Nos anos 80 do século passado, Roberto DaMatta, em um artigo que se tornou famoso – A fábula das três raças –, utilizando-se fartamente do estruturalismo e das categorias de Dumont, procura explicar "o racismo à brasileira" como uma construção cultural ímpar e específica. Acerca dessa teoria, julgue os itens subsequentes.

I A teoria, no dizer de Roberto DaMatta, substitue, no Brasil, a noção de indivíduo, para recriar, em pleno reino formal da cidadania, a hierarquia racial, ameaçada com o fim da escravatura e da sociedade de castas.

II A proposta teórica de Roberto DaMatta é clara: o Brasil não é uma sociedade igualitária de feição clássica, pois convive bem com hierarquias sociais e privilégios, é entrecortada por dois padrões ideológicos, ainda que não seja exatamente uma sociedade hierárquica de tipo indiano.

III Aqueles que tentam analisar a sociedade brasileira segundo os mesmos moldes teóricos das sociedades modernas e individualistas do Ocidente, desenvolveram um sistema teórico que deu conta do modo preciso em que se articulam os diversos elementos ou aspectos do racismo.

IV Os marxistas, ao tratar a "democracia racial" como uma "superestrutura", acabaram por reforçar a ideia de mito, transformando-a em construto supraconjuntural, própria a uma formação social, muito próxima dos processos de longa duração.

V A democracia racial não é nem mais nem menos duradoura que o "racismo científico".

A quantidade de itens certos é igual a

  • A.

    1

  • B.

    2

  • C.

    3

  • D.

    4

  • E.

    5