Medicina Especialidade Pediatria

Um escolar com sete anos de idade, acompanhado pela mãe, procurou um serviço pediátrico, queixando-se de sentir, há dois dias, dores abdominais associadas a vômitos sem causa aparente e hálito com cheiro de fruta. Por um mês sua mãe vinha percebendo aumento excessivo da ingesta alimentar e de líquidos, aumento do número de vezes que urinava, perda de peso significativa e falta de interesse em realizar tarefas e brincadeiras como fazia antes. O exame físico mostrou sinais de desidratação grave, obnubilação, hiperventilação, taquicardia, pulso filiforme e hipotensão arterial, sem alterações à asculta respiratória e outras alterações significativas no restante do exame. O médico assistente solicitou alguns exames, cujos resultados se seguem: hemograma completo: discreta leucocitose, glicemia de 750 mg/dL; calcemia 8,2 mg/dL; magnesemia 2,1 mg/dL; sódio sérico 135 mEq/L; potássio sérico 4,0 mEq/L; cetonemia ++; gasometria arterial: pH 7,25, PO 2 70 mm Hg, PCO 2 25 mm Hg, HCO 3 15 mEq/L; uréia 20 mg/dL; creatinina 0,8 mg/dL; glicosúria +++ no exame sumário de urina.

 Com relação a essa situação hipotética, julgue os itens seguintes.

Concomitante à terapêutica inicial da reposição volumétrica, deve-se iniciar a reposição de insulina com infusão contínua de insulina regular 0,1 U/kg/h ou emergencialmente 0,1 U/kg/h a 0,2 U/kg/h via intramuscular do mesmo tipo de insulina, até que a glicemia caia abaixo de 150 mg/dL, quando se deve reduzir a dosagem à metade, até que atinja 120 mg/dL, e passar à via subcutânea 0,1 U/kg a 0,2 U/kg/dose a cada 3 ou 4 horas, até que o quadro da criança se estabilize.

  • C. Certo
  • E. Errado