Administração

Um grande desafio percebido para as Organizações está no processo de compartilhamento de conhecimento no trabalho. As organizações devem criar as condições que permitam fomentar o conhecimento entre seus colaboradores de forma dinâmica, e estimulá-los a valores coletivistas orientados para o conhecimento. Considere que você esteja incumbido pelo CEMADEN a criar um conjunto de medidas para que este compartilhamento ocorra. Dentre as alternativas abaixo, aponte para aquela que não contribuiria o alcance de sua incumbência:
  • A. o desenvolvimento de competências internas é necessário por possibilitar a promoção das qualificações mais diversificadas que, se transmitidas conjuntamente por um amplo conjunto de instrumentos, tais como bases de dados, estudos, relatórios, informações diversas e conhecimentos, possibilitam processos de conversão mais dinâmicos e aprendizados mais coletivistas.
  • B. o incentivo à competição entre os colaboradores poderá ser um importante instrumento. Tal incentivo aumenta o interesse do colaborador em aumentar a sua produtividade e tal atitude traz benefícios de externalidades positivas para as organizações.
  • C. a criação de ambientes que estimulem a criatividade, com o favorecimento de momentos para trocas mais dinâmicas de conhecimentos, sejam eles tácitos ou explícitos, mas sempre de forma articulada, intencional, sistematizada e inventiva, tal qual uma espiral em movimentos amplos irrestritos.
  • D. nova forma de gerenciamento com pessoas. Não basta apenas investir em qualificação, é necessário investir também na promoção de mudanças de atitudes no sentido do desenvolvimento de recursos humanos com maior grau de responsabilização, orientados tanto para uma crescente autonomia quanto para liberdade de ação, já que isso pressupõe mais espaço para a criatividade.
  • E. vencer o desafio por uma linguagem facilitada e de signos facilmente partilháveis é um dos grandes desafios na gestão adequada de pessoas para ampliação do compartilhamento de conhecimentos, isto porque, em uma mesma organização, o significado expresso por uma pessoa nunca é o mesmo daquele que a outra pessoa recebe. O que acaba por ser um óbice no processo de comunicação, gerar desconforto e minar outras estratégias paralelas como planos de remuneração e comprometimento organizacional.