Medicina Especialidade Cardiologia

Texto para as questões de 45 a 49

Uma jovem com dezesseis anos de idade procurou assistência médica apresentando dor, edema, calor e limitação de movimentos nas grandes articulações (joelho e cotovelo), de forma assimétrica e migratória. A paciente relatou também que teve, durante três dias, febre de 38 ºC. No primeiro dia, informou dispneia aos médios esforços. O exame clínico da paciente mostrou: pressão arterial de 115 mmHg × 70 mmHg, frequência cardíaca = 120 bpm, afebril (36,8 ºC), com palidez cutânea, mucosas normocoradas, exame cardiovascular: ictus cordis localizado no 6º espaço intercostal esquerdo, na linha axilar anterior esquerda, ritmo cardíaco regular taquicárdico, em três tempos com galope protodiastólico, bulhas hipofonéticas, sopro holossistólico, grau IV de Levine, mais bem audível em foco mitral, irradiado para linha axilar média esquerda, sem modificação com a manobra de Rivero- Carvallo, presença de atrito pericárdico mais bem audível na região paraesternal esquerda baixa, presença de discretos estertores inspiratórios em terços inferiores de ambos hemitórax, dor, edema, rubor e restrição de movimento da articulação do cotovelo direito, sem outras alterações clínicas. O eletrocardiograma (ECG) de doze derivações mostrou taquicardia sinusal, frequência ventricular média de 118 bpm, SÂQRS = +10º, baixa voltagem periférica, intervalo PR prolongado, extrassístoles ventriculares isoladas e monomórficas, alterações difusas e secundárias da repolarização ventricular. O radiograma torácico (projeções póstero-anterior [PA] e perfil, com o esôfago constratado) mostrou: índice cardiotorácico igual a 0,58, sendo que na projeção PA havia deslocamento para baixo e para fora do terceiro arco, que era longo e único, ápex cardíaco mergulhando no diafragma; e no perfil observou-se convexidade posterior proeminente e bordo ventricular esquerdo situado a mais de 2 cm para trás da veia cava inferior e sinais de con

Ainda com base na situação clínica em estudo, considere que tenha, de forma evolutiva, sido confirmado o diagnóstico de cardiopatia reumática crônica e que a paciente em tela tenha relatado ter alergia confirmada à penicilina. Nesse caso específico, recomenda-se realizar a profilaxia secundária mediante o uso de

  • A.

    sulfadiazina.

  • B.

    cefalexina.

  • C.

    sultamicilina.

  • D.

    gentamicina.

  • E.

    metronidazol.