Entre as diferentes conquistas dos movimentos sociais no final do século XX podemos citar as demarcações de Terras Indígenas e a criação de Unidades de Conservação da Natureza. A primeira ação incide diretamente sobre a proteção e ao direito de auto-determinação dos povos indígenas, a segunda contribui para a proteção ao meio-ambiente, determinante para a sustentabilidade do país e do planeta para as presentes e futuras gerações. Entretanto, estas conquistas geram também novos desafios especialmente para os movimentos sociais e para os poderes públicos. Entre eles, estão os problemas causados pela sobreposição entre as Terras Indígenas e as Unidades de Conservação que podem ser resumidos da seguinte forma:
  • A. há uma tendência junto aos poderes públicos em considerar os povos indígenas como parte da natureza menosprezando suas condições de reprodução sociocultural.
  • B. a corrente hegemônica dos ambientalistas defende a retirada dos povos indígenas das Unidades de Conservação e a criação de parques indígenas visando minimizar o impacto ambiental das comunidades indígenas.
  • C. os métodos de conservação da natureza implementados por ambientalistas ou agências do poder público nas Unidades de Conservação muitas vezes são confrontados com modos tradicionais de vida das comunidades indígenas.
  • D. os modelos de conservação da natureza implantados pelo Governo Federal tem se mostrado ineficazes devido ao fato de que as comunidades indígenas são extremamente resistentes à mudança.
  • E. as políticas públicas adotadas a nível federal têm privilegiado as Unidades de Conservação em detrimento das Terras Indígenas.