Medicina Especialidade Ginecologia

Paciente, 23 anos, G3P1A1, 30 semanas de gestação, comparece à Materni-dade Municipal queixando-se de contrações uterinas sem perdas genitais. O exame físico revelou PA:125/70mmHg,UF:27cm, BCF:144bpm, contrações 1/10'/20''. O toque mostrou colo intermediário, 2cm, 50% apagado, apresenta-ção cefálica alta e móvel, com bolsa d'água não formada.

 Nesse caso, é CORRETO afirmar que:

  • A. como o índice de risco de parto pré-termo está entre seis e 10 pontos, não existe risco iminente de parto pré-termo, não se justificando o uso de tocolí-ticos.
  • B. como o índice de risco de parto pré-termo é maior que 10 pontos, há traba-lho de parto em evolução e não há justificativa para inibi-lo.
  • C. como o índice de risco de parto pré-termo é menor que seis pontos, não e-xiste risco iminente de parto pré-termo, não se justificando o uso de tocolíti-cos.
  • D. como o índice de risco de parto pré-termo é menor que seis pontos, há risco iminente de parto pré-termo, havendo indicação de início imediato de tocolítcos, sendo o sulfato de magnésio a primeira opção.