Medicina Especialidade Infectologia

Paciente do sexo masculino, 34 anos, com diagnóstico e início de terapia para HIV há 2 anos. Abandono do tratamento com antirretrovirais há 1 ano, quando apresentava um exame de contagem de células CD4 = 130 cel/mm3 e carga viral indetectável. Procurou o pronto-socorro com queixa de cefaleia há 10 dias, associada a náuseas e a tonturas , com piora há 3 dias. Referia temperatura de 38,5º C, diminuição de força de perna esquerda. Ao exame apresentava-se lúcido e orientado, PA= 120/80 mmHg, hipocorado, hidratado, força muscular diminuída de membro inferior esquerdo, confirmando queixa do paciente. Realizada tomografia de crânio, observou-se lesão hipodensa em lobo parietal à direita, com captação de contraste, edema perilesional significativo e efeito massa. Dado esse contexto, pergunta-se: qual é a hipótese diagnóstica e a conduta terapêutica a ser adotada prontamente?

  • A.

    Meningite por cryptococos. Iniciar terapia com fluconazol.

  • B.

    Encefalite pelo vírus HIV. Iniciar terapia com zidovudina e didanosina.

  • C.

    AVC hemorrágico. Introduzir medicação antihipertensiva.

  • D.

    Meningoencefalite por tuberculose. Introduzir isoniazida, pirazinamida e rifampicina.

  • E.

    Neurotoxoplasmose. Iniciar terapia com sulfadiazina, pirimetamina e ácido folínico.