Administração Abordagens da Administração Novas Abordagens da Administração

Michael E. Porter em A vantagem competitiva das nações faz uma pergunta que considera central: Por que empresas baseadas em determinadas nações alcançam sucesso internacional em segmentos e indústrias distintas? Porter busca a vantagem competitiva das nações e um dos porquês decorre do fato de que:

  • A.

    embora a propriedade de empresas esteja, com freqüência, concentrada na sede, a nacionalidade dos acionistas é fonte de extremos cuidados. Por evidência, não pode haver limitações, nem preferências por tal ou qual nacionalidade, mas a vantagem competitiva tem de ser mantida e aí residem táticas e estratégias na manutenção da excelência empresarial, devido à possibilidade de algum tipo de enfrentamento econômico e mesmo enfrentamento político.

  • B.

    os líderes em determinadas indústrias e segmentos de indústrias tendem a internacionalizar e globalizar as suas ações, praticamente, transcendendo as suas ações, ou seja, tornando até mesmo difícil identificar qual seria a “nacionalidade” do país de tal ou qual indústria. Assim, com presença significativa de forma globalizada, mais fácil será manter vantagens competitivas.

  • C.

    a formação de verdadeiras alianças é quase inexistente, embora a divulgação leve a essa consideração. A formação de alianças é muitas vezes um instrumento apenas de divulgação de boas intenções e não tanto mais. Na eventualidade de crises em negócios, as alianças praticamente desaparecem e aí surgem as origens do quadro caótico.

  • D.

    diferenças nas estruturas econômicas, valores, culturas, instituições e histórias nacionais não contribuem positivamente para o sucesso competitivo, para a vantagem competitiva. Assim, a internacionalização e globalização de ações geram por parte dos “forasteiros” cuidados na incorporação de valores, culturas que não podem trazer dificuldades na busca e manutenção de vantagens competitivas.

  • E.

    os líderes em determinadas indústrias e segmentos de indústrias tendem a concentrar-se numas poucas nações e manter a vantagem competitiva por muitas décadas.