Medicina Especialidade Ginecologia

Uma mulher de sessenta anos de idade, G3P2(N1C1)A1 com queixas de perda urinária aos esforços, urgência miccional com noctúria e “bola na vagina” que incomoda durante o ato sexual, refere duas tentativas de correção cirúrgica sem sucesso, sendo uma por via vaginal (cirurgia de Kelly-Kennedy) e outra por via abdominal (cirurgia de Marshall-Marchetti-Krantz), além de histerectomia total abdominal por espessamento endometrial persistente. Durante o exame ginecológico para quantificação do prolapso dos órgãos pélvicos (POPq) segundo os critérios propostos por Bump et al, observa-se perda urinária uretral sob valsalva. Foram marcados os seguintes pontos: Aa = -1; Ba = +1; C = +1; D = X; Bp = +1; Ap = -2; CVT = 8; HG = 2; CP = 6. No estudo urodinâmico (EUD), observam-se, entre outros achados, VLPP de 102 cm H2O, resíduo pós-miccional de 60 mL, fluxo urinário máximo de 30 mL/s, além da presença de contrações não inibidas do detrusor. Diante do exposto, assinale a alternativa correta.

  • A.

    A cirurgia de Marshall a que foi submetida a paciente consiste na aplicação de três pontos a cada lado da uretra, distando 1 cm entre si, fixando a fáscia periuretral ao ligamento ileopectíneo.

  • B.

    Segundo a classificação proposta por Bump et al, o estadiamento clínico (POPq) dessa paciente é IIIC.

  • C.

    A cirurgia de Le Fort associada à cirurgia de alça do tipo sling retropúbico é a melhor opção cirúrgica para o tratamento dessa paciente.

  • D.

    A colpofixação sacroespinhosa é uma boa opção cirúrgica para correção do defeito anatômico vaginal apical dessa paciente.

  • E.

    A lesão de esfíncter uretral evidenciada no EUD pode ser corrigida por meio da cirurgia de alça do tipo sling transobturatório, enquanto a hiperatividade do detrusor não requer tratamento cirúrgico.