Strazzacappa (2001), lembrando Giordano, faz uma análise das dicotomias presentes na modernidade capitalista atual e percebe que, na educação, a arte e a ciência reforçam estas distâncias. Diz ser lastimável a regra de estabelecer distinção segundo a qual a primeira se aprende como atividade lúdica e a segunda como atividade séria e constrangedora. Dessa reflexão, conclui-se que
  • A. os questionamentos sobre arte na escola devem ser sobre a presença da ludicidade e da importância da recreação para o ensino de arte na escola.
  • B. a arte é apenas um ambiente de exploração dos potenciais lúdicos e a ciência um local de exploração do pensamento racional e formal.
  • C. a separação entre arte e ciência reforça a ideia de que os dois campos devem permanecer como locais separados e de produção do conhecimento distintos e não penetráveis.
  • D. a autora critica não apenas a ausência do lúdico nas disciplinas científicas ministradas na escola, mas também a falta de seriedade no ensino de arte, o que corrobora a falsa ideia de que o ensino da arte seja supérfluo e recreativo.