Medicina Especialidade Clínica Geral

Mulher de 28 anos, obesa, tabagista de 10 cigarros/dia há 10 anos, refere, há 1 ano, dor epigástrica recidivante, que piora com ingestão de alimentos, associada a empachamento pós-prandial, pirose retroesternal e eructações frequentes. Fez Endoscopia Digestiva Alta (EDA) que revelou pequena hérnia hiatal, esofagite distal, pangastrite enantematosa e úlcera duodenal cicatrizada com pesquisa para H. Pylori positiva. Dessa forma, assinale a alternativa que apresenta o tratamento inicial.

  • A.

    Não há a necessidade de se preocupar com a infecção pelo H. Pylori, o tabagismo neste caso é fator de maior preocupação. Para o tratamento – amoxicilina 500mg de 8/8 horas por 7 dias.

  • B.

    Para o tratamento, aconselhar cessão do tabagismo, precrever Inibidores de Bomba de Protons (ex: omeprazol 40mg/dia), amoxicilina e claritromicina por 7 dias. O IBP deve ser mantido para tratamento da DRGE (doença do refluxo gastroesofágico).

  • C.

    Os anti-inflamatórios não hormonais estão indicados, uma vez que ajudam no controle da atividade inflamatória gástrica, inibindo as cicloxigenases trazendo alívio dos sintomas. A cessação do tabagismo faz parte do tratamento.

  • D.

    O tabagismo é risco para câncer de esôfago e estômago, está indicada uma segunda EDA, para confirmação diagnóstica e, se necessário, iniciar o tratamento com amoxicilina e claritromicina por 7 dias.

  • E.

    Para o tratamento inicial Bloqueador H2 (Ranitidina 150mg de 12/12 horas) e amoxicilina por 14 dias. Repetir o EDA para confirmar o sucesso do tratamento.