Administração

Geralmente a análise da distribuição do trabalho é efetuada com base em quatro blocos: tempo, capacidade profissional, equilíbrio no volume de trabalho e possibilidades preliminares de mudança. No que se refere ao tempo, a questão:
  • A. “A eliminação ou criação de um serviço ou atividade pode ser considerada como racionalizadora da distribuição do trabalho?” considera o fato de que, muitas vezes, é possível juntar dois serviços num só ou criar dois serviços onde havia apenas um.
  • B. “É possível subdividir ou mesmo agrupar serviços ou atividades?” leva o gerente ou a equipe a considerar se o tempo despendido é compatível ou não com o funcionamento global da unidade, naturalmente tendo maior cuidado de análise dos tempos extremos.
  • C. “São essas atividades ou serviços as que devem tomar mais tempo?” se refere a questionar se o tempo justifica o resultado final da atividade ou serviço, devendo-se salientar que “tomar mais tempo” não significa ser mais importante, pois não há relação entre tempo e importância de uma atividade ou serviço.
  • D. “Que atividades ou serviços absorvem mais tempo?” é importante, pois a análise não deve cingir-se apenas a aspectos internos da unidade, apesar de ser grande a probabilidade de que as deficiências existam no interior da unidade, as frações organizacionais atuam de forma sistêmica, interagindo umas com as outras.
  • E. “O tempo despendido pelas várias atividades ou serviços depende integralmente do esforço interno ou há interferência de outras unidades fora da análise?” leva o gerente ou a equipe a considerar se o tempo despendido é compatível ou não com o funcionamento global da unidade, naturalmente tendo maior cuidado de análise dos tempos extremos.