Questões de Concurso de Língua Portuguesa e Ensino - Língua Portuguesa

Ver outros assuntos dessa disciplina Navegar questão a questão

Questão 852857

Secretaria de Estado de Educação - DF (SEE/DF) 2017

Cargo: Professor de Educação Básica - Área Língua Portuguesa / Questão 109

Banca: Centro de Seleção e de Promoção de Eventos UnB (CESPE)

Nível: Superior

Tendo o texto apresentado como referência inicial e considerando as Diretrizes Pedagógicas para a Organização Escolar e o Currículo em Movimento da Educação Básica, julgue os itens subsecutivos.

As atividades lúdicas são exemplo de prática escolar representativa da concepção educativa abordada no texto, também presente nas referidas diretrizes, uma vez que tornam significativos os espaços-tempos de formação e aumentam a interação entre professor e estudantes.
  • C. Certo
  • E. Errado

Questão 678524

Secretaria da Educação - CE (SEDUC/CE) 2013

Cargo: Professor de Classe Pleno I - Área Língua Portuguesa / Questão 43

Banca: Centro de Seleção e de Promoção de Eventos UnB (CESPE)

Nível: Superior

Assinale a opção correta em relação ao personagem negro descrito nesse trecho de Os Sertões.

  • A.

    Ao comparar o protagonista à “estátua de tit㔠(l.33), o escritor afirma artisticamente a humanidade heroica do prisioneiro.

  • B.

    No trecho, o autor reconhece a superioridade do homem negro e, ao mesmo tempo, questiona a sua passividade diante dos inimigos que o condenaram à morte.

  • C.

    A figura do homem negro no trecho de Os Sertões é apresentada sem a empatia do abolicionista Castro Alves e sem o determinismo cientificista do Naturalismo.

  • D.

    De acordo com o trecho, os homens de alta patente do exército e os letrados discordavam do tratamento racista dado aos prisioneiros pelos soldados rasos do exército.

  • E.

    O prisioneiro negro é descrito pelo autor sem os preconceitos raciais que vigoravam na sociedade brasileira da época.

Questão 678535

Secretaria da Educação - CE (SEDUC/CE) 2013

Cargo: Professor de Classe Pleno I - Área Língua Portuguesa / Questão 54

Banca: Centro de Seleção e de Promoção de Eventos UnB (CESPE)

Nível: Superior

  • A.

    Entende-se da leitura do texto que a “palavra em situação dicionária” (v.6) corresponde à palavra em uso.

  • B.

    O trabalho com a forma, como o emprego dos sinais de pontuação, constitui elemento secundário de construção do sentido desse texto.

  • C.

    Na segunda estrofe do poema, o eu lírico trata da impossibilidade de reconstrução do fluxo do rio pela religação entre os diferentes poços de água.

  • D.

    O eu lírico cria uma associação, por semelhança, entre a água do rio e as palavras do discurso político.

  • E.

    Conclui-se da leitura do texto que a comunicação só ocorre quando as palavras estão em relação umas com as outras.

Questão 679307

Secretaria da Educação - CE (SEDUC/CE) 2013

Cargo: Professor de Classe Pleno I - Área Língua Portuguesa / Questão 76

Banca: Centro de Seleção e de Promoção de Eventos UnB (CESPE)

Nível: Superior

  • A.

    A disponibilidade, na Internet, de dicionários e do Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, da Academia Brasileira de Letras, dificulta o ensino de língua portuguesa, já que os alunos podem acessá-los sem limites.

  • B.

    A Internet promove a passividade do usuário, por isso o seu uso é desaconselhado como meio de aprendizagem.

  • C.

    Dada a multiplicidade de códigos de escrita existentes na Internet, mais sintéticos e abreviados que a linguagem escrita tradicional, o meio eletrônico de pesquisa prejudica o aprendizado da modalidade escrita formal da língua.

  • D.

    A Internet explora os mesmos recursos de leitura disponíveis nos livros tradicionais, por isso não modifica a forma de apreensão do conhecimento.

  • E.

    A atividade de conhecer a língua portuguesa é influenciada e transformada pelas infinitas possibilidades de pesquisa e navegação voluntária que a Internet proporciona.

Questão 557811

Secretaria de Estado de Educação - MG (SEE/MG) 2012

Cargo: Professor de Educação Básica - Área Língua Portuguesa / Questão 23

Banca: Fundação Carlos Chagas (FCC)

Nível: Superior

“Ontem à noite no campo-santo do presbitério eu vi...”

Tendo em vista as estratégias de organização do discurso argumentativo, como expostas nas Orientações Pedagógicas da SEE/MG para o ensino de Língua Portuguesa, é correto afirmar que, ao inserir em seu texto o segmento acima transcrito, Umberto Eco se vale da

  • A.

    comparação.

  • B.

    citação.

  • C.

    analogia.

  • D.

    exemplificação.

Questão 625036

Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão - MG (SEPLAG/MG) 2012

Cargo: Professor de Educação Básica - Área Língua Portuguesa / Questão 23

Banca: Fundação Carlos Chagas (FCC)

Nível: Superior

“Ontem à noite no campo-santo do presbitério eu vi...”

Tendo em vista as estratégias de organização do discurso argumentativo, como expostas nas Orientações Pedagógicas da SEE/MG para o ensino de Língua Portuguesa, é correto afirmar que, ao inserir em seu texto o segmento acima transcrito, Umberto Eco se vale da

  • A.

    comparação.

  • B.

    comparação.

  • C.

    analogia.

  • D.

    exemplificação.

Questão 625059

Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão - MG (SEPLAG/MG) 2012

Cargo: Professor de Educação Básica - Área Língua Portuguesa / Questão 32

Banca: Fundação Carlos Chagas (FCC)

Nível: Superior

Um enunciado ou um texto nunca é somente uma informação: nele estão envolvidos processos de subjetivação, de argumentação, de construção do real. Em outras palavras, todo uso que se faz da linguagem é ideológico; logo, as informações que recebemos – inclusive as do domínio jornalístico – não são uma simples reprodução do real.

As afirmações acima transcritas, retiradas das Orientações Pedagógicas da SEE/MG para o ensino de Língua Portuguesa, implicam o reconhecimento de que

  • A.

    a transparência da linguagem é facultativa.

  • B.

    todo discurso é falso em alguma medida.

  • C.

    a linguagem é desvinculada da realidade.

  • D.

    a neutralidade do discurso é um mito.

Questão 557821

Secretaria de Estado de Educação - MG (SEE/MG) 2012

Cargo: Professor de Educação Básica - Área Língua Portuguesa / Questão 33

Banca: Fundação Carlos Chagas (FCC)

Nível: Superior

Considerando o fragmento transcrito em conjunto com as diretrizes expostas na Proposta Curricular – CBC da SEE/MG para o ensino de Língua Portuguesa, é correto afirmar que a escola tem como tarefa ensinar

  • A.

    apenas a norma culta ou padrão da língua portuguesa, por diversos motivos: é ela a variante reconhecida e prestigiada socialmente; para as pessoas cultas, ela funciona como modelo e acaba por representar a própria língua; e, finalmente, é a única variante livre dos inevitáveis preconceitos dirigidos às demais variantes.

  • B.

    a norma culta ou padrão da língua portuguesa, pois é a que o aluno em geral não domina, mas deve recusar a ideia de que esta variante é a própria língua, isto é, não pode desconsiderar as outras variantes e nem dar lugar à expressão dos preconceitos que costumam ser dirigidos a algumas delas.

  • C.

    apenas as variantes que são geralmente desconsideradas por aqueles que privilegiam a norma culta, chegando a crer que esta variante é a própria língua; ao privilegiar os dialetos menos cultos e os registros menos formais, a escola pode valorizar o conhecimento prévio do aluno e combater os preconceitos linguísticos.

  • D.

    as variantes ou os dialetos utilizados pelos alunos, no caso da língua oral, para que eles não se sintam vítimas do preconceito linguístico, ao passo que o ensino da norma culta deve ser reservado para os momentos em que se trabalha a expressão escrita elaborada literariamente, nas aulas de literatura.

Questão 625060

Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão - MG (SEPLAG/MG) 2012

Cargo: Professor de Educação Básica - Área Língua Portuguesa / Questão 33

Banca: Fundação Carlos Chagas (FCC)

Nível: Superior

Considerando o fragmento transcrito em conjunto com as diretrizes expostas na Proposta Curricular – CBC da SEE/MG para o ensino de Língua Portuguesa, é correto afirmar que a escola tem como tarefa ensinar

  • A.

    apenas a norma culta ou padrão da língua portuguesa, por diversos motivos: é ela a variante reconhecida e prestigiada socialmente; para as pessoas cultas, ela funciona como modelo e acaba por representar a própria língua; e, finalmente, é a única variante livre dos inevitáveis preconceitos dirigidos às demais variantes.

  • B.

    a norma culta ou padrão da língua portuguesa, pois é a que o aluno em geral não domina, mas deve recusar a ideia de que esta variante é a própria língua, isto é, não pode desconsiderar as outras variantes e nem dar lugar à expressão dos preconceitos que costumam ser dirigidos a algumas delas.

  • C.

    apenas as variantes que são geralmente desconsideradas por aqueles que privilegiam a norma culta, chegando a crer que esta variante é a própria língua; ao privilegiar os dialetos menos cultos e os registros menos formais, a escola pode valorizar o conhecimento prévio do aluno e combater os preconceitos linguísticos.

  • D.

    as variantes ou os dialetos utilizados pelos alunos, no caso da língua oral, para que eles não se sintam vítimas do preconceito linguístico, ao passo que o ensino da norma culta deve ser reservado para os momentos em que se trabalha a expressão escrita elaborada literariamente, nas aulas de literatura.

Questão 625061

Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão - MG (SEPLAG/MG) 2012

Cargo: Professor de Educação Básica - Área Língua Portuguesa / Questão 34

Banca: Fundação Carlos Chagas (FCC)

Nível: Superior

À gramática normativa, a que se refere Sírio Possenti, pode ser contraposta a gramática descritiva, que

  • A.

    recusa aceitar a noção de regra, propugnando a inalienável liberdade do falante no uso da língua.

  • B.

    procura estudar as regras das variantes menos valorizadas socialmente, sem se ater à norma culta.

  • C.

    se limita à descrição dos usos particulares da língua, que se furtam a qualquer sistematização.

  • D.

    enfatiza as noções de regularidade e variação em detrimento de noções como correção ou erro.