Na definição de Queen Carpenter, o conceito sociológico de unidade de vizinhança consiste numa “área na qual os residentes se conhecem pessoalmente e têm o hábito de se visitar, trocar objectos ou serviços e realizar coisas em conjunto”. A aplicação indiscriminada do conceito de unidades de vizinhança foi uma das críticas ao urbanismo moderno, porque
  • A. para se fazer a cidade e dar-lhe forma é necessário mais do que relações abstratas entre população, equipamentos e serviços.
  • B. a unidade de vizinhança era atravessada por vias arteriais, pelas quais fluía o trânsito pesado de veículos.
  • C. o conceito não se adaptava a qualquer plano urbanístico.
  • D. ao ordenar a expansão urbana, não permitia o crescimento por agregação de unidades autônomas em unidades maiores.
  • E. estimulava a morfologia urbana em detrimento do funcionamento da cidade.