O secretário executivo evoluiu de uma execução tática para uma gestão estratégica tornando-se o “elo” entre a alta administração e o restante da organização, interagindo dinamicamente com os mais variados setores e níveis hierárquicos, constituindo-se um facilitador entre as áreas. A forma estratégica e empreendedora de assessoramento é ousada, ampliando a atuação com ideias que tragam diferencial à prática, promovendo e mantendo o trabalho em equipe, conduzindo pessoas e grupos ao alcance dos objetivos. Esse modelo de assessoria executiva focado em gestão exige, dentre outras habilidades, que o secretário executivo:

I. Entenda o processo organizacional e a interação entre as áreas, gerenciando informações e as novas tecnologias, colocando-as a serviço da pró-atividade, criatividade e inovação.

II. Conheça o cenário de constantes mudanças no âmbito cultural, social, econômico e profissional, oferecendo alternativas e possibilidades para que os eventuais impactos sejam revertidos em ações positivas e eficazes.

III. Seja capaz de gerenciar conflitos, atuando com Inteligência Emocional, Domínio Próprio e Empatia, no trato com seus subordinados e líderes, promovendo o bem comum a todos.

IV. Busque resultados e perceba as necessidades da sua organização, analisando e determinando as atividades futuras, antecipando-se a objetivos e ações a fim de alcançá-los da melhor maneira possível.

Quantas dessas habilidades descritas estão corretamente aplicada?
  • A. Apenas as duas primeiras.
  • B. Apenas as duas últimas.
  • C. Todas, sem exceção.
  • D. Todas, exceto a última.
  • E. Apenas a primeira e a última.