Os estudos de demografia indicam que, diferentemente de outras populações no mundo, os povos indígenas na América Latina se encontram num processo de crescimento populacional. Os altos níveis de fecundidade desses povos estão sendo mantidos, nos últimos 10 anos pelo menos, e a taxa de crescimento anual está sendo estimada, de uma maneira geral, em 3% ao ano. Particularmente no Brasil, os censos demográficos sinalizam um incremento da população indígena. Especialistas indicam como causas associadas para este fenômeno a(s)
  • A. crescente identificação de pessoas e comunidades que anteriormente não se consideravam indígenas; surgimento de novas comunidades que passaram a se reconhecer como povos indígenas ou “povos resistentes”; aumento das pessoas que se auto-declaram na categoria indígena nos censos demográficos.
  • B. baixas taxas de mortalidade, melhoria significativa da saúde dos povos indígenas devido à ação conjunta da FUNASA e de profissionais de saúde voluntários enviados por Fundações Internacionais nas áreas indígenas.
  • C. políticas públicas de planejamento familiar implementadas junto aos povos indígenas a partir da Constituição de 1988, numa ação conjunta do Ministério da Saúde e do Ministério do Interior.
  • D. dinâmica própria das populações indígenas como conseqüência do aprendizado pós-contato com outros grupos sociais quando perceberam que precisavam crescer como mecanismo de auto-proteção e defesa de seus modos de vida.
  • E. ação decisiva de movimentos missionários condenando práticas abortivas e introduzindo novos pensamentos e valores sobre o tema da natalidade.