De acordo com as Normas Internacionais para a Prática Profissional de Auditoria Interna, emitidas pelo Institute of Internal Auditors (IIA), a atividade de auditoria interna deve ser independente e a independência dentro da organização se alcança de forma efetiva quando o executivo chefe de auditoria se reporta funcionalmente ao conselho.

Um exemplo de reporte funcional ao Conselho que está dissociado da independência organizacional da auditoria interna é a aprovação:
  • A. do estatuto de auditoria interna;
  • B. do planejamento de auditoria baseado em riscos;
  • C. do orçamento de auditoria e o plano de recursos;
  • D. dos departamentos priorizados na auditoria interna;
  • E. das decisões referentes à nomeação e demissão do executivo chefe de auditoria.