Um conjunto de regras publicadas pelo professor E.F.Codd, um dos principais teóricos da abordagem relacional, tornaram-se famosas e, entre outras, têm sido utilizadas para determinar se um Sistema Gerenciador de Banco de Dados - SGBD atende ou não aos requisitos para ser considerado relacional (SGBDR) e representam um resumo dos principais objetivos e conceitos da abordagem de banco de dados relacional.

Dadas as definições abaixo:

I. Representação de valores em tabelas: toda a informação armazenada num banco de dados relacional é guardada em tabelas.Isso abrange desde os dados (que descrevem os objetos do mundo real) até mesmo os metadados ( que descrevem os objetos de banco de dados).

II. Acesso garantido: qualquer dado contido num banco de dados relacional deve poder ser acessado logicamente com base na especificação do nome da tabela, de um valor de chave primária e do nome da coluna. A ordem das linhas e das colunas dentro da tabela deve ser irrelevante.

III. Tratamento sistemático de valores nulos: todo SGBD relacional deve suportar o conceito de valor nulo, utilizado para representar a ausência de uma informação. Tecnicamente nulo é diferente de zero ou de espaços em branco, uma vez que estes, de uma forma ou de outra, constituem-se aida em algum tipo de informação conhecida, dependente da forma como o dado foi definido (se como numérico, caractere, etc). Nulo, ao contrário, representa a informação perdida ou desconhecida e pode ser atribuído a dados de qualquer tipo. Esse conceito será importante ao se definirem as regras de validação de um dado (integridade de entidade, referencial, de domínios simples, etc).

IV. Atualização de alto nível: as operaçõesde consulta, alteração, inclusão dos dados devem ser orientadas para conjuntos, por comandos de alto nível, e não proceduramente, registro a registro.

<P align=jus
  • A.

    I, II, III, IV e V.

  • B.

    I, III e V, apenas.

  • C.

    I, II, III e V, apenas.

  • D.

    I, III, IV e V, apenas.

  • E.

    I e III, apenas.