O diagrama a seguir mostra as duas primeiras etapas da oxidação dos ácidos graxos. Na primeira etapa, o ácido graxo é adenilado através de uma reação com o ATP. Na segunda etapa, a coenzima A (CoA-SH) desloca o AMP, formando acil-CoA, que entra então no ciclo de reações da -oxidação. Os valores numéricos nos retângulos representam a variação de energia livre padrão das reações.

O evento que garante que o ciclo prosseguirá no sentido da oxidação dos ácidos graxos é:

  • A. a formação de acil-CoA, pois esta é uma molécula muito estável em condições fisiológicas, o que impede a reversibilidade da reação;
  • B. a degradação de ATP em pirofosfato e ADP, pois é praticamente impossível regenerar ATP a partir de ADP e Pi;
  • C. a reação entre ATP e o ácido graxo, pois esta é uma reação muito favorável dada a reatividade do ATP;
  • D. a prevalência de ácidos (ATP, ácido graxo e AMP) que abaixa o pH do meio favorecendo a formação do complexo acil-CoA;
  • E. a reação da pirofosfatase que é altamente exergônica.