O trabalho de campo ou pesquisa de campo reveste-se de grande importância para o trabalho do Antropólogo constituindo o Laboratório do Antropólogo Social, uma vez que é a partir deste modo característico de coleta de dados que o antropólogo elabora sua reflexão e análise. Para Roberto Da Matta, o trabalho de campo pode ser comparado aos rituais de passagem definindo-se por três momentos:
  • A. ingresso do iniciando em uma biblioteca; sistematização do conhecimento apreendido; elaboração de listas classificatórias.
  • B. viagem do iniciando a uma outra sociedade; trocas e intercâmbios com intelectuais locais; elaboração de diário de campo.
  • C. pesquisa do iniciando junto aos xamãs; trocas e intercâmbios; elaboração de planilhas.
  • D. saída do iniciando de sua própria sociedade; isolamento do iniciando num universo marginal; retorno do iniciando à sua sociedade com uma nova perspectiva.
  • E. Mudança de identidade do iniciando; pesquisa do iniciando junto aos xamãs; elaboração de mapas sobre o sistema de parentesco tribal.