Biologia Metodologia Científica Práticas Laborais

A seleção de amostras para exames bacteriológicos deve ser feita com base em sinais e sintomas, devendo ser representativas do processo de doença e serem colhidas antes da administração de agentes antimicrobianos. A análise de um espécime biológico deixa de ter valor se a amostra não é representativa do local da infecção ou se ela se encontra contaminada com flora comensal. Portanto, a colheita e o transporte influenciam os resultados obtidos. Com base em seus conhecimentos sobre este tema, assinale a alternativa INCORRETA.

  • A.

    Hemocultura: deve ser realizada quando há febre sem causa aparente, crônica ou intermitente, acessos hipotérmicos, infecções localizadas graves, suspeita de salmonelose, brucelose ou leptospirose.

  • B.

    Habi tualmente, são suf i c ientes duas hemocul turas em 24 horas, colhidas separadamente. Uma só hemocultura pode levar a que uma bacteremia intermitente não seja diagnosticada ou dificultar a interpretação clínica do isolamento de determinados microrganismos. A colheita de sangue não deve ser feita no pico febril.

  • C.

    O volume de sangue é crítico porque a concentração de microrganismos é baixa na maioria das bacteremias. Nas crianças, a concentração dos microrganismos é muito mais alta do que nos adultos, razão por que são necessários menores volumes de sangue: adultos – 10 a 30mLpor punção venosa; crianças 1 a 5mL por punção venosa.

  • D.

    Expectoração: colher a primeira amostra da manhã, proveniente de um acesso de tosse profunda, devendo a amostra ser colhida em recipiente estéril de boca larga e tampa de rosca. Uma expectoração com predomínio de saliva deve ser rejeitada. Para a pesquisa de micobactérias, devem ser colhidas três amostras de dias consecutivos.

  • E.

    Urina: é um produto estéril e um bom meio de cultura. Deve ser colhida após lavagem do meato urinário com produto asséptico e posterior eliminação deste com água. A colheita é feita diretamente para um recipiente estéril. O primeiro jato da urina deve ser rejeitado. Nos pacientes em uso de cateteres urinários, a amostra deve ser retirada da junção entre o cateter e o saco coletor, e nunca do saco coletor. Nas crianças, usa-se um saco coletor.