"Minha primeira exposição realizou-se na Galeria Julien Levy, em Nova York, em 1938. Meus quadros são bem pintados, não com rapidez, mas pacientemente. Minha pintura traz em si a mensagem da dor. Creio que ao menos algumas pessoas se interessam por ela. Não é revolucionária. Por que desejar que seja beligerante? Não posso fazê-lo."

"Pintar completou minha vida. Perdi três filhos e uma série de outras coisas, que teriam preenchido minha vida pavorosa. Minha pintura tomou o lugar de tudo isso. Creio que trabalhar é o melhor."

A obra reproduzida e o fragmento autobiográfico são da artista

  • a.

    Gabriela Zuccolillo.

  • b.

    Maria Martins.

  • c.

    Maria Freire.

  • d.

    Lia Menna Barreto.

  • e. Frida Khalo.