Medicina Especialidade Cirurgias Cirurgia Torácica

Conforme consensos do American College of Chest Physichians e da British Thoracic Society, seguidos pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Torácica, o paciente com pneumotórax espontâneo primário:

  • A.

    se estiver estável (oxigenação e sinais vitais mantidos), deve ser mantido no setor de emergência por pelo menos 24 horas e realizado algum procedimento invasivo que assegure a reexpansão do parênquima pulmonar colapsado;

  • B.

    se estiver instável (oxigenação e sinais vitais alterados), deve ser mantido no setor de emergência por pelo menos 24 horas e realizado algum procedimento invasivo que assegura a reexpansão do parênquima pulmonar colapsado;

  • C.

    se for submetido à drenagem torácica, recomenda-se o uso de drenos finos (12F, tipo pig tail), conectados em frasco com selo d’água ou válvulas unidirecionais, tipo Heimlich, colocados na intersecção do segundo espaço intercostal com a linha axilar anterior;

  • D.

    se apresenta pneumotórax de grande magnitude, é considerado quando a distância entre o ápice do pulmão e a extremidade apical da cavidade pleural é maior que 3cm, ao exame radiológico simples de tórax em PA;

  • E.

    se diagnosticado, não basta a realização de procedimentos que confiram a expansão pulmonar, tornando-se necessária a realização de procedimentos que propiciem o controle das recidivas.