Medicina Especialidade Clínica Geral

Um senhor de 55 anos de idade buscou atendimento em ambulatório de clínica médica, queixando-se de edema de membros inferiores ascendente, dor no hipocôndrio direito e empachamento pós-prandial, além de tosse crônica e produtiva com escarro mucoso. Relatou ser tabagista inveterado e portador de doença pulmonar obstrutiva crônica em uso irregular de broncodilatador beta-2 agonista de curta duração. O exame clínico mostrou paciente cianótico +2/+4, dispnéico, afebril, com pressão arterial de 132 mmHg × 80 mmHg e freqüência cardíaca de 98 bpm. Presença de pulsação sistólica paraesternal esquerda baixa e de submacicez relativa à percussão da região paraesternal esquerda alta, no 2./ espaço intercostal esquerdo, ritmo cardíaco regular em 3 tempos (3.ª bulha de ventrículo direito), hiperfonese de 2.ª bulha, com desdobramento amplo e variável em foco pulmonar, sopro sistólico de grau 3 (em 6) em foco tricúspide, intensificado com manobra de Rivero-Carvallo, turgência jugular moderada a 45./ e pulso venoso com onda V aumentada. A ausculta pulmonar revelou murmúrio vesicular rude e diminuído globalmente, roncos e sibilos esparsos. O fígado foi palpado a 7 cm da borda costal esquerda e a 5 cm do apêndice xifóide, liso, doloroso, com borda romba, hepatimetria de 16 cm e presença de pulsação hepática sistólica. Edema mole, frio e indolor até a raiz de ambas coxas. O eletrocardiograma revelou desvio do eixo elétrico médio do QRS (SÂQRS) para a direita, com sinais de sobrecarga do átrio e ventrículo direitos. Seu hematócrito era de 65%.

Com base nas informações do caso clínico hipotético acima apresentado, julgue os itens que se seguem.

Na espirometria desse paciente, o volume expiratório forçado no primeiro segundo (VEF1) e a relação do VEF1 com a capacidade vital forçada (VEF1/CVF) devem estar reduzidos com relação aos valores típicos de uma pessoa sadia.

  • C. Certo
  • E. Errado