Medicina Especialidade Cirurgias Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Texto para as questões de 61 a 65

Um paciente de sessenta e cinco anos de idade, que há dez anos é ex-tabagista, relatou que fumou durante trinta anos, quarenta cigarros por dia. Este paciente veio ao consultório porque, havia três meses, apresentava rouquidão persistente. O paciente procurou um otorrinolarigologista, que realizou uma laringoscopia direta cujo resultado evidenciou uma lesão ulcerada acometendo o terço posterior da borda livre da corda vocal, sem invadir o processo vocal, e cordas móveis bilateral. A biópsia da lesão revelou carcinoma epidermoide de laringe. O paciente foi tratado adequadamente e não retornou para o seguimento clínico. Após cinco meses e meio, retornou ao médico devido à odinofagia, com linfonodo de 3,5 cm no nível II. O exame de laringoscopia direta evidenciou uma extensa lesão acometendo toda a glote, com fixação da prega vocal inicialmente acometida. Na biópsia, foi confirmado tumor.

Considere que, após três anos sem seguimento, o paciente tenha retornado com queixa de uma tumoração no pescoço do lado oposto do primeiro nódulo, acometendo os níveis II, III e IV, com 6 cm de diâmetro, e fixa ao exame físico. Considere, ainda, que a punção tenha revelado carcinoma epidermoide. Em relação à conduta adequada para esse caso, assinale a opção correta.

  • A.

    Provavelmente o paciente é inoperável. Deve ser solicitado parecer da oncologia clínica com vistas a tratamento paliativo.

  • B.

    Deve ser operado e reconstruído com um retalho miocutâneo peitoral.

  • C.

    Deve-se indicar cirurgia.

  • D.

    Deve-se realizar terapia fotodinâmica.

  • E.

    Deve-se repetir a radioterapia.