Um Auditor-Fiscal da Receita Federal constatou, durante a fiscalização de um contribuinte, que o mesmo havia cometido irregularidades fiscais que deveriam ser objeto de lançamento tributário, com imposição de multa de ofício. Todavia, ao ficar sabendo que o contribuinte era uma pessoa boa, caridosa, e que freqüentava a mesma igreja que ele, decidiu encerrar a fiscalização sem resultado. Nesta hipótese, esse Auditor:

  • A.

    cometeu o crime de condescendência criminosa.

  • B.

    cometeu o crime de concussão.

  • C.

    não cometeu crime algum, haja vista que não obteve qualquer vantagem econômica com a sua conduta

  • D.

    cometeu o crime de corrupção passiva.

  • E.

    cometeu o crime de prevaricação.