Medicina Especialidade Neurologia

Paciente de 76 anos, sexo masculino, com história de trauma leve craniano há 26 dias (bateu cabeça no batente da porta do carro quando dele saía), foi trazido à Unidade de Emergência por seus familiares por apresentar, há 3 dias, dor de cabeça, acompanhada de confusão mental (desorientou-se em casa, ficou agitado, não reconheceu sua esposa). No exame clínico foi notada hipertensão arterial (180x120 mmHg), discreto apagamento do sulco nasolabial à direita, desvio pronador à direita na manobra dos braços estendidos, pupilas isocóricas, reflexo fotomotor presente e simétrico. Não tem antecedentes de coagulopatias e de alcoolismo. A hipótese diagnóstica para o caso, mecanismo de formação da lesão e tratamento mais prováveis são:

  • A.

    hematoma extradural, lesão da artéria meníngea média por fratura do osso temporal e craniotomia.

  • B.

    hematoma subdural agudo, lesão por encapsulamento fibroblástico com tecido neoformado em torno de um cerne de produtos de degradação de coágulo inicial e irritante ao córtex, monitorização da pressão intracraniana e craniotomia.

  • C.

    hematoma subdural crônico, lesão por encapsulamento fibroblástico com tecido neoformado em torno de um cerne de produtos de degradação de coágulo inicial e irritante ao córtex cerebral, monitorização da pressão intracraniana e craniotomia.

  • D.

    contusão cerebral frontal, crescimento e edema perilesional do hematoma intraparenquimatoso, monitorização da pressão intracraniana e craniotomia com abordagem do hematoma e drenagem com cauterização das paredes do hematoma para evitar ressangramento.

  • E.

    hematoma subdural crônico, neoformado em torno de um cerne de produtos de degradação de coágulo inicial e irritante ao córtex cerebral, trepanação craniana com lavagem exaustiva da cavidade para retirada dos produtos de degradação do sangue.