Questões de Concurso de Obstetrícia - Medicina

Ver outros assuntos dessa disciplina Navegar questão a questão

Questão 916155

Hospital Risoleta Tolentino Neves - RN (HRTN/RN) 2017

Cargo: Médico Plantonista - Área Obstetrícia / Questão 21

Banca:

Nível: Superior

Considere uma gestante de 16 anos de idade, primigesta, que apresenta, durante a primeira consulta de pré-natal, o seguinte resultado do ultrassom obstétrico.

Laudo de ultrassom obstétrico: gestação eutópica simples com 19 semanas e seis dias de duração. Volume de líquido amniótico normal. Placenta fúndica. Batimentos cardíacos fetais visibilizados. Agenesia dos ossos da calota craniana e hipotrofia acentuada dos hemisférios cerebrais: anencefalia. Ao ser questionada sobre o uso de drogas e medicamentos na gravidez, ela informa que usa anticonvulsivante desde os 12 anos de idade. A gravidez não foi planejada, a gestante vive com sua família, e não sabe informar casos parecidos em parentes.

Em relação à causa da malformação fetal, pode-se afirmar:

  • A. A anomalia é resultante de herança do tipo autossômica recessiva.
  • B. A anomalia é originada num defeito de fechamento do tubo neural.
  • C. A exposição aos anticonvulsivantes não se constitui fator de risco para essa anomalia.
  • D. A origem familiar paterna é a explicação mais provável para origem dessa anomalia.

Questão 916156

Hospital Risoleta Tolentino Neves - RN (HRTN/RN) 2017

Cargo: Médico Plantonista - Área Obstetrícia / Questão 22

Banca:

Nível: Superior

Além das questões sobre sua saúde, a gestante precisa ser orientada pelo médico sobre seus direitos sexuais, sociais e trabalhistas. A garantia de tais direitos implica em que a gestante e sua família sejam abordadas de forma acolhedora, singular e integral.

Em relação à presença de acompanhante durante a assistência obstétrica, pode-se afirmar que:

  • A. a presença de uma acompanhante do sexo feminino deve ser garantida nos alojamentos conjuntos de maternidades, a seguir do parto.
  • B. o acompanhante de escolha da mulher poderá estar presente no trabalho de parto, parto e no pós-parto.
  • C. o acompanhante de escolha deve ser definido no Plano de Parto e ser devidamente treinado para estar presente na maternidade, sem interferir nas rotinas médicas.
  • D. o pai da criança é o acompanhante prioritário no momento do parto e é quem poderá ter acesso ao ambiente cirúrgico, no momento do nascimento.

Questão 916157

Hospital Risoleta Tolentino Neves - RN (HRTN/RN) 2017

Cargo: Médico Plantonista - Área Obstetrícia / Questão 23

Banca:

Nível: Superior

A síndrome HELLP eleva o risco de mortalidade materna e perinatal, além de se associar a outras complicações clínicas graves. Por esse motivo, todas as gestações com pré-eclâmpsia grave precisam ser avaliadas quanto à sua ocorrência, em concomitância ao quadro hipertensivo.


  • A. Edema de membros inferiores.
  • B. Epigastralgia.
  • C. Náuseas ou vômitos.
  • D. plaquetopenia.

Questão 916158

Hospital Risoleta Tolentino Neves - RN (HRTN/RN) 2017

Cargo: Médico Plantonista - Área Obstetrícia / Questão 24

Banca:

Nível: Superior

Zero Mortes Maternas por Hemorragia é um projeto interdepartamental da Organização Pan-americana de Saúde / Organização Mundial de Saúde, que tem como principal objetivo contribuir para a redução da morbidade e mortalidade materna. As hemorragias persistem entre os principais determinantes da morte associada à gravidez no Brasil e precisam ser adequadamente diagnosticadas e abordadas pelo médico. Numere a COLUNA II de acordo com a COLUNA I associando os tipos de sangramento gestacional e a alteração na ecografia obstétrica correspondente apresentada.

COLUNA I

1. Gravidez ectópica

2. Descolamento prematuro da placenta

3. Placenta prévia

4. Mola hidatiforme

COLUNA II

( ) Cistos placentários anecogênicos e cistos tecaluteínicos

( ) Sofrimento fetal, verificado pelo perfil biofísico fetal

( ) Placenta implantada no segmento inferior do útero

( ) Massa anexial complexa

Assinale a sequência CORRETA.

  • A. 1 3 2 4
  • B. 2 3 4 1
  • C. 4 1 3 2
  • D. 4 2 3 1

Questão 916159

Hospital Risoleta Tolentino Neves - RN (HRTN/RN) 2017

Cargo: Médico Plantonista - Área Obstetrícia / Questão 25

Banca:

Nível: Superior

O partograma é é um instrumento de registo gráfico de todas as observações feitas à à mulher em trabalho de parto, cujo principal destaque é é o registo da dilatação do colo do útero, avaliada durante o exame vaginal. O registro adequado das informações e a análise gráfica fundamentam a tomada de decisão a respeito da condução do processo da parturição.

A esse respeito, é correto afirmar:

  • A. A linha de ação é traçada paralela à linha de alerta, a 4 horas para a direita, indicando que, se for ultrapassada, a finalização por cesariana está indicada.
  • B. Espera-se taxa de 1 cm por hora de dilatação, sendo para isso necessária monitorização por toque vaginal, a cada hora de trabalho de parto.
  • C. Na parada secundária de progressão da dilatação, o diagnóstico mais provável é a desproporção cefalopélvica.
  • D. O registo gráfico começa na fase ativa, ou seja, quando o colo do útero atinge uma dilatação de 2 cm e as contrações estão na frequência de duas a cada 10 minutos.

Questão 916160

Hospital Risoleta Tolentino Neves - RN (HRTN/RN) 2017

Cargo: Médico Plantonista - Área Obstetrícia / Questão 26

Banca:

Nível: Superior

A atonia uterina no pós-parto se manifesta quando há ineficácia na manutenção da contração do miométrio. Esse quadro puerperal, quando não abordado prontamente, pode resultar em hemorragia, choque hipovolêmico e seus desdobramentos, que comprometem a vida da mulher. O médico deve estar vigilante quanto aos fatores de risco para sua ocorrência.

São determinantes da atonia uterina, EXCETO:

  • A. Analgesia peridural.
  • B. Gestação múltipla.
  • C. Macrossomia fetal e polidrâmnio.
  • D. Trabalho de parto prolongado.

Questão 916161

Hospital Risoleta Tolentino Neves - RN (HRTN/RN) 2017

Cargo: Médico Plantonista - Área Obstetrícia / Questão 27

Banca:

Nível: Superior

Alguns agentes infecciosos são capazes de comprometer o embrião ou feto durante a gravidez. Para tais situações, quando confirmada infecção materna, está indicada propedêutica fetal e neonatal pelo risco de transmissão vertical. Entre os sinais de doença fetal detectáveis ao nascer, a microcefalia tem chamado atenção recentemente.

O agente infeccioso que não se associa caracteristicamente à microcefalia é:

  • A. citomegalovírus
  • B. herpes-vírus
  • C. vírus da hepatite B
  • D. zika virus

Questão 916162

Hospital Risoleta Tolentino Neves - RN (HRTN/RN) 2017

Cargo: Médico Plantonista - Área Obstetrícia / Questão 28

Banca:

Nível: Superior

O conhecimento sobre a fisiologia do trabalho de parto fundamenta o manejo do processo de nascimento. Mesmo na variedade de apresentação cefálica, a identificação da variedade de posição da cabeça fetal, impulsionada pelo canal de parto e assumida em consequência à sua rotação interna, é relevante para o diagnóstico de distocias no período expulsivo.

A figura a seguir representa um feto no útero materno, no período expulsivo.

Um profissional de saúde, ao realizar a palpação obstétrica desta mulher e o toque vaginal, irá encontrar feto em apresentação cefálica, variedade de posição:

  • A. occiptodireita posterior (ODP).
  • B. occiptoesquerda anterior (OEA).
  • C. occiptoesquerda transversa (OET).
  • D. occiptopúbica (OP).

Questão 916163

Hospital Risoleta Tolentino Neves - RN (HRTN/RN) 2017

Cargo: Médico Plantonista - Área Obstetrícia / Questão 29

Banca:

Nível: Superior

Considere que uma mulher de 38 anos de idade, grávida pela terceira vez, compareceu à maternidade com queixa de cefaleia frontal, conforme orientado pelo profissional do pré-natal. É portadora de hipertensão arterial crônica e faz uso de alfa-metildopa, 2,0 g ao dia. A gestação está com 34 semanas, calculadas a partir de ultrassom realizado na 8a semana de gravidez. Ao realizar exames complementares naquele dia, já internada, o ultrassom revela gestação compatível com 32 semanas gestacionais, peso fetal estimado abaixo do percentil 5 para 34 semanas de gestação. O perfil biofísico fetal é 8 em 10 pontos, pois há oligodrâmnio. A cardiotocografia basal mostrou padrão reativo (tranquilizador).

Em relação às condições fetais, pode-se afirmar:

  • A. Após um exame de Dopplerfluxometria das artérias uterinas, o diagnóstico das condições de saúde fetal poderá ser elucidado.
  • B. Há evidências de crescimento intrauterino restrito, baseado na avaliação do peso fetal e pela presença de oligodrâmnio.
  • C. Há evidências de sofrimento fetal agudo, segundo achados à ecografia e cardiotocografia.
  • D. O achado de oligodrâmnio, compatível com uso de droga anti-hipertensiva, não tem valor clínico neste caso.

Questão 916164

Hospital Risoleta Tolentino Neves - RN (HRTN/RN) 2017

Cargo: Médico Plantonista - Área Obstetrícia / Questão 30

Banca:

Nível: Superior

No Brasil e no mundo, a violência contra mulheres se constitui em sério problema de saúde pública e uma das principais causas de morbidade e mortalidade feminina. A atenção às mulheres em situação de violência sexual deve assegurar medidas de prevenção, emergência, acompanhamento, reabilitação, tratamento de eventuais agravos. Envolve abordagem de impactos resultantes da violência sobre a saúde física e psicológica, além do abortamento legal se for solicitado pela mulher ou adolescente, de acordo com a legislação vigente.

Em caso de gravidez resultante de estupro e quanto ao papel do médico, assinale a afirmativa CORRETA.

  • A. Ao abordar as adolescentes, deve-se fazê-lo na presença de seus pais ou responsáveis legais, segundo Estatuto da Criança e do Adolescente.
  • B. Em relação à sua própria conduta, o médico que se sentir em dificuldade para abordar o tema deve solicitar a presença de um assistente social durante a consulta.
  • C. O aborto praticado por médico é legal quando é necessário, ou seja, se não há outro meio de salvar a gestante, como em caso de gestação de anencéfalos, ou em caso de gravidez resultante de estupro.
  • D. Para evitar a revitimização e a perda do vínculo com a mulher, é indispensável que o profissional de saúde encaminhe a mulher para delegacia especializada da mulher e solicite um exame de corpo de delito, a seguir de um estupro.