Durante os anos 1970 e 1980, as lideranças sindicais buscaram mobilizar os metalúrgicos mediante uma programação cultural, entendida como estratégia de luta e de formação política. Nesse contexto, é montado o Grupo de Teatro Forja, ligado ao Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo e Diadema, composto por dirigentes sindicais, trabalhadores de base, alguns atores e um diretor de teatro. O grupo atuava nas campanhas salariais, se apresentava nas portas das fábricas, nas assembleias e nos bairros operários, assessorava movimentos sociais locais e montava peças com base na criação coletiva de textos, após debates intensos de seus integrantes. A experiência teatral descrita acima exemplifica a relação entre militância, arte e política, encontrada:
  • A. no teatro pobre e no teatro antropológico;
  • B. no teatro do oprimido e no teatro ambiental;
  • C. no teatro militante e no teatro operário;
  • D. no teatro essencial e no teatro mínimo;
  • E. no teatro do absurdo e no teatro da crueldade.