendimento
ao Candidato - SAC Ref.: Atualização de Dados Cadastrais/Tribunal de Justiça do Estado do
Amapá Av. Prof. Francisco Morato, 1565, Jardim Guedala São Paulo SP CEP 05513-
900).
13.16.3 Após a homologação dos Resultados, o candidato deverá solicitar a atualização dos dados
cadastrais ao Tribunal de Justiça do Estado do Amapá - Av. General Rondon, 1295, Centro,
68900-911, Macapá - Amapá.
13.16.4 As alterações de dados pessoais quanto ao critério de desempate estabelecido no item 10.2 e
seus subitens no Capítulo 10 deste Edital, somente serão consideradas quando solicitadas no
prazo estabelecido no subitem 13.16.1 deste Capítulo, por fazer parte do critério de desempate
de candidatos.
13.17 O Tribunal de Justiça do Estado do Amapá e a Fundação Carlos Chagas não se responsabilizam por
quaisquer cursos, textos e apostilas referentes a este Concurso.
13.18 Os itens deste Edital poderão sofrer eventuais alterações, atualizações ou acréscimos enquanto não
consumada a providência ou evento que lhes disser respeito, circunstância que será mencionada em
Edital ou aviso a ser publicado.
13.19 Prescreverá em 02 (dois anos), a contar da data em que for publicada a homologação do resultado final,
o direito de ação contra quaisquer atos relativos a este Concurso Público.
13.20 Todos os cálculos descritos neste Edital, relativos aos resultados das provas, serão realizados com duas
casas decimais, arredondando-se para cima sempre que a terceira casa decimal for maior ou igual a
cinco.
- 22 -
13.21 As ocorrências não previstas neste Edital, os casos omissos e os casos duvidosos serão resolvidos, em
caráter irrecorrível, pelo Tribunal de Justiça do Estado do Amapá e pela Fundação Carlos Chagas, no
que a cada um couber.
- 23 -
ANEXO I
DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES BÁSICAS DOS CARGOS/ÁREAS/ESPECIALIDADES
Analista Judiciário - Área Judiciária
e Administrativa
Realizar atividades de vel superior nos Ofícios Judiciais de Primeiro e Segundo Graus de Jurisdição, a fim de
fornecer suporte técnico, favorecendo o exercício da função judicante pelos magistrados e/ou órgãos
julgadores. Compreende o processamento de feitos, a elaboração de certidões e relatórios estatísticos e a
análise e pesquisa de legislação, doutrina e jurisprudência e envolve a indexação de documentos e o
atendimento às partes, entre outras atividades de mesma natureza e grau de complexidade. Realizar
atividades de nível superior, de natureza técnica, relacionadas ao planejamento, organização, coordenação,
supervisão, assessoramento, estudo, pesquisa e execução de tarefas que envolvam o processamento de
feitos, apoio a julgamentos, análise e pesquisa de legislação, de doutrina e de jurisprudência, bem como
elaboração de laudos, de atos, de pareceres e de informações jurídicas. Na área administrativa, desenvolver
atividades de nível superior, em geral, da estrutura dos órgãos administrativos onde esteja lotado.
Analista Judiciário – Área Judiciária – Execução de Mandados
Realizar atividades de vel superior nos Ofícios Judiciais do Primeiro e Segundo Graus de Jurisdição, a fim de
possibilitar o cumprimento de ordens judiciais. Compreende a realização de diligências externas relacionadas
com a prática de atos de comunicação processual e de execução, entre outras atividades de mesma natureza
e grau de complexidade.
Analista Judiciário – Área Apoio Especializado – Especialidade Administração
Realizar atividades de nível superior nas unidades administrativas do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá,
a fim de favorecer o adequado funcionamento e desenvolvimento da organização. Compreende o
planejamento, a execução, o acompanhamento e a avaliação de planos, projetos, programas ou estudos
ligados à administração de recursos humanos, materiais e patrimoniais, orçamentários e financeiros, bem como
ao desenvolvimento organizacional, à contadoria e auditoria. Envolvem a emissão de relatórios técnicos,
certidões, declarações, informações em processos, bem como outras atividades de mesma natureza e grau de
complexidade.
Analista Judiciário – Área Apoio Especializado – Especialidade Arquitetura
Realizar perícias, exames, vistorias, avaliações e estudos técnicos; coletar e analisar dados documentais e de
campo; prestar informações técnicas sob a forma de pareceres, laudos e relatórios, indicando a fundamentação
técnica, métodos e parâmetros aplicados; atuar em processos administrativos e judiciais como assistente
técnico; participar de eventos externos e reuniões técnicas quando determinado pela autoridade competente;
assessorar tecnicamente comissões, grupos e equipes de trabalho constituídos pela autoridade competente;
planejar, orientar, coordenar, fiscalizar e acompanhar a execução de projetos, obras e serviços cnicos e
prestar assessoria na contratação dos serviços relativos à área da Arquitetura.
Analista Judiciário - Área Apoio Especializado – Especialidade Arquivologia
Realizar atividades de vel superior, de natureza técnica, relacionadas ao planejamento, organização,
coordenação, supervisão, assessoramento, estudo, pesquisa e execução de tarefas que envolvam produção,
manutenção, conservação, preservação, divulgação e recuperação de documentos, bem como implantação e
desenvolvimento de arquivos.
Analista Judiciário – Área Apoio Especializado – Especialidade Contabilidade
Realizar atividades de nível superior, a fim de garantir o adequado acompanhamento da situação patrimonial e
financeira da organização; favorecer a elaboração orçamentária, bem como possibilitar a liquidação de julgados
e atualização de valores de títulos, guias e depósitos judiciais. Compreende a elaboração de cálculos, a
verificação de contas e a emissão de relatórios e pareceres, bem como outras atividades de mesma natureza e
grau de complexidade.
Analista Judiciário – Área Apoio Especializado – Especialidade Biblioteconomia/Documentação
Executar atividades de seleção, aquisição, registro, catalogação, classificação, indexação, manutenção e
conservação de acervos bibliográficos e de multimeios. Promover a recuperação e disseminação de
informações, possibilitando uma crescente interação entre biblioteca e usuário. Realizar pesquisas mediante
solicitação de órgãos e autoridades do Tribunal. Elaborar pareceres técnicos, laudos, relatórios e outros
documentos de informação técnica. Executar atividades relacionadas ao planejamento operacional, execução e
monitoramento de projetos, programas e planos de ação. Acompanhar, analisar, selecionar e divulgar
sistematicamente a legislação relacionada com as áreas de atuação do Tribunal. Acompanhar as matérias sob
sua responsabilidade, propor alternativas e promover ações para o alcance dos objetivos da organização.
Promover o atendimento aos clientes internos e externos da organização. Manter intercâmbio com outras
- 24 -
bibliotecas e centros de pesquisa. Executar qualquer outra atividade que, por sua natureza, esteja inserida no
âmbito de suas atribuições.
Analista Judiciário – Área Apoio Especializado – Especialidade Enfermagem
Supervisionar os procedimentos de enfermagem e realizá-los sempre que necessário. Gerenciar os recursos
materiais, equipamentos e instrumentos: controle de estoque e das condições de uso, esterilização,
desinfecção e limpeza. Efetuar o controle de medicamentos quanto a estoque, prazo de validade e guarda.
Supervisionar e prestar assistência de enfermagem em urgência e emergência e nos agravos à saúde.
Desenvolver atividades de gerenciamento de enfermagem e de recursos humanos. Participar em projetos
pertinentes a área de atuação, programas de educacionais. Elaborar relatórios e planos de trabalho e fornecer
dados estatísticos inerentes a área de atuação. Executar outras tarefas de acordo com a legislação de
enfermagem.
Analista Judiciário – Área Apoio Especializado – Especialidade Engenharia Civil
Realizar perícias, exames, vistorias, avaliações e estudos técnicos; coletar e analisar dados documentais e de
campo; prestar informações técnicas sob a forma de pareceres, laudos e relatórios, indicando a fundamentação
técnica, métodos e parâmetros aplicados; atuar em processos administrativos e judiciais como assistente
técnico; participar de eventos externos e reuniões técnicas quando determinado pela autoridade competente;
planejar, orientar, coordenar, fiscalizar e acompanhar a execução de projetos, obras e serviços técnicos;
prestar assessoria na contratação dos serviços relativos à área da Engenharia Civil; e assessorar
tecnicamente comissões, grupos e equipes de trabalho constituído pela autoridade competente.
Analista Judiciário – Área Apoio Especializado – Especialidade Engenharia Elétrica
Realizar perícias, exames, vistorias, avaliações e estudos técnicos; coletar e analisar dados documentais e de
campo; prestar informações técnicas sob a forma de pareceres, laudos e relatórios, indicando a fundamentação
técnica, métodos e parâmetros aplicados; atuar em processos administrativos e judiciais como assistente
técnico; participar de eventos externos e reuniões técnicas quando determinado pela autoridade competente;
planejar, orientar, coordenar, fiscalizar e acompanhar a execução de projetos, obras e serviços técnicos;
prestar assessoria na contratação dos serviços relativos à área de Engenharia Elétrica; e assessorar
tecnicamente comissões, grupos e equipes de trabalho constituído pela autoridade competente.
Analista Judiciário - Área Apoio Especializado – Especialidade História
Realizar atividades relacionadas com pesquisas historiográficas, preservação documental, produção de
conhecimento ligado ao processo histórico e à defesa do patrimônio histórico-cultural do Poder Judiciário;
guardar e preservar o patrimônio histórico documental e móvel; gerenciar as atividades de organização,
manutenção, segurança e conservação do acervo histórico, visando o funcionamento do Museu do Judiciário;
coletar estudo e pesquisa do acervo documental e móvel, visando a valorização da memória histórica judicial;
catalogar e preparar tecnicamente o material histórico destinado às exposições no Museu e à pesquisa
histórica em geral; prestar assessoria técnico-cultural ao Poder Judiciário e à comunidade, nos assuntos
relacionados ao acervo histórico; promover a divulgação da memória do Poder Judiciário. Desenvolver
pesquisas históricas que permitam subsidiar decisões, atividades e programas do Tribunal, em especial
aqueles relacionados com a gestão de documentos e a preservação e difusão da memória institucional; e
executar outras atividades correlatas.
Analista Judiciário - Área Apoio Especializado – Especialidade Jornalismo
Redigir e distribuir noticiário para veículos de comunicação social, registrar através de imagens e de sons,
interpretar, organizar, revisar, ditar informações e notícias a serem difundidas em todos os meios de
comunicação, expondo, analisando e comentando os acontecimentos; apurar, redigir e editar notícias e
informações da atualidade e outros textos de natureza comunicacional para divulgação pelas mídias
impressas, eletrônicas e on-line; revisar textos a serem publicados, atentando para as expressões utilizadas,
sintaxe, ortografia e pontuação, adequando a linguagem aos padrões gramaticais e de comunicação e
alertando o autor em relação a informações incoerentes, equivocadas ou mal formuladas; realizar a difusão oral
de acontecimentos ou entrevista pelo rádio ou Tv, no instante ou no local em que ocorram; selecionar, revisar,
preparar e distribuir matérias para publicação; pesquisar, colher e redigir notícias e informações de interesse
humano, artístico e científico, adaptando à linguagem jornalística; preparar roteiros para programas de rádio e
televisão, organizar e consultar arquivos e bancos de dados, procedendo à pesquisa das respectivas
informações para elaboração da noticia; captar e editar informações mo jornalismo on-line; fotografar e
participar da edição de material fotográfico; executar distribuição gráfica do texto, fotografia ou ilustração de
caráter jornalístico para fim de divulgação; zelar pela guarda, conservação, manutenção e limpeza dos
equipamentos, instrumentos e materiais utilizados, bem como do local de trabalho; manter-se atualizado em
relação às tendências e inovações tecnológicas de sua área de atuação e das necessidades do
setor/departamento; pesquisar, produzir e coordenar reportagens e programas de televisão. Elaborar pautas e
coordenar a equipe responsável pela sua realização; executar outras tarefas correlatas, conforme necessidade
ou a critério de seu superior.
- 25 -
Analista Judiciário – Área Apoio Especializado – Especialidade Medicina –Medicina do Trabalho
Realizar atendimento e acompanhamento médico na sua especialidade e em clínica geral, bem como
atendimento ambulatorial, visitas domiciliares e hospitalares, quando necessário; manter registros dos
pacientes em prontuário eletrônico; homologar atestados expedidos por médicos externos ao quadro;
encaminhar servidor para exames médicos ocupacionais com vistas a avaliação de capacidade laborativa;
formular quesitos periciais; examinar documentos médicos; realizar perícias, auditorias e sindicâncias
individualmente ou em junta médica; realizar exames admissionais; autorizar a utilização de medicamentos
básicos disponíveis no setor de saúde; prescrever imunização e ministrar tratamentos preventivos; propor a
aquisição de equipamentos e medicamentos; colaborar permanentemente na fiscalização das condições de
higiene e de segurança dos locais de trabalho; manter contato com órgãos competentes de reabilitação
profissional; prestar o primeiro atendimento médico em quaisquer situações emergenciais que ocorram nas
dependências das unidades ou cercanias; atuar na orientação e na educação em saúde, em seu nível de
especialização; coordenar programas e serviços de saúde; acompanhar plano terapêutico do usuário;
monitorar o estado de saúde de pacientes hospitalizados; implementar medidas de biossegurança, de
segurança e de proteção do trabalhador; realizar vistorias, perícias e avaliações, inclusive para fins de
concessão de adicionais de insalubridade, periculosidade, entre outros; vistoriar ambientes de trabalho,
equipamentos e instalações; estabelecer plano de ações em saúde; prescrever medidas higiênico dietéticas;
rastrear doenças prevalentes; promover ações de controle de vetores e zoonoses; avaliar e participar de
programa de controle médico de saúde ocupacional; participar de eventos externos e reuniões técnicas quando
determinado pela autoridade competente e assessorar tecnicamente comissões, grupos e equipes de trabalho
constituído pela autoridade competente; encaminhar servidores à Junta dica do Estado, nos casos
especificados na legislação e normas em vigor; prestar apoio técnico consultivo aos Magistrados e demais
operadores do direito, como Promotores, Procuradores e Defensores Públicos, objetivando auxiliá-los na
formação de um juízo de valor quanto a apreciação das questões clínicas apresentadas pela parte, tanto para
assistência à saúde blica, quanto para a suplementar, emitindo pareceres nos pleitos, quando necessários,
relativos ao fornecimento de próteses, órteses e remédios, realização de exames, deslocamentos de pacientes
para tratamento especializado, inclusive com acompanhante, observando-se as peculiaridades de cada caso,
devendo reservar os dias específicos para atendimento às demandas. Atuar em processos judiciais e
administrativos como assistente técnico.
Analista Judiciário – Área Apoio Especializado – Especialidade Medicina – Perícia Médica
Realizar atendimento e acompanhamento médico na sua especialidade e em clínica geral, bem como
atendimento ambulatorial, visitas domiciliares e hospitalares, quando necessário; manter registros dos
pacientes em prontuário eletrônico; homologar atestados expedidos por médicos externos ao quadro; prestar o
primeiro atendimento médico em quaisquer situações emergenciais que ocorram nas dependências das
unidades ou cercanias. Realizar perícias, exames, vistorias, avaliações e estudos técnicos, coletar e analisar
dados documentais e de campo; prestar informações técnicas sob a forma de pareceres, laudos e relatórios,
indicando a fundamentação técnica, métodos e parâmetros aplicados; participar de eventos externos e
reuniões técnicas quando determinado pela autoridade competente; e assessorar tecnicamente comissões,
grupos e equipes de trabalho constituído pela autoridade competente; encaminhar servidores à Junta Médica
do Estado, nos casos especificados na legislação e normas em vigor; prestar apoio técnico consultivo aos
Magistrados e demais operadores do direito, como Promotores, Procuradores e Defensores Públicos,
objetivando auxiliá-los na formação de um juízo de valor quanto a apreciação das questões médicas
apresentadas pelas partes, tanto para a assistência à saúde blica, quanto para a suplementar, emitindo
pareceres nos pleitos, quando necessários, relativos ao fornecimento de próteses, órteses, remédios,
realização de exames, deslocamentos de pacientes para tratamento especializado, inclusive com
acompanhante, observando-se as peculiaridades de cada caso, devendo reservar os dias específicos para
atendimento às demandas. Atuar em processos judiciais e administrativos como assistente técnico.
Analista Judiciário -– Área Apoio Especializado – Especialidade Medicina – Psiquiatria
Realizar atendimento e acompanhamento médico na sua especialidade e em clínica geral, bem como
atendimento ambulatorial, visitas domiciliares e hospitalares, quando necessário; manter registros dos
pacientes em prontuário eletrônico; homologar atestados expedidos por médicos externos ao quadro. Realizar
atendimento médico psiquiátrico, exame do estado mental e cognitivo. Dar suporte, quando solicitado, na
avaliação de internações involuntárias. Realizar quando solicitado perícia psiquiátrica e exame do estado
mental. Auxiliar na formulação de quesitos para perícia e participar de junta médica. Solicitar, analisar e realizar
exames clínicos e complementares; formular quesitos periciais; realizar perícias, auditoriais e sindicâncias
individualmente ou em junta médica; elaborar prontuários; realizar exames admissionais; realizar visitas
domiciliares e hospitalares; autorizar a utilização de medicamentos básicos disponíveis no setor de saúde;
ministrar tratamentos preventivos; propor a aquisição de equipamentos e medicamentos; manter contato com
órgãos competentes de reabilitação profissional; prestar o primeiro atendimento médico em quaisquer
situações emergenciais que ocorram nas dependências das unidades ou cercanias; atuar na orientação e na
educação em saúde, em seu nível de especialização; coordenar programas e serviços de saúde; acompanhar
- 26 -
plano terapêutico do usuário; monitorar o estado de saúde de pacientes hospitalizados, encaminhar servidores
à Junta dica do Estado, nos casos especificados na legislação e normas em vigor; prestar apoio técnico
consultivo aos Magistrados e demais operadores do direito, como Promotores, Procuradores e Defensores
Públicos, objetivando auxiliá-los na formação de um juízo de valor quanto a apreciação das questões clínicas
apresentadas pela parte, tanto para a assistência à saúde pública, quanto para a suplementar, emitindo
pareceres nos pleitos, quando necessários, relativos ao fornecimento de próteses, órteses e remédios,
realização de exames, deslocamentos de pacientes para tratamento especializado, inclusive com
acompanhante, observando-se as peculiaridades de cada caso, devendo reservar os dias específicos para
atendimento às demandas. Atuar em processos judiciais e administrativos como assistente técnico.
Analista Judiciário – Área Apoio Especializado – Especialidade Museologia
Planejar, organizar, administrar, dirigir e supervisionar o museu do judiciário; solicitar o tombamento de bens
culturais e o seu registro em instrumento específico; coletar, conservar, preservar e divulgar o acervo
museológico. Planejar e executar serviços de identificação, classificação e cadastramento de bens culturais.
Promover estudos e pesquisas sobre acervos museológicos; definir o espaço museológico adequado à
apresentação e guarda das coleções; orientar a realização de seminários, colóquios, concursos, exposições de
âmbito nacional ou internacional, e de outras atividades de caráter museológico, bem como nelas fazer-se
representar.
Analista Judiciário – Área Apoio Especializado – Especialidade Psicologia
Utilizar métodos e técnicas psicológicas com o objetivo de efetuar diagnósticos, acompanhamentos,
avaliações, tratamentos, consultas, aconselhamentos, orientação e seleção profissional, orientação
psicopedagógica, solução de problemas de ajustamento, realização de perícias e demais atividades inerentes
ao exercício da profissão no âmbito de atendimento aos magistrados e serventuários, bem como ao
jurisdicionado do Poder Judiciário do Amapá, além de digitar seus pareceres.
Analista Judiciário – Área Apoio Especializado – Especialidade Revisão de Texto
Analisar as informações para inteirar-se do conteúdo do texto; reelaborar os textos, dando-lhes forma e
modalidade linguística adequada ao padrão oficial; trabalhar na revisão de textos produzidos nas diversas
unidades gerenciais; reler os textos, atentando para as expressões utilizadas, sintaxe, ortografia e pontuação,
para assegurar-lhes correção, clareza, concisão e harmonia; executar outras tarefas de mesma natureza e
nível de complexidade; revisar textos de divulgação institucional por meio da TV, rádio, jornais, redes sociais e
comunicativos; executar outras atividades correlatas e afins.
Analista Judiciário – Área Apoio Especializado – Especialidade Serviço Social
Realizar atividades de nível superior, a fim de prevenir ou minimizar dificuldades de natureza biopsicossocial
que possam afetar ou estejam afetando magistrados, servidores, inativos, pensionistas e/ou seus dependentes.
Compreende a identificação e a análise de aspectos que possam interferir/estejam interferindo no bem-estar
dos indivíduos ou da coletividade, como também a proposição de soluções e envolve a realização de visitas
domiciliares/institucionais, entrevistas e pesquisas, a elaboração de projetos para concessão de benefícios
sociais, a organização de atividades de promoção social e a participação em programas para promoção da
saúde, entre outras atividades de mesma natureza e grau de complexidade; proceder a perícias em ações
judiciais que necessitem de conhecimento técnico-profissional dos Juízos das Varas de Família, Órfãos e
Sucessões, da Infância e da Juventude, de Mediação e Conciliação, dos Juizados Especiais, Núcleo de
Atendimento à Mulher, Vara de Penas Alternativas, as Comarcas Interioranas e Justiça Itinerante Terrestre e
Fluvial de todas as Comarcas; proceder a avaliação psicossocial de candidatos ao Comissariado Voluntário
dos Juízos das Varas da Infância e da Juventude do Poder Judiciário; proceder avaliação psicossocial de
candidatos a jurado de Tribunal do Júri; proceder avaliação psicossocial e acompanhamento de reeducandos
em sentença penal condenatória em aconselhamentos, orientação e seleção profissional, orientação
psicopedagógica, solução de problemas de ajustamento, realização de perícias e demais atividades inerentes
ao exercício da profissão no âmbito de atendimento aos magistrados e serventuários, bem como ao
jurisdicionado do Poder Judiciário do Amapá, além de digitar seus pareceres.
Analista Judiciário – Área Apoio Especializado – Especialidade Taquigrafia
Taquigrafar os votos proferidos nas sessões jurisdicionais, transcrever as notas taquigráficas, executar a
degravação das sessões administrativas, realizar outros trabalhos taquigráficos e transcrevê-los, quando
determinado pela autoridade competente, observando fidelidade absoluta na reprodução das notas
taquigráficas, utilizando, quando necessário ou conveniente, sistema de gravação, para acompanhar o registro
taquigráfico; e executar tarefas relacionadas às atividades desempenhadas pela unidade de lotação;
taquigrafar relatórios, debates e votos orais, bem como outros pronunciamentos feitos durante sessões de
julgamentos, solenidades e conferências; fazer a tradução do apanhamento; solicitar dos magistrados e outros,
quando for o caso, os votos e documentos lidos, para os respectivos encaixes; catalogar e arquivar,
cronologicamente, os originais dos apanhamentos taquigráficos e os registros fonográficos das sessões; digitar
- 27 -
e/ou datilografar matéria relacionada com a sua área de atuação; executar atividades afins identificadas pelo
superior imediato, bem como as demais atribuições previstas em lei ou regulamento.
Analista Judiciário Área Apoio Especializado Especialidade Tecnologia da Informação
Administração em Rede de Computadores
Realizar atividades de nível superior que envolva o projeto de redes de computadores, definindo a topologia e a
configuração necessária; a avaliação, especificação e dimensionamento dos recursos de comunicação de
dados; a instalação, customização e manutenção dos recursos de rede; a análise de utilização e do
desempenho das redes de computadores, identificando os problemas e promovendo as correções no ambiente
operacional; o planejamento da evolução da rede, visando a melhoria na qualidade dos serviços; a prestação
do suporte técnico e de consultoria relativamente à aquisição, à implantação e ao uso adequados dos recursos
de rede; a avaliação e especificação das necessidades de hardware e software básico e de apoio; a
configuração de ambientes operacionais; a instalação, customização e manutenção de software básico e de
apoio; a análise do desempenho do ambiente operacional, efetuando as adequações necessárias; a análise da
utilização dos recursos de software e hardware e o planejamento da evolução do ambiente, visando a melhoria
na qualidade do serviço; a prestação de consultoria e suporte técnico relativamente à aquisição, implantação e
uso adequado dos recursos de hardware e software; a prospecção, análise e implementação de novos
recursos de hardware, software e rede, visando a sua utilização na organização; a análise da viabilidade de
instalação de novas aplicações no ambiente operacional da organização, objetivando manter o padrão de
desempenho de serviços implantados; o desenvolvimento de sistemáticas, estudos, normas, procedimentos e
padronização das características técnicas, visando a melhoria da segurança e dos serviços prestados; a
elaboração de especificações técnicas de bens e serviços de tecnologia da informação relacionados a sua área
de atuação; realizar atividades que envolvam governança em tecnologia da informação, gerenciamento de
serviços e gerenciamento de projetos; utilizando conceitos de ITIL, COBIT e PMBOK; gestão de contratos com
fornecedores de bens e serviços de tecnologia da informação; a realização de atividades que exijam
conhecimentos específicos e aprofundados de informática; outras de mesma natureza e grau de complexidade
que venham a ser determinadas pela autoridade
Analista Judiciário Área Apoio Especializado Especialidade Tecnologia da Informação Banco de
Dados – DBA
Criar os ambientes de banco de dados com participação no projeto dos sistemas de informações a serem
utilizados pela organização a fim de integrá-los ao banco de dados corporativo; estabelecer de políticas de uso
dos ambientes de banco de dados em conjunto com o Administrador do Sistema; apoiar às equipes de
desenvolvimento na modelagem de dados (auxiliar as equipes de desenvolvimento na fase de refinamento final
do modelo conceitual de dados dos sistemas em desenvolvimento); apoiar às equipes de desenvolvimento na
implantação ou manutenção de sistemas fazendo a otimização de códigos de acesso ao banco e criar índices e
visões para melhorar o desempenho das aplicações; estabelecer critérios e parâmetros para a instalação de
programas clientes, fornecendo ao setor da Equipe de Suporte responsável pela instalação dos programas, os
procedimentos para sua instalação, verificação e teste; estabelecer das políticas para assegurar a
disponibilidade do banco e evitar a perda de informações, definindo normas para os procedimentos de backup
e restauração e para paradas do banco de dados para manutenção preventiva; garantir a segurança física do
banco de dados; garantir a segurança lógica do banco de dados assessorando as equipes de desenvolvimento,
e vetando práticas que possam por em risco a consistência do banco ou provocar o seu crescimento
desmesurado; estabelecer de políticas de replicação de dados em conjunto pelo DBA e pelos responsáveis
pelas equipes de desenvolvimento; monitorar permanentemente o banco, reorganizando as tabelas e ajustando
os parâmetros do DBMS às novas necessidades; avaliar da aquisição de SGBDs ou a atualização de versão
do sistema existente estando atento para evitar a defasagem tecnológica dos produtos contratados; apresentar
relatórios semestrais das atividades para análise; planejar e organizar qualificação, capacitação e treinamento
dos técnicos e demais servidores lotados no órgão em que atua e demais campos da Administração Municipal
quando solicitado; analisar a infraestrutura/Capacity-planning e executar o acompanhamento junto aos clientes;
apoiar tecnicamente a equipe de desenvolvimento de sistemas; apoiar/acompanhar na definição do modelo
lógico; conhecer sistemas de apoio à decisão, desenvolvimento de procedures, views, triggers e functions;
projetos de tuning e performance aplicacional; controle de acesso e atribuição de privilégios; definição de
STORAGE de tabelas e índices, modelo de dados, projeto físico e particionamento de tabelas; dimensionar e
criar banco de dados; documentar banco de dados; elaborar procedimentos SQL e package; instalar, configurar
e implementar ambientes de alta disponibilidade; instalar correções no SGBD; administrar banco de dados;
utilizar a linguagem SQL padrão ANSI; desenvolver scripting básicos e avançados; criar rotinas de carga e
conversão de dados; implementar e administrar rotinas de backup/restore; administrar banco de dados
PostgreSQL; criar rotinas de cargas e conversão de dados; instalar, configurar e implementar ambientes de alta
disponibilidade; trabalhar com infraestruturas de T.I.; analisar e promover ajustes nas estruturas de dados.
- 28 -
Analista Judiciário Área Apoio Especializado Especialidade Tecnologia da Informação
Desenvolvimento de Sistemas
Desenvolver sistemas e aplicações, a partir das solicitações recebidas da área de analise e arquitetos; projetar
o sistema e aplicação, através das informações fornecidas pela área de analise e arquitetura de sistemas,
desenvolvendo o layout de telas e relatórios, definindo os critérios ergonômicos, de navegação, interface de
comunicação e interatividade, elaborando os croquis e desenhos para a geração do programa; determinar
quais os recursos necessários para o desenvolvimento do sistema e aplicação, selecionando as metodologias,
ferramentas de desenvolvimento, especificando configurações de maquinas, equipamentos, acessórios e
suprimentos; efetuar o desenvolvimento da interface gráfica, codificando programas, provendo sistemas de
rotinas de segurança, efetuando testes, gerando aplicativos para instalação e gerenciamento de sistemas;
documentar manter a atualização de toda a estrutura desenvolvida do sistema e aplicações, visando a
atualização de todos os envolvidos no desenvolvimento; monitorar o desempenho e performance dos sistemas
e aplicações desenvolvidas, oferecendo o suporte técnico quando necessários; realizar a manutenção de
sistemas e aplicações, alterando sistemas e aplicações, estrutura de armazenamento de dados, atualizando
informações gráficas e textuais, convertendo sistemas e aplicações para outras linguagens ou plataformas;
encaminhar para a área de testes, para efetuar a verificação final e validação do sistema e aplicação; identificar
e acompanhar as demandas de mercado em relação a sistemas e aplicativos, visando manter a empresa
atualizada em relação ao mercado; projetar o sistema e aplicação, coletando dados necessários para o
desenvolvimento do projeto, desenvolvendo layout de telas e relatórios, elaborando a estrutura física, lógica e
gráfica, definindo a interface de comunicação e interatividade, elaborando croquis e desenhos dos sistemas e
aplicações e modelando a estrutura de banco de dados.
Analista Judiciário Área Apoio Especializado Especialidade Tecnologia da Informação Segurança
da Informação
Realizar atividades de nível superior que envolva segurança da informação, desenvolver políticas de
segurança, desenvolver projetos de redes de computadores, definindo a topologia e a configuração necessária
para garantir a segurança; realizar auditorias, perícias judiciais ou não; elaborar projetos e pareceres sobre
matéria de sua área de competência; supervisionar, fiscalizar e desempenhar atividades técnicas na sua área
de competência e em suas especializações; prestar serviços de consultoria na sua especialidade; avaliação,
especificação e dimensionamento dos recursos de comunicação de dados; avaliar e especificar ferramentas de
antivírus, bem como manter as ferramentas atualizadas, garantindo a segurança das redes de computadores;
estudos e especificações para implementação de sistemas de detecção de intrusos; avaliação, estudos e
especificações para implementação de soluções de firewalls para garantir o controle e segurança das
informações que trafegam nas redes; prover, implementar e manter soluções que garantam a integridade,
confidencialidade e disponibilidade das informações; implementar rotinas de backup e teste de restore;
Avaliação, especificação, instalação, customização e manutenção dos recursos de rede; a análise de utilização
e do desempenho das redes de computadores, identificando os problemas e promovendo as correções no
ambiente operacional; o planejamento da evolução da rede, visando a melhoria na qualidade dos serviços; a
prestação do suporte técnico e de consultoria relativamente à aquisição, à implantação e ao uso adequados
dos recursos de rede; a avaliação e especificação das necessidades de hardware, softwares e ferramentas
necessárias para segurança da informação; a configuração de ambientes operacionais; a instalação,
customização e manutenção de software básico e de apoio; a análise do desempenho do ambiente
operacional, efetuando as adequações necessárias; a análise da utilização dos recursos de software e
hardware e o planejamento da evolução do ambiente, visando a melhoria na qualidade do serviço; a prestação
de consultoria e suporte técnico relativamente à aquisição, implantação e uso adequado dos recursos de
hardware e software; a prospecção, análise e implementação de novos recursos de hardware, software e rede,
visando a sua utilização na organização; a análise da viabilidade de instalação de novas aplicações no
ambiente operacional da organização, objetivando manter o padrão de desempenho de serviços implantados; o
desenvolvimento de sistemáticas, estudos, normas, procedimentos e padronização das características
técnicas, visando a melhoria da segurança e dos serviços prestados; a elaboração de especificações técnicas
de bens e serviços de tecnologia da informação relacionados a sua área de atuação; a gestão de contratos
com fornecedores de bens e serviços de tecnologia da informação; realizar atividades que envolvam
governança em tecnologia da informação, utilizando conceitos de ITIL, COBIT e PMBOK; realização de
atividades que exijam conhecimentos específicos e aprofundados de segurança da informação; outras de
mesma natureza e grau de complexidade que venham a ser determinadas pela autoridade superior.
Analista Judiciário Área Apoio Especializado Especialidade Tecnologia da Informação
Telecomunicações
Realizar atividades de nível superior que envolva projetos de telecomunicações, voip, fibras ópticas, links de
satélites, links de rádio, backbones, telefonia fixa, telefonia móvel, links de Internet, definindo a topologia e a
configuração necessária; a avaliação, especificação e dimensionamento dos recursos de comunicação de
dados e voz; a instalação, customização e manutenção dos recursos de telecomunicações; a análise de
utilização e do desempenho das redes e links de dados, identificando os problemas e promovendo as
- 29 -
correções no ambiente operacional; o planejamento da evolução das redes e link de dados, visando a melhoria
na qualidade dos serviços; a prestação do suporte técnico e de consultoria relativamente à aquisição, à
implantação e ao uso adequados dos recursos de telecomunicações; a avaliação e especificação das
necessidades de hardware e software básico e de apoio; a configuração de ambientes operacionais; a
instalação, customização e manutenção de softwares e de apoio; a análise do desempenho do ambiente
operacional, efetuando as adequações necessárias; a análise da utilização dos recursos de software e
hardware e o planejamento da evolução do ambiente, visando a melhoria na qualidade do serviço; a prestação
de consultoria e suporte técnico relativamente à aquisição, implantação e uso adequado dos recursos de
hardware e software; a prospecção, análise e implementação de novos recursos de hardware, software,
visando a sua utilização na organização; a análise da viabilidade de instalação de novas aplicações no
ambiente operacional da organização, objetivando manter o padrão de desempenho de serviços implantados; o
desenvolvimento de sistemáticas, estudos, normas, procedimentos e padronização das características
técnicas, visando a melhoria da segurança e dos serviços prestados em telecomunicações; realizar atividades
que envolvam governança em tecnologia da informação, utilizando conceitos de ITIL, COBIT e PMBOK;
elaboração de especificações técnicas de bens e serviços de tecnologia da informação relacionados a sua área
de atuação; a gestão de contratos com fornecedores de bens e serviços de tecnologia da informação; a
realização de atividades que exijam conhecimentos específicos e aprofundados de informática; outras de
mesma natureza e grau de complexidade que venham a ser determinadas pela autoridade superior.
Técnico Judiciário – Área Judiciária e Administrativa
Na área judiciária, incumbe executar os serviços de expediente, servir nas audiências, elaborar e digitar pautas
de publicação, entre outras atividades de mesma natureza e grau de complexidade que lhe forem cometidas
pelo titular da serventia. Na área administrativa, desenvolver atividades em geral dos órgãos onde estiverem
lotados, incluindo digitação, andamento de feitos, a elaboração de certidões e relatórios, indexação de
documentos e o atendimento ao público, entre outras atividades que lhe forem cometidas pelo superior
hierárquico.
- 30 -
ANEXO II
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
Observação: Considerar-se-á a legislação vigente até a data da publicação do Edital de Abertura das
Inscrições.
PARA OS CARGOS DE ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA JUDICIÁRIA E ADMINISTRATIVA E ANALISTA
JUDICIÁRIO – ÁREA APOIO ESPECIALIZADO – ESPECIALIDADE EXECUÇÃO DE MANDADOS
CONHECIMENTOS GERAIS
Língua Portuguesa
1 Ortografia oficial. 2 Acentuação gráfica. 3 Pronomes: emprego, formas de tratamento e colocação. 4
Conjunção. 5 Emprego de tempos e modos verbais. 6 Vozes do verbo. 7 Concordância nominal e verbal. 8
Flexão nominal e verbal. 9 Regência nominal e verbal. 10 Ocorrência de crase. 11 Pontuação. 12 Redação:
confronto e reconhecimento de frases corretas e incorretas. 13 Intelecção de texto.
Raciocínio Lógico-Matemático
1 Raciocínio lógico-matemático: Estrutura lógica de relações arbitrárias entre pessoas, lugares, objetos ou
eventos fictícios; deduzir novas informações das relações fornecidas e avaliar as condições usadas para
estabelecer a estrutura daquelas relações. 2 Compreensão e elaboração da lógica das situações por meio de:
raciocínio verbal, raciocínio matemático, raciocínio sequencial, orientação espacial e temporal, formação de
conceitos, discriminação de elementos. 3 Compreensão do processo lógico que, a partir de um conjunto de
hipóteses, conduz, de forma válida, a conclusões determinadas.
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
Direito Constitucional
1 Princípios fundamentais constitucionais. 2 Da aplicabilidade e interpretação das normas constitucionais:
vigência e eficácia das normas constitucionais. 3 Controle de constitucionalidade: sistemas difuso e
concentrado; ação direta de inconstitucionalidade; ação declaratória de constitucionalidade e arguição de
descumprimento de preceito fundamental. 4 Dos direitos e garantias fundamentais: dos direitos e deveres
individuais e coletivos; dos direitos sociais; dos direitos de nacionalidade; dos direitos políticos. 5 Da
organização político-administrativa: das competências da União, Estados e Municípios. 6 Da Administração
Pública: disposições gerais; dos servidores públicos. 7 Da organização dos Poderes. 8 Do Poder Executivo:
das atribuições e responsabilidades do presidente da república. 9 Do Poder Legislativo: da fiscalização
contábil, financeira e orçamentária. 10 Do Poder Judiciário: disposições gerais; do Supremo Tribunal Federal;
do Superior Tribunal de Justiça; dos Tribunais Regionais Federais e dos Juízes Federais; dos Tribunais e
Juízes do Trabalho; dos Tribunais e Juízes dos Estados. 11 Das funções essenciais à Justiça: do Ministério
Público; da Advocacia Pública: da Advocacia e da Defensoria Públicas.
Direito Administrativo
1 Princípios da Administração pública. 2 Poderes administrativos: poder normativo, disciplinar e hierárquico;
poder de polícia; uso e abuso do poder. 3 Serviços Públicos: conceito e princípios; delegação: concessão,
permissão e autorização. 4 Ato administrativo: conceito, requisitos e atributos; anulação, revogação e
convalidação; elementos; discricionariedade e vinculação. 5 Organização administrativa: administração direta e
indireta; centralizada e descentralizada; autarquias, fundações, empresas públicas e sociedades de economia
mista. 6 Órgãos públicos: conceito, natureza e classificação. 7 Servidores públicos: cargo, emprego e função
públicos. 8 Contratos. 9 Controle Externo e Controle Interno da Administração: controle administrativo; controle
judicial; controle legislativo; responsabilidade civil do Estado. 10 Improbidade administrativa (Lei
8.429/1992). Lei 066/93 e alterações posteriores, Regimento Interno do TJAP e Decreto nº 069/91 (Lei da
Organização Judiciária do TJAP).
Direito Civil
1. Lei. 2. Eficácia da lei. 3. Aplicação da lei no tempo e no espaço. 4. Interpretação da lei. 5. Lei de Introdução
às normas do Direito Brasileiro. 6. Das Pessoas Naturais: Da Personalidade e Da Capacidade; Dos Direitos da
Personalidade. 7. Das pessoas jurídicas. 8. Domicílio Civil. 9. Bens. 10. Dos Fatos Jurídicos: Dos negócios
jurídicos; Dos atos jurídicos lícitos; Dos Atos Ilícitos. 11. Prescrição e decadência. 12. Dos Direitos das
Obrigações. 13. Da Responsabilidade Civil. 14. Do Penhor, Da Hipoteca e Da Anticrese. 15 Dos Contratos: Das
Disposições Gerais; Da Compra e Venda; Da Prestação de Serviço; Do Mandato; Da Transação. Da
Empreitada.
- 31 -
Direito Processual Civil
1 Da jurisdição e da ação: conceito, natureza e características; das condições da ação. 2 Das partes e
procuradores: da capacidade processual e postulatória; dos deveres e da substituição das partes e
procuradores. 3 Do litisconsórcio e da assistência. 4 Da intervenção de terceiros: oposição, nomeação à
autoria, denunciação à lide e chamamento ao processo. 5 Do Ministério Público. 6 Da competência: em razão
do valor e da matéria; competência funcional e territorial; modificações de competência e declaração de
incompetência. 7 Do Juiz. 8 Dos atos processuais: da forma dos atos; dos prazos; da comunicação dos atos;
das nulidades. 9 Da formação, suspensão e extinção do processo. 10 Do processo e do procedimento: dos
procedimentos ordinário e sumário. 11 Do procedimento ordinário: da petição inicial: requisitos, pedido e
indeferimento. 12 Da resposta do réu: contestação, exceções e reconvenção. 13 Da revelia. 14 Do julgamento
conforme o estado do processo. 15 Das provas: ônus da prova; depoimento pessoal; confissão; provas
documental e testemunhal. 16 Da audiência: da conciliação e da instrução e julgamento. 17 Da sentença e da
coisa julgada. 18 Da liquidação e do cumprimento da sentença. 19 Da ação rescisória. 20 Dos recursos: das
disposições gerais. 21 Do processo de execução: da execução em geral; das diversas espécies de execução:
execução para entrega de coisa, execução das obrigações de fazer e de o fazer. 22 Dos embargos do
devedor. 23 Da execução por quantia certa contra devedor solvente. 24 Da remição. 25 Da suspensão e
extinção do processo de execução. 26 Do processo cautelar: das medidas cautelares; das disposições gerais;
dos procedimentos cautelares específicos: arresto, sequestro, busca e apreensão, exibição e produção
antecipada de provas. 27 Dos procedimentos especiais: ação de consignação em pagamento; embargos de
terceiro; ação monitória. 28 Informatização do Processo Judicial (Lei nº 11.419/2006).
Direito Penal
Princípios de Direito Penal. Da aplicação da lei penal. Do Crime. Excludentes de ilicitude. Da imputabilidade
penal. Do concurso de pessoas. Das Penas: Das espécies de pena; Da cominação das penas; Dos efeitos da
condenação. Da Ação penal. Da extinção da punibilidade. Dos crimes contra a fé pública: Da falsidade
documental. Dos crimes contra a Administração Pública: Dos crimes praticados por funcionário público contra a
administração em geral; Dos crimes praticados por particular contra a administração em geral; Dos crimes
contra a administração da Justiça. Abuso de autoridade (Lei 4.898/1965). Dos crimes contra a honra.
Imunidade penal do parlamentar.
Direito Processual Penal
Princípios gerais: aplicação da lei processual no tempo, no espaço em relação às pessoas; sujeitos da relação
processual. Do Inquérito policial. Da ação penal. Da competência. Da prova: Do exame de corpo de delito e
das perícias em geral; Do interrogatório do acusado; Das testemunhas; Dos documentos; Da busca e da
apreensão. Do Juiz, do Ministério Público, Do acusado e defensor, dos Assistentes e Auxiliares da Justiça. Das
espécies de prisão e da liberdade provisória. Das citações e intimações. Da sentença. Das nulidades. Dos
recursos em geral: disposições gerais; do recurso em sentido estrito; da apelação; do habeas corpus e seu
processo. Dos Juizados Especiais Criminais (Lei 9.099/1995 e alterações posteriores e Lei nº 10.259/2001 e
alterações posteriores). Súmulas do STJ e do STF.
PARA OS CARGOS DE ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA ADMINISTRATIVA ESPECIALIDADE
ADMINISTRAÇÃO, ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA APOIO ESPECIALIZADO ESPECIALIDADE
ARQUITETURA, ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA APOIO ESPECIALIZADO ESPECIALIDADE
ARQUIVOLOGIA, ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA APOIO ESPECIALIZADO ESPECIALIDADE
CONTABILIDADE, ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA APOIO ESPECIALIZADO ESPECIALIDADE
BIBLIOTECONOMIA/DOCUMENTAÇÃO, ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA APOIO ESPECIALIZADO
ESPECIALIDADE ENFERMAGEM, ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA APOIO ESPECIALIZADO
ESPECIALIDADE ENGENHARIA CIVIL, ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA APOIO ESPECIALIZADO
ESPECIALIDADE ENGENHARIA ELÉTRICA, ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA APOIO ESPECIALIZADO
ESPECIALIDADE HISTÓRIA, ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA APOIO ESPECIALIZADO
ESPECIALIDADE JORNALISMO, ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA APOIO ESPECIALIZADO
ESPECIALIDADE MEDICINA MÉDICO DO TRABALHO, ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA APOIO
ESPECIALIZADO ESPECIALIDADE MEDICINA - PERÍCIA MÉDICA, ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA
APOIO ESPECIALIZADO ESPECIALIDADE MEDICINA – PSIQUIATRIA, ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA
APOIO ESPECIALIZADO – ESPECIALIDADE MUSEOLOGIA, ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA APOIO
ESPECIALIZADO ESPECIALIDADE PSICOLOGIA, ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA APOIO
ESPECIALIZADO ESPECIALIDADE SERVIÇO SOCIAL, ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA APOIO
ESPECIALIZADO ESPECIALIDADE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM REDE DE
COMPUTADORES, ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA APOIO ESPECIALIZADO ESPECIALIDADE
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO BANCO DE DADOS DBA, ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA APOIO
ESPECIALIZADO ESPECIALIDADE TECNOLOGIA DA INFORMÃO DESENVOLVIMENTO DE
SISTEMAS, ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA APOIO ESPECIALIZADO ESPECIALIDADE TECNOLOGIA
DA INFORMAÇÃO SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO, ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA APOIO
ESPECIALIZADO – ESPECIALIDADE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO – TELECOMUNICAÇÕES
- 32 -
CONHECIMENTOS GERAIS
Língua Portuguesa
1 Ortografia oficial. 2 Acentuação gráfica. 3 Pronomes: emprego, formas de tratamento e colocação. 4
Conjunção. 5 Emprego de tempos e modos verbais. 6 Vozes do verbo. 7 Concordância nominal e verbal. 8
Flexão nominal e verbal. 9 Regência nominal e verbal. 10 Ocorrência de crase. 11 Pontuação. 12 Redação:
confronto e reconhecimento de frases corretas e incorretas. 13 Intelecção de texto.
Noções de Direito Constitucional
Constituição: princípios fundamentais. Da aplicabilidade das normas constitucionais: normas de eficácia plena,
contida e limitada; normas programáticas. Dos direitos e garantias fundamentais: dos direitos e deveres
individuais e coletivos; dos direitos sociais; dos direitos de nacionalidade; dos direitos políticos. Da organização
político-administrativa: das competências da União, Estados e Municípios. Da Administração blica:
disposições gerais; dos servidores públicos. Do Poder Executivo: das atribuições e responsabilidades do
Presidente da República. Do Poder Legislativo: da fiscalização contábil, financeira e orçamentária. Do Poder
Judiciário: disposições gerais; do Supremo Tribunal Federal; do Superior Tribunal de Justiça; dos Tribunais
Regionais Federais e dos Juízes Federais; dos Tribunais e Juízes do Trabalho. Das funções essenciais à
Justiça: do Ministério Público; da Advocacia Pública; da Advocacia e da Defensoria Pública. Lei 066/93 e
alterações posteriores e Decreto nº 069/91 (Lei da Organização Judiciária do TJAP).
Noções de Direito Administrativo
Administração pública: princípios básicos. Poderes administrativos: poder hierárquico e poder disciplinar.
Serviços Públicos: conceito e princípios. Ato administrativo: conceito, requisitos e atributos; anulação,
revogação e convalidação; discricionariedade e vinculação. Licitações e Contratos administrativos: Lei
8.666/93: Conceito, finalidade, princípios, objeto, obrigatoriedade, dispensa, inexigibilidade e vedações,
modalidades, procedimentos, anulação e revogação, sanções, pregão presencial e eletrônico, sistema de
registro de preços. Lei 10.520/2002. Características do contrato administrativo. Formalização e fiscalização
do contrato. Aspectos orçamentários e financeiros da execução do contrato. Sanção administrativa. Equilíbrio
econômico-financeiro. Garantia