Juan L. Mascaro, em “A Forma urbana e seus Custos”, leva em conta os custos de infra-estrutura urbana, do edifício e da energia gasta para a manutenção. Conclui que valores de densidades em torno de 350 a 420 hab/ha favorecem a existência de cidades mais econômicas. Pode-se afirmar que
  • A. a qualidade ambiental depende exclusivamente da densidade populacional e da economia urbana.
  • B. a densidade de população urbana é determinante na qualidade ambiental da cidade.
  • C. a qualidade ambiental é inversamente proporcional às densidades da população urbana.
  • D. a densidade de população urbana deve ser proporcional à infra-estrutura instalada para garantir uma boa qualidade ambiental.
  • E. a qualidade ambiental é proporcional às densidades da população urbana, independentemente da infra-estrutura instalada.