Medicina Especialidade Cardiologia

De acordo com a Diretriz Brasileira de Valvopatias de 2011, é CORRETO afirmar a respeito dos sopros cardíacos encontrados nessa patologia:

  • A.

    Sopro diastólico em focos da base, de alta frequência, com configuração em decrescendo, aspirativo. Esse tipo de sopro é resultado de regurgitação pelas valvas semilunares incompetentes, isto é, deve-se considerar a presença de estenose aórtica e/ou de estenose pulmonar.

  • B.

    Em casos de infarto aórtico (IAo) importante podem ocorrer sopro mesodiastólico aórtico por hiperfluxo e sopro mesossistólico mitral por fluxo direcionado para valva mitral deixando-a semifechada durante a diástole ventricular (sopro de Austin-Flint).

  • C.

    Sopro sistólico em focos da base, de alta frequência, com configuração em diamante e rude. Esse tipo de sopro caracteriza ejeção pelas valvas semilunares com obstrução; portanto, deve-se considerar a presença de estenose aórtica e/ou de estenose pulmonar.

  • D.

    A primeira bulha é hipofonética na estenose mitral e habitualmente hiperfonética nas outras valvopatias, quando existe calcificação ou disfunção ventricular grave.

  • E.

    O sopro da estenose mitral frequentemente tem grande intensidade e é precedido de estalido de abertura da valva (sinal patognomônico de sequela reumatismal). Quanto mais tardio o estalido e o início do sopro, mais importante a estenose.