Medicina Perícia Criminal Médico Legista/Necrotomista

O Code d’Instruction Criminalle, promulgado por Napoleão em 1808, corroborou o fim das práticas jurídicas secretas e inquisitoriais realizadas até então, na França, dando início ao processo penal. Tomava consistência a medicina pública na França, onde os médicos oficiais eram responsáveis tanto por pareceres para a justiça como pela implementação de medidas de saúde pública. Progressivamente, diversos países que assumiram a França como modelo avançaram nessa questão. No decorrer do século XIX, as grandes descobertas no campo da física, química e biologia começaram a ser incorporadas à medicina legal, o que motivou a denominação de “era de ouro da medicina legal” dada a esse século. Na Europa, grandes nomes de médicos legistas puderam ser correlacionados a esse período, como Foderé, Orfila, Devergie, Tardieu, Brouardel, Lacassagne, Legrand du Saulle, Etienne Martin, Balthazard, Thoinot e Vibert, na França; Hoffman e Paltauf, na Áustria; Strassman e Casper, na Alemanha; Carrara e Borri, na Itália; Taylor, na Inglaterra. No final do século XIX, a medicina legal na Europa já era área de atuação específica, tendo se desvinculado da chamada higiene.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir, com relação a aspectos históricos da medicina legal.

Legrand du Saulle, além de ter desenvolvido trabalhos em psicopatologia forense, realizou também importantes trabalhos na área de traumatologia, subdivisão da medicina legal, especialmente no que se refere ao estabelecimento das fases de evolução da lesão equimótica em relação ao tempo, comparando-as a um espectro de cores.

  • C. Certo
  • E. Errado