Em auditoria, o denominado risco inerente
  • A. resulta de condições, eventos, circunstâncias ou decisões tomadas pela administração que possam afetar adversamente a entidade auditada.
  • B. decorre de condições que indiquem incentivos ou pressões para que a fraude seja perpetrada.
  • C. é a suscetibilidade de um saldo de uma conta ou uma classe de transação apresentar uma distorção relevante no seu valor registrado nas demonstrações contábeis.
  • D. depende da eficácia dos controles internos da entidade, que devem ser examinados pelo auditor por meio de testes adequados.
  • E. depende da eficácia dos controles internos da entidade, que devem ser examinados pelo auditor por meio de testes adequados.