Medicina Especialidade Psiquiatria

Com relação ao tratamento psicofarmacológico na gravidez e puerpério, é correto afirmar:

  • A.

    O uso de qualquer medicação psicotrópica deve ser suspensa sempre que o diagnóstico de gravidez for realizado, independentemente da indicação clínica que a gestante apresentar, uma vez que os riscos ao feto não são completamente conhecidos.

  • B.

    Na depressão materna o uso de tratamento farmacológico está claramente indicado, devendo o clínico selecionar medicamentos com o perfil reprodutivo mais seguro, sendo a fluoxetina e o citalopram os que acumulam dados de segurança reprodutiva e podem ser considerados medicação de primeira linha.

  • C.

    A exposição fetal ao divalproato de sódio aumentam a incidência de mal formações cardíacas, como a anomalia de Ebstein.

  • D.

    O uso de antiepilépticos na gravidez, principalmente no primeiro trimestre, podem levar ao retardo do crescimento intrauterino e microcefalia.

  • E. Os antipsicóticos típicos ou de primeira geração como o haloperidol não podem ser utilizados na gravidez pelo risco de interferência no desenvolvimento do sistema dopaminérgico fetal, dada a sua alta afinidade no bloqueio D2. Já os de segunda geração ou atípicos, como a olanzapina e quetiapina, poderão ser utilizados pois o bloqueio dopaminérgico é significantemente menor e portando sua teratogenicidade também.